dcpv – ISBFV – “eu acredito na amizade e a exerço” ou “(…)a vida é mutirão de todos, por todos remexida e temperada” (by Drix)

8 a 10/12/2011

“Eu acredito na amizade e a exerço” (Jorge Amado) ou “(…) a vida é mutirão de todos, por todos remexida e temperada.” (Guimarães Rosa)

Nosso grupo desafia até mesmo a professora que leciona as disciplinas “Redes Sociais” e “Gêneros Digitais”. Por ofício naveguei por chats, fóruns, blogs, Orkut, Facebook. Pelas mãos do Déo cheguei ao dcpv. Com carinho fui recebida por Edu, Mingão e Débora. Por prazer, fiquei. Por acaso – feliz acaso, nas palavras de Edu, no primeiro ISB – outros foram chegando: Eymard, Lourdes, Sueli, Jorge, Regina. Em julho de 2010 surgia, oficialmente e a partir da inveja de Eymard, Sueli e minha própria, o ISB: Inter dos Sem Blogs. Alguns mais extrovertidos, outros um pouco menos; uns cozinham, outros, não; muitos bebem, uma não; engenheiros, advogado, dentista, psicóloga, pedagoga, socióloga; paulistas, mineiros, carioca. Somos assim… diferentes.

Para cada encontro, um relato. Olhares distintos. Textos diferentes. Sentimentos comuns. De Neruda a Guimarães Rosa, iniciamos, em São Paulo, nossa travessia de sabores, saberes e amizades compartilhadas. Em Brasília, cumprindo o desejo de Niemeyer, fomos muito felizes. Em Belo Horizonte, “era dia comum e virou festa.” Era preciso manter neste post – síntese de todos os outros ISB – o estilo dos posts anteriores: citações, muitas citações, daí dois títulos se o editor assim o permitir. O ISB em Ferraz de Vasconcelos é a síntese de todos os outros ISBs, porque fechou um ciclo; síntese, porque estivemos todos juntos, o tempo todo; síntese, porque aconteceu onde tudo começou, ainda que virtualmente.

Introduzido o tema… (sim, isso foi só a introdução)

Sei que este é um blog gastronômico, que o “mote” dos encontros é a culinária, mas no ISBFV a comida, ainda que deliciosa, foi coadjuvante. O sorvete de parmesão, os ovos recheados e a salada caprese da entrada estavam deliciosos. A massa com molho de tomate com polpetinni acompanhada com o stracetti também (soube que o molho de abobrinhas estava divino, mas esse não experimentei). A crostatta di ricotta e pera com sorvete de baunilha uma maravilha. Mas a alegria, o carinho e a comunhão foram os atores principais.

A alegria

Talvez seja pleonasmo falar da alegria de um ISB. Ela está na essência de nossos encontros. Como definir o que aconteceu dentro daquela van, com seus brindes, as piadas do Déo, um GPS que insistia em apontar caminhos desconhecidos até mesmo pelos nativos, os memoráveis “Top 5” de Mingão, Edu e Déo, que aos poucos foram incorporados ao ISB?

E afinal, qual seria o Top 5 do ISB FV?
1. Claro que começaria com um mineiro: “amigo é coisa para se guardar. Debaixo de sete chaves, dentro do coração…”

2. Nossa faixa etária não deixaria Titãs de fora, afinal, “a gente não quer só comida, a gente quer a vida como a vida quer…”

3. E como somos contemporâneos, cantaríamos Gil: “Eu quero entrar na rede, promover um debate, juntar via Internet…”

4. E Vinícius nos lembraria como tudo isso começou: Há dias que eu não sei o que me passa. Eu abro o meu Neruda e apago o sol; misturo poesia com cachaça…”

5. Para finalizar, Gonzaguinha, com aquela que poderia ser a nossa trilha sonora oficial: “Viver e não ter a vergonha de ser feliz…”

Se muito se comeu, se muito se bebeu, se muito se cantou, se muito se falou naquele dia, alegria foi o que transbordou na casa de Edu, Débora e Renata.

O carinho

Edu, para esse ISB, fez mais do que nos receber. Abriu sua cozinha para os leigos. O carinho com que passou o fogão para Jorge e Eymard fez do chef um professor. Acredito que só conseguimos ensinar alguma coisa a alguém quando demonstramos o prazer que aquele conhecimento nos proporciona. O resultado pode não vir na primeira aula, mas isso, ao professor não importa. Ele tem paciência. E não importou a Edu, “arriscar” nosso almoço, deixando que os alunos o preparassem. E os alunos não decepcionaram: o molho de abobrinha e os “bifinhos” foram aprovados por todos. Ponto para professor e alunos! Às vezes nos deparamos com alunos um pouco mais tímidos, que observam de longe, mas que também conseguem se deixar contagiar pelo prazer do conhecimento. Sinto que a cada ISB venho me aproximando do fogão. Mérito do professor, de seu carinho e sua “metodologia” de presentear seus alunos com máquinas de fazer macarrão!

O carinho esteve presente também em outros momentos, como na troca de presentes. Ali não havia amigos ocultos, só amigos declarados. Os presentes materializavam o carinho do pensar no outro, de preparar-se para o encontro. Muito carinho também no sorriso de Flora e Cleide, ao ver aquele grupo invadindo a cozinha e vestindo seus aventais, previamente selecionados pela Dé.

A comunhão

Está no dicionário…

Comunhão: ato ou efeito de comungar; ação de fazer alguma coisa em comum ou o efeito dessa ação.
Confraternização: com + fraternização.
Fraternização: fraternizar + ção
Fraternizar: unir-(se) como irmão

O dcpv começou da amizade de irmãos de sangue e de vida que, desafiando a correria do dia a dia, se confraternizam toda terça-feira. O ISB começou do desejo de confraternizar-se com novos amigos. O ISBFV selou a amizade, com uma confraternização em torno da mesa e da massa. Nada, nesse encontro, foi mais significativo para mim do que a massa preparada a vinte mãos. Um quilo de farinha de trigo 00, 10 ovos e 10 porções de amizade, misturados delicadamente, incorporando cada um dos ingredientes. Até a aluna tímida colocou a mão na massa, com a ajuda de Déo e sob o olhar atento e muito riso de todos os outros.

Esse foi nosso ISBFV: uma alegre e carinhosa comunhão de amigos. Assustei-me ao perceber que o relato desse ISB, síntese de todos os outros, ficara menor que os demais. Mas foi então que me lembrei de um provérbio chinês que diz: “Às vezes, as palavras mais significativas são aquelas que não são ditas”.

NR – Este foi o 3º relato sobre o encontro iessebeviano, o da Drix (os outros dois foram o meu e o da Sueli). Ainda restam o do Eymard e o do Mingão (que garantiu que vai escrever! rs). Aguardemmmmmmmm!

.

Anúncios

7 Responses to “dcpv – ISBFV – “eu acredito na amizade e a exerço” ou “(…)a vida é mutirão de todos, por todos remexida e temperada” (by Drix)”


  1. 1 Drix janeiro 14, 2012 às 10:03 am

    Ontem não foi um dia feliz. O fim do sofrimento de uma amiga representa o início de uma saudade. O galo dos ventos, do telhado de sua casa, hoje aponta para o céu, que depois de dias nublados surgiu azul. Amigas de infância, compartilhamos as brincadeiras na hora do recreio na escola. Amigas de adolescência, confidenciamos uma a outra o primeiro beijo. Juntas estudamos para prova e preparamos apresentações de trabalho. Juntas comemoramos a chegada de um novo ano em seu sítio. Juntas chegamos aos 50 anos. Juntas tivemos nosso café da manhã em seu último aniversário. Não consigo pensar em melhor dia, para relembrar o encontro com os novos amigos. Para o enorme vazio que surge com sua partida, o aconchego de novos abraços.Certamente nosso melhor alimento é a amizade.

  2. 2 Sueli OVB janeiro 14, 2012 às 2:42 pm

    Adriana,
    Se “às vezes, as palavras mais siginificativas são aquelas que não são ditas, vou dar-me o direito de calar e apenas me emocionar.
    Deixo com você meu grande pesar pela inestimável perda de uma amiga querida -não gosto nem de pensar numa situação dessas- e os versos de Renato Russo: “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã…” E você sabe muito bem fazer isso.
    Deixo com você não só o meu grande abraço, mas a parte mais importante do meu corpo, o ombro, onde os amigos podem chorar.
    Aqui, agora, está chovendo e eu acho que vou chorar na chuva, “lágrimas de peixe”…
    Beijos

  3. 3 eymard janeiro 16, 2012 às 7:35 pm

    Adriana, falar da sensibilidade do seu texto é chover no molhado! Sempre um primeiro encontro e, contraditoriamente, a mesma sensaçao de que ja nos tínhamos visto ontem. A cozinha e a mesa tornam diferentes, iguais. ´E essa a sensaçao que experimentamos nesse ISBFV. Que todos saibamos manter o segredo desse equilíbrio. E maos na massa!!!

  4. 4 eduluz janeiro 26, 2012 às 7:26 am

    Trio parada dura: foi muito bom!

    Abs e bjs pra todos.

  5. 5 Alex Baoli fevereiro 16, 2014 às 11:46 am

    Achei maravilhoso o texto. parabéns aos idealizadores… E a frase de Jorge dá aquela pitada, uma sabor a mais. A saber, tal frase é: “Eu acredito na amizade e a exerço.”

  6. 6 Alex Baoli fevereiro 16, 2014 às 11:47 am

    Errata: Achei maravilhoso o texto. Parabéns aos idealizadores… E a frase de Jorge dá aquela pitada, um sabor a mais. A saber, tal frase é: “Eu acredito na amizade e a exerço.”

  7. 7 eduluz fevereiro 20, 2014 às 6:36 pm

    Alex, que legal que gostou do texto da Drix. Volte sempre, amigo.

    Abs amigáveis pra você.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 643 outros seguidores

Blog Stats

  • 1,350,096 hits
janeiro 2012
S T Q Q S S D
« dez   fev »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: