dcpv – dia primero – chi-chi-chi-le-le-le. viva chile.

17/08/2011

Dia primero – Chi-chi-chi-le-le-le. Viva Chile.

O vôo da TAM sairia cedo de Cumbica, mais precisamente as 8:50hs. Chegamos no horário, mas um pequeno problema quase atrapalhou tudo: o RG do sr Antônio, meu sogro, era antigo e pior, dividido em duas partes.

A atendente da TAM nos advertiu que este fato poderia dar problema na alfândega do Chile e que se déssemos azar, poderíamos até ter que voltar de lá de Santiago mesmo.

Que este fato sirva de exemplo pra todos: verifiquem o seu documento de identidade ou faça como nós (eu e a Dé); leve o passaporte e além de evitar uma surpresa desagradável, ainda ganhará alguns carimbos a mais pra coleção.
No restante, o vôo foi tranquilo e chegamos a Santiago com um frio danado. E claro, sem nenhum problema com a aduana!

O nosso hotel, o W é uma verdadeira beleza. Moderno, hyppado, novinho, contemporâneo, enfim: perfeito.

Os quartos não ficam atrás. São moderníssimos e com o upgrade  que conseguimos, ainda tivemos a nossa disposição, varandas com vista direta pra Cordilheira dos Andes.

A única dica pra quem quer se hospedar por aqui é: pergunte sobre o banheiro, porque o de alguns quartos (no caso, o nosso) é totalmente devassável e isto pode não ser agradável, o que não foi o nosso caso, já que achamos bem bacana.

Pra melhorar, o hotel está situado numa zona nobre da cidade chamada Las Condes (quase que um Jardins chileno) e ele faz parte dum complexo que contém bons restaurantes (o Coquinaria é um exemplo), lojas de grife e uma filial da El Mundo del Vino que é fantástica. Tá na cara que o dromedário voltará completamente lotado.

Aproveitamos pra ir almoçar perto do hotel e num lugar tradicional aqui em Santiago, a Confiteria Torres.

Ela é uma filial da histórica sede de Centro.

Fomos sentando e percebendo a beleza do lugar.

Dentro do mote, pedimos além do couvert, muitos pratos tradicionais: como entradas, sopas (creme de zapallo, consomé de ave e jugo de carne) pra todos …

… e machas à parmegiana pra mim. Machas são moluscos retirados manualmente do mar e apresentam as cores rosa e laranja quando cozidos. Se parecem com mexilhões e estas estavam deliciosas.

Como estávamos baseando os nossos pedidos nos frutos do mar chilenos (locos, picorocos, polvo, machas, etc), tomamos um vinho branco Sauvignon Blanc Errazuriz (louve-se que a carta de vinhos oferecida em todos os restaurantes que fomos era totalmente chilena).

Como principais, a D Vera foi de Pescado Mediterrâneo, que é um saboroso peixe branco a la plancha, com camarones, pulpo y locos ao peperoncino, acompanhado de purê de palta, o nosso famoso abacate.

O sr Antônio radicalizou na tradição e pediu o famoso Lomo a lo pobre composto dum bifão, batata frita, dois “zoiudos” e cebola frita. Qualquer semelhança não é mera coincidência.

A Dé poetizou e foi de Congrio com salsa de picorocos e echalotas ao creme (este a Drix comeria). Um prato totalmente excelente.

Eu finalizei com Arroz chilote de Misiá Maria, um arroz bastante molhado com pedaços tenros de polvo (olha ele aí!) e bastante açafrão. Um prato instigante (um outro modo de dizer que é mais ou menos) e muito saboroso.

Pagamos a conta e observamos que o bar merece uma visita mais demorada.

Demos uma volta pela região do hotel que é arquitetonicamente surpreendente e resolvemos dar uma descansada.

Quer dizer, resolvemos deixar a D Vera e o sr Antônio relaxando e fomos conhecer melhor a área comum do hotel.

As soluções encontradas pra decoração são incríveis. O hotel todo parece ter saído duma revista especializada.

Experimentamos o nosso primeiro Pisco Sour (guia Vagaluzes: 10) e subimos pro quarto pra tomar um banho rápido, já que tínhamos reservas feitas no restaurante principal do hotel, o Osaka.

Eu apostei nele e não me arrependi.

Tudo começou com a filosofia do estabelecimento: uma comida fusion asiática e peruana com ingredientes puramente chilenos.
O ambiente é charmoso e intimista.

Estudamos o enorme cardápio e optamos por tapear a vontade.

Escolhemos quatro delas: tacutan (mini empanadas de massa phyllo recheadas de tacu-tacu com molho vietnamita) …

spring rolls (estes eu não preciso explicar), …

passion schrimp (camarões com molho de maracujá e amendoim além do ragu de pimentão)  …

… e a vedete da noite, os incendiários mariscos (literalmente) ao fogo.

Ainda escolhemos 3 causas que não tem nada a ver com o metier do Eymard. Causas são pratos típicamente peruanos que tem como base purês de batatas acompanhados das mais variadas coberturas. No nosso caso, foram de chicharron, centolla e camarones.

Tomamos um vinho branco Sauvignon Blanc EQ 2010 da bodega Matetic, uma vinícola que visitaremos no domingo.

Aproveitamos o embalo e pedimos sobremesas no famoso esquema 4×4 (ou seja, todo mundo iria experimentar tudo).

Turron Osaka, cremoso torronezinho de amendoim com base de chocolate e pannacotta de lúcuma com leite de tigre e gergelim; …

trio de creme brulèe, de chá verde, de chicha morada y algorrobina; …

sashimi de pina, servido com sorbet de limão e tapioca tai e a degustaçào de suspiros limeños, com aromas de hierba luisa e chicha morada, de lúcuma com café e lichia com pisco sour.

Enfim, um beleza mais gostosa do que a outra.
Tomamos dois cafés mais dois justificados chás verdes e fomos dormir o sono dos justos e dos cansados.

Até que não foi decepcionante para um primeiro meio dia de viagem, né não?

Hasta.

.

Anúncios

6 Responses to “dcpv – dia primero – chi-chi-chi-le-le-le. viva chile.”


  1. 1 Ludmila setembro 2, 2011 às 2:06 pm

    Genntee tem Osaka no Chile..que legal!!Adorei o Osaka que fui em Buenos Aires …culinária fusion muito boa hein?que delícia de viagem anotando todas as dicas do chile quero ir ano que vem!!
    Abraços para a família…da fã Lud

  2. 2 Adriana setembro 2, 2011 às 11:10 pm

    Edu, adoro Santiago e se não fosse Pablo, meu amigo portenho, certamente minha “ponte aérea latina” não seria para Buenos Aires e sim para Santiago. Neruda e as Cordilheiras são minhas paixões chilenas.
    Congrio é para comer e recitar… claro que comeria! Parece delicioso… Aliás, os pedidos da Dé são os que chegam mais perto do que eu pediria. Seus pedidos (leia-se polvo e carne cruda… rs) passam longe! :- ))
    Outra idéia para o ISBFV: festival de causas. Adoro as causas… Carlos acabou de me explicar o que é algarrobina, planta típica da sua região. Segundo ele, deve-se ter cuidado com o consumo de algarrobina, pois dizem, no norte peruano, que seu efeito se aproxima do efeito do viagra :- )

  3. 3 eymard setembro 3, 2011 às 7:02 pm

    Adriana, voltei! (rs)
    As causas me causaram. Fiquei com vontade experimentar e, claro, topo!
    Achei engraçada a historia do banheiro da suite no hotel….tem arquiteto muito maluco.

  4. 4 Adriana setembro 4, 2011 às 4:32 pm

    Eymard, sabe o que é melhor nas causas peruanas? Se alguém fizer o recheio, até eu sei montar o prato, pois o purê não vai ao fogo! !!! Mas tem que ter aji amarillo, para serem autênticas. Só não gosto da mania dos peruanos de colocar abacate – ou palta, falando no original – em tudo, inclusive em alguns recheios. Adoro abacate, mas em creme, batido no liquidificador, com açúcar e limão, de postre. Dizem que as causas peruanas têm esse nome porque eram vendidas pelas mulheres em campanhas para ajudar os soldados durante a guerra contra o Chile. Eram vendidas “pela causa”, dai o nome. Não sei bem o porquê, mas hace seis años passei a interessar-me pelos “causos” peruanos” também :- )

    Edu, também prefiro usar o passaporte, mesmo na América do Sul. Já vi gente voltar da alfândega, por causa de carteira de identidade. Outra coisa que nem todos sabem: os registros profissionais, que aqui substituem a carteira de identidade (CRM, CREA, CRP, OAB…), não a substituem em nossos vizinhos.

  5. 5 eduluz setembro 8, 2011 às 11:44 am

    Eva, tem sim e é muito bom mesmo. E continue por aqui!

    Drix, também adoramos e certamente é a nossa cidade número 1 da América Latina.
    E espera pra ver a receita do Congrio do chef do Boragó: ele serviu uma enorme batata chips com o poema do Neruda impresso e colocou legumes com letras! Uma poesia em forma de comida!

    Sócio, tem arquiteto que não dorme no quarto que ele projetou!
    Se bem que achamos o quarto todo (banheiro incluso) muito interessante. Causas (que são a sua especialidade) já estão anotadas.

    Drix, quer dizer que além de macarrão, você terá que fazer as causas também?? Xiii, este ISBFV promete!
    Tantos os registros profissionais como a carteira de habilitação não são aceitos.

    Abs não sísmicos pra todos.

  6. 6 Adriana setembro 8, 2011 às 10:51 pm

    Edu, não disse que faria o macarrão com almôndegas… Sugeri que fosse parte do menu :- ) E quanto as causas… O pure eu garanto (o que conheço é só batata cozida, molho de aji amarelo e limão)… Já os recheios…
    Mas prometo que no ISBFV serei mais ativa… respeitando minha habilidades, claro… Você já testemunhou minha falta de jeito para bater as claras dos ovos na casa da Sueli.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 643 outros seguidores

Blog Stats

  • 1,350,096 hits
setembro 2011
S T Q Q S S D
« ago   out »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: