Arquivo para 16 de março de 2011

dcpv – pós-piemonte e trufado

número 273
09/11/10

Pós-Piemonte e Trufado.

Ainda estamos de ressaca.
Se é que podemos chamar de ressaca resquícios duma viagem onde se conhece uma magnífica região, o Piemonte e justamente no período mais profícuo da sua produção.

Não preciso nem dizer que o subproduto de todo o tour foram malas cheias e pesadas. E dos mais variados tipos de ingredientes: queijos, salames, produtos trufados, latarias, molhos, vinhos, utensílios e tudo o mais que se possa imaginar.

Inclusive, trufas. Dois belos tubérculos comprados na loja do nosso trifulau particular, o Stefano. Eles foram entregues no sábado no nosso hotel em Milão, o Bulgari e carregando a expectativa de serem devidamente degustados no momento oportuno.

Que seria hoje, terça-feira ou seja, 4 dias depois da sua viagem transoceânica (veja o resumo dela aqui) e do aconchego da nossa geladeira. Com eles sobre o nosso domínio, o único problema seria pensar em como apreciá-los? Quais receitas fazer?

A lei número 1 e única sobre os tartufos indica ralá-los sobre receitas simples a fim de que tamanha iguaria não tenho os seus sabores/odores perturbados por qualquer outro ingrediente.
Com esta lei na cabeça e tendo a certeza que passaremos a integrar o seleto grupo dos comedores de trufas brancas, vamos a noite em que o DCPV se tornou o DCPVPT (sem nenhuma conotação política, certo?).
Àaaaas  truuuuuufas!.

Bebidinha Como o negócio é ser simples, uma simples caipirinha de limão descascado.

Entradas – Bagna cauda e Ovo Frito.

A Bagna Cauda é tida como um prato tipicamente piemontês, fácil de se preparar e muito saboroso, além de ser ecumênico. É praticamente um fondue “vegetale”.
No meu caso foi mais fácil ainda pois só tive o trabalho de cortar os legumes,…

…, queimar e tirar a pele dos pimentões multi-coloridos …

… e abrir a lata da Bagna Cauda comprada diretamente do melhor sex shop do mundo, a Eataly.

Quanto ao ovo, foi mais difícil ainda. 🙂
Fritei os danados na minha novíssima mini-frigideira (que por sinal, é bonitinha, mas ordinária).

Dois foram duros (pra Dé e pro Mingão) e dois moles (pra mim e pro Deo).

Aí foi só montar o prato com os legumes, os pimentões,…

… a bagna,…

… o ovo …

… e  a trufa.

Que por sinal, não estava a milésima maravilha do mundo. Um tanto quanto escura, sem muito odor e com um sabor não tão acentuado.

Meu Deus! Será que o mito “Trufas” não seria inserido na galeria das comidas imperdíveis da nossa mesa?
Aproveitamos pra beber um vinho húngaro! Já que a coisa estava estranha, consegui deixar mais ainda.

E não é que o Nimbus 2008 até que cumpriu a sua missão. Ele foi “cherry, tintor, meialuna, discreto” , segundo os pedintes de upgrade, nós mesmos.

Principal – Risoto Piemontês, il Vero.

Vocês lembram do post sobre o livro Os Sabores do Piemonte?
Pois ali eu prometi que refaria este risoto só que finalizaria da maneira correta. Isto significa: com trufas brancas.
Pois chegou o dia e caprichei no risoto piemontês. Arroz arbório (do Piemonte), manteiga (do Piemonte),…

… cebola (de Ferracci di Vasconcelli), …

… e uma finalização com um parmegiano reggiano (da Emilia Romagna).
Ficou al dente, perfeito e totalmente italiano.

Esquentei os pratos pra que a temperatura de tudo estivesse perfeita e assim, ao ralar as trufas, conseguir a melhor resultado possível.
Chegou o grande momento.

E só sobrou uma palavra pra descrever este prato: per-fei-to!!
É uma pena que ainda não consigamos passar um aroma pelo computador pois esta seria a única solução plausível.

De qualquer maneira sobra a solução mais razoável e possível: a descrição por palavras.
Toda a casa cheirou a uma conjunçào de aroma de bosque, de terra e de um fundinho de gás de cozinha. Eu sei que parece estranho, mas foi o que veio a cabeça.

E por incrível que pareça, o prato foi potencializado pelo vinho (do Piemonte) tinto Pomorosso Barbera d’Asti Coppo 2007, uma vinícola que visitamos e que é fantástica. O achamos  “corpo, alma, barbaresco, meraviglioso”.

Sobremesa – Castanhas, tâmaras e geléia.

Ainda estávamos cansados da viagem. E não sobrou muita inspiração pra sobremesa.
Tâmaras quase frescas (do Piemonte),castanhas assadas no microondas (receita da Maria, que mais uma vez foi nossa anfitriã em Milano) e …

… uma bela geléia trufada.

Prontíssimo. E aromatissíssimo.

Eis a opinião dos homens de Neive:
O que que é isso, minha gente? O que comeremos/beberemos depois disto? (Edu)
Agora o que será de nós? (Mingão)
Perfeito! Dantesco! Paradisíaco! (Deo)

Como deu pra perceber pelos comentários, hoje atingimos (apesar da trufa do ovo não ser tudo aquilo) um dos marcos da gastronomia.
E como? Com simplicidade e ótimos ingredientes. É isto que faz uma boa comida.

Além, é claro, duma boa conversa, duma boa amizade e de bons vinhos.
Tanto que apesar de não estarmos na terra do Slow Food, praticamos os fundamentos do movimento. Afinal de contas, terminamos o jantar a 1:00 de la matina.

E extremamente felizes.

Arrivederci.

.

Anúncios

É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 663 outros seguidores

Comentários

Blog Stats

  • 1.413.033 hits
março 2011
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Atualizações Twitter

Anúncios