Arquivo para julho \30\UTC 2009

boa vizinhança – oliva e veríssimo

ó bugui ugui
06/06/09

Boa Vizinhança – Oliva e Veríssimo

A nova sede do DCPV, a paulistana, tem uma excelente vizinhança.

DSC09016-2

Fomos ( eu, a Dé, o Mingão, a Regina e o Lucas. A Re estava fazendo o famigerado PGE) conhecê-la. O primeiro vizinho visitado foi o restaurante Oliva.

 DSC09027-2

Veio recomendado pelo Diogão, o Destemperado já que lá é um posto de distribuição do novíssimo Guia Destemperados da Serra Gaúcha.

DSC09058-2

O lugar é muito bonito, tranquilo e passa aquele ar mediterrâneo.

DSC09034-2

O chef/proprietário Julio Medeiros faz uma cozinha saborosa, com bons ingredientes  e num ambiente extremamente relaxante e confortável. Até uma fonte (com barulhinho de água e tudo mais) tem por lá!
Parece um daqueles lugares que você entra sem conhecer quando se está viajando ( vocês me entendem, né?)

DSC09055-2

Começamos com um belo couvert formado por tzatiziki (uma pasta grega), pasta italiana de beringelas, manteiga com gergelim e, claro, azeitonas temperadas além de pães feitos na própria casa.

DSC09020-2 DSC09036-2

A Dé e o Lucas pediram um Tagliatelle com Linguiça. Um molho apimentado e com um toque adocicado deixaram este prato irresistível.

DSC09043-2

Eu fui de Pernil de Cordeiro com “arroz a la huerta azafranado”. O cordeiro é cozido lentamente em panela de barro e o arroz é ao açafrão com legumes bastantes crocantes além da coalhada seca, bem sequinha . Pra quem é um cordeirólogo como eu, foi mais do que aprovado.

DSC09047-2

A Regina pediu Gnochi de Mandioquinha, extremamente leve como todo bom gnochi deve ser e com uma carninha, quase um raguzinho pra acompanhar.

 DSC09046-2

Já o Mingão foi de Medalhão ao Molho de Mostarda Dijon. Foi o prato menos brilhante (se é que podemos falar isso) de toda a refeição, mas isto vale como referência pois normalmente o Mingão ega o menu e pensa, pensa, pensa e … sempre escolhe um deles!

DSC09044-2

E com o friozinho reinante, nada como um Alamos Malbec  2008 Argentina. Tanicozinho e bastante quente.

DSC09030-2

Tudo mostra que o Oliva, apesar de não ser muito badalado e estar fora do eixo “gastronômico”da cidade, promete o que cumpre: entregar uma comida honesta, muito bem feita e com um ambiente excelente pra se conversar e contemplar.

DSC09052-2

 Certamente esta foi a primeira de muitas refeições/visitas que faremos por aqui.

DSC09041-2

Encerramos o dia visitando mais um vizinho: o bar Verissimo (neste extao momento, está em reforma), que como o nome sugere é todo decorado com memorabilia sobre o grande escritor gaúcho Luiz Fernando Veríssimo.

DSC09060-2

Um boteco/restô caprichado, com música decente ao vivo e  cervejas de várias raças!

DSC09068-2

Além de comidinhas de deixar qualquer um ( inclusive o Mingão) satisfeito. Caldinhos, pastéis, tacos, escondidinhos, risottos, massas, pizzas, etc. E, todos com os nomes das (hilárias) obras do grande saxofonista ( olha o corporativismo!) Luiz Fernando Veríssimo.

DSC09064-2 DSC09065-2

É, pela vizinhança, a nova sede promete!

DSC09066-2

Até!

.

18º inter blogs – páprika na feijoada do dcpv

aos baratóms
número 223
23/07/09

18º Inter Blogs –Páprika na Feijoada do DCPV

Szia ! (Olá)

Você conhece a Hungria, neguinho?

85px-Coat_of_Arms_of_Hungary_svg           200px-Flag_of_Hungary_svg

Sabe alguma coisa sobre Halászlé, Gulyás, Libamá, Kobaz, Strudel, Borscht, Shanks, Galuska, Linzentorte, Odete  e George ?

mapa-da-hungria-3

Ôpa, Odete e George você conhece !

DSC00064-2

George é o esposo húngaro da brasileira Odete, a barát (amiga) do blog Páprika na Feijoada e convidados especiais deste nosso 18º Inter Blogs ( quer saber o que é e como funciona?), onde apresentarão um menu húngaro completo.

DSC00109-2

Como a própria Odete escreveu num dos primeiros e-mails que trocamos “ contei pro George sobre o convite e ele ficou super feliz -teve um rompante de nacionalismo- e já começou a ter um monte de idéias. Você sabe que é muito engraçado porque apesar da Hungria ser um país bem pequeno ( 93 Km2 e população de 11 milhões), impressionam as diferenças culturais e gastronômicas de uma região pra outra, com uma culinária bastante diferenciada “.

DSC00111-2

Isto foi há quase um ano. O menu hibernou e voltamos a conversar no início de junho. A Odete disse “ o tempo passa voando, né? E que bom que o evento vai ser ainda durante o inverno de vocês aí no Brasil ( eles moram em San Jose, Califórnia), afinal a cozinha húngara é mais apropriada ao frio. Estou a disposição e vou te mandar uma idéia do menu. E, claro, tem os pitacos do George. Afinal, húngaro original por aqui é ele, hehe!”.

DSC00125-2

Pronto! A Odete e o George me enviaram as receitas e confesso que fiquei surpreso com a quantidade de detalhes que elas continham. Tanto que vamos firmar um compromisso: caso você se interesse e queira a versão completa (se eu fosse colocar todas aqui, bateria o recorde do post mais longo da história do DCPV), entre em contato comigo ou com a Odete através dos comentários dos nossos blogs e você receberá a versão integral e em húngaro ! rsrs
E tem mais, a Dé caprichou na produção pra que a nossa mesa representasse uma verdadeira cozinha Magyar.

 DSC00068-2

A surpresa também foi grande com a riqueza das receitas e com a quantidade de informações sobre a Hungria. Por aqui só falávamos de Goulash, Ferenc Puskas (cracaço de futebol, quase um Ronaldo de lá!!), Budapeste, Tokaji, Magyar e olhe lá!
Continue lendo e você saberá bem mais sobre a cultura húngara.

<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
A Hungria se tornou a nação dos Magyars que foram nômades que se estabeleceram nas planícies de terras férteis na Europa central, área conhecida então por Carpathian Basin.
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Então, vamos lá ao grande menu Húngaro do Páprika na Feijoada da Odete e do consultor Magyar, o George, o Geo !
Egészségünkre ! ( o equivalente a um brinde coletivo)

Egy (1) – Italok ( Bebida)

Pra aquecer, as já famosas caipirinhas. O Mingão fez uma de kiwi.

DSC00086-2

E outra de limão cravo e kinkã. Magiares !!

 DSC00096-2

Kettö (2) – Elöétel (Entrada)

Gombás rétes (Mushroon strudel)

Rolos de massa phyllo com um recheio de cogumelos.
Esta era uma especialidade da D. Maria Ször, a mãe do George. E é muito bom !  
Faça um refogado de cogumelos porcini hidratados (guarde o líquido) e Paris, finamente picados ( não moídos) num salteado de echalotas.

DSC00081-2

Junte o líquido reservado do porcini, um pouco de vinho branco, sal, pimenta e cozinhe até evaporar. Adicione salsinha, deixe esfriar e faça rolinhos com duas folhas de massa phyllo em forma de triângulo. Leve ao forno até dourar. Corte pela metade.

DSC00100-2

Agora entendemos porque a D. Maria gostava de fazer este prato em ocasiões especiais.
É muito especial mesmo, ainda mais com um fio de azeite de trufas.

DSC00110-2

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Unanimidade nacional, a páprika, chegou à Hungria em 1526, através dos turcos quando estes ocuparam o país. Além da páprika, eles também introduziram a massa phyllo e os vegetais recheados.
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

A outra entrada seria Cékla Kocsonya (Terrine de beterraba e raiz forte).

Esta receita é praticamente uma novela húngara. Pra ter uma idéia, eu ( euzinho) demorei umas 3 horas pra fazê-la e na noite anterior. Ainda bem que foi ao lado da Dé já que ela também estava no batente, executando a sobremesa. Pra confirmar, nos alimentamos com este belíssimo sanduba, que eu fiz e é  uma das minhas especialidades.

DSC00047-2

Ela, a terrine,  é uma versão atualizada e modernosa de um prato típico da Hungria que mistura gelatina e carne. Vou fazer um fotolog ( na verdade, uma fotonovela) dele.

1º capítulo – Creme de raiz forte (sour cream, raiz forte)

DSC00029-2

2º capítulo – Caldo (caldo de carne, louro, alho esmagado, pimenta vermelha seca, cravo, suco de limão)

DSC00055-2

3º capítulo – Caldo de carne com pepino em conserva picado e presunto defumado em tiras

                              DSC00056-2

4º  capítulo – Sopa de beterraba 

 DSC00057-2

Todas estas camadas são colocadas, uma sobre as outras, num intervalo de tempo suficiente pra que a gelatina sem sabor ( que está em todos os capítulos) consiga  agir e se solidificar.

DSC00082-2

E, enfim, a nossa Borscht Horseradish Terrine ( o capítulo final da novela) está pronta. E é tão saborosa quanto trabalhosa e fotogênica.

DSC00102-2

Odete e George, esta é mais uma entrada pra figurar no livro das Mais Mais do DCPV!

DSC00106-2

Tomamos um vinho branco, o Chateau Los Boldos Chardonnay 2007 Chile que foi ” refrescante, papricoso, jovial,simplinho ” e um excelente coadjuvante ( pelos comentários dos confrades estava mais pra aquoso).

DSC00098-2

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Antes, os ingredientes mais comuns usados na cozinha húngara eram : dill, horseradish (raiz forte), manjerona, alecrim, sálvia, cogumelos selvagens e caraway seed (família do anis). Foram acrescentados ao longo do tempo,  banha de porco, cebola, alho, sour cream, queijo cottage, nozes e sementes de papoula.
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

Három (3) – Fö fogás ( principal)

Fizemos um Tejfölös marhapör költ. É claro que você sabe o que é, né?

DSC00058-2

Este prato foi indicado especialmente pela Odete, pois “é um corte italiano de carne ( o ossobuco) e ganha um sabor tão húngaro por causa do Lecsó ( o sofrito de cebola, alho, tomates, páprika e pimentas)”.

 DSC00060-2

Também é uma receita grande  e é quase um cozimento à baixa temperatura, pois o ossobuco (o Shanks) cozinha por 3 horas e lentamente.

DSC00062-2

O molho é especial! Chega a parecer um roti húngaro com a sua densidade e o sabor muito marcantes.

DSC00061-2

Muito bom e o blog poderia facilmente se chamar Páprika no Ossobuco.

 DSC00119-2

Como acompanhamento, um Kapor Galuska, um Spaztle com dill.

DSC00069-2

Uma massa simples (farinha, endro, ovos e água) que é forçada através de uma peneira a cair na água salgada fervente. A nossa especialista em massas, a Dé, se encarregou de fazer este prato.

DSC00079-2

Fica pronto rapidamente e harmoniza perfeitamente com o ossobuco e o molho (ah! o molho).

DSC00125-2

Sensacional!

DSC00126-2

Tomamos um tinto português, o Loios Alentejano 2007 Portugal que foi “pessegoso, puskoso, groselhesco, rosso”.
Desculpe a nossa falha por não termos vinhos húngaros, mas eeles estavam muito caros em todas as importadoras que eu pesquisei. (Apelo:  precisamos arranjar um patrocinador urgentemente. Aceitamos oferta em garrafas. rs)

DSC00133-2

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Os pratos mais tradicionais da Hungria são : Halászlé (sopa de peixe de água fresca), Gulyás ( o famoso Goulash), Libamá ( fígado de ganso. A Hungria é um dos maiores produtores do mundo), Kobasz ( linguiça típica com páprika).
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

Négy (4) – Desszert ( esta não precisa traduzir!)

Zárdabarack Torta, ou seja, uma Apricot Almond Linzertorte ou melhor ainda, uma Torta de Damasco com Amêndoas que tem origem na Aústria e que o Geo é maluco por ela ( além de ser pela Odete também, é claro!).

DSC00020-2 DSC00031-2

Esta receita também é extensa ( que novidade)  e a Dé a fez inteirinha. Vamos a mais um fotolog:

DSC00039-2 DSC00040-2

DSC00044-2 DSC00051-2

DSC00150-2

Tomamos e harmonizamos com o Sherry Barbadillo Fino ( o mesmo que entrou no recheio de damasco) e ficou bom demais. Só faltou entrar um banda húngara e tocar o hino nacional pra encerrar a nossa noite com chave de ouro.

DSC00155-2

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
As bebidas mais famosas na Hungria são : unicum (licor de ervas), pálinka ( destilado de frutas), vinhos ( o famoso de sobremesa, Tokaji). E era bastante comum as famílias terem as suas vinherias. O sr István, pai do George também teve a sua.
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<  

Bom, gratíssimo à Odete e ao George pela simpatia, pelo acréscimo de cultura que nos proporcionaram e pela possibilidade de nos fazer experimentar uma comida tão diferente, com cara de pesadona, mas ao mesmo tempo tão leve e saborosa.

DSC00128-2

Segue o nosso presente virtual,  as nossas já famosas flores e que representam toda a nossa satisfação pelo banquete húngaro.

DSC00071-2DSC00074-2DSC00073-2

Eis a opinião dos Magyares Ferrazenses:

DSC00117-2

Ferenc Puskás aprovaria o menu! Ronaldo também! Köszönön szépen, Odete e Geo. (Edu)
Kocsis, Hidegutti, Magyar dream! Espetacular.
(Mingão)
Nem só de goulash vive a cozinha húngara ! (Déo)

DSC00131-2

Odete, fica o nosso último apelo ao George,  já que você citou num e-mail: By the way, George torce  pelo São Paulo – influenciado por mim, é claro – mas anda ultimamente com tendências corinthianas por conta do Ronaldo… e de tabela agrada o sogro e a cunhada!
Portanto, George, junte-se a nós já que você é um confrade (Odete, ainda dá tempo) e seja um Fiel corinthiano! Abriremos a primeira filial da Gaviões na Hungria!

Viszlát. (Tchau)

PS – O próximo IB ( o 19º) será com a Fabrícia do blog mais ao norte do mundo, o Sopa Vermelha ( desta vez, o tunisiano e confrade Mohamed vai só ver) que nos apresentará um menu Quebecoise. Aguarde. 

Au Revoir !

.

dcpv – risotto, a peça . Ají, o restaurante

teatro, tô fora!
11 e 12/07/09

Risotto, a peça. Ají, o restaurante.

Fim de semana na praia. Sinal de diversão garantida.

DSC09779-2

Afinal de contas, ir pra São Paulo e ainda mais num feriado prolongado, chega a ser covardia!

DSC09805-2

Na nova programação (é, existe programação oficial!) constava assistir a estréia da peça/espetáculo/aula de culinária “Risotto” com o Rodolfo Bottino e conhecer o restaurante Aji com a sua cozinha latina contemporânea.

DSC09821-2

Fomos ver/comer Risotto no sábado à noite. O consagrado ator (ex-chef/ex-dono de restaurante) Rodolfo Bottino faz ao vivo uma bela receita do prato italiano (neste caso, de uvas-passas, nozes e gorgonzola) e “conversa” com a platéia sobre várias casos relacionados à gastronomia enquanto, pretensamente, faz parte de um destes festivais onde grandes chefs fazem workshops ( os outros chefs seriam a Dadá e o Paul Bocuse).

DSC09811-2

O espetáculo é bom ( acontece aos sábados e domingos no Oggi restaurante), mas dá a sensação que poderia ser muito melhor pois a idéia de juntar gastronomia, a própria execução do prato e a proximidade com a platéia, poderia resultar numa obra muito mais coesa e interessante. ( Ah! O besteirol carioca!)

DSC09808-2

E tem mais ! Todo mundo sabe que uma receita de risotto dura no máximo 20 minutos e por consequência, o espetáculo acaba sendo bastante curto ( tem uns 50 minutos). De qualquer maneira, o risotto ( que tinha passado um pouquinho do ponto pro gosto da família Luz que o prefere al dente) foi servido pra todos os espectadores.

DSC09807-2

Se puder, vá e veja se não fomos (eu, a Dé e a Re) cri-cris demais !!

DSC09810-2

Já no domingo, conhecemos o restaurante Ají do empresário Alexandre Negrão e que tem como chef o boliviano Checho Gonzales, ex-Zaza Bistrot . (Isto aqui está parecendo uma coluna social de tanto ex!)

DSC09817-2

É um lugar muito bonito( fica onde era o Deloonix, um raw-food que não foi pra frente. Alguém se lembra ?) que tem uma decoração bastante clean e foi concebido com a preponderância duma culinária latina (tão em moda hoje em dia), uma mistura de Pacífico, Amazônia, Caribe e quetais.

DSC09816-2

Tem cadeiras confortáveis, um bar estiloso e um espaço externo com cara de convidativo que o frio não deixava nem pensar em conhecê-lo. Quem sabe, no verão!

DSC09818-2

O ambiente é bem modernoso ( Rolling Stones em forma de bossa-nova como fundo musical, por exemplo).
Começamos pedindo Tequeños, pastéis de queijo de cabra com guacamole. Na verdade, são rolinhos feitos com massa de pastel e a combinação com guacamole é perfeita.

DSC09825-2

Como bebidas( que acompanharam toda a refeição), caipiroska de tangerina e manjericão ( pra mim), Cosmo ( pra Re) e suco de tangerina ( pra comportada Dé).

DSC09822-2

O couvert veio depois. Chips de mandioca com molho azedo e guacamole.

DSC09827-2

Seguidos de um “agrado” do Checho, um caldinho de batata e alho porró acompanhado duma torrada com fava, hortelã e parmesão. Como a Dé costuma dizer, já dava pra parar por aqui.

DSC09831-2

Mas paramos, heim ? A Re pediu um supremo de frango grelhado com farofinha de quinua e milho verde. Bom e bonito, mas não entusiasmante.

DSC09834-2

Já a Dé foi de Cherne em pirão de laranja, leve cocadinha e farofinha de maracujá com pão crocante. Extremamente saboroso e o contraste do doce do pirão e da cocadinha com o salgado do peixe elevou o sabor de todo o prato.

DSC09835-2

Eu, o louco por carne, pedi um locro ! (Ô trocadilho sem graça!).
Um cozido de carne bovina com paio, bacon, abóbora, grão de bico, canjiquinha com salsa de ervas frescas e pão campônio. Quase uma “farmácia” latino-americana com um tempero  bom e sabor… muito sabor .

DSC09838-2

E o mais simpático é que o prato vem somente com o pão e o locro, separado e numa panelinha pequena de ferro fundido pra que você se sirva.

DSC09837-2

Agora imagina o “figura” aqui vendo o prato somente com o pão ? De qualquer maneira, o prato é delicioso e mais parece um Cassoulet Bolivar!

DSC09836-2

Ainda tínhamos um exíguo espaço no estômago  pra sobremesa. Tudo bem que foi no esquema 3X1 : 3 (colheres) pra 1 (doce). Mas os Mini-Churros com calda de chocolate picante e de doce de leite com rum estavam leves e casavam muito bem com o doce de leite alcoolizado e com o chocolate dedo-de-moçado!

DSC09844-2

Resumindo: o Ají é altamente promissor. Especialmente pra quem, como nós, adora a comida estilosa dos países sul-americanos ( destaque pros peruanos).

DSC09842-2

Certamente, voltaremos! Ao restaurante, óbvio !

DSC09820-2

Adiós.

.

dcpv – como era verde o meu abacate

número 221
01/07/09

Como era verde o  meu abacate

 “Sozinho é apenas uma fruta. Combinado dá força a aperitivos, entradas, pratos e sobremesas. São muitos os tipos de abacate e inesgotáveis as suas possibilidades na cozinha. Que tal ir cortando e aprendendo.”

DSC09603-2

Esta é a introdução de mais uma (bela) matéria do (excelente, não canso de dizer) caderno Paladar, do jornal O Estado de São Paulo, o popular Estadão de 23/04/09.

DSC09671-2

Eu sou macaco de auditório do Paladar. Guardo as matérias/receitas que me interessam e sempre acho alguma coisa interessante.

DSC09654-2

Neste caso, o abacate, praticamente um patinho feio na preferência do brasileiro é tratado como, por exemplo, no México onde é um ingrediente usado principalmente em pratos salgados.

DSC09699-2

São vários os tipos de abacates encontrados no Brasil : o Fucks que tem muita polpa e baixo teor de gordura (olhaí, mulherada!); o Geada com baixo teor de óleo e bastante polpa; o Margarida com teor médio de óleo (18%) e que é bom para saladas; …

DSC09605-2

… o Ouro-Verde com baixo a médio teor de óleo e muita polpa; o Breda com teor médio de óleo e bom para guacamoles; o Fortuna com polpa mais adocicada e teor médio de óleo; o Quintal com polpa mais aquosa e baixo teor de óleo e o Hass que tem alto teor de óleo e é ótimo para guacamole.E pra que servem estas informações?
Servem pra mostrar que os abacates, apesar de parecerem iguais são bastantes diferentes e devem ser provados pra demonstrarem as tais nuances.

DSC09613-2

Bom, vamos deixar de papo e agir. Está lançada a noite do abacate no DCPV. Vamos descobrir as mais variadas formas de se utilizar este ingrediente/fruta cujo nome deriva do asteca ahuacatl que significa testículo, analogia ao seu formato (você percebeu??).

Bebidinha

Não tem jeito. Abacate lembra México. E México lembra … Margaritas.
Com vocês as belas Margaritas do DCPV.

DSC09625-2

Entradas

uno – Bavaroise de Abacate com Vieiras ( autor ignorado)

Esta receita é uma daquelas que eu não tenho a mínima idéia de onde  peguei. Muito provavelmente de alguma revista Caras do consultório de algum médico ou de algum livro de culinária da Le Lis Blanc enquanto esperava a Dé experimentar roupas.
E não é que a danada é muito boa. E simples !

DSC09609-2

Pra fazer a bavaroise, é só bater no liquidificador 100 g de abacate, 8 ovos de codorna, 50 ml de creme de leite, 50 ml de leite, sal e pimenta.  Colocar numa forma e levar ao forno por 5 minutos.

DSC09599-2

Pro molho, aquecer uma frigideira e refogar ameixa vermelha fresca cortada em cubos. Acrescentar 150 ml de água de côco ( esta receita é maluca, mas é boa!), 50 g de côco laminado e deixar cozinhar por 4 minutos.  

DSC09612-2

Cozinhar as vieiras temperadas com sal e pimenta neste molho. Cuidado, vieiras precisam somente de um susto senão viram uma borracha !

DSC09630-2

Pronto. É só inventar um jeito criativo de montar e o prato te mostrará o que é. Uma delícia!

DSC09660-2

A outra entrada, a dos, foi Avocados Frescos com Mussarela ( da Paola Carosella, do restaurante Arturito, a preferida do Joaquim, LBV).

DSC09636-2

Uma salada simples onde o avocado ( aquele abacatinho que mais parece um abacate invocado!) é cortado em pedaços e misturado à mussarela de búfala. Como molho, azeite, sal, limão  siciliano e sal, emulsionados.

DSC09602-2

Montar com tomate seco e uma tapenade de azeitonas pretas.

DSC09641-2

Uma conjunção perfeita.E fotogênica !

DSC09651-2

Bebericamos um (de novo!) branco, o  Chardonnay Jacobs Creek 2008 que foi “perfumado, alvinegro (Timão êô), ansiolítico, pure peach” segundo os abacatólogos, nós mesmos.

DSC09658-2

Principal Fetuccini Picante (Mary Sue Millikin/Susan Fenger para a Comissão Californiana do Avocado) 

Uma pasta muito boa. Esta á a definição pra esse fetuccini (na verdade, eu fiz um linguini) que inclui o abacate no molho.

DSC09634-2

E este molho é  especial. 

DSC09626-2

Bata 4 tomates grandes, maduros e sem pele pro purê e reserve. Leve uma frigideira grande ao fogo médio com azeite. Ponha 12 camarões grandes, 1 colher de chá de pimenta calabresa em flocos, sal, pimenta do reino e salteie por 2 minutos.

DSC09617-2

Acrescente 2 colheres de chá de alho amassado e cozinhe por mais 2 minutos. Tire a frigideira do fogo e acrescente 1 tomate cortado em cubos e 1/4 de xícara de tequila.

DSC09627-2

Volte ao fogo por mais 3 minutos, mexendo sempre. Acrescente 1 avocado cortado em cubos e um punhado de manjericão cortado finamente.

DSC09629-2

Transfira os camarões prum prato e junte o purê de tomate reservado. Deixe ferver e reduzir um pouco. Adicione 2 colheres de sopa de manteiga gelada.
Finalize com mais um avocado em cubos , mais um punhado de manjericão e acerte o sal.

DSC09668-2

O macarrão já foi cozinhado. Junte o molho ao macarrão e prontíssimo.
Uma pasta ardidinha com um molho bem denso (o abacate entrou em ação) e com cara de Tex-Mex.

DSC09669-2

Tomamos uma novidade, um branco Torrontés Bianchi 2008 Argentina que gritou : É campeão !
Mentira ! Na verdade ele foi “damascoso, 2×0 é pouco, campeoníssimo, afetuoso“.

DSC09678-2

Sobremesa 

Creme Brulée de Abacate ( Nina Moori do Gourmandise)

Uma sobremesa original e muito boa.
Ferva 187 ml de creme de leite fresco e verta sobre 4 gemas batidas com 63 g de açúcar. Volte ao fogo até ponto napê (engrossado bem de leve). Esfrie. Una 187 g de abacate  amassado com 100 mg de vitamina C  e peneirado. Para não perder a cor, eu usei uma gota de corante alimentício verde. Coloque em 4 potinhos e asse no banho-maria a 140 C por 40 minutos. Esfrie e gele. Polvilhe açúcar e queime com maçarico.
Esta é literalmente uma receita da Nina  do blog Gourmandise.

DSC09689-2

Só podemos dizer uma coisa. Foi merecido ela ter ganho um concurso com esta receita !

DSC09703-2

E pra comemorar o título do Timão (Dubai/10. Aqui vamos nós!), um Late Harvest Undurraga Chile.

DSC09693-2

Eis a opinião dos ETs ( depois disso tudo de abacate, acabamos ficando verdes!)

DSC09665-2

Tudo verde: abacate. Tudo preto e branco : Timão! (Edu)
Comida maravilhosa!! Jogo espetacular!!! Timão campeão . (Mingão)
Delicioso! (só a refeição … rs… rs….rs) (Déo) – (Não precisa nem dizer que o cara gosta do Rycharlyson, ôpa, é são-paulino!) 

Até a próxima fruta!  E campeonato !

DSC09631-2 DSC09706-2
Dá pra perceber que a Dé caprichou na decoração alvinegra, né!

.

dcpv – dia dos namorados no allez allez

o dia da Valentina
12/06/09

Dia dos Namorados no Allez Allez.

Prometi que não iria jantar fora no Dias dos Namorados  pois todo mundo sabe que nesta noite  a coisa não funciona muito bem!

DSC09282-2

Mas achei bacana a idéia (velhíssima lá fora) de fazerem reservas. Pensei : taí, vamos experimentar!
Liguei e reservei no 1º turno ( das 20:00 às 22:00 hs) no Allez Allez, o premiado bistrô do chef Luiz Emanuel.

DSC09144-2

Chegamos um pouquinho atrasados ( 15 minutinhos!) e fomos levados ao mezanino. O lugar parece um bistrô mesmo (que novidade!).

DSC09150-2

Uma casa velha e charmosa  na Vila Madalena com madeira rangendo no piso e iluminação bem difusa ( daí as fotos não estarem muito boas).

DSC09145-2

O menu era degustação ( R$ 120.00 por cabeça) e praticamente fixo. (Se permitia alguma variação devido a restrição. A Dé aproveitou e trocou a carne dela!) 
Começamos com um muito bom couvert: pãezinhos crocantes e pastinhas.

DSC09148-2

Logo em seguida, um Creme de Cogumelos reconfortante e condizente com a temperatura da noite ( traduzindo : frio pra cachorro!)

DSC09153-2

Na sequência, um St Pierre com Risotto de Grãos. Muito bom e com um molho denso além dos grãos estarem bem al dente.

DSC09155-2

Mais um peixe, um Atum à Rossini (deve ser uma homenagem a minha sempre cunhada Egle). Atum bem cozido( a Dé adorou) e com um gosto não muito acentuado (isso seria bom?).

DSC09158-2

Um Filé a Bordelaise fechou os pratos salgados. Carne macia e com mais um molho bastante potente e similar aos demais.

DSC09161-2

A Dé variou com o Coq au Vin que na verdade me pareceu um pouco “gambiarrado” pois o Luiz usou a mesma montagem do filé. Mesmo assim, bastante saboroso!

DSC09164-2

Duas opções de sobremesas: profiteroles  e  e creme brulée. Competentes!

DSC09165-2 DSC09166-2

Um belo vinho, o Lavvocata Barbera D’Asti 2006 acompanhou tudo.

DSC09149-2

Resumo da ópera: o Allez Allez é um lugar agradável e passível de uma outra visita pra aproveitarmos o menu que apresenta alguns clássicos da culinária francesa. Ainda mais no ano da França no Brasil.

DSC08849-2

Não foi um jantar totalmente entusiasmante, mas deu pro gasto.
Ainda nos deram dois macarons em forma de coração como brindes. Reafirmaram o nosso eterno namoro.

DSC09169-2

Olha! Vou dar um conselho sair pra jantar fora no Dia dos Namorados com uma reserva confirmada é bola no barbante. Sem nenhuma intenção de duplo sentido!

DSC09080-2

Kisses! Kisses! Kisses!

Ces’t  l’amour.

.

dcpv – o tratado do tordesilhas / san gennaro na bráz

brasil!brasil!brasil!
28/06/09

O Tratado do Tordesilhas / San Gennaro na Bráz.

Passar o final de semana na praia, ou seja, em São Paulo, Capital, tem muitas vantagens.

DSC09542-2

E uma delas é estar no centro da Meca gastronômica. Você ouve falar de algum restaurante novo ou lembra de algum memorável e pronto: pega o seu carro e no mínimo nuns 15 min ( excetuando-se o Mocotó por razões óbvias) está la’!

DSC09572-2

Foi o que aconteceu quanto ao Tordesilhas. Já tínhamos ( eu e a Dé) ido lá há um tempão e achamos bom. Sabe aquele bom que é bom e ponto final. Foi isso!

DSC09548-2

Estávamos nos devendo uma nova visita pois além do restaurante ter evoluído demais, fizemos aulas com a Mara Salles ( chef/proprietária) que demonstravam que ela entende demais de culinária e, especialmente, brasileira.

DSC09534-2

Pra culminar, acabou de receber o prêmio de melhor restaurante brasileiro pelo Guia da Folha além de tantos outros que já estão na estante há um tempão.

DSC09537-2

Sendo assim, vamos lá!
O menu já te faz viajar. Tem coisa melhor do que cardápio bem escrito, bem impresso e com informações interessantes? Pois o do Tordesilhas é exatamente assim.

DSC09536-2

Comecei experimentando uma cachacinha (não tem jeito, hoje será DPVC) e a Dé  um caldinho de feijão preto com torresminho e renda de couve. Olha, o torresmo estava mais gostoso e crocante que o do Mocotó e o caldinho caiu como uma luva com este friozinho.

DSC09551-2

Não estava à fim de tomar vinho apesar da carta ter um montão de brasileiros e “solicitei” uma caipiroska de Lima da Pérsia.

DSC09547-2

Complementando as entradas, pedi um aparecidinho de polvo. Note que aparecidinho é o contrário de escondidinho. Muito bom e com  polvo, aquele , al dente !

DSC09552-2

E aconteceu um fenômeno difcilmente repetível ( tal como o Corinthians não ganhar algum campeonato).  A Dé pediu carne, um guisado de carne seca com pirão de mandioca e arroz de abobrinha . Delicioso e eu ajudei bastante pois o prato é bem servido.

DSC09556-2

E eu ? Surpresa também,  já que fui de peixe, um robalo ao molho de moqueca, caruru, acaçá e farofa de dendê. Ô pratinho bonito, sô !

DSC09559-2

Conforme o próprio menu, o caruru é feito com quiabos ( até baba tinha!), camarão seco, azeite de dendê, coentro e amendoim. Nunca tinha comido um caruru e adorei!

DSC09564-2

E o acaçá é um manjar de arroz com leve aroma de alecrim. Parece um purê de arroz. Sensacional.

DSC09562-2

Ainda abusamos pois seria impossível não pedir alguma sobremesa. Fomos numa dica do Joaquim (membro da seita presidida pela Ale Forbes, a LBV) e pedimos uma cocada de tabuleiro com sorvete de tapioca e calda de tamarindo. Ela parece meio thai, meio mexicana . E é totalmente brasileira.

DSC09568-2

Pronto ! Só pro  post ter um “toque”cultural, vou explicar o que foi o Tratado de Tordesilhas :

DSC09570-2

 ” Assinado em 07/06/1494, foi celebrado entre o Reino de Portugal e o recém-formado Reino da Espanha onde ficou definido que a  linha de demarcação seria  o meridiano 370 léguas a oeste de Cabo Verde. As terras a Leste pertenceriam a Portugal e as a Oeste, a Espanha“.

DSC09571-2

E agora vou falar sobre o Tratado do Tordesilhas :

DSC09549-2

Você que está fora do domínio da Mara Salles ou seja fora do Tordesilhas é obrigado, eu disse, obrigado a visitar o restaurante e provar a verdadeira e criativa cozinha brasileira. Você não vai se arrepender !

Até !

PS – Já que o negócio é autenticidade, aproveitamos (ê São Paulo !) e fomos comer uma verdadeira pizza Napolitana na Bráz.

DSC09575-2

Deixa eu explicar melhor: a pizzaria Bráz ( a melhor de SP) está realizando um festival, o Fora de Série: o Milagre de San Gennaro onde a idéia é reproduzir sabores das pizzas originais napolitanas com a utilização de ingredientes de primeira linha : pomodoro San Marzano, farinha 00, água mineral gaseificada napolitana, óleo de oliva grezzo (não filtrado), mussarela tipo flor de latte, etc.

DSC09578-2

Só posso dizer uma coisa : vá! ( o festival vai até 30/07).
No mínimo, você trará pra casa uma história espetacular contada  através do excelente folheto explicativo ! Além do sabor da pizza que é bem diferentão!!

DSC09581-2

E ainda poderá comer um canolizinho!

DSC09580-2

Bacci !

PS – Fui convidado pela Nina e pelo Marcel do Gourmandise pra indicar uma receita pra 14º Harmonização Virtual que eles fazem conjuntamente com o Le Vin au Blog.
Quer participar ? Mande um e-mail pra eles ( gourmandisebrasil@hotmail.com  ou levinaublog@gmail.com) e você receberá tanto a receita ( um Fetuccine Picante) como a indicação do vinho ( Salton Virtude Chardonnay 2008) feita pelo Diário de Baco.
Experimente e dê a sua opinião. Será divertido !!

.

dcpv – inauguração de novas sede e idade

Happy birthday to yooouuu!
05/06/09

Inauguração de novas sede e idade

O DCPV está de sede nova. E é na capital ! Adeus Lei Seca !!! rs

DSC08487-2 DSC08960

Pra aproveitar esta novidade, a Dé juntou tudo e comemorou mais um aniversário ( não vou dizer quantos anos pois vocês conhecem as mulheres, né?)

DSC08493-2

Pensamos em fazer uma reunião familiar bem informal e talvez, cozinhar!

DSC08950-2

Prevaleceu o bom senso (ou seja, nada de cozinhar!! rs) e após pesquisarmos no Santo Google, chegamos a Finger Foods pois queríamos algo fácil de servir e ao mesmo tempo, gostoso.

DSC08963-2

Ela é uma empresa de eventos comandada pelo chef  Fábio Guerra, cujo slogan é : Sabor e requinte à sua mão.  A idéia é genial e pelo próprio site ( que é muito bom), você pede tudo e depois verifica ( como nós) que a qualidade  das  finger foods é altíssima!! 

DSC08962-2

São mais de 100 opções entre salgados e doces . Escolhemos  e comemos :

Brochette de filé mignon e abacaxi grelhado

DSC08941-2

Croque monsieur de shitake e gruyére

DSC08965-2

Mini couscous marroquino

DSC08940-2

Mini miga de salame hamburguês e creme de mostarda e mel

DSC08937-2

Rolinho printemp de camarão

DSC08938-2

Pirulito de parmesão e gergelim

DSC08948-2

Quichette Lorraine

DSC08966-2

Stick de frango grelhado com manga e gengibre confit

DSC08968-2

Tortilla caprese

DSC08935-2

Waffle de ervilha e copa

DSC08934-2

Waffle de chocolate/nutella

DSC08971-2

Crocante de limão

DSC08973-2

Amarula

DSC08969-2

Todos muito bons, bem temperados e sem dar aquela sensação de se estar comendo a mesma coisa.
Pra arrematar e acompanhando as 1532 músicas de aniversário ( o primeiro protesto da vizinhança!),  um belo bolo da Douce France do Fabrice Le Nud.

DSC09007-2

Festa gostosa.  Comida deliciosa. Família feliz, bonita  e alimentada.

DSC08980-2 DSC09002-2

Sem louças pra lavar. No máximo, uma bela lavada nas mãos (ê, finger food!)

DSC08996-2DSC08997-2

Feliz aniversário, luz dos olhos meus !!

DSC09003-2

Até !!

.


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 640 outros seguidores

Comentários

Blog Stats

  • 1,339,648 hits
julho 2009
S T Q Q S S D
« jun   ago »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos

Atualizações Twitter