Arquivo para agosto \26\-03:00 2020

dcpv – tag zehn – suíça – riviera de montreux – o museu olímpico é dos deuses; já o do queen é dos reis (do rock). é tudo instintivo!

26/08/2020 (curtido em 04/08/2019)

Tag Zehn – Suíça – Riviera de Montreux – O museu olímpico é dos deuses; já o do Queen é dos reis (do rock). É tudo instintivo!

O dia amanheceu esplendorosamente.

E pedia um acompanhamento proporcional nas cidades a serem visitadas.

Tomamos o nosso belo café da manhã no hotel e …

… fomos ver uma atração alternativa.

Jardin Instinctif, fica a 20 minutos do Le Mirador e …

… na cidade de Noville.

Ele é o jardim que o chef Gérard Bonnet do restaurante Le Grangette criou …

… e o seu nome é perfeito.

Começa que você chega, …

… estaciona o seu carro, …

… anda uns 200 m e …

… encontra uma placa indicando uma trilha.

De repente, se vê andando quase que num brejo, …

… passando por cavalos e …

… quando está quase desistindo, aparece o inesperado.

O jardim, que é mesmo instintivo, …

… é cheio de flores …

… das mais variadas espécies, …

… cores, …

… arranjadas num formato compacto …

… e muito bacana.

Sem contar que tudo é harmonizado com a natureza, …

… através duma simbiose com materiais naturais …

… tais como galhos que imitam animais.

É simplesmente sensacional.

Como se não bastasse, …

… ainda existe um deck …

… onde você pode sentar e …

… ficar admirando o Lac Léman …

… que tem algumas esculturas …

… de ferro refletidas na sua água.

Simplesmente maravilhoso.

Pra encerrar com chave de ouro, …

… tinha uma exposição de fotos super bacanas …

… que era no meio da mata.

Deu pra sentir a categoria do lugar?

Ficamos um bom tempo observando tudo e …

… a Dé até aproveitou …

… pra dar uma boa meditada.

Retornamos pra Montreux, …

… passando por uma cidade bem bonita (não marquei o nome), …

… com um riozinho super aprazível …

… e flores …

…  muitas flores …

… e legumes …

… expostas nas suas ruas.

O próximo destino seria o badalado Castelo de Chillon.

Estacionamos o carro por perto, …

… adentramos na construção …

… e passamos por uma montão de ambientes legais.

O castelo é muito bem conservado, …

… nos mostra muito …

… como era o dia a dia …

… dos seus habitantes …

… durante o passar do tempo (confortável, né?)

Foi um passeio agradável, …

… mas ainda estávamos impactados …

… pela beleza do Jardin.

Como estava um tremendo calor, …

… fomos de carro mesmo …

… pro Centro de Montreux.

Passeamos bastante …

… pelo agradável Quai des Fleurs, …

… observando todo o cuidado …

… com o que é feito o seu paisagismo …

… e também vimos como os suíços …

… tratam o lago como se fosse uma verdadeira praia.

Se bem que eles estão certos, …

… porque na nossa modesta opinião, …

… uma praia sem água salgada e sem areia, …

… tem tudo pra dar certo. Hahaha

Ainda passamos pela estátua do Freddy Mercury …

… que reproduz a capa do último disco do Queen.

Retornamos pra região do Casino, …

… onde paramos o carro, …

… e aproveitamos pra ver o museu do conjunto, Queen: Studio Experience.

Pra quem não sabe, o Queen comprou um estúdio em Montreux, …

… Freddie Mercury viveu um tempo lá …

… e gravaram alguns discos por ali.

Ele é um museu bem pequeno, …

… mas recheado de memorabilia de toda a banda.

Desde algumas daquelas …

… roupas esquisitonas do Freddy …

… passando por letras originais e …

… rabiscadas pelo ídolo, …

… até toda a discografia da banda …

… e um estúdio …

… onde se pode mixar músicas do Queen.

Olha, é pequeno, mas é bastante interessante e …

… melhor, é de graça (Under Pressure).

A próxima parada seria Lausanne.

E no Museu Olímpico.

Só a parte externa do museu …

… com várias …

… esculturas e …

… obras de arte …

… com referência a todos os esportes …

… já valeria a visita.

Mas quando se entra no prédio, …

… o choque é inevitável.

Tudo é muito organizado e …

… bastante moderno.

Abusaram bastante da interatividade …

… além da quantidade absurda de boas informações.

Tudo o que é exposto por lá, …

… te deixa muito curioso.

Imaginem que estão todas as tochas olímpicas …

… todas as medalhas de todas as Olimpíadas …

… sem contar a quantidade de vestimentas …

… e equipamentos …

… que nos mostram a evolução de todos os esportes. É demais!

Aproveitamos pra conhecer …

… o Tom Café …

… que fica na cobertura.

Almoçamos frugalmente, …

… bebemos idem e …

… fomos curtir propriamente o museu.

E é mesmo um espetáculo.

Neste caso, a overdose de fotos…

… em formato de fotoblog é necessária.

Finalizamos na lojinha que é muito boa …

… e fomos conhecer o bairro trendy da cidade, …

… o Flon.

Ele foi desenvolvido a partir da ideia …

… de se aproveitar galpões industriais originais …

… e equipá-los com restaurantes, …

… lojas bacanas, …

… enfim, um point de divertimento.

E é muito bonito mesmo.

Tomamos Aperois Spritz, …

… comemos batatas fritas …

… num destes bares de sports e …

… continuamos o nosso tour.

Fomos pra Morges.

Cismei com a cidade e …

… acertei na mosca.

Ela fica perto de Lausane …

… tem um centro bem charmoso …

… com casas com personalidade, …

… além de ficar na margem …

… do Lac Léman.

Ou seja, é uma belezura.

Tomamos sorvetes artesanais, …

… fuçamos nas lojinhas, …

… charmosíssimas …

… e passeamos pela orla, …

… verificando a inexistência de moradores nas ruas.

Ufa, o dia estava terminando.

Resolvemos voltar por uma caminho mais longo, …

… mas muito mais bonito.

Viemos margeando o Lac Léman, …

… curtindo as paisagens idílicas, …

… especialmente a dos terraços de videiras…

… tombadas pela UNESCO.

Que maravilha!

E imaginem tudo iluminado pela luz dourada do poente?

Indescritível!

Como estávamos literalmente pregados, …

… optamos por comer alguma coisa no bar do hotel.

Um croque monsieur, batatas fritas …

… e duas taças de Chasselas depois, …

… estávamos prontos pra dormir o merecido sonho dos justos.

“We will, we will rock you”!

Veja os outros dias desta estupenda viagem:
Tag ein – Suíça/Liechtenstein – Zurich/Vaduz – Museu de árvore? Adega do Príncipe?
Tag zwei – Liechtenstein/Alemanha/Suíça – Visitando 3 países num dia só e de carro.
Tag drei – Suíça – Zurich/Basel – City tour guiado e museu Vitra Design combinam? Sim e muito.
Tag vier – Suíca – Zurich – Furka Passs and my name is Luz, Eduluz e com licença pra jantarmos com a Pink.
Tag fünf – Suíça – Zurich – Lucerna e Pink: duas superstars.
Tag sechs – Suíça – Zurich/Andermatt – Bondinhos de todos os tipos: circulares, telefericos, regulares e até conversíveis.
Tag sieben – Suíça – Andermatt/Vevey – O dia de babar em cima de Lauterbrunnen. Ou quase.
Tag acht – Suíça – Riviera de Montreux – Nada como comer um queijo gruyere na-cidade onde foi feito. Você sabe o que é a Fête des Vignerons?
Tag neuen – Suíça – Riveira de Montreux – O museu do Chaplin te deixa mudo. Ah, Lavaux tá novo!

.

 

 

dcpv – tag neuen – suíça – riveira de montreux – o museu do chaplin te deixa mudo! ah, lavaux tá novo!

21/08/2020 (vivido em 03/08/2019)

Tag Neuen – Suíça – Riviera de MontreuxO museu do Chaplin te deixa mudo! Ah, Lavaux tá novo!

Mais uma adaptada no roteiro original.

Deste jeito, ganharei um Oscar. Hahaha

É que com a realização da Fête des Vignerons, o trânsito no centro de Vevey ficou uma bagunça.

Como estávamos com o carro, inverti as visitas do dia e …

… iniciamos pelo Chaplin’s World.

Antes, tomamos o ótimo café da manhã no próprio hotel e …

… zarpamos pro museu.

Só a chegada já impressiona.

Estacionamento grande, …

… lojinha espetacular (como esperado), …

… compra de ingresso tranquila e …

… um filme de apresentação de 15 minutos sobre a obra do gênio …

… que te deixa verdadeiramente emocionado.

Parêntesis: Charlie Chaplin escolheu morar em Vevey …

… após ser expulso dos USA …

… acusado de ser comunista.

Retornando à visita, após o término do filminho …

… a tela do cinema abre e você …

… simplesmente se vê dentro de uma das obras primas dele.

Impossível não rir e se apaixonar.

Daí pra frente, a visita ao estúdio é um encantamento só.

A maioria dos cenários das grandes obras dele …

… estão reproduzidos perfeitamente e …

… melhor, tem sempre coisas interativas …

… pra que a sua participação seja a melhor possível.

Além do que, toda a iluminação foi projetada …

… pra se tirar grandes fotos.

O inevitável obrigatório e cinematográfico fotoblog vem a seguir.

Terminando esta parte do tour, …

… você ainda dá um passeio …

… pelo enorme jardim da casa …

… onde sente a tranquilidade que o Chaplin gostava de ter …

… além de admirar belíssimas árvores centenárias.

Pra finalizar este momento de puro prazer, …

… existe um trajeto pra se conhecer internamente …

… a casa (mansão?) que ele viveu com a sua esposa, Oona e …

… seus cinco filhos.

Tem muita memorabilia …

… autêntica lá …

… e você percebe que tudo foi …

… muito bem documentado.

Inclusive, mostra a sua amizade com …

… o outro gênio, o Einstein e …

… a sua proximidade com grandes estrelas da sua época.

É claro que passamos na cozinha e na lojinha, …

… nos abastecemos de várias lembranças …

… deste magnífico passeio.

Também é claro que compramos muitas coisas sobre forte emoção (hahaha), …

… mas certamente saímos de lá com a alma elevada.

Não falei que o dia estava absolutamente maravilhoso, né?

Mas estava.

Muito sol e …

… a possibilidade de se ter belíssimas vistas do lago Genebra.

Com esse clima, aproveitamos pra conhecer as plantações de uvas …

… da região de Lavaux …

… que foram tombadas pela Unesco em 2003.

E elas tem uma particularidade.

As uvas são plantadas em terreno exíguos, …

… em degraus …

… com muros de pedras apoiando o terreno.

Inclusive existe uma teoria de que as uvas produzidas nesta região são especiais …

… porque são banhadas por três tipos de sóis:

1 – o sol convencional, mais conhecido como astro-rei.

2 – o calor referente ao reflexo do sol nas águas do lago.

3 – o aquecimento que o calor acumulado nos muros de pedra exerce sobra as videiras. Curioso, né?

Bom passeamos por vários points famosos …

… tais como Saint Saphorim e …

… a loja Vinorama, …

… onde fizemos uma degustação …

… de vários vinhos brancos …

… feitos com a uva típica daqui, a Chasselais.

Continuamos passando em Epesses e Cully.

Note que todos dizem que é uma região pra se caminhar, …

… mas o sol estava tão abrasador …

… que resolvemos utilizar o ar condicionado …

… da nossa máquina o máximo de tempo possível. 🙂

Sem contar que o carro leva pra diversos lugares bacanas …

… onde se pode ter vistas incríveis da região.

Ainda tínhamos marcado uma degustação na vinícola Domaine du Daley.

Imaginamos alguma coisa mais informal e até que era.

Mas a estrutura do lugar é incrível.

Como tinha feito a reserva pra degustação (é necessário fazê-la) …

… chegamos lá e o Cyril Severin, um dos donos estava nos esperando …

… no restô deles …

… que, simplesmente, tem uma das vistas mais bacanas de Lavaux.

Imagine você sentado numa mesa, …

… com uma sombrinha perfeita e …

… tomando vinhos muito bons, …

… além de comer queijos e frios pra lá de especiais?

Pois foi exatamente o que aconteceu.

Experimentamos 4 vinhos cada, …

… o suficiente pra escolhermos o que levaríamos pra Nova Toscana.

E ficamos conversando o máximo possível …

… pra alongar o tempo desta verdadeira meditação prazerosa.

Com muito pesar, pedimos a conta e …

… aproveitamos pra fechar o dia com chave de ouro, …

… indo conhecer o badalado Museu da Alimentação.

Alimentarium fica em Vevey, …

… não tão afastado da muvuca da Fête des Vignerons.

E foi o que imaginamos!

Após dar umas voltas, conseguimos estacionar lá perto, caminhamos um pouco e …

… percebemos que uma parte da festa ficava na sua frente.

Antes de entrarmos, tiramos as famosas fotos da estátua do Chaplin …

… e do fotogênico garfo espetado no Lago Genebra, …

… conhecido também como Léman.

Quanto ao museu, a entrada é auspiciosa.

Uma horta bacana …

… fica na sua frente …

… com muitas ervas, …

… legumes …

… flores …

… verduras e …

… tomates …

… sendo cultivados.

Trocamos os nossos ingressos e …

… finalmente adentramos.

Confesso que esperava muito mais…

… de um espaço dedicado à alimentação (vejam só a premonição) e …

… todo o seu processo.

Achamos tudo meio sem graça e …

… aparentemente, ele é feito para que as crianças …

… entendam sobre a importância dos alimentos e …

… sua relação com o nosso corpo.

Como se os adultos soubessem! Hahaha

Levemente decepcionados, retornamos para o hotel.

Estávamos pensando sobre o jantar.

Decidimos que um dia maravilhoso como esse …

… com a visita ao Chaplin e …

… a Lavaux não poderia terminar deste jeito.

Aí fizemos um passeio muito legal.

Pegamos o funicular, …

… descemos na segunda estação, …

… a Chardonne e …

… fomos andar pela cidade homônima.

Foi encantador.

A cidadezinha estava quase vazia, …

… mas conseguimos ver como as pessoas vivem lá e …

… como o local é cativante.

Por ser uma região vinícola, …

… pudemos ter contato com as videiras …

… e vermos qual o estado de crescimento que estão as frutas.

Foi muito bem mesmo e …

… finalizou com chave de ouro um dia …

… que merecia mesmo terminar deste jeito.

Quanto ao jantar, optamos por comer no restaurante mais descontraído do hotel.

E com um por do sol maravilhoso nos acompanhando.

Frise-se que o poente é perto das 21:30, …

… o que torna o dia bem longo e muito aproveitável.

Pedimos uma Caprese desconstruída muito bonita e saborosa como entrada pra dividirmos.

Como principais, aproveitamos uma sugestão do chef.

Ingredientes fritos numa pedra quente que vem até a sua mesa.

A Dé escolheu Camarões …

… e eu Costeletas de Vitela.

Ambos excelentes e acompanhados por taças do mesmo Chasselais, que vimos hoje a tarde.

Como diria o grande Chaplin, “quem olha só pra baixo, nunca irá ver um arco íris”.

É isso aí!

Veja os outros dias desta estupenda viagem:
Tag ein – Suíça/Liechtenstein – Zurich/Vaduz – Museu de árvore? Adega do Príncipe?
Tag zwei – Liechtenstein/Alemanha/Suíça – Visitando 3 países num dia só e de carro.
Tag drei – Suíça – Zurich/Basel – City tour guiado e museu Vitra Design combinam? Sim e muito.
Tag vier – Suíca – Zurich – Furka Passs and my name is Luz, Eduluz e com licença pra jantarmos com a Pink.
Tag fünf – Suíça – Zurich – Lucerna e Pink: duas superstars.
Tag sechs – Suíça – Zurich/Andermatt – Bondinhos de todos os tipos: circulares, telefericos, regulares e até conversíveis.
Tag sieben – Suíça – Andermatt/Vevey – O dia de babar em cima de Lauterbrunnen. Ou quase.
Tag acht – Suíça – Riviera de Montreux – Nada como comer um queijo gruyere na-cidade onde foi feito. Você sabe o que é a Fête des Vignerons?

.

 

 

 

dcpv – tag acht – suíça – riviera de montreux – nada como comer um queijo gruyère na cidade onde foi feito. você sabe o que é a fête des vignerons?

02/08/2019

Tag Acht – Suíça – Riviera de MontreuxNada como comer um queijo gruyère na cidade onde foi feito. Você sabe o que é a Fête des Vignerons?

Sabe que ultimamente passei a não ser tão rígido com os nossos roteiros?

É claro que continuo pesquisando bastante e …

… listando muitas coisas que gostaria de fazer …

… em cada um dos lugares que visitamos.

Mas nem sempre tudo acontece como planejamos.

E aí é necessária uma adaptação, um plano B.

Pois foi o que aconteceu neste dia.

Mudei quase tudo o que tinha planejado por conta do tempo ruim.

A substituição foi feita, já que em vez passear por Montreux …

… resolvi dedicar a manhã a Berna, …

… a capital da Suíça …

… já que lá existe um montão de calçadas cobertas.

Capisce?

Antes disso, tomamos um bom café da manhã no hotel e …

… finalmente zarpamos pra Berna, …

… debaixo duma chuva bem pesada.

Fica a quase uma hora do hotel …

… e aproveitamos pra por as nossas plays lists em dia.

Chegamos ainda com chuva e …

…  a tempo de ver o espetáculo do Zytglogge que vem a ser o relógio da cidade.

Ele é muito antigo e sempre 4 minutos antes de cada hora, …

… as suas peças se movimentam.

Junta aquele montão de turistas, inclusive nós, …

… olhando tudo com muita atenção.

Confesso que esperava um pouquinho mais, mas foi interessante.

Aproveitamos pra passear pela rua principal, …

…  conhecer as suas inúmeras e …

… belas fontes de água, …

… todas com água potável.

Ali perto, fica a casa do Einstein.

É, o gênio viveu aqui.

E este tour é bem interessante, apesar da casa ser bem pequenininha.

Mas só de pensar que muitas das ideias …

… que revolucionariam o mundo …

… foram boladas ali (olha só as notas baixas da criatura!) …

… já dá uma certa euforia (vai que mais conhecimento passe pelo ar? 🙂 ).

Retornamos pro carro…

… pra tentar ir até o Bärengraben, …

… o lugar onde os ursos vivem, …

… mas impossível estacionar.

Pelo menos, descobrimos um ponto …

… pra ter uma das melhores vistas …

… desta belíssima cidade.

Pra completar o tour, …

… passamos no Paul Klee Zentrum, …

… o museu feito para abrigar inúmeras obras deste grande artista.

Só a arquitetura da obra já valeria a visita.

São 3 prédios em formato de onda …

… que resultam num conjunto harmonioso e …

… muito bem integrado com a natureza.

Não tivemos tempo de ver as exposições, …

… mas entramos no prédio …

… e na lojinha, …

… que também é imperdível.

Como o tempo urgia (vai vaquinha dançante aí?), …

… fomos pra Gruyères.

Que nada mais é do que a terra onde o homônimo e famoso queijo é feito.

E além disso, talvez seja …

… umas das cidades mais graciosas e …

… minúsculas do mundo.

Chegamos lá, estacionamos e subimos.

Por que Gruyères fica bem no alto e …

… ela tem praticamente uma rua somente ….

… com várias lojinhas além de …

…  restaurantes aprazíveis.

Por falar neles, fomos direto …

… pro Chalet de Gruyères, …

… (tinha feito uma reserva) …

… e adivinhem o que fomos comer?

Fondue e …

… raclete. Hahaha

O restaurante é muito típico e …

… quando se está lá, o aroma predominante é de queijo (ohhh e huuuummmm!).

Curtimos muito tudo.

A comida estava ótima e …

… tomamos duas taças dum bom branco suíço.

Saímos satisfeitos; deu tempo de dar mais uma passada na “cidade” e …

…  conhecer o Museu HR Giger, o cara que criou o Alien, aquele de Hollywood (a Dé nem pensou em entrar).

Também vimos o bar do museu, …

… que é incrível.

O cenário todo é doidão, …

… o teto lembra várias colunas vertebrais …

… e as cadeiras são maluconas também.

Enfim, parece que se está entrando numa outra dimensão.

Continuamos passeando (a Dé adquiriu alguns acessórios esotéricos) e …

… chegamos até o famoso …

… Castelo de Gruyères.

Ainda deu pra passar na Maison de Gruyères, …

… uma fábrica de queijos …

… onde “passamos” o tour que parecia meio chinfrim e …

… compramos uns queijinhos pra comer na Nova Toscana.

Retornamos pro hotel, …

… pois tínhamos um espetáculo inusitado pra ver em Vevey.

Fête des Vignerons se realiza somente de 20 em 20 anos.

E é verdadeiramente um acontecimento.

A cidade fica muito agitada e …

… é incrível como a população participa ativamente do espetáculo.

São mais de 5000 figurantes (quase 10% da população) …

… fazendo as mais variadas funções.

E a arena, …

… montada especialmente para o evento …

… é grandiosa …

… e lindíssima.

Chegamos um pouco mais cedo, …

… (o espetáculo iniciaria às 21:00hs) …

… demos uma volta pela área …

… tomamos uma tacinha de vinho e …

… fomos nos alojar nos nossos lugares.

Quando o show começou, …

… tomamos um choque.

O negócio todo é extremamente “profissa” e …

… os impactos, tanto visual …

… como emocional são imensos.

É demais ver como o respeito à natureza, através da representação do ciclo do vinho …

… faz com que o povo todo se respeite muito.

Este merece realmente o cinematográfico fotoblog.

Ficamos até o final, …

… e se existe uma comparação, …

… é que a Fête des Vignerons se parece com uma ópera visual, …

… com muita coisa simples e melodramática, …

… muita poesia e …

… um encantamento final arrebatador.

Certamente estaremos aqui daqui a 20 anos.

Retornamos de ônibus e funicular para o hotel e …

… nos sentimos como se estivéssemos no Carnaval, …

… tamanha a quantidade de habitantes fantasiados.

Uau, que dia!

Veja os outros dias desta estupenda viagem:
Tag ein – Suíça/Liechtenstein – Zurich/Vaduz – Museu de árvore? Adega do Príncipe?
Tag zwei – Liechtenstein/Alemanha/Suíça – Visitando 3 países num dia só e de carro.
Tag drei – Suíça – Zurich/Basel – City tour guiado e museu Vitra Design combinam? Sim e muito.
Tag vier – Suíca – Zurich – Furka Passs and my name is Luz, Eduluz e com licença pra jantarmos com a Pink.
Tag fünf – Suíça – Zurich – Lucerna e Pink: duas superstars.
Tag sechs – Suíça – Zurich/Andermatt – Bondinhos de todos os tipos: circulares, telefericos, regulares e até conversíveis.
Tag sieben – Suíça – Andermatt/Vevey – O dia de babar em cima de Lauterbrunnen. Ou quase.

 

dcpv – tag sieben – suíça – andermatt/vevey – o dia de babar em cima de lauterbrunnen. ou quase!

08/08/2020 (curtido em 01/08/2019)

Tag Sieben – Suiça – Andermatt/VeveyO dia de babar em cima de Lauterbrunnen. Ou quase!

Foi uma pena, …

… mas acordamos cedo, …

… tomamos o nosso lautíssimo café da manhã …

… no The Chedi, …

.. partimos pra conhecer cidadezinhas pequenas …

… e muito bem conceituadas turisticamente na Suíça.

Ah! Era justamente o feriado do …

… dia nacional suíço.

Ainda deu tempo de dar uma passada no Oberalp Pass …

… que fica muito próximo do The Chedi, …

… quase que na frente dele.

A primeira parada seria em Iseltwald.

Ela fica quase que no meio do caminho entre Andermatt e a Riviera de Montreux.

E, pra variar, é uma cidade muito bonitinha.

Situada à beira dum lago …

… com a cor da água bem esverdeada …

… que se acentuava mais ainda …

… com a luz do sol.

Ah, frisando que hoje é o dia Nacional da Suíça,…

… feriado nacional e …

… que a suíçada está toda na rua …

… aproveitando a vida e o sol.

Continuamos com a intenção de chegar em Lauterbrunnen.

Sabe aquela imagem com a cachoeira que cai …

… como um véu de noiva …

… bem no centro da cidade?

Pois é justamente lá.

Como tudo estava muito cheio …

… fomos direto pra Trümmelbach.

Ela é aquela cachoeira …

… que acontece dentro das rochas …

… e com uma força incrível.

Dá pra imaginar quanto tempo a água proveniente do degelo precisou …

… pra escavar um caminho no meio das rochas?

E além de tudo, o passeio é incrível.

Começa que você paga o ingresso (11€ pp) e …

… entra num ascensor que te leva 100m acima.

Aí você decide se quer subir mais um pouco e …

… visitar todos os 10 pontos de observação …

… ou desce, pra ver os seis primeiros.

Decidimos subir, fazer o circuito completo e não nos arrependemos.

É muito impressionante.

Tudo é muito úmido, …

… frio e …

… fantástico.

A natureza te coloca no teu devido lugar …

… só restando admirar.

Foi o que fizemos, …

… além de tirar muitas fotos legais.

Ainda tentamos mais uma vez dar uma parada em Lauterbrunnen, …

… mas o máximo que conseguimos foi entrar no estacionamento, …

… chegar perto da Staubbach, a cachoeira e …

… zarpar pra mais uma aventura.

O nome dela seria Lake Blausee.

De passagem e …

…  por um engano do Wase (gracias) …

… acabamos passando em Interlaken

… vendo um pouco da festa do dia da Suíça e de quanto a população participa tão ativamente.

Quanto ao Blausee, não nos decepcionamos.

Quer dizer, sim.

Tudo estava tão lotado …

… que desistimos rapidamente e …

… rumamos pro hotel Le Mirador, que fica na Riviera de Montreux.

Chegamos lá e logo de cara, gostamos muito.

Tudo bem que ele não é tão suntuoso como o The Dolder e o The Chedi.

Mas a sua vista para o lago de Genebra, …

… ou para os íntimos, Lac Léman, …

… é simplesmente matadora.

E o nosso quarto não ficou atrás.

Bem confortável com uma varanda pra lá de gostosa, …

… nos proporcionando uma experiência diferente de toda a viagem: …

… usaremos bastante o transporte público.

Todo hóspede de qualquer hotel ganha um cartão que dá direito a usar gratuitamente o transporte e também alguns descontos em museus.

Foi o que fizemos.

Saímos pra reconhecer o terreno.

Por conta da Fête des Vignerons, um evento que acontece a cada 20 anos, …

… toda a cidade de Vevey estava lotada.

Imagine uma tremenda área sendo montada só para o espetáculo …

… com zilhares de barraquinhas com vinhos, comidas e muita diversão?

Pois era o que estava acontecendo.

Por sorte percebi a importância desta festa e comprei ingressos para assistir ao espetáculo (amanhã a noite) …

… que reproduz o ciclo do vinho.

São mais de 5000 atores participando; é realmente grandioso.