Archive for the 'culinaria' Category

dcpv – fifth day – usa – nyc – conhecendo o the vessel, o vaso chic, por dentro.

19/06/21 (muito bem vivido em 13/01/2020)

Fifth Day – USA – NYCConhecendo o Vessel, o vaso chic, por dentro.

Segundo dia da feira de Varejo, da NRF, em plena NY.

Tudo bem que ficaríamos praticamente o dia inteiro ouvindo palestras de figurões e …

… aprendendo um montão de coisas interessantes, …

… mas também sobraria tempo pra curtir algumas coisas que só NY te proporciona.

Por exemplo, …

… tomar um belíssimo café da manhã …

… na extraordinária …

… Starbucks Reserve Roastery.

De lá fomos pro Javits Center e …

… do Javits, para o Hudson Yards …

… onde almoçaríamos no TakRoom, o restaurante do chefaço Thomas Keller.

O lugar é bem clássico, quase uma lanchonetona chic, …

… como convém ao que se espera de antemão.

E o menu é bem trivial.

Tanto que a Dé pediu uma salada de peito de frango e …

… eu, um hambúrguer de Wagyu com fritas muito crocantes.

Duas taças de vinho completariam a boa refeição.

Voltamos pra feira pra parte vespertina e …

… deixamos justamente o início da tarde pra subir no Vessel (navio em português).

Reservei o ticket pelo site (é obrigatório, de graça e você tem que entrar no site com 15 dias de antecedência) e …

… às 16:30 estávamos lá.

Tudo bem que o tempo ficou bastante nublado e que deu uma tremenda esfriada, …

… mas foi bom, porque o exercício físico é puxado.

São inúmeros degraus (mais de 2500), …

… em inúmeros plataformas (80) …

… que você tem que subir (154 lances de escadas)…

… pra descobrir as fantásticas vistas externas e …

… principalmente, as deslumbrantes internas.

A construção da estrutura é belíssima e …

… a ideia toda é que você explore-a ao máximo.

É uma experiência bem marcante e …

… acredito que o Vessel …

… que mais parece com um vaso imenso (um abacaxi?) …

… se torne rapidamente um ícone da Big Apple.

Segue um minifotoblog com ângulos diferentes desta verdadeira trapizonga chic:

Aproveitamos que tínhamos tempo pra dar um giro pelo shopping.

A loja âncora, a Neiman Marcus é um exemplo do lugar onde se pretende …

… melhorar a experiência de compra.

Ela foi pensada pra que você se divirta bastante, …

… enquanto, consequentemente, compre bastante também!

Outra loja bacana é a FortyTenFive, …

… uma multimarcas malucona e …

… imensa, …

… além de muito interessante.

Mais uma loja interessante: Camp.

É quase o que o nome sugere, um acampamento onde …

… você leva o teu filho pra se divertir …

… enquanto compra uma montão de coisas pra eles.

Como estávamos cansados, voltamos de Uber pro hotel …

… demos uma boa espairecida e …

… fomos jantar numa instituição nova-iorquina, o Pastis.

Ele fica bem perto do The Standard (em pleno Meatpacking) e …

… é um bistrô francês.

Bistrô mesmo, com menu correspondente.

Keith McNally que é dono também do Balthazar sabe das coisas.

Você chega lá, não tem ninguém na rua, mas o restô está lotado.

Pedimos bistrosisticamente.

A Dé foi de sopa de cebolas e …

… eu, de croque monsieur com pommes frites.

Maravilhosos, …

… assim como foi tomar meia garrafa dum Sancerre em copos de requeijão.

Felizes, retornamos pro hotel sobre a luz da lua.

Demais e …

… sem corporativismo.

See U.

Veja os outros dias desta interessante viagem:
First day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!
Second day – USA – Boston/NYC – Um contraste incrível e uma constatação mais ainda. Incrível mesmo é o The Vessel.
Third day – USA – NYC – A cidade que nunca dorme. E nós também.
Fourth day – USA – Nova York – Varejando, passeando e comendo bem na Big Apple.

.

 

dcpv – fourth day – usa – nova york – varejando, passeando e comendo bem na big apple.

05/06/2021 (vivido em 12/01/2020)

Fourth Day – USA – NYVarejando, passeando e comendo bem na Big Apple.

Domingão.

Tomamos um belo café da manhã no próprio café do The Standard.

E seria o primeiro dia de trabalho.

Na verdade, viemos pra NY pra acompanhar a NRF.

Que é a National Retail Federation …

… ou seja, a maior feira de varejo do mundo e …

… onde são discutidas as principais tendências do mercado, …

… inclusive as da nossa área de atuação, supermercados.

São 3 dias intensos com palestras proferidas por CEOs de grandes empresas mundiais, …

… além de muita informação das boas.

Mas é claro que sobra tempo pra diversão.

Afinal de contas, estamos em NY, a cidade que nunca dorme.

E coincidentemente o lugar que está bombando é o Hudson Yards, …

… um empreendimento bilionário que tem conexão com outra maravilha, o High Line, …

… que além de ter o The Vessel, aquele vasão deslumbrante, …

… que dizem que parece um abacaxi e fica exatamente ao lado do Javits Center, o lugar onde acontece a NRF.

É ou não é muita sorte?

Pra melhorar tudo, a área de alimentação do shopping é maravilhosa.

O nosso primeiro almoço foi no Mar at Mercado, o restô de peixes do Little Spain, um Eataly espanhol..

Reservamos (faça isso sempre) e já chegamos tapeando.

Croquetes de calamares em su tinta, …

… pulpo à galega e …

… uma paella de fideuá fizeram a nossa festa.

Apesar da feira continuar a tarde, tomamos duas copetas dum branco espanhol e …

… retornamos pro Javits …

… só aguardando o por do sol.

Que veio num formato maravilhoso, …

… justamente quando estávamos voltando a pé pro hotel …

… pelo High Line.

Que caminho maravilhoso!

Este vale o minifotoblog.

Descemos perto do hotel, …

… quase no final do High Line, em pleno Meatpacking e …

… ainda vimos um dos crepúsculos mais bonitos de todos os tempos.

Como descrever NY como fria, …

… após esta visão magnífica?

Cá pra nós, esta surpresa do tempo estar tão bom (estava quase 20ºC) …

… foi tão legal que só tínhamos que agradecer.

Pra encerrar um dia tão espetacular, nada melhor do que um jantar correspondente.

E em grande estilo; fiquei sabendo da existência da chef Missy Thompsom através do Instagram.

Ela tem uma história incrível e dois restôs na cidade: um é o Lilia e o outro, o Misi, justamente o que fomos.

Tudo bem que fica no Brooklyn, a meia hora de Uber do nosso hotel, mas vale a viagem.

O lugar é jovial, moderno, …

… descontraído e bastante italiano.

Pedimos alcachofras como entrada e estavam muito bem temperadas. A Dé adorou.

Como principais, ela foi de talharim cacio e pepe e …

… eu, num spaghetti com colatura de aliche. Ambos al dente e extremamente saborosos.

Tomamos duas (três?) taças dum bianchetto muito bom e …

… ainda sobrou espaço pruma especialidade da casa, o sorvete cremoso de leite, que é mesmo ótimo.

Olha, foi uma tremenda refeição e tivemos a certeza que devemos retornar ao Misi, …

… porque a Missy Thompson sabe cozinhar e muito.

Retornamos pro hotel e como diria o Topo Giggio, …

… está na hora de ir pra caminha.

See U.

Veja os outros dias desta interessante viagem:
First day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!
Second day – USA – Boston/NYC – Um contraste incrível e uma constatação mais ainda. Incrível mesmo é o The Vessel.
Third day – USA – NYC – A cidade que nunca dorme. E nós também.

.

dcpv – third day – usa – nyc – a cidade que nunca dorme (e nós também).

22/05/2021 (curtido em 11/01/2020)

Third Day – USA – NYCA cidade que nunca dorme (e nós também).

Primeiro dia completo em Nova York e …

… uma perspectiva de muitos kilometros rodados, opa, andados.

Iremos fazer um tour por lojas diferentonas e …

… com serviços pra lá de especiais.

É o início da nossa experiência com a NRF, …

… a maior feira de varejo do mundo …

… da qual participaremos a partir de amanhã.

