dcpv – paris – frança – neuvième jour – reencontrar o marais não tem preço. ainda mais junto com o pato 1109555

04/04/2102

Neuvième jour -Paris – França – Reencontrar o Marais não tem preço. Ainda mais junto com o pato 1109555.

Dia de rereencontrar o Marais.

Acordamos cedo e fomos cumprir a nossa missão de tomar café da manhã em lugares diferentes.

Hoje foi no Café de la Paix.

É um lugar velhíssimo e muito charmoso, com aura de classudo.

Pedimos petit déjeuner simples e aproveitamos a paisagem.

Partimos pro tour propriamente dito, caminhando em direção ao Marais.

Descemos a Avenue de l’Opéra

… e entramos na Rue des Petits-Champs.

Flanando deste jeito você consegue ver coisas que pacote nenhum consegue te dar.

Por exemplo, entramos no Palais Royal pela Galerie de Montpensier.

É como voltar no tempo e se sentir há duzentos anos.

Sem contar a estupenda visão da promenade do Palais.

E a galeria Vivienne, então?

Uma beleza desta incrustrada numa passagem da Petits-Champs.

Continuamos e cruzamos a Place des Victoires onde ela se transforma em rue Etienne Marcel. Passamos pela rua gastronômica de Montorgueil …

… e subimos até a rue de Bretagne a fim de conhecer o  Le Marché des Enfants Rouges.

Este mercado é muito diferente.

Não espere encontrar lá grandes bancas de frutas/verduras/peixes/afins.

Existem algumas…

..mas o forte deste lugar é a diversidade da sua gastronomia.

Lá tem muita comida étnica com bastante especiaria.

Resolvemos tomar um champanhe e comer queijos e presunto pata-negra só pra sentir um pouco mais o lugar.

E, pra variar, o resultado foi muito bom.

Continuamos a nossa missão.

Pra isso, descemos a  rue Vieille du Temple e finalmente chegamos ao centro do Marais.

Entramos em várias lojas bacanas:…

… a Bookbinders Design (onde compramos ótimos artigos de papelaria), …

Muji (uma excelente loja japonesa de porcariadas), …

Dom  (mais uma excelente do setor tranqueiras chics) …

… e Alain Mikli (a Dé quebrou os óculos dela e precisou consertar).

Também aproveitamos pra comer alguma coisa no Le Loir dans la Théière, …

… nosso velho conhecido e vizinho do apê que alugamos em 2010 (na esquina da Pavée com a de Rosiers).

Fomos frugais e pedimos comidas ligeiras.

As mulheres foram de quiche: a Lourdes de beringela

… e a Dé, de cebola com queijo de cabra.

Nós, eu e o Eymard, pedimos omeletes de ervas frescas.

Tudo muito bom e bem harmonizado com um vinho branco ligeiro e frutado.

Pagamos a conta e voltamos ao Mikli. Os óculos da Dé já estavam e compramos algumas armações/óculos de sol, além de cobiçar as nossas baguetes preferidas.

A nossa saga ainda não tinha chegado ao fim.

Demos uma passada na Place des Vosges, certamente a praça mais charmosa de Paris (veja se não?).

Ainda mais com  árvores verdejantes …

… e este montão de gente aproveitando-a.

O tour estava quase terminando, mas faltava alguma coisa muito importante e que certa e obrigatoriamente deve encerrar um passeio por este aprazível bairro: …

… uma visita a Lenôtre.

Porque ir até lá e não comer ao menos uma Millefeuille é quase uma heresia.

Pedimos as nossas quatro, comemos ali na frente mesmo e em pé (que delícia!), …

…e voltamos a loja pra pedir mais pra viagem.

Decidimos voltar de taxi, mas desviamos pro Les Deux Magots pro que, inicialmente seria um café.

Conversa vai, conversa vem e eis que mais um champagne, um Pommery, cruza o nosso caminho.

O jeito foi tomá-lo, …

… ficar como os franceses (olhando o movimento) e voltar pro hotel, já que o pato numerado nos esperava, …

… além da mudança do nosso quarto que, certamente, melhoraria os nossos 2 últimos dias na cidade-luz.

E lá pelas 21:00 hs, rumamos pro La Tour d’Argent (frize-se o bom humor dos taxistas parisienses).
Chegamos lá, subimos até o salão e fomos alojados na nossa excelente mesa com vista direta pro Sena e pra Notre Dame.

Melhor, devido ao entardecer tardio, teríamos esta visão tanto da luz do dia, como do anoitecer.

Iríamos comer os 1109555, 1109556 e o 0000001. Esta eu explico depois.

O ambiente é o mais tradicional possível.

E requintado também. Inclusive, todos os homens são obrigados a usar paletó.

A aventura começa no pedido.

A carta de vinhos parece uma daqueles livros antigos de bibliotecas. Se você for ler tudo aquilo …

Sorte nossa que o sommelier interrompeu o divertimento do Eymard e sugeriu um vinho pra harmonizar com o caneton. Era um tinto Corton Louis Jadot 1979, que veio de acordo com a sua idade, ou seja, todo maltrapilho e mofado.

Ele foi aberto e quanto mais desconfiávamos da qualidade dele, mais ele se exibia. É um grande vinho, do alto dos seus 33 anos.

Olhamos muito bem tudo em volta. O salão estava lotado. De pessoas e de tradições.

Tínhamos ainda que fechar a equação do que pedir. Até um amuse nos foi oferecido.

A Dé resolveu o seu problema ao escolher peixe (ela não pediria pato de jeito nenhum). É claro que nós três escolheríamos pato. O problema seria qual?
Após uma breve confabulação, optamos pelo tradicional.

E aí o 1109555 chegou. Era um Caneton a la Tour D’Argent com pommes sautée.

Inicialmente ele é mostrado inteiro. Logo após, é cortado e juntado ao molho que é feito com a sua própria carcaça e seu sangue, já que ele é espremido com uma prensa.

Ah! Este número é o do certificado que eles te entregam ao final da refeição. É único e significa que mais de 1,1milhão de patos foram consumidos desde a inauguração do restaurante.

E como este pato serve duas pessoas, a Lourdes escolheu o meio pato a roti. Também veio numerado (ele é o 1109556).

Já a Dé fez cara de coitadinha ao comer o seu Lote com molho de crayfish. Não que o peixe estivesse ruim, mas ela também queria um certificado! rs
Quanto aos patos, estavam todos excelentes e harmonizando perfeitamente com o vinho.

Já o nosso, num primeito estágio, foi servido em forma de magret bem rosado (entenda-se sanguinolento e suculento).

Num segundo, uma coxinha bem crocante com uma salada e um molho de mostarda.

Excelentes.

Só nos restou pagar “la dolorossa”, ir embora, admirando todo o entorno do restaurante.

E no caminho de volta pra superfície (literalmente) ainda vimos quase que um museu contando a história deste ícone da gastronomia.

Os famosos que degustaram a iguaria (calma que a nossa foto ainda não está lá!), …

… a prensa oiriginal que representa o formato como o pato é feito …

… e as suas tradições.

É uma experiência e tanto.

Finalmente, o maitre se apiedou da Dé e descolou um certificado pro peixe dela. Tudo bem que foi rasurado e escrito a caneta, mas é o raríssimo Lotte número 0000001! :)

Au revoir.

Leia sobre os outros dias desta viagem:
Premier journée – Borgonha – França – Visitamos o hospício de Beaune.
Borgonha – França – Deuxième jour – Pisando no solo do Romanée-Conti.
Troisième jour – Beaune – França – Cozinhando na Borgonha
Quatrième jour – Borgonha – França – Duvido que você conheça (ou tenha ouvido falar) de Quarré-les-Tombes?
Cinquième jour – Borgonha – França – Com minha besta, abati a Abadia de Fontenay
Sixième jour- Borgonha – França – Chablis, conexão pra Paris.
Paris – França – Septième Jour – Flanando pela cidade luz (especialmente por Saint Germain)
Huitième jour – Paris – França – Dois concertos na cidade: o da filarmônica de Berlim e o do Robuchon.
Adendo do Huitième Jour – Paris – França – O oceano na place de Ternes (by Dodô)

.

5 Responses to “dcpv – paris – frança – neuvième jour – reencontrar o marais não tem preço. ainda mais junto com o pato 1109555”


  1. 1 Sueli OVB julho 19, 2012 às 10:36 am

    Uau! Que bela jornada! Impecável. Só não sei como vocês aguentam beber tanto. Faltou só um champagne no café da manhã.
    Esse roteiro está uma beleza. Pura tradição e grandes tentações.
    E o que são essas millefeuilles! De chorar…
    Belas fotos da Dé, como sempre.
    Beijos

  2. 2 eymard julho 19, 2012 às 1:45 pm

    Sueli, champagne nacional! Levíssima. Fizemos praticamente todo o tour a pé e…claro…impossível resistir `as coupes de champagne..rs

  3. 3 Beth julho 19, 2012 às 7:15 pm

    Ollá amigos
    Mais um dia delicioso passeando por Paris.
    So estranhei o fato de vcs não darem uma paradinha no Grand Véfour, na Galeria do Palais Royal, antes de partir na direção da Vivienne,…
    Tomaram uma coupe lá no Legrand???
    Risos e bjs.

  4. 4 Marcia Lube julho 20, 2012 às 3:43 pm

    Que dia, que viagem !
    Muitas coupes de champagne para vocês !

  5. 5 Madá julho 26, 2012 às 12:35 am

    Que dia maravilhoso! Essa experiencia da torre foi o máximo! O que foi esse vinho de 33 anos !!!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 430 outros seguidores

Blog Stats

  • 1,063,431 hits
julho 2012
S T Q Q S S D
« jun   ago »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Atualizações Twitter


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 430 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: