dcpv – borgonha – frança – deuxième jour – pisando no solo do romanée-conti.

27/04/12

BorgonhaFrançaDeuxième jourPisando no solo do Romanée-Conti.

Surpreendentemente o dia amanheceu ensolarado.

Após o estado chuvoso e intermitente de ontem, isto seria praticamente impossível. Mas foi o que aconteceu.

Tomamos o café da manhã no hotel e atravessamos Beaune a pé pra fazer uma visita à vinícola Bouchard Père & Fils.

Ela é muito antiga, como a maioria delas por aqui, e fica num chateau nas muralhas da cidade.

Ou seja, é espetacular.

O Eymard conseguiu este tour através duma vendedora de vinhos em NY, a Ana Paula.

Chegamos lá no horário e o tour começou imediatamente (éramos nós quatro e mais dois ingleses).

A nossa guia a Sandra, nos levou as caves e lá podemos perceber a proporção de tudo.

Pra se ter idéia, 2500000 de garrafas estão armazenadas no local.

Ela também nos contou toda a história do estabelecimento, a sua filosofia e o tamanho da empresa.

Andamos bastante embaixo da terra.

Vimos garrafas raras (algumas chegam a custar 10000€), partimos pra degustação …

… e 6 vinhos depois, estávamos prontos pra escolher o que levar pro Brasil.

Fechamos a compra e rumamos em direção a Dijon.

Pra quem não sabe, este pedaço se chama Cote de Nuits e contém os lugares mais famosos do mundo do vinho.

Passamos primeiro por Aloxe-Corton, uma comuna que tem uma particularidade: produz tanto vinhos tintos como brancos que são Grand Cru, a melhor classificação que um deles pode ter (as outras são, por ordem decrescente de qualidade, 1er grand cru, village e demais) …

Nuits Saint Georges, …

… e o lugar histórico que é o Domaine Romanée-Conti.

Este merece um destaque especial.

Afinal de contas, não é todo dia que se tem a oportunidade de ver onde é produzido o vinho mais caro do mundo. E a surpresa é grande ao perceber que o tal terroir tem o tamanho dum quarteirão!

É verdadeiramente mágico. Que me desculpem os puristas, mas eu trouxe um pequeno pedregulho de lá! 🙂

Continuamos no sentido de Dijon.

Conhecemos Vougeot e o famoso e lendário Château du Clos-de-Vougeot.

Tentamos almoçar pela região, mas nem pensar. Já tinha passado das 14:00hs e a essa hora vale a lei do Soup Nazi do Seinfeld: no soup for you!

A saida foi passar rapidamente em Gevrey-Chambertin e …

…. tentar comer alguma coisa em Dijon.

Conseguimos achar uma “bueca de puerco” aberta, chamada Le Rabelais, …

… onde, devido a necessidade,  todos pedimos croques monsiers

…  e uma garrafa dum bom vinho branco Saint-Véran (sem corporativismo).

Descobrimos quase sem querer, por pura sorte, que estávamos ao lado do Palais des Ducs, …

… um ponto turístico famoso da cidade, além da catedral de Notre-Dame,   …

… ambos integrantes do circuito das corujas, …

… um roteiro bem demarcado pelas mesmas através de placas no chão e que leva a lugares curiosos da cidade.

Tinha cancelado uma reserva pras 13:00 hs, no restaurante Le Pré aux Clercs (devido a impossibilidade de chegarmos no horário) e qual não foi a nossa surpresa ao percebermos que alguém tinha pedido pra Dé tirar fotografias do próprio restaurante e, justamente com o chef, o Jean-Pierre Billoux , sendo um dos fotografados!

Andamos mais um pouco e retornamos pra Beaune.

Tentamos, no caminho, fazer um passeio pelo Château du Clos-de-Vougeot, mas ele estava fechando, já que haveria um casamento por lá.

Chegamos ao hotel, nos arrumamos e partimos com destino a Puligny-Montrachet, o berço dos vinhos brancos, onde teríamos um jantar-degustação (dica da Márcia e do Vianney).

O lugar, o La table d’Olivier Leflaive é muito charmoso.

Fica numa cidade tranquilíssima e melhor, numa praça bonita e calma.

Fomos sentando e o sistema funciona da seguinte maneira: o menu é fixo.

É claro que iniciamos tudo com as indefectíveis gougères.

Todos comemos persillé de atum ao chardonnay com salmão defumado, …

frango com tapenade com vegetais e arroz pilaf, …

queijos variados

… e mousse de chocolate.

O que variou é que a Lourdes e a Dé escolheram fazer uma degustação (Formule Iniciation) composta de 5 vinhos (Borgogne  Les Setiles 2010, Saint-Romain Sous Le chateau 2009, Puligny Montrachet 2006, Puligny Montrachet 1er Cru Garennes 2007 e Pommard 2005)

… enquanto nós, Eymard e eu optamos por 10, com a repetição de quatro dos delas e o acréscimo de mais seis (Chassagne Montrachet 2008, Mersault 2008, Chassagne Montrachet 1 er Cru Dents de Chien 2007, Chassagne Montrachet 1er Cru Clos Saint- Marc 2007, Volnay 1er Cru Mitans 2008 e a estrela da noite, o Corton Charlemagne Grand Cru 2007).

Todos estes vinhos foram comentados por um sommelier que nos passou as características e as particularidades de cada um deles.

E tem mais, o próprio  M. Leflaive veio conversar conosco e afirmou o quanto gostava do Brasil, em especial, da Bahia (xiiii, de novo! rs).

Demos muitas risadas, nos divertimos muito e certamente indicamos este passeio-refeição na casa do  M. Leflaive. Pra finalizar com chave de ouro, pedimos mais duas taças dum Bâtard-Montrachet Grand Cru 2007, mais um grande exemplar de vinho branco borgonhês. A “petit grand-mère” teve que nos “aguentar”! 🙂

Pronto. Voltamos pro hotel pra, finalmente, dormimos o tranquilo sono dos justos.

E degustar todos estes vinhos certamente colaborou pra isso.

Au revoir.

Veja o primeiro dia desta viagem:
Premier journée – Borgonha – França – Visitamos o hospício de Beaune.

.

Anúncios

9 Responses to “dcpv – borgonha – frança – deuxième jour – pisando no solo do romanée-conti.”


  1. 1 Eymard maio 22, 2012 às 8:39 am

    Bonjour! Bonjour! Desole….desole! Ferme. Em qualquer lugar se come bem na França. E vinho? Tome qualquer um. São todos bons. Nao sei. O que sei é que, no nosso caso, até o que parece uma enorme furada vira bordão e garante muitas risadas. O grupo permanece unido e cada vez mais unido na alegria e eu nao diria, nesse caso, na tristeza, mas nas “furadas”. Por isso todo viajante tem que ter espírito para improvisar e bom humor para encarar o que aparentemente pode não dar certo. A foto com o chef foi cinematográfica.ntudo foi acontecendo de tal forma que parecia mesmo que estávamos em um filme. O melhor croque monsier de toda a França e, depois, a colher de chá do chef rejeitado!!!!!

  2. 2 Marcia Lube maio 22, 2012 às 10:34 am

    Parece que a alegria é o ponto alto do passeio à Bourgogne. Aconteceu conosco também.
    E depois de uma degustação com 10 vinhos, fica impossível não rir. Imaginem colocando mais duas taças !!!
    Com este post, voltei lá viajando com vocês.
    A Bourgogne é um roteiro que certamente gostaria de fazer de novo.
    E como diria o Dodô : ” viva a bússola e o relógio ” !

  3. 3 Mari Campos maio 22, 2012 às 10:40 am

    Olha, vcs me perdoem a falta de originalidade, mas já decidi que vou fazer tudo IGUALZINHO a esse post quando eu for, tá?

  4. 4 eduluz maio 23, 2012 às 1:32 pm

    Sócio, sabe que falamos bonjour em qualquer lugar que entramos até hoje! Inclusive, aqui na grande FV! 🙂
    E por aqui também se come muito bem em qualquer lugar, especialmente em casa!
    Furada? Você viu alguma?rs
    Quer saber duma coisa? Jamais conseguirei colocar por aqui tudo o que acontece nos nossos tours! Mi dissculpi!! rs

    Marcia, grato pela dica do Olivier. Foi um jantar memorável.
    E viva o Dodô!!

    Mari, faça tudo, sim. Mas se puder evitar o croque … rs

    Abs de bom dia para todos.

  5. 6 Madá maio 31, 2012 às 6:45 pm

    A viagem foi muito especial. Ainda bem que não precisa anotar, basta guardar o link! Minha experiência com um Corton Charlemagne lá na região foi inesquecível ! Edu, me diverti muito com a associação Soupe Nazi, já recebi tratamento semelhante como se fosse óbvio saber ser impossível comer naquele horário.

  6. 7 eduluz junho 1, 2012 às 6:54 pm

    Dodô, eu dirigi. Mas demoramos tanto pra comer que eu precisei tomar um vinhozinho quando chegamos ao hotel! 🙂

    Madá, deu pra perceber que adoramos o Seinfeld, né? Neeeeeext!

    Abs constanzianos pra todos

  7. 8 claudia março 20, 2014 às 6:42 pm

    adoro os posts de viagens de vocês!
    Iremos para a Borgonha e Bordeaux comum casal de amigos em maio.
    nossa dúvida: la voiture?????? vocês acham que dá para arriscar os 4 bebuns pelos vinhedos da França????

  8. 9 eduluz março 20, 2014 às 7:46 pm

    Claudia, nós também fomos em dois casais e alugamos carro. A resposta é: depende da quantidade de álcool que os bebuns vão experimentar. 🙂
    O negócio é fazer revezamento de motoristas e o da vez, não beber demais!

    Abs alcoólicos pra vocês.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 643 outros seguidores

Blog Stats

  • 1,350,096 hits
maio 2012
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: