Arquivo para 15 de setembro de 2008

dcpv – da cachaça pro vinho – 9° interblogs – sopa vermelha no dcpv

número 190
10/09/08

dcpv – 9º interblogs – Sopa Vermelha no dcpv

Denominação oficial – República da Tunísia
Capital – Tunis
Chefe de Estado – Zine El Abidine Ben Ali
Litoral – 1300 km
População – 9.300.000 habitantes
Clima – mediterrâneo (médias de 12°C no inverno e 29ºC no verão)
Moeda – dinar tunisiano ( ~0,75 euros)
Língua – oficial, o árabe. Mas o francês é falado por quase toda a gente!
Cidadãos ilustres – Fabrícia e Mohamed

Ôpa, aula de geografia? Não, é o nosso 9°interblogs (Quer saber ?) e consequente 9º capítulo do nosso futuro livro que por sinal foi uma ideia da Fabrícia do excelente blog tunísio/canadense/brasileiro Sopa Vermelha .
Sim, além de sugerir fazermos o livro (e que se tudo der certo, virará realidade após a realização do 25° Inter Blogs ), a Fabrícia e o Mohamed (que é o seu maridoco) indicaram pra gente um legítimo menu tunisiano.


A Fabrícia, o Mohamed e o histórico

Vou contar a história desde o princípio (a do Inter Blogs, não a da Tunísia ) porque vale à pena: até briefing canadense nós fizemos!
Tudo começou quando, logo após a realização do 4º Inter Blogs com a Fer do Chucrute com Salsicha , a Fabrícia comentou:
Parabéns. Ficou tudo perfeito. Quem sabe, não teremos em breve a Tunísia ou a província de Quebec… ahahah!”

Comentário que foi prontamente respondido por mim:
Fabrícia, a iniciativa só é boa quando tem blogueiros legais do outro lado. Está marcado, em novembro teremos a comida Tunisiana do Sopa Vermelha!”

A partir daí, trocamos vários e-mails. Leiam alguns trechos dos mesmos:
A sobremesa ainda é um mistério. Tenho uma em mente… talvez seja perfeita… bem tradicional.
Especificamente, não conheço quase nada da comida tunisiana mas já imagino os temperos, as especiarias, talvez o couscous!”.
Um dos vinhos que gostaríamos de sugerir, pra acompanhar o prato principal, seria o Chateau Mornag“.

Pronto, estava montado o esqueleto de toda a noite. E aproveitando a nossa viagem pro Canadá, marcamos de nos encontrar no Marché Jean Talon em Montreal, cidade onde eles moram. Além da conversa super agradável e do lugar ser espetacular, a Fabrícia e o Mohamed nos trouxeram uma “cesta básica tunisiana” de primeira contendo vinho, couscous (que na verdade não era!), temperos, incenso, chá verde, copos,semolina além de um histórico completo com tradições, receitas e tudo o mais pra tornar a nossa noite inesquecível.
Caramba, a responsabilidade aumentou bastante, mas ao mesmo tempo, tive a certeza que o evento seria muito bom, pois foi a primeira vez que antes de fazermos o interblogs, tivemos um contato pessoal com os mentores. E criamos tanta afinidade que combinamos recebê-los por aqui no final do ano, onde o chef Mohamed terá a oportunidade de mostrar os seus dotes culinários numa versão ao vivo dos interblogs. Estamos aguardando.

Portanto, vamos à mística Soirée Tunisiana:

MENU TUNISIEN

Pra vocês que já estão acostumados e esperando por tal, criei uma caipiroska tunisiana formada por laranja pera, Absolut Vanilia, açucar e água de rosas.
O Mingão fez no maior capricho e putz, ficou muito boa mesmo!

Começamos, seguindo  o ritual ao pé da letra e ouvindo a agitada e contagiante música tunisiana que eles nos mandaram.
Logo em seguida, todos os convidados (o Mingão, o Déo, eu e a Dé) tiveram as boas vindas no formato tunisiano, ou seja,  cada um colocou um pouco de água de rosas nas mãos, esfregou e passou no seu rosto além de beber um pouco de água bem gelada temperada com água de rosas. Ficamos cheirosos por fora e por dentro!

Continuando, comemos amêndoas confeitadas, pois elas segundo a tradição, trazem sorte aos donos da casa. Ôba!

Ainda aproveitei pra servir tâmaras recheadas com manteiga e cobertas com açúcar (olha o açúcar colorido de novo !) já que no Ramadã (e estamos nele), os tunisianos quebram o jejum com um copo de leite e as próprias. Eu ainda dei uma “inventadinha” e recheei algumas com Io Io Crem. Olha, é tão simples mas tão gostoso e reconfortante que o único conselho que eu posso dar pra vocês é que as façam.
Não vão se arrepender!

Entrées 

Antes de mais nada, a Fabrícia me autorizou a dizer que quem estiver interessado na versão integral das receitas, é só mandar um e-mail pra ela.
Primeiramente, fiz o Kobz F’tir, um pão bérbere à base de semolina de trigo. Quer dizer, eu não fiz nada neste pão, só comi! A Dé fez a massa que consistiu de semolina, sal, água morna e azeite.

O  Déo abriu com a espessura perfeita.

O Mingão dobrou em 3 e fritou numa frigideira untada com azeite. Um espetáculo e além de delicioso, o pão serve de talher nas refeições tunisianas, pois ao comer com as mãos, na verdade ,o pão é o meio pra levar a comida do prato à boca! E a equipe dcpv brilhou!

Pra comer com o Kboz F’tir, fiz a Omek Houreya, um purê de cenouras, harissa, cominho, tabel karouia, azeite (muito azeite), sal e pimenta do reino .

 

E a salada Méchouia, que é formada por legumes (pimentões verdes, tomates maduros, cebolas inteiras, dentes de alho assados e triturados (mas não muito) e temperados com cominho, harissa, azeite (muuito azeite), pimenta do reino e sal.

 

Ambas devem são servidas como cervejas bem geladinhas. E aqui cabe uma explicação já que ela, a harissa, vai participar constantemente deste jantar. Ela, a harissa, é um purê de pimentas vermelhas secas ao sol junto com uma mistura de especiarias. E os temperos que eu usei foram preparados pela sogra da Fabrícia (a mãe do Mohamed). Um luxo e muito gostosos ( os temperos, é claro !).
Segundo os próprios tunisianos, a harissa dá “força pra trabalhar” e “abre o apetite mesmo quando faz calor”.
Compondo o prato, azeitonas temperadas com harissa e azeite ( muito …)

 

Esta entrada foi eleita unanimemente, a melhor que comemos até hoje! E olha que não foi somente o Mingão que falou!

Procurei dar uma harmonizada com um espumante rosé Pinot Noir Codorniu Espanha que foi “refrescante e delicado, trilha vinífera, oasístico, arabesco” segundo os bárbaros bérberes, nós mesmos! (Olha o Zeca Baleiro de novo aí!).

Como a Fabrícia escreveu, o “incontornável” Brick é uma referência na comida tunisiana.

E o Brick é um pastelzinho de massa phyllo recheado com purê de batatas e atum temperado com alcaparras, azeitonas, coentro e cebolas picados, sal, pimenta e azeite.

Depois é só colocar no forno (ou fritar, depende do tunisiano!) e comer. Este também fez parte da entrada genial e é pra fazer em casa! E continuamos tomando o espumante.

Couscous a la Tunisienne

Eu adoro couscous e faço constantemente. Mas, confesso que este modo de fazer o deixa muito mais gostoso e temperado além do sabor ser muito mais intenso.


 Este é o caldo (o perfume) depois de coado.

Pra chegar neste resultado, o processo é bem mais demorado que o usual já que o caldo que hidratará o couscous será proveniente do cozimento do cordeiro que terá uma base de alho, salsão, alho poró, cebolinha, harissa em pó (o felfel), coentro em pó e endro. E de vários legumes (pimentão verde, abóbora moranga, repolho verde (usei o roxo), cebolas, cenouras, batatas) além de extrato de tomate, grão de bico e água quente.

 

Separados a carne e os legumes, a hidratação se dará na proporção 1/1 = um copo de caldo para cada copo de couscous.

