dcpv – noite peruviana na cebicheria la mar

14/09/2011

Noite Peruviana na cebicheria la mar.

Parece incrível, mas o final do ano se aproxima.

E o trabalho nas Organizações LongueLuz está cada vez mais pesado. São reuniões e mais reuniões.

Não preciso nem dizer que fizemos mais uma. Desta vez na cebicheria la mar (rua Tabapuã, 1410 – Itaim Bibi) onde aconteceria o jantar intitulado Experiência Peruana. A idéia toda seria mostrar a culinária daquele país, mas com alguns detalhes brazucas.

Recebi o email, percebi que o sócio estaria na praia e obtive o “sim” da Re e da Dé. Pronto; foi só reservar e aguardar o desfilar dos grandes chefs Fábio, Thomas e Flávio.
O local (pra quem não conhece) é muito bonito. Você sente realmente que está num lugar de grife; uma franquia dum empreendimento do atual enfant terrible da gastronomia, ou seria niño extraño, o peruano Gastón Acurio.

Enquanto esperávamos o Eymard chegar, pedimos um  legítimo Pisco Sour pra alegrar a nossa noite.

O sócio aportou, juntamente com a primeira incursão do grande Flavio Federico (por sinal, parabéns pra ele por mais um merecido prêmio da Vejinha/2011) à nossa mesa.

Estávamos “listos” pra iniciar a nossa viagem inca. Começamos bebendo um Prosecco Bottega Poeta 

… e comendo Panzanella, quinua e lula.

Quer dizer, pra alguns, já que a Re discretamente despachou as lulas (divididas irmanamente entre os sócios). De qualquer forma, os moluscos estavam muito bons e este prato foi criado pelo Fábio Barbosa, chef da própria la mar.

Quem fez a segunda entrada foi o Thomas Troisgros (do CT e do Olympe. Logo, logo o Claude será o pai dele! rs).

Um espetacular Lagostin com camote dorado, um adocicado lagostim envolto em batata doce frita e apoiado numa lâmina cozida de batata doce roxa legitimamente peruana.

Muito bom mesmo e acompanhado pelo branco sulafricano Chardonnay Gran Carlou, que conseguiu ser melhor ainda.

Conversamos bastante, estabelecemos as metas pra 2012 (a conselheira Lourdes será advertida pela nova falta. rs) e experimentamos um Nhoque de abóbora e aji amarelo (outra obra do Fábio). Pra quem não conhece, o aji é um tipo de pimenta bem leve e um tanto quanto adocicada.
Ou seja, dá pra imaginar o gosto que esta pseudopimenta dá pra tudo, né?  O vinho branco neo-zelandsês Gewurstraminer Saints Clair Godfreys Creek cumpriu bem o seu papel.

Mais conversas, mas risadas, mais balancetes, com inclusive, alguns convites pra intercâmbio e partimos pro último principal. E é claro que com o lobby do sócio, o ingrediente principal seria … pato.

O Thomas ouviu as preces e serviu um ótimo Magret de pato com purê de lúcuma. Vamos a mais um momento dcpv também é cultura: lúcuma é uma fruta peruana estranhona e com um gosto doce e bem diferente, quase uma mistura de caqui com plástico. Xiiiii!

O purê foi comido por todos. Mas a Re e a Dé doaram novamente o magret pra sociedade, que não recusou em hipótese alguma. Desta vez, o tinto chileno Petit Syrah Medala Real Santa Rita 2005 só faltou emitir um qüen-qüen.

Era chegada a hora do Flávio Federico entrar em ação. E foi com um sublime Suspiro Limeño com damascos.

Uau! Que doce! Uma conjunção perfeita entre a polpa do damasco, o suspiro cremoso e o Moscatel Santa Rita Late Harvest.

Suspiramos todos ao experimentar, assim como nos petit fours peruanos que o Flávio preparou: brigadeiros de aji amarelo e macarons de pisco sour, as especialidades que não poderiam faltar.

Resumo da ópera: esta “Experiência Peruana” foi totalmente positiva. Os sabores se “misturaram(os gastrônomos perceberam o trocadilho) com uma tremenda “acuracidade (mais um! rs).

E fica também uma reflexão: será que não temos ingredientes diferentes suficientes pra dar uma identidade pra comida genuinamente brasileira assim como existem os peruanos? Ou precisamos dum “lerrítimo” Gaston Acurio nestas plagas?

Hasta.

.

6 Responses to “dcpv – noite peruviana na cebicheria la mar”


  1. 1 Flavio Federico outubro 28, 2011 às 9:02 am

    Boas Edu;
    Como sempre, muito obrigado pela presença e pelo post.
    Acredito que existam muitos ingredientes no Brasil que possam levantar suspiros (não os Limeños) dos que aqui nasceram. O que falta é alguém dar a cara para bater, de verdade, e tentar fazer com que todos dêem o valor merecido à nossa cultura, como o Gaston conseguiu fazer no peru.
    Queria deixar aqui consignado, para todos, que a primeira vez na vida que fiz um suspiro Limeño foi por sugestão do Edu, em um jantar na casa deles. Desde então me apaixonei pela receita e tenho como uma das minhas preferidas.
    Valeu Edu e Dé.
    Abs a todos

  2. 2 Erika outubro 28, 2011 às 1:23 pm

    Edu, esse post foi para eu ir já entrando no clima do fim de ano! Acho que o DCPV já cumpre em parte esse processo de consolidação da culinária nacional (lembro de um post sobre comida caipira, a brincadeira do risoto de feijoada, dentre outros). Mais um objetivo aí pra “associação” hehe.
    Outra sugestão: devia abrir uns minicursos para preparar um jantar como você faz, com entrada, prato principal e sobremesa (e decorar tão bem como a Dé – pacote completo!). Eu seria a primeira e me matricular!

  3. 3 Ameixinha outubro 28, 2011 às 1:35 pm

    Passo o pato mas fico com a lula 🙂
    Isso soou mal, né? ha ha

  4. 4 Drix outubro 28, 2011 às 5:35 pm

    Edu, não conheço os grandes “chefes”. Os tenho conhecido por meio de seus comentários aqui no DCPV. Mas por motivos óbvios já conhecia o Gastón Acurio. E o conhecia não por sua culinária, mas por seu trabalho, relatado por Carlos, que fez com que os peruanos percebessem sua comida e seus produtos como elementos culturais. Não sei quantas vezes já ouvi que o Perú tem 3.000 tipos diferentes de batatas, que o abacate – ou palta – de lá parece uma manteiga :- ) Além disso, todo esse movimento liderado por ele tem também um trabalho de inclusão social. Certamente valorização da cultura e inclusão social têm um sabor especial para uma socióloga. Está chegando a hora de descobrir o sabor de batatas, paltas e ajís.

  5. 5 eymard outubro 29, 2011 às 6:49 pm

    O jantar foi um espetáculo. Os chefs, melhores que os tres tenores!!!! E as companhias, bem, essas nem se fala! Entao, podia dar errado? Claro que nao. O suspiro limeno do Flavio é uma “leitura” pra la de gostosa dos exemplares que eu já havia experimentado. As “batatas” com textura, cor e paladar diferentes foram grande destaque.

  6. 6 eduluz outubro 31, 2011 às 7:35 am

    Flávio, quem sabe esta pessoa não seja … você !
    Quanto ao Suspiro Limeño, dar sugestões pra você é uma moleza, já que o resultado é sempre um produto de primeira.

    Erika, boa idéia. Vamos apoiar o Flavio na presidência. 🙂
    Quanto aos minicursos, taí mais uma boa idéia pras organizações LongueLuz. Anotada e você será a primeira a ser informada.

    Ameixa, soou mal, sim. Especialmente pra quem gosta de pato!! 🙂

    Drix, estou com você: precisamos de alguém que centralize tudo e se transforme num agregador. Está mais do que na hora destes grandes (?) chefs se unirem e criarem um grande projeto de integração nacional. Às armas, ops, aos garfos! 🙂

    Sócio, antes tarde do que nunca …
    Concordo com tudo. Especialmente com a companhia.

    Abs diluvianos pra todos


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 633 outros seguidores

Blog Stats

  • 1,322,669 hits
outubro 2011
S T Q Q S S D
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Atualizações Twitter


%d blogueiros gostam disto: