Arquivo para dezembro \30\-03:00 2008

dcpv – da cachaça pro vinho – north hatley – cantons-de-l’est – canadá

lindo
jul/08

Nota – este post é um tanto quanto velhinho, mas ele estava escondidinho lá no meu arquivo. Nada melhor do que esta época do ano pra aproveitar e publicá-lo. Afinal  de contas, limpar o “guarda-roupas” é uma das tarefas que todo mundo se cobra no final do ano! Feliz Ano Novo pra todos!  

dcpv – North Hatley – Cantons-de-l’Est – Canadá

Quando eu pensei na viagem pra Costa Leste do Canadá, imaginei conhecer as cidades tradicionais: Toronto, Quebec e Montreal.
Pedi uma ajuda pra tripulação do VnV  e, apesar de alguns terem ido pra lá há muito tempo, todos deram dicas utilíssimas. A Emília , por exemplo, me disse: “Quando estiver em Quebec, vá visitar a cachoeira de MontMorency e aproveite pra colher morangos na Ile d’Orleans”. Nós fomos e é realmente espetacular”!

 

Mas, voltando ao planejamento, acabei pedindo indicações de hotéis e restaurantes legais pra quem entende de Canadá: a Alexandra Forbes do blog Boa Vida. Ela, solícita como sempre, me disse que talvez fosse legal ir conhecer o lugar onde ela mora: North Hatley.

A cidadezinha fica a uns 80 km de Montreal e tem um hotel, o Manoir Hovey que é muito bom!

Comprei a ideia (bendita a hora em que fiz isso !) e reservei o Manoir (o hotel é dos sogros dela !).
Agora, imagine como é o lugar? Um lago lindo,  o Massawippi …

…uma casa histórica que pertenceu a George Washington …

…jardins espetaculares…

… um apartamento deslumbrante …

… com uma vista sensacional…

… e comida de primeira!

Contando com esta aventura gastronômica, combinamos com a Alexandra, um jantar lá no hotel. Ela montou um menu desgustação especial pra nós (chiquérrimo!) que teve: uma entrada simples e sensacional com framboesas, tomatinhos sem pele e folha de menta. Espetáculo!

Foie gras e morilles pra todos (inclusive a Re comeu tudo de novo)!

Peixe pra Dé e pra Re (detalhe, a Re não come peixe, mas comeu “tudinho”. E achou gostoso). Olha o detalhe da “fogueirinha” de aspargos!

Veal  pra mim e pra Alexandra.

Queijos pra todos. O carrinho de queijos e a explicação do tipo de cada um formariam um livro de 25 capítulos.

Vinhos canadenses : um branco ( não tiramos fotos), um tinto, o Osoyos La Rose (por sinal, excelentes) …

… além de um belo IceWine pra acompanhar as sobremesas com direito a explicação sobre a colheita das uvas congeladas (a -7ºC)  que formam este vinho e tudo o mais!

As sobremesas foram: torta de ruibarbo (sim, consegui comer ruibarbo viu, Jamie Oliver) e …

… Chocolates às Pencas.

Tudo perfeito além da conversa que rolou fluente a noite toda. Parecia que todos ( eu, a Dé, a Re e a Ale) nos conhecíamos há muito tempo. Também conhecemos anteriormente, o Jason, o marido da Alexandra.

Olha, indico o Manoir Hovey, o lugar é relaxante, a região é muito peculiar com várias cidades pequenininhas …

… uma fazenda de lavandas perto dali (a Bleu Lavande) que é interessante e que tem uma lojinha com todo o tipo de produtos, inclusive gastronômicos (sementes de lavanda, mel com lavanda, lavanda com lavanda, etc) …

… e a visita a um Mosteiro que também é bem bacana, mas que os monges fazem uma cidra que é ruim pra chuchu.

Pra aproveitar esta cidra, só mesmo na mordomia do Manoir Hovey !

Bom, gratíssimo a Alexandra pela recepção e fica a dica pra quem quiser aproveitar uma região desconhecida por nós, mas muito bonita no Leste do Canadá!

Au revoir !

.

dcpv – da cachaça pro vinho – 11º interblogs – ho! ho! ho! natalino? marizé /tachos de ensaio

número 200
20/12/08

dcpv –11º  interblogs  – Ho! Ho! Ho! Natalino? Marizé /Tachos de Ensaio

_______________________________________________________________
Árvore de Natal – na versão mais aceita, a primeira árvore de Natal foi montada pelo padre Martinho Lutero (1483-1546) que decorou um pinheiro com velas acesas e papéis coloridos para mostrar as crianças como seria o céu na noite do nascimento de Jesus.
_______________________________________________________________

Já acabou o ano!
E nada melhor pra celebrar o nosso 200º encontro do que realizar um belo interblogs (Veja o que é ?) Natalino.

dsc04359-21 dsc04404-2

Este é o 11º e a mestra e companheira do Projeto Y, a portuguesa Marizé do blog Tachos de Ensaio participa, indicando um menu com características bem diferentes das que nós, brasileiros, estamos acostumados.

dsc04351-22 dsc04355-21 dsc04363-2

Pato, bacalhau e polvo, ingredientes principais das receitas formaram o que poderíamos chamar de um interblogs aquático (pato nada, tá certo?).
A Marizé já é da diretoria do dcpv. Fizemos um Inter Blogs em 17/02/08 . Estávamos começando a colocar em prática a ideia de fazer com que bons blogueiros indicassem menus que fossem executados por aqui e que depois gerassem vários filhotes tais como posts especiais (com as nossas críticas) e capítulos de um livro especial.

dsc04414-2

Há um tempinho, propus pra ela indicar um menu Natalino Português pra que tívessemos a oportunidade de “sentir” o clima do Natal. Ela  topou e disse que as receitas trariam a ideia dela sobre a culinária desta época do ano. Inclusive, citou algumas das tradições portuguesas num e-mail:
Na véspera, (24/12) a lareira está acesa, a mesa está posta com os doces tradicionais: rabanadas, filhós, bolo rei, papos de anjo, azevias e aí por diante depende do numero de pessoas e do orçamento das famílias ou da capacidade de confecção das matriarcas.
A família reúne-se para jantar o tradicional bacalhau cozido com couves, ou/e o polvo. Se se trata de uma família que pratica o catolicismo (para celebrar o Natal, devia ser né?), depois do jantar vai assistir-se à missa do galo, de volta para casa comem-se os doces acompanha-se com vinho do Porto. As crianças deixam o sapatinho junto da chaminé para no dia seguinte abrirem o presente deixado pelo menino Jesus. Ou então trocam-se os presentes depois da ceia.

dsc04356-2

Deu pra perceber que no fundo, no fundo, a tal da globalização está acabando com tudo aquilo que existe de contraste entre as culturas. Paciência!
Vamos à ceia  Natalina da Marizé .

_______________________________________________________________
Papai Noel ou São Nicolau – diz a lenda que Papai Noel foi inspirado em São Nicolau, um bispo que viveu na Turquia e que era muito generoso. Antes de se tornar santo ele ficou conhecido por carregar um saco com moedas de ouro que eram ofertadas na chaminé das casas. Além disso, São Nicolau também presenteava as crianças que não tinham com o que brincar.
_______________________________________________________________

Bebidinhas

Cosmopolitan – 1 dose de vodka, suco de 1 limão, 50 ml de suco de cramberry, 1 dose de licor de laranja e gelo. Misture tudo numa coqueteleira, sirva num copo sem deixar cair o gelo e utilize roupas/sapatos da Carrie Bradshaw. Você está em New York!

dsc04399-2

Blue Lagoon – 1 dose de vodka, 1 dose de curaçao blue, cubos de gelo e complete com soda limonada. Brooke Shields e você vão adorar!

dsc04395-2

_______________________________________________________________
Presente – Simboliza o que os Reis Magos fizeram ao Menino Jesus quando o presentearam com ouro, incenso e mirra.
_______________________________________________________________

Entradas

1 – Rolinhos Crocantes de Pato com Canela

Um cheiroso recheio de pato confitado (eu falei pra Marizé que iria confitar, mas me deu uma preguiça danada e comprei no sex shop), cebola, alho, maçã, azeite, canela e enrolado em folhas de massa phyllo.

dsc04425-21

E devidamente acompanhado dum molho composto de cebola, vinho tinto, vinho do Porto, geleia de framboesa, mostarda Dijon e mel. Pontas  de aspargos e cubos de maçã  salteados cosjuvaram.

dsc04407-2

Lindo, gostoso e natalino!

2 – Mil Folhas de Bacalhau

Poderíamos chamar de doce/salgado de bacalhau (daí o Mil Folhas). O esquema é o mesmo: azeite, alho, cebola, tomate seco e bacalhau formam o recheio.

dsc04415-2

A massa folhada é cortada em rodelas e assada. Aí é só montar: massa + recheio + massa + recheio.

dsc04420-2

Acrescente um pouco do molho do pato e um fio de azeite.
Eis as duas entradas juntas, mais uma saladinha de azedinhas e quirquiñas (da minha horta) e as maçãs:

dsc04425-2

Todo mundo cantou: Noite Feliz! Noite Feliz! Ó Senhor …

dsc04433-2

Mais felizes ficamos nós pois tomamos um vinho branco, o Fonte do Nico 2007 Portugal que foi “free, magnífico, sabadesco, espetacular, leve, livre e solto ” segundo os renas, nós mesmos!

_______________________________________________________________
Vestimenta do Papai Noel – antes da roupa vermelha e da barba branca, Papai Noel vestiu roupas de várias cores. Esta imagem de hoje foi criada pelo cartunista Thomas Nast, em 1876. O vermelho virou a cor oficial apenas em 1931, devido a uma campanha publicitária da Coca-Cola (tinha que ser!).
_______________________________________________________________

Principal

Polvo Assado no Forno

A Marizé caprichou neste prato! E ainda me deu a chance de perder um trauma antigo: polvo! Adoro o “octopussy”, mas não conseguia deixá-lo no ponto. Normalmente ficava uma tremenda “borracha”. Hoje, não !

dsc04373-2

Comprei polvo congelado e semi-cozido em pedaços e temperei com sal, pimenta, páprica, alho e folhas de louro. Coloquei numa forma e juntei cebola em rodelas, tomate em cubos, vinho tinto e batatinhas.

dsc04383-2

Reguei com azeite e levei ao forno (180ºC) por uns 50 minutos. Servi com brocolis salteados em azeite, alho, sal e pimenta.

dsc04441-2

Este polvo ficou digno do nosso amigo Noel! Depois da entrega dos presentes, ele certamente faria uma “boquinha”!

dsc04437-2

E beberia um pouquinho do vinho tinto, o Quinta do Carmo 2002 Alentejano, que acharia ” anti-Isaura, delicioso, airoso, stupendo, ameixoso, aquela besta do seu cumpadre“, como nós achamos!

_______________________________________________________________
Panetone –  um rapaz se disfarçou de padeiro pra ficar perto do pai da sua amada, que tinha uma padaria, mas  não concordava com o namoro. No trabalho, o rapaz criou um pão doce estranho que fez muito sucesso pelo formato e pela forma de cúpula de igreja no topo. Como o pai da moça se chamava Toni, é claro que o genro o batizou de Pane di Toni.
_______________________________________________________________

Sobremesa

Leite-Creme Merengado de Maçã.

A Dé foi a responsável por  fazer esta formosura! Maçãs verdes cortadas em quatro e carameladas com açúcar,  manteiga além de polvilhadas com canela.

dsc04344-21 dsc04348-2

Um creme formado por leite, casca de limão, gemas, açúcar, amido de milho e leite.

dsc04391-21 dsc04449-2

Montagem: ramequim + maçãs + creme + merengue (claras de ovo e açúcar) no forno até dourar. Doce, equilibrada e realçada pela belíssima apresentação (também, com esta patisseur!)

dsc04450-21

Pra arrematar, um Vin de Glace 2006 L’Orpalier Canadá que os Santa Claus, nós mesmos, achamos “lichioso, maravilichioso, lichia, lychia, lhychia, lychya”
_______________________________________________________________
Missa do Galo – é realizada no dia 24/12 à meia-noite, pois foi neste momento que um galo anunciou o nascimento do menino Jesus .
_______________________________________________________________

Marizé, excelente escolha! Tudo perfeito e fugindo (pelo menos pra nós) dos manjados perus, pernis, chésteres (é assim?), farofas e quetais.
O 11º capítulo do nosso livro foi escrito da melhor maneira possível!
Gratíssimo pela sua participação e é claro que você já está incluída (há muito tempo) no nosso mailing VIP do dcpv. Vai abaixo o nosso presente virtual e natalino :

dsc04368-2

Feliz Natal pra todos e seguem as mensagens de Natal dos membros honorários do dcpv:

Feliz Navidad ( Domingos e Regina)

dsc04432-2
Bom seria um Natal (o espírito) o ano todo ! (Déo)
dsc04446-2                     
Buono Natale  e com muita pasta !( D. Anina)

dsc04457-2

Felicíssimo Natal pra todos! (Edu, Dé e Re

Até a próxima!

PS – Em janeiro teremos a comida Thai da Pipoka do Three Fat Ladies. Nossa papilas gustativas já estão ouriçadas!

.

  

dcpv – da cachaça pro vinho – siena – scuola di cocina di lella

va bene
04/11/08

dcpv – Siena – Scuola di Cocina di Lella

Estamos em Siena. É o sexto dia da nossa viagem à Toscana.
O hotel Gran Continental é sui-generis. Um palazzo antigo restaurado e os quartos mantém o formato original. Ou seja, ficamos numa “mansão” imensa com 7 metros de pé direito e melhor, com afrescos originais pintado no teto e nas paredes, além duma tremenda vista de Siena com direito ao Duomo e a Piazza del Campo.

dsc02603-2

Ah! Caso queira repetir o local da  hospedagem e esteja de carro como nós, prepare-se pra fortes emoções. Como o hotel fica no Centro Histórico, você tem que passar pelas entradas da muralha e de repente, se está no meio de ruas estreitíssimas e cheias de gente. É quase como dirigir na 25 de Março na época do natal. Por 2 km! É estressante e tivemos que tomar um pouco mais de vinho pra compensar!

dsc02796-2

A Scuola di Cocina di Lella fica perto do hotel. A proposta seria aprendermos a legítima comida Toscana. Através do São Google, descobri a Lella. Acertamos data e preço através de -emails, mas ela insistia num intérprete/tradutor para o inglês (acho que ela desconfiou do nosso italiano mezzo a mezzo!). Eu insisti que não precisaríamos!

dsc02803-2

E não é que ao chegarmos na Scuola, lá estava a nossa intérprete? Insistimos que a aula seria totalmente em italiano e, finalmente, a Lella concordou.
No final, a Lívia (a tal intérprete) acabou sendo uma boa fotógrafa e aproveitou pra fazer uma “boquinha” pois fizemos bastante comida!

dsc02799-21

Começamos aprendendo a fazer cantuccini. Uma massa simples de farinha, açúcar, ovo, gema, fermento, essência de laranja, sal, amêndoas inteiras  e que tem uma “pegadinha”. Você tem que montar rolos com uns 3 cm de diâmetro e os coloca no forno por 8 minutos.

dsc02831-2 dsc02850-2

Quando estiverem firmes,  corte-os  na diagonal e retorne ao forno.
Pronto! Cantuccini fresquinhos pra serem molhados no vin Santo, como manda a tradição Toscana.

dsc02865-2 dsc02881-2

Sobremesa pronta, voltemos as receitas. A primeira foi a da Papa al Pomodoro, uma sopa rústica Toscana feita com tomate pelado (pomodorini pelatti), pão amanhecido (pane raffermo), azeite extra-virgem (óleo extra virgine di oliva), caldo de legumes (brodo), manjericão (basílico), alho (aglio), sal  e pimenta (sale e pepe).

dsc02811-21 dsc02823-2

Além de ser uma receita espetacular é uma boa lição de italiano .

dsc02829-2 dsc02871-2

Não precisa nem dizer que a Dé, uma sopóloga inveterada, adoro!
Logo depois, fizemos a nossa própria pasta fresca! Esta receita eu faço questão de dar: 300 g de farinha 00, 3 ovos, sal e um pouco de água. É só fazer um vulcãozinho e colocar os ovos no meio. Misturar e se achar que a massa está muito dura, colocar um pouco de água. Sove bastante (desestresse) e deixe descansar por meia hora. E pronto!

dsc02925-2 dsc02927-2 dsc02938-2

Agora é só escolher qual o tipo de pasta você quer fazer.
Nós fizemos uns ravioli. E recheados com espinafre e ricota. Louve-se o esforço da Lella em nos mostrar/ensinar o máximo possível, além de responder a todas as perguntas que nós, os pentelhos brasileiros, fazíamos. Inclusive, chegou a dizer que não se deve colocar azeite ou óleo na água de cozimento em hipótese nenhuma!

dsc02880-2

Ravioli prontos, fomos pro último prato.
Ah! Me esqueci de dizer que os ravioli foram servidos com um molho simples, mas delicioso de manteiga, sálvia e parmegiano Reggiano. Spetacolare!

dsc02882-21

E quanto a derradeira lição, aprendemos a fazer um filé de Cinta Senesi com funghi e salsinha.
Os funghi pareciam guarda-chuvas de tão grandes. E saborosos, muito saborosos!

dsc02883-2

A esta hora já estávamos prontos (nós 4 : eu, a Dé, a Lela e a Lívia) pra comermos toda a lição. E que lição!
Um Cortebaldi Chianti Clássico 2006 pra acompanhar tudo!

dsc02971-21

Vamos aos pratos:
Papa ao Pomodoro (a nossa papóloga, a Dé, comeu duas vezes).

dsc02949-2

Ravioli recheados com Ricota e Espinafre.

dsc02957-2

Filleto (o nosso filetólogo, euzinho, comeu duas vezes).

dsc02965-2

E os maravilhosos cantuccini (dos quais trouxemos dois pacotes pra casa) molhados no vin Santo da Lela.

dsc02976-2

Que bela aula! Que bela noite! Que bela cidade, Siena!

dsc02979-2

Só nos restou andar por Siena e ir dormir no nosso museu, opa, no nosso histórico quarto!

Buonacera !!

.

dcpv – da cachaça pro vinho – tenda do nilo

até que enfim!
06/12/08

dcpv – Tenda do Nilo

Dou-lhe uma! Dou-lhe duas! Dou-lhe três!
É isto mesmo! Esta era a terceira vez que nós tentávamos ir ao restaurante Tenda do Nilo. E sempre com a companhia da Regina e do Mingão!

dsc04193-2

As outras duas foram totalmente infrutíferas. Numa delas chegamos perto das 16:00 hs e os pedidos fecham exatamente as 15:45 hs. E na outra, a espera era de mais de uma hora!

dsc04197-2

Hoje (06/12) não! Esperaríamos quanto tempo fosse necessário. Chegamos as 14:45 hs! O Mingão desceu e com toda aquela autoridade que Deus lhe deu, falou pro Nilo (ou seria o Tenda?): quanto tempo de espera? O Tenda (ou seria o Nilo?) respondeu: 20 minutos! Pensamos: Puxa, é hoje!

dsc04202-2

Bom, 3 cervejas, 2 quibes, 1 esfiha de carne, 1 esfiha de escarola e várias conversas depois, o Nilo (ou seria o Tenda?) nos chamou. Exatamente às 16:00 hs (ou seja, 1:15 hs de espera!) pra que enfim, sentássemos à mesa.

dsc04195-2 dsc04199-2

O lugar, na calçada, era sensacional devido ao calor e a possibilidade de ver todo o movimento da rua. Cá pra nós, o restaurante é muito pequeno. Cabem no máximo umas 20 pessoas!
Começamos pedindo uma Fatuche, uma salada de tomate, hortelã, cebola, pepino e pão árabe torrado. Excelente!

dsc04203-2

Acompanhada de Falafel (bolinhos de favas e grão de bico, molho tahine e conservas) que estavam leves e saborosos .

dsc04206-21

A Fatte veio junto. E é um prato muito curioso pois parece um mingau de aveia com gosto de canela.

dsc04208-2

Na verdade, ela tem pão árabe torrado como base e sobre ele, carne, grão de bico, coalhada fresca, alho e castanha frita. Parece uma sobremesa, mas é um preto principal de responsa! Os habibs aqui, agradecem! Um belo arrozinho de aletria acompanhou condignamente. Além das cervejas. Bohemias e muitas!
Só sobrou a sobremesa. E segundo o pessoal que estava nos atendendo (todos da família Nilo) ela nos faria “viajar”. O Mingão aproveitou pra dizer que o nosso lema é: toda refeição é uma pequena viagem! E eu aproveitei pra acrescentar que toda viagem é uma grande refeição. E torci pro Riq, autor desta frase, não ler e nos processar por plágio!

dsc04210-2

A tal sobremesa chama-se 1001 Noites e vem com um creme azedo,calda de flor de laranjeiras e uma base de biscoitos e mel que é fantástica!
Dois cafés com cardamomo pra mim e pra Dé pra encerrar com chave de ouro uma simples e grandiosa refeição.

dsc04213-21

Habibs! Isto é comida árabe e não aquela fast-food!
Dé, Regina, Edu e Mingão agradecem profundamente!

dsc04212-2

Até !

.

dcpv – da cachaça pro vinho – tudo com ch: chianti e chuva

vinífero
04/11/08

dcpv – Tudo com ch : Chianti e Chuva

Martedi, ou pros íntimos, quarta-feira (04/11). Estamos no meio da viagem e chegou o dia de passearmos pela Chiantigiana, a estradinha que passa por toda a região de Chianti. De conhecer todas as cidades/vinícolas que são representadas pelo galo preto.
E o que é o galo preto? Ele é o símbolo que representa a região de Chianti, uma das regiões viníferas mais famosas do mundo. A suposta existência dele surge através de uma estória toscana que diz que, no século 13, existia uma disputa entre Florença e Siena pelas terras férteis de Chianti.  Decidiu-se que esta pendência seria resolvida numa corrida onde cada um dos cavaleiros sairia da sua cidade  na madrugada a partir do cantar do galo. Onde eles se encontrassem, seria a divisa das terras.

dsc02690-2

O galo de Siena era de classe e pontual. O de Florença era um vira-latas de plumagem escura e sofria de insônia. Resultado: o da insônia, o galo negro, cantou antes e as terras de Chianti pertencem a Florença até hoje!
Voltando ao passeio, acordamos e estava chovendo. E chovendo muito!

dsc02656-2

Como estávamos viajando e não tínhamos outra alternativa, saímos pro nosso destino inicial: Castellina in Chianti.
Muita chuva e a cidade também não ajudava pois não tinha muitas  atrações. Seguimos em frente.

dsc02659-2

2ª parada: Greve in Chianti – A chuva continuava, mas a cidade tinha um centrinho muito bonito e com um belo centro gastronômico. Logo de cara ,o Falorni , uma casa onde se encontra absolutamente tudo em salumeria. Um sex shop dos frios!

dsc02676-2

E ao lado, a Bottega del Pane com pães artesanais de babar!

dsc02662-2

Não precisa nem falar nada, né ? Pensem comigo: pães + frios!
Seguimos pra 3ª parada: Montefioralle,a terra onde nasceu Américo Vespúcio. Bem propício pois com a água que estava caindo, só conhecendo a vida de um grande navegador!

dsc02661-2

4ª parada – Panzano in Chianti, onde está o melhor açougueiro do mundo, o Dario Cecchini, aquele que faz a melhor costela florentina da galáxia (exageros italianos a parte!).
Olhamos, mas não compramos. Afinal de contas, fazer um churrasco com aquele tempo não seria muito agradável.

dsc02681-2

5ª parada – Pra abastecimento e reabastecimento: Volpaia, uma vinícola lindíssima e com um bar ao lado, o Ucci, onde fizemos uma extraordinária refeição toscana.

dsc02686-2

Veja como o lugar é bonito:

dsc02689-2

Um couvert bem rústico (e delicioso)

dsc02687-2

Comemos belas crostattas caprese.

dsc02693-2

Mais uma lasanha pra Dé …

dsc02702-2

… e um Pici pra mim.

dsc02698-2

Além dos indefectíveis Cantucci com Vin Santo.

dsc02705-2

Ah! Tomamos um Brunello Volpaia espetacular e só não comprei o vinho na própria vinícola, pois a lojinha estava fechada desde que nós chegamos e não tinha a mínima aparência de que abriria naquele dia!
Sabe como é, muita chuva. Dá um soninho!

dsc02712-2

6ª parada – Gaiole in Chianti pra visitar o Castelo Brolio do Conde Ricasoni, um lugar lindíssimo e com uma lojinha de vinhos bastante modernosa.

dsc02721-2

A chuva acrescentava um quê de fantasmagórico ao castelo!

dsc02720-2

7ª e última visita pois não foi propriamente uma parada já que nem paramos – Castelnuovo Berardenga. E não paramos porque era muito sem graça e além disso, a chuva insistia em continuar caindo!

dsc02716-3

Voltamos pra Siena a noite, debaixo de chuva (é claro) e ficamos mais de uma hora tentando entrar na cidade já que o nosso hotel, o Gran Continental ficava bem no centro e dentro da muralha. O hotel é espetacular e a sensação que tivemos foi que compramos tickets pra Galeria Uffizzi, levamos os nossos travesseiros e fomos dormir lá!
Veja só a “câmera”! A “bella câmera” segundo a recepcionista!

dsc02738-2 dsc02739-2

Resumo do dia: A chuva foi o elo de ligação entre todas as belas cidades visitadas. E ao contrário do que possa parecer, adoramos!
Vimos uma Toscana diferente com iluminação distinta e um cheiro inebriante. E certamente, participamos mais ativamente de todo o espetáculo toscano: a exuberância da natureza!

dsc02728-2

Baci! Arrivederci!

.

dcpv – da cachaça pro vinho – casual day

número 198
03/12/08

dcpv – Casual Day

Hoje foi um daqueles dias em que, aparentemente, eu não tinha nenhuma ideia do que faria. O que cozinhar?
Tudo bem que eu tenho um belo arquivo de “sugestões”, mas não queria usá-lo.

dsc04133-21

E aí pensei: porque não fazer um menu sem nenhuma conexão aparente? Pegar receitas que eu guardei/recortei (é, eu tenho esta mania de recortar receitas de tudo o que é lugar e guardar) e comer uma bela comfort food?

dsc04175-2

Não pensar se a comida é contemporânea, fusion, tecnoemocional ou o que quer que seja que isto signifique! Fazer como aquelas empresas que determinam que a sexta-feira é o casual day, aquele dia em que você pode ir vestido da maneira que quiser ou melhor, de uma forma descontraída!
É isso! Hoje será o casual day do dcpv. Comidas feitas aleatoriamente e de uma maneira informal, mas sem perder a compostura.

dsc04155-2

Vamos então pra sexta, opa, quarta descompromissada do da melancia pro claret, hoje o dmpc.

Entradas: Alho assado e Gaspacho de beterrabas com farofa de biscoito.

Começamos tomando um suco de melancia com pimenta chilli e sal.

dsc04147-21

Um suquinho de melancia com limão e suas raspas. E colocado num copo de shot, com a borda inscrustrada duma mistura de pimenta chilli e sal. Refrescante e descontraído!
A seguir, o alho foi pro forno. Esta é uma forma que o Alex Atala faz e a recortei do Paladar (por falar nisso, o que foi aquilo do DOM ganhar o Prêmio Paladar de melhor comida trivial? rs).
É só pegar cabeças de alho, cortar só a pontinha e colocar no forno por 15 min a 160 ºC.  Retire do forno, embrulhe em papel alumínio e deixe por mais 10 a 15 min até amolecer e a alicina evaporar.

dsc04158-2

Dica pra comer: faça como aqueles sachezinhos de mel. Coloque na boca e dê uma mordida. O alho, na verdade, o creme de alho saltará  pra fora da casca e aí ….

dsc04166-2

Já o Gaspacho foi retirado da Claúdia Cozinha e é feito com beterrabas descascadas, cebola, alho, caldo de legumes e sal batidos no liquidificador. Passe numa peneira e leve à geladeira.
Junte suco de limão, pepino japonês cortado em cubos e coloque em bowls. Polvilhe farofa de biscoito cream cracker e decore com cebolinhas.

dsc04169-22

O resultado final é um prato super fresco com a crocância do pepino e a liga do biscoito. Imperdível e parecia que estávamos de sandálias Havaianas.
Ainda tomamos um belo tinto, o Otazu Dimension Crianza 2003 Navarra que disse, sou: caramelo, temperado, belo com alma, hemovínico, segundo os sossegados, nós mesmos!

dsc04141-2

Principal – Linguine com camarão e abobrinha

Esta receita eu recortei do Paladar e é do Ritz. O molho é feito com manteiga, cebola em tiras, cenoura em tiras, abobrinha em tiras, camarões médios, suco de limão, pimenta de caiena, creme de leite e parmesão ralado.

dsc04151-2

Olha, tudo bem que é camarão, mas estávamos nos sentindo numa praia de bermudas e sem camisa.

dsc04179-21

Mais casual e comfortável, impossível!

dsc04180-21

E ainda tomamos um Claret up de Bistrô, uma mistura de 1 garrafa de vinho branco, 50 ml de licor de laranja, 3 pêssegos picados, 2 maçãs picadas, 1/4 de abacaxi cortado em cubos, 1 pera picada, 1 cacho de uvas Itália cortadas ao meio e sem caroços, rodelas de laranja e limão e muito gelo. Outra receita da Claudia Cozinha que os tranquilos descreveram assim: refrescante, praiano, santa clara, clarividente!
Uma pena que a Dé não pode tomar nada, pois tinha que fazer exames de rotina na manhã seguinte, mas mesmo assim, ela descontraiu e deu as suas opiniões somente através do olfat !

Sobremesa : Pannacota do Projeto Pynk

Esta receita eu não vou dar. Mesmo porque, ela já foi devidamente dissecada no post anterior do Projet Y Rosa da Marizé. Por conveniência, fizemos algumas a mais pra que estivesse tudo pronto!
Eis o resultado final !

dsc04191-21

Só incrementei um pouco mais colocando anisete, anises estrelados e o famoso ‘açuquinha’ gay! Fresquíssima e parecendo que estávamos de óculos escuros!

Recapitulando: sandálias Havaianas, bermudas e óculos escuros! Acho que a meta desta noite ser descontraída foi mais do que alcançada!
Estou certo que devemos repetir este formato mais algumas vezes. O Déo e o Mingão concordam comigo!

dsc04170-21 dsc04183-2

Déo : Casualmente delicioso!
Mingão : Easy Rider!
Edu : Muito bom e piscinesco!

Bye, bye, merrrmão!

.

dcpv – da cachaça pro vinho – projeto y – marizé e o pynk

terceiro
29/11/2008

dcpv – Projeto Y – Marizé e o Pynk

Estamos na terceira ponta ypsilone! Deixa eu explicar melhor: eu, a Marizé  (do Tachos de Ensaio) e o LPontes ( do Comidas  Caseiras) temos um projeto paralelo (como os daqueles famosos cantores de rock! rs) em que cada um de nós indica um menu completo pra que todos os participantes o execute (e o interprete) da maneira que lhe convier.

ist2_3059569-alphabet-of-health-y-2

É um aperfeiçoamento dos Inter Blogs, pois aqui o objetivo seria comermos juntos (e não, ainda, no mesmo lugar) e conversarmos (através das impressões nos nossos blogs).
O primeiro a indicar fui eu mesmo (em 08/07 ). O segundo foi o LPontes com um menu de autor e com muita personalidade (em 08/10 ). E agora chegou a vez da ponta feminina do Y, a ponta cor de rosa, a Marizé!

dsc04046-2

Caros colegas e amigos, sendo o único elemento  feminino do Y, não podia deixar de reflectir essa condição nos pratos propostos“.
Tentei assim reunir um cardápio que fosse leve, bonito e de alguma forma, até um pouco sexy (he..he). No final, se ficarem com fome, petisquem um queijinho com umas fatias de pão.”

E porque pink? Oras, já que o menu é sensivelmente feminino e indicado pela Marizé, nada melhor do que esta cor pra representá-lo.

dsc04072-2

Vamos lá, ao Projeto Y Pynk!

Pré-almoço

Desta vez, resolvi me organizar um pouco mais e fazer algumas coisas na véspera.
Começamos com a sobremesa. A Dé assumiu as rédeas e literalmente pôs as mãos na massa. Fez a calda com café expresso, cardamomo, canela, açúcar de confeiteiro e cozinhou as peras cortadas em lâminas.

dsc03982-2

Juntou gelatina neutra, açúcar mascavo, chocolate (82%), cacau, creme de leite e formou um creme.
Pronto! É só colocar as peras cozidas no fundo e preencher ramequins com o creme de chocolate.

dsc03986-21

A Re adorou a sobremesa !

dsc03992-2

Aproveitamos pra fazer a pasta do prato principal. Uma receita básica com 300 g de farinha, 2 ovos e suco concentrado de beterraba!
Sim senhores, o jeito que encontramos pra entrar de cabeça no Pynk foi fazer uma pasta cor-de-rosa.

dsc03994-2

E foi um trabalho em família. A Dé abriu a massa …

dsc03999-2

… a Re cortou-a em quadrados e …

dsc04000-2

… eu moldei as borboletas.

dsc04005-2

Finito! Massa pink pronta, deixei as ameixas macerando no Cherry Brandy e fomos dormir!

dsc04006-2

Outro dia, outros trabalhos! Coloquei Ben Harper and the Innocent Criminals na “vitrola” e comecei a cozinhar.
Peguei pancetta diretamente de Greve in Chianti pra enrolar nas ameixas maceradas e recheadas com nozes e noz moscada.

dsc04007-2

Devidamente agasalhadas, ficaram na assadeira esperando serem assadas por 8 minutos no forno.

dsc04015-2

As beringelas vieram diretamente do sex shop.

dsc04018-2

Enquanto isso, comecei a sopa com uma base de alho e cebola roxa na manteiga. Adicionei grão de bico e tomates.

dsc04020-2

A berinjela foi cortada finamente e salgada a fim de esgotar a sua água.

dsc04021-2

O alface (by sex shop too) estava lindo!

dsc04025-2

Tinha me esquecido do aperitivo. Uma legítima viuvinha, só que uma viuvinha de classe! Leite condensado, amoras , Absolut Vanilia (daí a classe!) e gelo. Lindo e róseo!

dsc04037-2

O molho da massa estava pronto. Por incrível que pareça, esqueci de comprar o mascarpone. Optei por quebrar o galho com uma mistura de creme de leite e cream cheese junto com açafrão e quetais. Ficou bonzinho! Vou fazer com o mascarpone!

dsc04043-2

O  contraste entre o macarrão (que era cor-de-rosa) e o molho (que era amarelo) ficou muito bonito.

dsc04044-2

A Dé caprichou na mesa e com artistas famosas como convidadas!

dsc04053-21  dsc04054-2

O cd acabou! Coloquei o Seu Jorge. E balançando ao som do samba rock, grelhei as berinjelas.

dsc04057-2

Os enroladinhos de ameixa estavam prontos.

dsc04060-2

A montagem das saladas começou.

dsc04062-2

Pausa pros primeiros pratos:

Ameixas Frívolas (Isabel Allende in “Afrodite”)

dsc04068-2

Salada de Berinjela Crocante (Donna Hay em “Receitas rápidas pra saborear devagar. E foram!) 

dsc04076-2

Espumante Chandon Rosé (óbvio!)

dsc04073-21

Sopa de Grão de Bico e Iogurte (Chakal en Cozinha Divina)

dsc04080-2

Continuamos com o Chandon . Os camarões estavam no jeito! Coloridos e deliciosos.

dsc04089-2

A pasta, a borboleta feita em casa e absolutamente rosa, foi dominada pelo açafrão e virou amarela! Mas, muito boa assim mesmo !

dsc04091-2

Mais um cd : Rhythms del Muondo, aquele que tem Clock do ColdPlay em ritmo de rumba!
E o prato principal, um Farfalle com Camarão e Mascarpone, brilhou! (Isabel Allende em “Afrodite).

dsc04099-2

Acompanhamos por um vinho branco, um Villa Antinori 2007 Toscana. Sensacional !

dsc04095-2

Por fim, a bela sobremesa, uma Pannacotta de Chocolate com Fundo de expresso, Especiarias e Pera. Linda e rósea com a colaboração do licor Parfait Amour !

dsc04105-2

Resumo do almoço:
Ameixas (o prato era rosa)

dsc04069-2

Salada (o fundo era rosa)

dsc04066-2

Sopa (a flor era rosa)

dsc04085-2

A massa era rosa! Sumiu, mas era!

dsc04098-2

Sobremesa (o licor era rosa!)

dsc04103-2

Olha! Muito bom este menu e a família toda adorou!
Charmoso, erótico, artístico e extremamente saboroso! Acho que a missão foi cumprida, né Marizé e LPontes!

y2

Este Projeto Y promete cada vez mais! Que venha o próximo!

Abs a todos !

.

dcpv – da cachaça pro vinho – como é feito parmegiano, aceto e presunto?

emilio romagno
30/10/08

dcpv – Como é feito parmegiano, aceto e presunto?

Esse tour é muito, mas muito bom mesmo. E é perto de Parma, aquela Parma do parm … esão e do presunto dela mesmo. Cheguei até ele através do Internet (bendito Google !), pois queria fazer um passeio gastronômico na região mais culinarística da Itália: a Emilia Romagna.

dsc01799-21

Após vários e-mails em anglo-ítalo-macarrônico, finalmente chegamos a um acordo: dia 30/10 nos encontraríamos em Colecchio, ao lado de Parma pra fazer o nosso sonhado passeio.
O objetivo? Aprender como se faz o legítimo queijo Parmegiano Reggiano, o Presunto Crudo e o Aceto Balsâmico .

dsc01819-2 dsc01851-2  

dsc01878-2

Saímos cedinho de Bologna e chegamos no horário, mas … a Maria Joaquina (a voz do GPS) resolveu dar uma erradinha, nos colocou em algum lugar próximo do nada e onde não tinha ninguém. Tudo bem que a culpa foi nossa, pois digitamos Viale Imperiale em vez de Via Imperiale.
Conseguimos nos safar e chegamos um pouco atrasados. Por sorte, éramos os únicos que fariam o passeio com guia “parlando” italiano.

dsc01868-2

Começamos pelo Parmegiano Reggiano. A fábrica se chama Il Castelleto e os trabalhadores são… dois. Isto mesmo, um casal, marido e a mulher, fazem 6 formas de queijo por dia (~30 kg por forma)

dsc01832-2

Todo o processo é artesanal e feito de acordo com as regras do Consorzio del Formaggio Parmegiano Reggiano.

dsc01835-2

Vimos desde a junção do coalho até a cura incluindo a separação da massa.

dsc01805-2 dsc01821-21 dsc01810-2

Degustamos (ô parte boa!) queijos de 12 meses de cura (cremoso e saboroso), de 24 meses (os que compramos por aqui no sex-shop) e o de 30 meses (a Ferrari dos queijos e que foi devidamente adquirido e contrabandeado!).
Ah, nos informaram também que os granas padanos são os parmegianos que não se encaixaram nas normas. Ou seja, granas padanos são queijos inferiores aos Parmegianos Reggianos!

