Posts Tagged 'foro romano'

dcpv – giorno cinque – roma – itália – mamma mia na terra dela mesma.

12/11/2011

Giorno Cinque – Roma – Itália - Mamma Mia na terra dela mesma.

Parece brincadeira e coincidência, mas no mesmo no dia da renúncia do signore Berlusconi, o bungabunga, o sol continuou a brilhar.

Aproveitamos pra dormir um pouquinho mais (se anda muuuuito em Roma) e como iríamos ao teatro a tarde (e não era o de Marcello), subimos a pé pela Via del Corso (que se chama assim justamente por causa dos desfiles de carnaval que eram feitos nela) e entramos no Foro Romano.

Como o ingresso pro Coliseu (aquela beleza) vale também pro Forum e por dois dias, aproveitamos pra entrar e passear por uma autêntica aula de História.

Antes passamos pela Máquina de Escrever e pelo Capitolino, até seguirmos totalmente o passeio 3 do guia Roma – Roteiros pra você explorar a pé, intitulado o “Berço de Rômulo e Remo“.

Como escrito lá, “o antigo Forum era o centro político, econômico e religioso do Império Romano. Foi aqui dos seus púlpitos que figuras históricas como César falaram às massas, discutiram nos tribunais e moldaram o destino da Europa moderna“.

E não é que é exatamente isso?

Você anda pela Via Sacra e realmente se sente pisando no mesmo caminho dos imperadores triunfantes quando voltavam da guerra (é claro que violências à parte).

E vê a sigla SPQR (Senatus Populesque Romanus) e o antigo selo da República Romana em toda a parte.

Passa pelos famosos arcos de Settimio Severo e di Tito, …

… além de ver um tributo a Nero com direito a arvore genealógica (é, ele tinha mãe!) …

… a Casa das Virgens Vestais

… e fique pensando o tempo todo em “como foi que estes caras fizeram isto tudo naquela época?”.

Vê até rúculas selváticas floridas no meio de toda esta História. Será que o Nero gostava de rúcula? rs

Passamos também pelo Palatino, que tem uma vista linda da cidade, …

… circundamos o Coliseu …

… com a possibilidade de ver ângulos …

… diferentes …

… desta beldade …

… e cruzamos a Domus Aurea pra chegar ao teatro. Pra quem não sabe, a Domus Aurea é a mansão que o doido do Nero construiu do lado do Coliseu e num terreno onde ele optou por botar fogo pra fazer todo mundo sair de lá.

Pra ver a maluquice dele, basta ler este parágrafo do Guia: “o imperador Nero sucedeu a seu padrasto Cláudio aos 16 anos de idade, depois que a sua mãe, Agripina, envenenou o marido pra colocar o filho no poder. Mas ele foi mais do que ingrato e mandou matar a mãe com uma surra. Depois assassinou a esposa, encontrada com os membros amarrados e as veias cortadas dentro duma banheira. Ele se casou com a amante, mas matou-a a pontapés quando estava grávida”.

Ou seja, todos os romanos seriam suspeitos se ele tivesse sido morto, ao invés da suposto suicídio.

Finalmente chegamos ao Teatro Brancaccio. E pra ver a versão italiana do musical Mamma Mia!
Trocamos os ingressos reservados pela Internet e fomos almoçar numa trattoria próxima dali, a Monti.

Como não tínhamos reservado e não existiam mesas disponíveis, recebemos um “não” quando perguntamos se tinham algum lugar vago. Estávamos quase na rua quando o garçom veio nos avisar que uma senhora que estava sentada sozinha numa mesa pra quatro, dispôs de dois lugares.

Ela era da Estônia e pudemos conversar bastante. Disse que ficou com pena da gente, já que a comida da Monti é insuperável. E é mesmo!

Estávamos com pressa e a Dé pediu como entrada uma porção de fritos (flor de abobrinha, azeitonas e uma massa de milho) …

… e eu, um carpaccio de bacalhau.

Tomamos uma jarra de 1/2 litro dum Verdicchio e como principais, pedimos Fetuccine alla Bolonhesa pra Dé e …

… um tremendo espaguetti pra mim, que originalmente seria  com anchovas, mas que segundo o atendente, excepcionalmente seria com pulpitos. Bingo!

E a a estoniana estava certo. Tudo esteve absolutamente perfeito.
Saímos correndo pra entrar no teatro e tudo bem que não pudemos tirar fotos, mas foi muito legal.
A adaptação de tudo, a platéia totalmente lotada, a passionalidade italiana. Enfim, assistir a Mamma Mia! com os diálogos e as músicas em italiano, foi puro divertimento.
Aconselho firmemente assistir a algum espetáculo pra sentir o verdadeiro clima do lugar.
Voltamos ao hotel a tempo de nos preparamos pro jantar. E num restaurante próximo da Piazza Navona. Era na Osteria dell’Antiquario.

Como o próprio nome induz, é um lugar antigo, o que não seria nenhuma novidade em se tratando de Roma.

E especialmente, e você verá, tudo é old fashion.

Iniciamos com duas taças de Prosecco e um menu bem eclético pra fazermos as escolhas.

A Dé, que está fazendo uma pós em Caprese, escolheu uma quente temperada com azeite e manjericão.

Eu fui de camarões com caponata e raspas de limão siciliano.

Tudo fresco e muito bem feito. Tomamos uma meia garrafa dum bianchetto e pedimos os principais (é, Mamma Mia! dá fome!): a Dé optou por um Agnolotti à Matriciana e …

.. eu, por um Fetuccine ao ragu de lagosta, com a carcaça da própria adornando o prato.

Excelentes e com uma apresentação mais do que antigona.

O que resultou numa comida reparadora, de memória e muito saborosa.

Passamos direto pelas sobremesas, e devido a quantidade de comida digerida, resolvemos voltar a pé pro hotel.

Estava bastante frio, mas mesmo assim foi bacana passar pela Piazza Navona …

… e pelo Pantheon iluminados pela luz da lua …

… até ultrapassarmos a multidão de pessoas que ainda se aninhavam na região da Piazza da Spagna e …

… que se confraternizavam pelo término da era ítalo-bungabunganiana.

Arrivederci.

Acompanhe os outros dias desta viagem:
Giorno uno – Roma – Mucho gusto. Molto ‘Gusto.
Giorno due –Roma – A primeira (e a segunda, e a terceira, e a enésima) vez na Pizzerie Bafetto a gente nunca esquece.
Giorno Tre – Roma – Itália – Aquarela do Brasile nos jardins do Vaticano.
Giorno Cuatro – Roma – Itália – A biga moderna.

.

dcpv – giorno cuatro – roma – itália – a biga moderna

11/11/2011

Giorno Cuatro – Roma – Itália – A biga moderna.

Incrível; mais um dia de sol em pleno outono romano.

Os próprios italianos estão surpresos com tanto calor pra esta época do ano.

E seria um dia totalmente dedicado à Roma antiga.

Pela manhã, um passeio pelo nosso queridinho Coliseu.

Tudo bem que o Pantheon é mais bem conservado. Mas, eu não sei exatamente o que o Coliseu tem pra nos deixar tão atraídos por ele?

Chegamos cedo e com o ingresso comprado pela internet (faça por que vale a pena furar aquela fila toda).

O resto é o de sempre.

Aquela opulência …

… aquela onipresença, …

… aquela história, …

… enfim, tudo te deixa curioso o suficiente pra pesquisar e verificar como era realmente a utilização daquele monumento pro que ele foi projetado.

Vimos até uma interação entre as pessoas da nossa época, dita turistas, com os temíveis gladiadores fumantes! :)

Todos sabemos que ele, o Colosseum, serviu pruma série de coisas não muito sérias, inclusive, pra tal politica do Pão&Circo, mas que impressiona; ah, impressiona.

Além dele ser extremamente fotogênico.

Tentamos entrar no Fórum Romano, mas adiamos pra amanhã (o ingresso do Coliseu vale pro Fórum e pro Palatino também e por dois dias), pois tinhamos que almoçar antes do nosso tour da tarde.

No caminho, verificamos a expansão do Império Romano …

… e passamos pelo pai dos supermercados (o do Trajano), …

Resolvemos subir até a Piazza Venezia e o monumento a Vittorio Emanuele (a famosa máquina de escrever, segundo os italianos).

E ali perto, escolhemos mais uma enoteca, desta vez a Corsi.

Mais um lugar italianíssimo com poucos turistas e muitos locais.

Simples, como a maioria delas, mas com comida de qualidade.

Pedimos uma lasagna de alcachofra pra Dé e …

bacalhau com batatas e tomates pra mim, …

… além duma jarra de vinho branco da casa (de Lazio) e curtimos a vista da rua já que estávamos praticamente nela.

Deu vontade de comer um pouco de açúcar. Optamos por uma fatia da torta da Nonna, uma massa saborosa com um creme maravilhoso e um gosto acentuado de limão.

E, no horário, fomos andar nas tais bigas. São bem modernas.

Na verdade, são Segway. Contratamos um passeio na Rome by Segway Tours com um guia que comentaria tudo em inglês, mas que por sermos somente eu e a Dé, optamos por comentários em italiano mesmo.

Fizemos a tal adaptação de 10 minutos (já tínhamos experiência do tour em Madri) e partimos pra seguir o roteiro pré-determinado.

Que por sinal, seria descer pela Via del Foro Imperiale e chegar ao Coliseu (olha ele aí de novo).

Como já tínhamos feito a visita interna pela manhã, a complementação das informações foi primordial.

Ficamos sabendo dum montão de coisas que o guia Ferdinando nos informou. Inclusive que, já naquela época as super-produções existiam a ponto de todos os espetáculos terem uma direção perfeita; leões entravam na arena na hora correta e até cenários selvagens eram montados lá dentro. It’s showtime!

Depois disso, passamos pelo Arco de Constantino

… e num bonus do guia, subimos toda a colina do Aventino onde além de termos a oportunidade de apreciar uma das mais belas vistas de toda a cidade, …

… ainda nos foi mostrado um segredo bem guardado.

Na embaixada de Malta existe um buraco no portão, o famoso olho mágico. Quando você olha através dele …

… tem um grande surpresa ao ver um jardim com um carramanchão perfeito em que centralizada, se vislumbra ao fundo, a cúpula da Basilica de São Pedro. Lindo! (Eu juro que ela está lá no fim da foto! rs)

Voltamos pro roteiro original, passando pelo Circo Máximo (o autódromo de fórmula 1 das bigas), …

… pelo Capitolino e seus Musei Capitolini, …

… e pela imagem símbolo da cidade, a Loba amamentando os gêmeos Rômulo e Remo; …

…subimos ao monte pra ter uma visão perfeita de todo o Forum Romano,…

… com tudo o que se pode imaginar.

3 horas depois, voltamos ao ponto inicial, satisfeitos com tudo o que nos foi passado.

Achamos o tour extraordinário. Ele é obrigatório pra quem está em Roma e quer entender a ascenção e queda dum grande Império.

Voltamos ao hotel e tínhamos resolvido trocar o restaurante reservado (escolhi o hyppado Dal Bolognese), quando pedi pra concierge cancelar a da outra enoteca que iríamos.

Ela não só me demoveu da idéia (o Dal Bolognese é overpriced, disse ela) como nos intimou a ir a Cavour 313.

E foi a nossa sorte.

O lugar é muito bom e pra variar, só trabalha com ótimos ingredientes.

Resultado? Comemos salumi e fromaggi com uma qualidade imensa.

Mussarela de búfala, lardo (uma das coisas mais gordurosas que experimentei na vida), salames, vários tipos de queijo …

…com destaque pra mussarela defumada e …

… pro excelente vinho branco Malvasia Rumon de Lazio. Foi uma verdadeira festa italiana.

Que como tal teria que acabar com uma ótima sobremesa: um tiramisu de lavanda com uma cobertura de chocolate branco. Um “spetaccolo”.

Pronto! Tivemos mais um dia romano típico.

E deu pra imaginar como é que seriam as corridas no Circo Máximo se os gladiadores usassem Segways em vez de bigas.

Será que o Da Vinci já não tinho antevisto a criação destes bichinhos?

Arrivederci.

Acompanhe os outros dias desta viagem:
Giorno uno – Roma – Mucho gusto. Molto ‘Gusto.
Giorno due –Roma – A primeira (e a segunda, e a terceira, e a enésima) vez na Pizzerie Bafetto a gente nunca esquece.
Giorno Tre – Roma – Itália – Aquarela do Brasile nos jardins do Vaticano.

 


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 444 outros seguidores

Blog Stats

  • 1,083,004 hits
setembro 2014
S T Q Q S S D
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Atualizações Twitter


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 444 outros seguidores