De qualquer forma, peguei várias dicas em vários lugares (Santo Google incluso) e …

… partimos pra luta.

Antes de mais nada, …

… um lauto café da manhã …

… na maravilha das maravilhas …

… a Starbucks Reserve Roastery, nossa vizinha.

Incrível!

Quantas mais vezes vamos lá, …

… mais gostamos de absolutamente tudo.

Acho que tomaremos café da manhã todo dia por aqui. 😁

Retornamos pro hotel, …

… ele fica sobre o afamado High Line e …

… iniciamos o nosso roteiro pegando um uber pro Columbus Circle.

Lugar bacana, mas meio antigão.

Aproveitamos pra dar uma passeada pela lateral do Central Park …

… só pra matar as saudades.

Ô lugarzinho bonito, …

… ainda mais com a inesperada temperatura reinante …

… quase 20°C e em pleno inverno!

A primeira parada técnica foi na flagship da Neiman Marcus.

E foi poderosa.

A loja de departamentos se reinventou totalmente e …

… transformou o ato de comprar …

… numa verdadeira e real experiência.

Muito espaço, …

… uma decoração clean e marcante e …

… o melhor, um bar em cada andar …

… pra que você tenha onde esperar …

… enquanto o seu amorzinho experimenta aquelas coisinhas imprescindíveis.

Sensacional!

Demos uma entrada na 5th Ave e …

… rumamos pra Ikea Planning.

Taí um jeito diferente de vender/comprar móveis.

Muitos espaços bem definidos, …

… levando em consideração o quão exíguos são os apês hoje em dia.

De lá, passamos na Casa Barilla.

É um restaurante, quase uma cantina, …

… mais parecida com um McDonalds de pasta. Mamma mia!

Não ficamos muito entusiasmados.

Mais uma andada e …

… chegamos na NBC.

Foi só pra dar uma olhada e ver se tinha alguma camiseta nova do Seinfeld, …

… mas nada. Néééxxxxt!

Ao lado, fica a Casa Camper, uma marca espanhola de calçados que já foi bem bacana, pro nosso nível de conforto.

Como não poderia deixar de ser, …

… fomos até Times Square.

Sim, é um clichê, …

… mas é sempre espetacular.

Os telões estão cada vez mais com definições incríveis e …

… você não tem como não se maravilhar.

Assim como o McDonalds inovador que existe lá (atualização – ele fechou!).

Todo o atendimento é feito através de telões …

… onde você fecha a conta, …

… senta no seu lugar e espera o pedido chegar.

Testamos com uma batata frita, uma Coca e …

… ficamos muito satisfeitos.

Sem contar que a programação visual da loja resultou …

… muito interessante e modernosa.

Voltamos pra 5th, …

… pra explorar a parte esportiva.

Iniciamos com a flagship da Puma.

Uma loja muito tecnológica, …

… também com visual diferentão e …

… muitos produtos exclusivos.

Exploramos bastante, mas não compramos nada. Hahaha

Os tênis são bonitos, mas não tem muito conforto …

… o que hoje em dia é primordial pra que compremos.

Em seguida e logo ao lado, fica a loja da Adidas.

Ela ainda (a vimos no ano passado) impressiona pelo formato bacana, …

… com muitas alternativas de testar o produto antes de comprar …

… além da preocupação com o meio ambiente que …

… a empresa demonstra atualmente.

Outra loja que vimos foi a &other stories.

A ideia é bacana; eles juntam as roupas por temas (cores, ocasiões, etc) e não por marcas.

Mas a concepção é bem modesta.

Pela proximidade, …

… fomos num grande ícone nova-iorquino, …

… a Grand Central Terminal.

O lugar é absurdamente bonito e …

… ainda tivemos a oportunidade …

… de ver onde o magnífico (???) campeonato mundial de squash é realizado.

Olha, já estávamos bem cansados e …

… mesmo assim ainda passamos na Casa Escandinávia.

Achamos o lugar bem sem graça com a loja acompanhando o relator.

Apelamos prum Uber e …

… fomos nos esbaldar no Eataly Flatiron, …

… o mais roots que conhecemos (com exceção do Lingotto).

E ele não decepcionou.

Pedimos o básico: um prato com salumi e formaggio, …

… uma bella mozzarella de búfala e …

… duas taças dum ótimo Gavi de Gavi.

Olha a vida é muito boa aqui em NY …

… especialmente no Eataly Flatiron.

Vejam o viço destas …

… frutas e legumes!

Apelamos mais uma vez pro Uber …

… que funciona muito bem na Big Apple e …

… retornamos pro hotel …

… pra dar aquela descansada oficial.

Mesmo porque eu tinha reservado …

… um tour na Artechouse …

… que fica muito próximo daqui, no Chelsea Market.

A ideia toda é muito boa.

Ela é quase um Atelier des Lumieres (desculpaí!), …

… só que com obras específicas e de vanguarda de um determinado autor.

Já na apresentação, …

… a explicação foi muito interessante …

… com vários detalhes e …

… a expectativa aumentou muito.

Chegou a hora de ver realmente o que seria o espetáculo.

E aí a curuquice impera.

É um tal de imagens estroboscópicas pra lá e pra cá …

… junto com uma trilha sonora pífia …

… que mais parece um bate estacas de balada.

Ou seja, foi decepcionante (expectativa é fogo).

Ainda tentamos ficar mais um pouco, …

… mas não só a Dé, como eu, ficamos muito mareados e …

… o jeito foi ir embora, …

… aproveitando pra ter o primeiro contato …

… com o Chelsea Market.

Como tínhamos um compromisso pro jantar, …

… optamos por voltar pro hotel.

E logo depois, saímos pra conhecer um bar diferentão.

O Lyanees é um bar itinerante que pertence ao Mastercard.

Ele faz parte duma experiência que transporta lugares bacanas, …

… inclusive fisicamente, …

… pra NY e espera que você ache que está no localidade original.

Neste caso, é um bar londrino, escolhido como o melhor do mundo.

Tomamos dois coquetéis tradicionais, mas reinterpretados, um Cosmo e uma Margarita.

Foi divertido e logo ali ao lado, …

… fica o Pepolino, onde teríamos o nosso encontro oficial e …

… anual com casal Pellicano, Marcie (do ótimo blog Abrindo o bico) e Ciro (autor de frases geniais e impagáveis).

Como sempre, foi muito divertido e calamos, ops, conversamos bastante. 🙂

A comida? Foi ótima e muito Toscana.

Eu e a Dé dividimos uma salada de beterraba e …

… um branzino  com legumes cozidos à perfeição.

Tomamos um ótimo Gavi di Gavi e continuamos conversando.

Encerramos a noite com um docinho e …

… já marcamos o encontro de 2021 (mal sabíamos da pandemia).

Planejamento é sempre a chave do negócio.

See U.

Veja os outros dias desta interessante viagem:
First day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!
Second day – USA – Boston/NYC – Um contraste incrível e uma constatação mais ainda. Incrível mesmo é o The Vessel.

.

 

 

dcpv – second day – usa – boston/nyc – um contraste incrível e uma constatação mais ainda: incrível mesmo é o the vessel!

10/01/2020

Second Day – USA – Boston/NYCUm contraste incrível e uma constatação mais ainda: incrível mesmo é o The Vessel.

Hoje teríamos uma programação bastante light em Boston.

Afinal de contas, acordamos até que cedo, …

… tomamos o excelente café da manhã do XV Beacon e …

… aproveitaríamos o pouco tempo restante na cidade (nesta primeira perna), …

… pra conhecer melhor o parque Boston Commons, …

… lugar de início da Freedom Trail e …

… fazer um pedaço da mesma …

… com  um pouco de tranquilidade …

… até chegar no turístico Quincy Market.

E por que turístico?

Por que ele realmente tem uma cara daqueles lugares …

… cheios de estabelecimentos …

… com um jeitão de me engana que eu gosto.

Vamos ver na semana que vem se esta previsão …

… se confirma ou não?

Ainda chegamos até a orla e …

… percebemos que o harbour …

… é um lugar muito divertido, …

… com uma cara de que curtiremos bastante.

Como estávamos em cima da hora, …

… retornamos pro hotel, …

… fizemos o checkout, …

… pegamos o nosso transfer e pimba!

Estávamos prontos pra ir pra Grande Maçã.

Com quase tudo ok, tivemos um breve stress por causa dum problema com o passaporte, mas …

… rapidamente estávamos listos pra zarpar. Doce ilusão!

Tudo deu uma atrasada federal e …

… acabamos ficando quase duas horas dentro do avião esperando a liberação para a decolagem.

O voo foi curto (quase uma hora) e seria até divertido, …

… se não tivéssemos um montão de nuvens carregadas no céu.

Mas mesmo assim e ouvindo uma ótima trilha sonora …

… consegui alguns registros …

… bacanas do céu ianque.

Já percebeu como o balé das nuvens …

… é belíssimo, né?

Chegamos com tempo bom em NY e …

… com uma bela vista do skyline de Manhattan …

… a partir do Laguardia.

Pegamos o nosso transfer …

… chegamos ao The Standard Hotel …

… que fica no MeatPacking, é superhyppado e …

… constatamos que o nosso quarto tem, certamente, …

… uma das melhores vistas de NY.

Ele é quase todo envidraçado e …

… dá pra imaginar como será ver o por do sol daqui!

Devido ao atraso, …

… acabamos perdendo a visita ao …

… The Vessel, no Hudson Yards.

Paciência, estas coisas acontecem quando estamos viajando.

Fomos pro Hudson Yards do mesmo jeito, já que ele está bombando, …

… tudo lá é espetaculoso.

A começar pelo The Vessel que é …

… simplesmente arrebatador.

Fizemos um tour pelo shopping, …

… que não fica atrás na pujança.

Tudo muito bem acabado, …

… moderno, …

… com lojas de primeiríssima linha e …

… um estabelecimento gourmet de deixar o queixo caído.

O Mercado Little Spain, do chef José Andres …

… é simplesmente espetacular.

Tem tudo o que é de melhor da Espanha inteira …

… é muito grande e …

… com uma variedade proporcional.

Só pra que você entenda, é um Eataly (dos bons) espanhol.

É claro que voltaremos mais vezes.

Ufa, era a hora de jantar.

E como fiquei sabendo que um dos nosso restôs preferidos …

… abriu uma filial aqui no Hudson Yards, reservei (faça sempre isso).

Estiatorio Milos é um daqueles gregos que nunca decepciona.

E pra variar, o daqui é deslumbrante.

Conseguimos uma mesa de frente pro The Vessel e …

… aí foi só correr pro abraço.

Tomamos duas flutes dum bom Champagne; …

… pedimos só clássicos.

A torre de berinjelas e abobrinhas empanadas, …

… o ceviche e …

… um peixe assado escolhido no balcão …

… que é incrivelmente preparado.

Chamamos um Puilly Fummé e curtimos muito um dos nossos restôs preferidos.

Uma verdadeira maravilha.

Enfim, nem fiz a famosa pergunta (dia de troca de hotel é dia perdido?) …

… porque no caso de hoje, …

… apesar dos pequenos contratempos (conte sempre com eles) …

… foi espetacular.

Ah, não se preocupe.

Ainda tenho mais dois ingressos pra subir no The Vessel.

E subimos. Aguardem!

Veja o primeiro dia desta interessante viagem:

First day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!

.

 

 

dcpv – first day – usa – boston – sem piadinhas, por favor!

24/04/2021 (viajado em 09/01/2020)

First Day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!

E lá vamos nós pra nossa segunda NRF.

Mais conhecida como National Retail Federation.

Ela é simplesmente a feira de varejo mais importante do mundo.

Ou seja, seria uma viagem puramente de trabalho. 🙂

E desta vez, faríamos de um jeito diferente.

Os preços das passagens foram determinantes pra que escolhêssemos Boston como nossa primeira parada.

E melhor, nunca tínhamos ido pra esta cidade, …

… uma verdadeira fonte de piadinhas com o seu singular nome.

A ideia inicial seria fazer uma conexão rápida e conhecer a cidade na volta de NY.

Mas como não conseguimos um voo legal com conexão, resolvemos passar a primeira noite bostoniana.

E como chegaríamos às 8 da matina, até que daria pra dar uns bons passeios.

Fizemos um voo noturno muito tranquilo e …

… aterrissamos com um céu de brigadeiro.

A primeira impressão é de uma cidade bastante compacta …

… tanto que o aeroporto fica muito perto do Centro.

Foram só uns 15 minutos de transfer com o mineiro e brasileiro Kennedy (sempre que possível, prestigiamos brazucas que trabalham nas cidades que visitamos) e …

… chegamos ao XV Beacon, …

… um hotel boutique pequeno, charmoso e …

… que fica, obviamente, na Beacon St, no número 15.

Perto de absolutamente tudo.

Tomamos um belo banho (são ótimas as amenidades Labottega) e …

… pernas pra que te quero.

Dá-lhe Boston!

O frio estava intenso, …

… mas com sol a pino, era facilmente absorvido.

Demos uma reconhecida no que eles chamam do Central Park de lá, o Boston Common.

Fica mais bonito nesta época do ano e …

… ainda mais com a sua pista de patinação no gelo bombando.

Ah, a vista do Palácio do governo, …

… que é parte da Freedon Trail é belíssima também.

Como estávamos bem perto, …

… passamos em Beacon Hill, …

… um bairro com construções típicas, …

… aquelas casas geminadas feitas com tijolinhos vermelhos …

… onde fica a Acorn Street, …

… considerada a rua mais bonita da cidade.

E é mesmo, pois ela é bem estreita e com um piso de pedra muito curioso.

Continuamos passando pelo Public Garden …

… que fica ao lado do Boston Common e …

…fomos pra Newbury Street, …

… considerada a principal rua comercial de Boston.

Lá estão as grandes marcas, …

… as lojas típicas e muitos cafés.

Foi o suficiente pra pararmos num, …

… tomar belos capuccinos, dando uma boa fugida do frio.

Como era bem perto, …

… (Boston toda é muito fácil de circular), conhecemos os dois principais shoppings da cidade, …

… o Prudential Center e o Copley Place …

… que são conectados por uma passarela coberta.

Curioso, né?

Era hora do almoço.

Aproveitamos pra ir num velho conhecido nosso, o Eataly.

Que neste caso é novo (acabou de abrir) e …

… tem o estilo do Eataly dos velhos tempos.

Nada a ver com aquele fantasma paulistano.

Como é um Eataly roots, …

… tem uma Piazza , …

… onde comemos uma ótima mozzarella de búfala, salame, mortadela e …

… tomamos duas taças dum excelente branco Gavi de Gavi.

Simplesmente excelente.

Demos mais uma passeada por lá, …

… vimos um montão de coisas que prometemos comprar quando da nossa volta e …

… continuamos o tour.

A próxima parada seria na Mary Baker Eddy Library.

É lá que fica o Mapparium, onde você faz um tour guiado por dentro dum globo terrestre …

… com a curiosidade dele ter a divisão dos países como vigorava em 1935 e …

… com uma acústica muito interessante.

Sensacional e uma pena que não se pode tirar fotos livremente.

Ainda bem que …

… existe o maravilhoso Santo Google.

Bem ao lado, fica uma loja de moda extremamente curiosa.

Bodega é realmente uma bodega, visto que a sua entrada é uma lojinha de alimentos.

Só que quando você ultrapassa a porta, lá dentro tem um montão de roupas malucas sendo vendidas.

Interessante demais.

Como já estava escurecendo e …

… o sol estava se pondo maravilhosamente …

… com o não menos nascer da lua …

… resolvemos andar só mais um pouquinho, …

… passar na linha de chegada da Maratona de Boston e …

… onde aconteceu aquele atentado há uns anos atrás.

Triste, mas curioso também.

Devido ao frio reinante, …

… ao cansaço, …

… não se esqueçam que chegamos hoje de manhã, …

… optamos por pegar um Uber, …

… retornar pro hotel pra dar uma descansada e …

… sair pra comer alguma coisa.

Optamos por ir num wine bar bem próximo.

haley.henry é um lugar bem charmoso, quase que uma pocilga chic.

Acredita que eles trabalham com ótimas sardinhas em lata especiais e super tenras? Foi o que pedimos…

… além de uma tábua de frios e …

… tostada de aliche com manteiga abaunilhada.

Tudo acompanhado de um ótimo vinho branco francês.

Isto é o que podemos chamar de comfort food e uma refeição perfeita.

Só nos restou retornar pro hotel debaixo dum puta frio e …

… dormir o sono dos que viajaram naquele dia.

See U.

.

 

dcpv – dia tredicésimo – itália – milão – che bella cidade!

10/04/2021 (vivido em 22/1/2019)

Dia Tredicesimo – ItáliaMilão – Che bella cidade.

Dia de dizer até breve à nossa querida Itália.

E nada mais representativo do que fazer o Dolce Far Niente aqui em Milão.

Tudo bem que esta cidade, …

… contemporânea que é, …

… não seria bem um lugar pra não se fazer nada.

Mas optamos por fazer isso à nossa maneira.

Como cabe bem ao clima milanês, …

… estava chovendo.

Mas isto não nos abateu.

Tomamos o nosso café da manhã e …

… fomos bater pernas, …

… aproveitando pra fazer as últimas compras.

E seriam muito especiais.

Zarpamos direto pra Peck.

Pra quem não sabe, …

… ela é um super sex shop.

Lá você encontra o fino da gastronomia italiana, …

… que convenhamos, não é pouca coisa.

Extrapolamos um pouquinho e fizemos uma boa feira.

Tomates, cebola, alho, erva doce e …

… carne (pra fazer uma legítima carne cruda) foram providenciados.

Além da visita obrigatória à adega deles …

… que é um verdadeiro santuário.

Passamos também na Princi, …

… aquela padoca de respeito …

… onde compramos pães e …

… focaccias de primeira.

Também demos uma boa volta pelo famoso centro, …

… Duomo e Galleria incluídos.

Resolvemos beliscar no bar do próprio hotel.

Caprese pra Dé, …

… hambúrguer de fassona pra mim e …

… pinots pra nós (Grigio pra Dé e Noir pra mim).

Pronto!

Daí foi só dividir o peso de tudo o que compramos nas malas (trabalho árduo), …

… pegarmos o nosso transfer, …

… nos divertindo muito com a italianice do driver Marco e …

… Latam diretamente e sem escalas pra Nova Toscana.

É, esta viagem foi muito legal e …

… nos deixou muitas boas experiências.

1 – Passear pelo Piemonte com os olhos do chef Giuseppe Gerundino foi incrível.

Não imaginávamos, a esta altura do campeonato, que uma viagem em grupo seria tão legal.

Tudo bem que o grupo também ajudou muito, mas a liderança inconteste e o charme do GG uniram tudo.

2 – Estamos nos devendo um tour solo pelo Piemonte pra curtir mais as cidades e comer um pouco menos.

Acho que esta viagem deveria acontecer fora do período dos tartufos biancos. 🙂

3 – A Suíça é mesmo uma maravilha.

A parte italiana estava faltando no nosso currículo e não foi surpresa alguma descobrir que ela é incrível.

Ah, Lugano é uma cidade maravilhosa.

4 – Já marcamos uma viagem só pra região dos Lagos italianos (em tempo, mal sabíamos o que aconteceria).

Lagos Maggiore, d’Orta, Como e Garda merecem exclusividade.

5 – Milão é charmosa demais.

Arrivederci.

Veja os outros desta viagem espetacular:
Dia primo – Itália – Milao/Piemonte – Em busca da trufa branca,o fungo perfeita!
Dia secondo – Itália – Piemonte – O verdadeiro giro com Giuseppe.
Dia terzo – Itália – Piemonte – Barolo, a terra dos Barolos.
Dia quarto – Itália – Piemonte – Em busca da trufa perdida. Ou melhor, do tartufo achado.
Dia quinto – Itália – Piemonte – Visitando uma vinícola e uma grapperia piemontesas. Ah, já viu como se abre uma forma de parmigiano?
Dia sexto – Itália – Piemonte – Dá pra comer caracol, ops, escargots?
Dia settimo – Itália – Piemonte – Cerveja piemontesa. Tudo a ver.
Dia ottavo – Itália/Suíca – Piemonte/Lugano – Do primeiro pro primeiríssimo mundo.
Dia nono – Suíça – Lugano – Orta San Giulio, Stresa, Bellinzona: cidades ítalo-suíças ou seriam suíço-italianas?
Dia decimo – Suíça/Itália – Lugano – Onde, quando, como? Sim, o lago.
Dia undicesimo – Suíça/Itália – Lugano/Milão – Cidades maravilhosas com ugares tanto quanto (LAC, Parco Ciani, La Rinascente, Starbucks Reserve 
Dia dodicesimo – Itália – Milao – Seguindo os passos do leozinho, o Da Vinci.

.

 

 

 

dcpv – dia dodicesimo – itália – milão – seguindo os passos do leozinho, o da vinci.

27/03/2021 (vivido em 21/11/2019)

Dia dodicesimo – Itália – MilãoSeguindo os passos do Leozinho, o da Vinci.

Hoje é um dos dias mais importantes do mundo.

E em sendo, optamos por curtir uma das nossas cidades preferidas do melhor jeito: …

… culturalmente.

Já disse isso, mas não custa repetir.

Na contramão da maioria dos turistas, especialmente brazucas, adoramos Milão.

Ela sempre será, para nós, uma São Paulo que deu certo.

Ela tem um jeitão sisudo? Tem

Ela gosta muito de moda e aparências? Sim

Ela é bonita? Muito.

Tem museus bacanas? Demais. Cqd.

Então, tomamos o nosso lautíssimo café da manhã no hotel e …

… fomos conhecer o Orto Botanico di Brera

… que fica bem ao lado do hotel.

E me permitam dizer que é espetacular.

Claro que tudo depende do jeito de olhar.

Aparentemente ele parece com uma coisa meio avacalhada (que novidade).

Mas não é nada disso.

Pelo contrário, …

… ele é muito didático e …

… interessante …

… já que ele existe pra preservar a flora da região.

Vimos um montão de espécies bacanas, …

… árvores seculares e …

… uma caquizeiro simplesmente sensacional.

Ainda preciso descobrir o significado, …

… já que vimos muitas destas árvores frutíferas carregadas num monte de lugar e …

… não tocadas, …

… mas nos pareceu um costume muito interessante esta tradição.

Saímos de lá, …

… pra passar na Pinacoteca di Brera.

Que lugar maravilhoso e …

… com uma aura incrível.

O objetivo deste museu é …

… preservar arte italiana de alto nível.

E eles conseguem este ato facilmente.

O prédio é incrível.

Curtimos bastante, …

… apesar de não gostarmos muito …

… de ambientes muito antigos e …

… com cara de antigos! Hahaha

Pra dar uma espairecida, tomamos um capuccino …

… na sua bela lanchonete.

De lá partimos pro centro propriamente dito.

Ou seja, a sensacional Galeria Vitorio Emanuelle …

… que já estava com a sua árvore de Natal by Swarovsky sendo montada e …

… o magnífico Duomo, …

… o chamariz central de tudo.

Bem na sua frente, …

… fica o Museo del Novecento.

Ele é um daqueles museus modernosos …

… que ou você ama ou odeia …

… (nem amamos, nem odiamos) …

… com muitas obras que você não entende nada e …

… acho que o autor também não. 🙂

De qualquer forma, …

… nos divertimos muito, …

… mas quando chegamos ao último andar, …

… percebemos realmente qual seria a grande atração do museu.

A vista de lá de cima do Duomo e da Galeria …

… é simplesmente imperdível e incrível.

Visto tudo isto e …

… como estávamos na hora do almoço, …

… atravessamos a piazza e …

… fomos tomar umas boas flutes na Rinascente como aperitivos.

A intenção seria pizzar e fomos na Piz, …

… uma pizzaria modernosa e ao mesmo tempo tradicional …

… que tem uma cara muito simpática.

Resultado? Almoçamos lá, …

… tomando cerveja e vinho branco acompanhados de duas margheritas inesquecíveis.

Olha, é um belo lugar pra ser visitado.

Saímos, pra variar, correndo …

… porque tínhamos uma visita marcada pra ver aquela maravilha, …