dsc01816-21

Em seguida, fomos pruma fábrica de Presuntos Crudos de Parma, a Salumificio Massimo.
Todos eles tem que ser feitos de porcos italianos (nada a ver com os palmeirenses!) e curados segundo as determinações do Consorzio do Presunto de Parma.

dsc01840-2

O estoque que nós vimos parecia cenográfico, alguma coisa de Disneylândia! O processo é o seguinte: tira-se o sangue dele e a seguir ele é completamente salgado. Daí pra frente é só curar em temperatura controlada e ele tem que ser inspecionado, numerado e carimbado.

dsc01843-2 dsc01850-2

Hora do almoço! Um tempo pra fazermos uma boquinha (e que boquinha!). Fizemos um lanche na vinícola Anana onde degustamos cogumelos, tomates assados, presunto de Parma 30 meses …

dsc01853-2 dsc01855-2

… Parmeggiano Reggiano 24 meses, aceto balsâmico, copa, culatelo, salame de Felino (calma, é o nome da lugar! Não é de gato, não?) …

dsc01856-2 dsc01857-21

… além de 3 vinhos espumantes locais, sendo 2 da uva Malvasia e um Lambrusco, vinho típico da Emila Romagna. Ah, um docinho também!

dsc01863-2 dsc01865-2

Uma verdadeira farra italiana ! Acompanhada da pintura que era formada pela paleta de cores das videiras em pleno outono!

dsc01870-2

Devidamente (re)abastecidos, fomos pruma vinícola que tem um museu de equipamentos superantigos (ô redundância!) pra se fazer vinhos.

dsc01874-2

E a curiosidade é descobrir que os verdadeiros acetos balsâmicos, os tradicionais,  podem descansar em barris de vários materiais, inclusive carvalho, por anos e anos (alguns com até 80 anos).

dsc01875-2

Existe uma classificação de acetos onde o Red Label tem de 12 a 20 anos de envelhecimento, o Silver de 20 a 25 anos e o Gold, mais de 25 anos. Todos maravilhosos e mais parecidos com um néctar do que propriamente um aceto. É tão denso que fica difícil tirá-lo do vidro.

dsc01879-21

E claro que compramos também e o nosso passeio estava terminando.
É um tour totalmente recomendável, pois ele mostra como são feitos e controlados os verdadeiros produtos italianos e que resultam no que nós vemos por aí: tudo de altíssima qualidade e delicioso!

dsc01891-2

E como brinde, você ainda pode dar uma bela passeada por Parma.
A empresa que faz este passeio é a Parmagolosa!

Que belo passeio! Que belo dia!

Ciao !

.

dcpv – da cachaça pro vinho – gastro pop 9 – borgonha – emmanuel bassoleil

mais um
26/11/08

 dcpv – Gastro Pop 9 – Borgonha Emmanuel Bassoleil

Gastro Pop
Etapa 9
Cozinha Bourguignone
Studio 768 e Carolina Brandão ( a Carla estava viajando)
26 de novembro de 2008
Chef convidado : Emmanuel Bassoleil
Texto : Edu Luz ( eu mesmo)

Puxa, já estamos no 9º! Parece que foi ontem que começamos a ir aos Gastro Pop.

dsc03828-2

Várias cozinhas foram representadas no Studio 768 (persa, caiçara, thai,  brasileira,indiana, peruana, japonesa, árabe) e agora chegou a vez da bourguignone através de seu legítimo e bem-humorado cidadão, o chef Emmanuel Bassoleil.
Ao contrário das outras vezes, nesta não foi distribuído um folheto explicativo sobre a culinária. Melhor ainda, o Emmanuel nos deu o seu livro, Os Sabores da Borgonha, e o autografou com direito a dedicatória e tudo o mais!

dsc03827-2

O livro é muito bom! Se você quiser saber a história da Borgonha, ele tem. E, é claro, se quiser receitas da Borgonha e do Bassoleil, ele tem também!  Pra quem não sabe o Emmanuel é o chef responsável pela cozinha do Skye, o restaurante do hotel Unique (a melancia ) há um tempão.

dsc03829-2

Com o Studio 768 completamente lotado, começamos como sempre dando uma bela olhada na cozinha e tomando um belo Kir Original (creme de cassis e vinho branco) feito pelo próprio Bassoleil.

dsc03838-21

Conversa vai, conversa vem e conhecemos o Leandro e a Juliana, amigos da Priscila Forbes, sócia fundadora da LBV (ops, da Legião do Boa Vida!). Junto com ele, estava o Diogo e a Ana Paula. Vários assuntos em comum depois (viagens, gastronomia, hortas, sementes, etc)  e, como sempre nos Gastro Pop, a noite passou rapidamente.
Incrível como a Carla e a Carolina conseguem juntar pessoas que tenham tanto em comum e com tanto bom humor !! Ah! A Sheila Hara, a do Gastro Pop 8, o Sírio Libanês, também esteve lá!
Voltando a Borgonha, começamos experimentando um Caldo de Morilles e Gougeres. O pãozinho não é somente fotogênico. É delicioso!

dsc03845-2 dsc03847-2

Não poderia faltar o foie gras. É uma das especialidades do Bassoleil. E esteve no Toast de Foie Gras cozido no Pinot Noir!

dsc03853-2

Logo após, Nage de Camarões ao vinho branco de Rully! Tudo no ponto certo e com um prato esteticamente perfeito.

dsc03857-2

A seguir, um clássico, um Beauf Bourguignon, um músculo que é cortado em cubos e cozido com cebola, cenoura, alho, extrato de tomate, vinho tinto, bouquet garni e caldo de carne. E acompanhado por cebolinhas, cubinhos de bacon e champigons de Paris. Delicieux!

dsc03861-2

Sobremesa? Sopa de frutas vermelhas ao Beaujolais e Fromage Blanc e Pain D’Epice de Dijon. Realmente, uma grand finale!

dsc03866-2 dsc03865-2

Vamos aproveitar e mostrar alguns trechos da entrevista  que o Bassoleil concedeu no seu próprio livro e entender melhor a sua filosofia:
Pergunta : O que ficou da Borgonha em você?
Bassoleil – É a minha região, é lá que está a minha família. Não estou trabalhando com gastronomia à toa: minha mãe é uma grande cozinheira  e meu pai me ensinou a degustar o vinho. Sou um chef de cozinha nascido no berço da gastronomia.
Pergunta : Quais são as suas primeiras lembranças?
Bassoleil – O escargot. Comecei a caçar escargots com meus pais quando tinha 5, 6 anos. Quando a caça era boa, pegávamos 80, 100, 120 escargots.

 dsc03824-2

Pergunta : Você caçava outros animais?
Bassoleil – Caçava rãs nas lagoas com o meu pai. Você corta a rã abaixo dos membros superiores e só come as coxas. Mas o curioso é que, depois de cortada, a rã continua se mexendo.                                              Pergunta : Com o vinho também costuma ser como o cassis?
Bassoleil – É, quando eu tinha 8 anos meu pai colocava vinho na minha água. Aos 12, punha água no meu vinho.E com 14 anos, eu tomava vinho. A vida era simples assim: você plantava, pescava, caçava, fazia o cassis, as conservas, tinha os vinhos. A Borgonha é um pouquinho de tudo isso! Não guardo apenas imagens: sinto o cheiro, o sabor da infância.

dsc03844-2

Bacana, não? Como bacanas são todos os Gastro Pop.
Agora, como a Carolina nos informou, só no ano que vem! Espero que sejam tão interessantes como este do Bassoleil foi!
Au revoir !

.

dcpv – da cachaça pro vinho – massimo bottura, osteria francescana, modena, itália

stupendo
30/10/08

dcpv – Massimo Bottura, Osteria Francescana, Modena, Itália

Já faz um tempinho ( 05/01/08 ) que eu e a Dé fomos a um jantar especial no espaço DOM. O Alex Atala convidou o Massimo Bottura pra mostrar o porque dele ser um dos expoentes da nova cozinha italiana.  Muito simpático, ele veio à nossa mesa e eu aproveitei pra dizer pra ele que iríamos conhecer a casa dele, a Osteria Francescana em Modena, no final de 2008 (isto tudo no meu parco italiano, prego!).

dsc02095-21

Pois bem, o tempo passou e chegou a hora de irmos pra Emilia Romagna. Mandei um e-mail pra fazer a reserva  e o próprio Massimo me respondeu, dizendo que estaria nos esperando.
Como sempre (eita, Primeiro Mundo!) deu tudo muito certo. No dia 31/10, precisamente as 13:30 hs, eu e a Dé desembarcamos do nosso carro alugado pra almoçar com o Massimo (sem trocadilho!).

dsc02094-2 dsc02042-2

O restaurante é discreto, elegante e bastante pequeno. Estávamos pensando no que pedir quando o Massimo apareceu, se apresentou, conversou sobre o Alex e nos perguntou se não queríamos experimentar o tasting menu? E ainda frisou se gostaríamos à avant-garde ou seja, com todas as inovações!

dsc02087-2

Resposta instantânea e simultânea : sim! E lá fomos nós, nos aventurarmos (inclusive nos vinhos) na cozinha estrelada da Osteria Francescana.

dsc02040-2

Folheando o menu, a Dé descobriu um prato que se chamava 5 versões do Parmegiano Reggiano. O chef não só achou interessante a escolha como nos disse que ele seria o último da nossa degustação!
Começamos com um tempurá de peixe (anchovinhas) com sorvete de roti. Um escândalo de bom!

dsc02045-21

Logo após, um peixe levemente defumado, mas o mais interessante foi que, quando os garçons retiraram a tampa do prato, uma fumaça altamente defumada invadiu as nossas narinas e deixou uma sensação muito estranha e interessante. Até o vinho pareceu ser defumado!

dsc02047-2

Pra limpar o palato defumado, uns belos e fininhos grissinis.

dsc02049-2

A seguir, um creme de bacalhau com pele de peixe frita (parece um torresmo), espinafre com óleo essencial (?) e pomodorini temperado. Bem bonito, né?

dsc02053-2

Este prato é interessantíssimo. Um brodo suave de peixe com cubos concentrados de moluscos, crustáceos e peixe. Quando você os morde, eles explodem na boca liberando uma intensa concentração de sabores. O de moluscos é especial. Ainda acompanhava um salgadinho que a Dé chamou de Ibis de camarão. Pra quem não lembra (ou nunca viu!), Ibis era a marca daqueles salgadinhos baratinhos que mais pareciam isopor!
E a harmonização com o vinho foi espetacular, pois quando tomado junto com o prato, o vinho absorveu o sabor dos cubos. Se ao contrário, um pedaço de pão fosse comido, o vinho voltava ao seu buquê natural. Tudo sensacional e surpreendente!

dsc02060-2

Um risottino foi servido pois não somos de ferro. Este foi feito com água de ostras, nero de sépia e caviar. Risottaço!

dsc02062-2

Logo depois (ufa!), um robalo envolvido em pancetta com espuma de salsinha e purê de tupinambor (não tenho a mínima ideia do que é?).

dsc02069-2

Pra limpar o palato, um colherzinha dum creme de alho poró com trufas.

dsc02074-2

E, finalmente, a piece de la resistance. Parmegiano Reggiano apresentado em 5 formatos: um creme feito com um de 20 meses, uma pasta com um de 24 meses, um chantilly feito com um de 36 meses, uma espuma com um de 48 meses e a crosta, utilizando um parmegiano de 50 meses de maturação!

dsc02078-2

Olha! É maravilhoso e você come como se estivesse degustando aquela comida que a mamma fez especialmente pra você! Ave, Massimo!
Ressalte-se que todos os pratos eram acompanhados por vinhos que harmonizavam perfeitamente.
E surpresa, a minha teoria sobre comida boa teve uma evolução: normalmente, eu digo que comida boa não engorda. Agora, aproveitei pra complementar dizendo que comida boa neutraliza o vinho pois bebemos bastante e saímos completamente sãos de lá, a ponto de dirigir de Modena a Bologna!

dsc02044-2 dsc02056-2 dsc02057-2

dsc02066-2 dsc02072-2 dsc02076-2

Como sobremesa (e acompanhando o café), pequenos docinhos :gelatina de maracujá, pistache e wasabi; cheesecake; carolina explosiva; brownie de chocolate e ganache de chocolate.

dsc02081-2 dsc02084-2

Neste solene momento, gostaríamos que todos que estivessem nos lendo, levantassem e batessem palmas. Por que este almoço foi digno deste gesto!
Vou até fazer o trocadilho de que o Massimo foi ele mesmo!
Pra finalizar e nos despedirmos, tiramos a tradicional foto pra eternizarmos este delicioso momento.

dsc02093-2

O Massimo gentilmente nos ofertou um dos seus livros (Aceto Balsamico ) com a devida dedicatória.

dsc02092-2

Foi ou não foi o máximo?

Ciao !

.


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se aos outros seguidores de 654

Comentários

Blog Stats

  • 1.448.714 hits
dezembro 2008
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos

Atualizações Twitter