Arquivo para 11 de agosto de 2011

Jour cinc – France – Bordeaux – Passeando e entrando no mundo dos Premieres Grands Crus

25/06/2011

Jour cincFranceBordeaux – Passeando e entrando nos Premieres Grands Crus.

Acordamos tarde. Acho que o jet lag estava pesando (são 5 horas) e o calor também (hoje bateu em 39ºC).

Mesmo assim, tomamos um cafezão da manhã, ou melhor, um chazão e um capuccinão e fomos conhecer Bordeaux.

Conhecer não é bem a palavra certa, já que tínhamos somente algumas míseras horas pra dar uma olhadinha no máximo que seria possível.

E olha que este tempo foi o suficiente pra passarmos pela Esplanade des Quinconces, uma praçona imensa e com ares de árida, mas com obras de arte da maior qualidade.

Vimos também o The Grand Théâtre (dá pra imaginara sensação de se  assistir a algum espetáculo por lá), …

… a admirável Place de la Bourse …

… e a praia de Bordeaux.

É claro que todo mundo sabe que Bordeaux não tem praia, mas este espaço com pedras umedecidas através de vapores perfumados de água, certamente corresponde por uma ótima praia (e melhor, não tem areia).

Saímos correndo (é, slow travel!). Tínhamos uma reserva pro almoço na Brasserie du Lac  do Relais Margaux.

E não é que não encontramos aonde fica?

Quer dizer, não foi bem assim. O iPad da Dé deu pau e acabei ficando sem ter como conferir onde era exatamente o restaurante.

Só lembrava que era perto de Pauillac e a uns 30 km de Bordeaux.

Acabamos pedindo pra concierge do hotel nos ajudar e ela nos passou um endereço. Resultado? Chegamos exatamente no horário, só que no lugar errado! 🙂

E foi sorte, pois continuamos o caminho pra Pauillac já que queríamos ver os famosos “Chatô” que produzem os grandes vinhos franceses.

E perto do Château Margaux, entramos na tal Brasserie uma hora depois da reserva e descobrimos que ela ficava dentro dum club de golfe. Ou seja, nada a ver conosco e com a situação!

No belíssimo caminho repleto de videiras já carregadas, cruzamos com muitos excelentes produtores.

Conseguimos chegar a Pauillac, que seria a nossa única alternativa pra almoçar, já que em todas as pequenas cidades do caminho não tinha nada aberto (era domingo).

Acabamos comendo num restaurante bem simples e um tanto quanto sem graça , mas de frente pro porto da cidade (deu saudade duma coisa que nem vimos, a tal Brasserie).

Pedimos uma salada, que tinha um apelo engraçado! Ela continha peito de pato defumado (não precisa nem falar de quem nós falamos pela enésima vez) e língua. Quer dizer, só eu comi, pois a Dé passou o orgão muscular do boi! rs

Ela não arriscou mais nada e pediu um simples Penne a parisiense.

Eu fui de Paella francesa com arroz marroquino. Mais bonita do que boa.

Tomamos um vinho rosé bordalês, o Chateau Terre  d’Agnès 2010 e uma necessária garrafa de 1 litro duma água San Pellegrino.

Voltamos rapidinho pro hotel, pois tínhamos agendado uma visita ao Chateau Smith Haut Lafitte, o nosso charmoso vizinho.

O calor estava abrasador e foi ótimo nos escondermos no friozinho da adega por uma hora.

De resto, nos mostraram o cuidado com que estes grandes vinhos são feitos (e daí os seus justificados altos preços).

Vimos desde os equipamentos da colheita manual (as raizes destas videiras são absolutamente verdadeiras), …

… passando pelo estágio obrigatório em barricas de carvalho francês,…

… que por sinal e neste caso, são feitas aqui mesmo …

… e de modo artesanal.

É um verdadeiro espetáculo.

Ainda tivemos uma degustação dum tinto e dum magnífico branco e passamos na lojinha, pois eu tinha que abastecer o dromedário.

Como a tarde ia caindo (18:30 hs e 38ºC), resolvemos encarar o ar condicionado da limosine e dar um pulo em Sauternes.

Pra quem não sabe, esta região famosa por produzir excelentes vinhos de sobremesa tem muito a ver com a história viajística da nossa família. Bom, depois eu conto como foi que este tipo de vinho entrou pro anedotário dos Luz (tem alguma coisa com pedir erradadamente um vinho numa viagem a Paris) .

Voltando, rodamos por quase 40 minutos só pra dar uma olhada nos belíssimos vinhedos sauternianos, …

… na excelente paisagem …

… e quando estávamos gostando, vimos esta placa:

Pronto! Não precisa nem dizer que a cidade é minúscula.
Voltamos ao hotel aproveitando a vista. Conselho de amigo: quando estiver sem muita pressa, coloque a opção “estrada não pedagiada” no GPS. Você vai se divertir.

Caminho da roça, ou melhor do castelo e nos preparamos pro jantar com menu degustação no restaurante principal, o La Grand’Vigne. Dentre as opções, escolhemos um mini menu degustação composto de 4 pratos mais um agradinho do Nicolas Masse, o chef.

E tem mais. Eu e a Dé decidimos pela mesma variação com os mesmíssimos pratos.

O primeiro e o agrado, foi um ravioli de crab, com julienne de vegetais e um molho de cítricos. Estava muito bom e deu pra sentir um gostinho de óleo de gergelim no fundo da espuma.

Pra fazermos uma pesquisa, pedimos o mesmo vinho branco de ontem a noite, o Chateau Latour-Martillac 2008. E verificamos que ele continuava muito bom, mas com alguns sabores diferentes.

Na seqüência, gambas roti, tomate poire dans eau naturelle, avocate e tuille de pan au basilic.

Traduzindo: ótimos e gigantes camarões, com uma plástica e incrível combinação de tomates e gelatina acompanhados dum creminho de abacate e uma casquinha de pão torrada e temperada com manjericão.

O próximo foi uma clara demonstração do nepotismo: Merlu de ligne de St Jean de Luz, ravioli de petit pois et morilles , lard et paysan.

Mais uma tradução (o meu francês gastronômico está cada vez melhor): uma merluza pescada naquela gracinha de cidade (sem corporativismo) com cogumelos morilles e um bacon frito, ravioli recheados de ervilha em que a massa eram lâminas de nabo. E como “um plus a mais”, ervilhas in natura com pedacinhos de cogumelos e de lardo. Mais um prato lindo e delicioso.

Demorou um pouquinho pra chegar a sobremesa, mas a espera foi compensadora. Afinal de contas, o Timão enfiou uma sacola no SP. E a Noisettine du Medoc, le chocolat Araguani, la poire Willians Croquant ao Miel não decepcionou.

Comemos tudo e respeitando as especialidades de cada um. Enquanto a Dé comia todas as trufas de chocolate (elas eram bem moles e explodiam na boca!), eu limpava o resto, inclusive uma tuille de macarrão cabelo-de-anjo que estava muito boa.

É isso. Por enquanto, foi a melhor refeição da viagem (viu, Sueli e Jorge?).

Mas a partir de amanhã, a concorrência fica mais pesada …

… já que chegaremos em San Sebastian pra começarmos a experimentar a famosa e estrelada cozinha basca,

Sairemos dos Grands Crus e entraremos de cabeça (e de boca) nos Grans Reservas.

Au revoir e hasta.

Acompanhe os dias anteriores da viagem:
Dia Uno – Espanha – La Rioja – Marques de Riscal, o hotel.
Dia Dos – Espanha – La Rioja – Museu do Vinho e cidadezinhas bacanas
Dia Tres – Espanha – La Rioja – Bodegas maravilhosas e arquitetura não menos
Dia Catre – Espanha e França – La Rioja e Bordeaux – Final de semana em Martillac

.

Anúncios

É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 658 outros seguidores

Posts recentes

Comentários

Blog Stats

  • 1.425.469 hits
agosto 2011
S T Q Q S S D
« jul   set »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos

Atualizações Twitter

Anúncios