E aí está a grande diferença: o sabor deste caldo temperado é transferido diretamente pro couscous. E sem mentira nenhuma, este caldo poderia ser vendido como perfume tamanha a concentração de odores e sabores.  Quem sabe o nome Soirée Tunisien não ajudaria a alavancar as vendas? Sublime!

Tomamos um belíssimo vinho tinto Chateau Mornag 2002 Tunísia (sim , o mesmo dos e-mails iniciais e que a Fabrícia e o Mohamed nos enviaram na cesta básica) que disse em bom e belo francês: Je suis – “incensado, narguilado, tamaresco, tunisiano“.  Bon c’esta ça!

Dessert

Yoyo

Este docinho é tão gostoso que o nome justifica: você come tanto deles que parece que se está brincando com um ioiô, tamanha a quantidade de vezes que ele vai do prato pra boca.

São bolinhos feitos de ovos, óleo, suco e raspas de laranja, açúcar de baunilha, farinha de trigo, fermento em pó e frito em óleo . Depois é só mergulhá-los numa calda de açúcar, limão, água e água de flor de laranjeira.

Seguindo o cerimonial, tomamos um chá vert  com bastante espuma, pois esta é proporcional a distância que o bule tem da xícara quando o chá é servido. Para os tunisianos, este chá é uma tradição milenar. Eles o tomam até mesmo quando a temperatura está acima dos 40°C . Pra dar um pouco mais de sabor, coloca-se pinoli ou amendoim dentro do copo e algumas folhas de hortelã.
Olha, foi uma grande experiência cultural e já que a demonstração de alegria e felicidade, é chamada de you you, a Dé aproveitou pra emitir um som alto e agudo, já que só as mulheres produzem este som: youuuuuuuuu, youuuuuuuuuuu….

Aproveitamos pra acender o incenso (bkhour) que normalmente tira o mau-olhado e as energias negativas além de perfumar e defumar o ambiente.

E pra não perder a ocasião, fumamos um narguillé básico com fumo de maçã, como a Fabrícia e o Mohamed indicaram,  já que nem tínhamos estreado o souvenir (e que eu achava que era um berimbau!) da nossa viagem à Dubai!

   

Que banquete! Que soirée! Parabéns Fabrícia e Mohamed!

Veja o opinião dos tunisianos, desde criancinhas :

Ferraz se transformou em Tunis. Aromas, sons, sabores e as tâmaras… Espetáculo! (Edu)
De alfa a ômega, perfeição! Uma sinopse digna das 1001 noite tunisianas. (Mingão)
Comida en’tunisia’stica! (Déo)

Chegou a hora das flores pra Fabrícia e que por serem também pro Mohamed, são ….. comestíveis já que ele é um dos nossos, ou seja é um “draga” ou melhor, um “trator de esteira”!
Sendo assim, flores pra Fabrícia e comidinha pro Mohamed :


Flores de nirá, cebolinha e capuchinha

Agradecemos especialmente pela acolhida, pela dedicação, pelo interesse e podem ter certeza, que vocês, como membros honorários do dcpv, participaram ativamente desta celebração tunisiana tantas as vezes em que foram citados nominalmente no jantar!
Ficou mais do que claro que este interblogs nos possibilitou (assim como todos os outros) aumentar em muito a nossa cultura e também ajudou a aumentar a nossa nacionalidade que agora é  angolana/lusa/pernambucana/californiana/indiana/francesa/tunisiana além de brasileira, é claro!

Au revoir!

PS – O próximo Inter Blogs será moquequístico. A extrovertida Aline (do Moqueca com Pimenta) vai nos mostrar o caminho.
E com a adesão do Prof Michel, da Amorinha, da Odete e da versão Quebecois da Fabrícia, já estamos com a programação fechada até julho de/09. Faltam 6 vagas pra participar do nosso livro! Quem se habilita?

A cozinha me transporta pra distantes doçuras. Como se, no embaciado dos seus vapores, se fabricasse não o alimento , mas o próprio tempo” – Mia Couto.

.


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se aos outros seguidores de 656

Posts recentes

Comentários

Blog Stats

  • 1.451.541 hits
setembro 2008
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Arquivos

Atualizações Twitter