Archive for the 'evento' Category

dcpv – seventh day – usa – ny – mistura bombástica: compras e psycho killer.

17/07/2021 (vivido em 15/01/2020)

Seventh Day – USA – NYMistura bombástica: compras e Psycho Killer.

Como sempre, o tempo da Big Apple nos surpreendeu.

Após dois dias muito broncolhões …

… (ainda bem que estávamos na NRF), …

… o sol nasceu com galhardia.

Um céu absolutamente azul …

… nos convidou a sair da cama e …

… curtir o que NYC tem de melhor.

Shopping? Sim, mas shopping com experiência.

Foi praticamente este o tema da NRF.

Você precisa oferecer ao seu cliente um enredo tão bacana …

… que mesmo após fazer a sua compra, ele continue encantado.

Então aproveitamos as dicas e fomos atrás de lojas que praticam (ou tentam) isto.

Tomamos um belo café da manhã, …

… no nosso novo queridinho, …

… o Pastis, …

… pegamos um Uber (como eles funcionam bem por aqui) e …

… fomos “SoHar”.

A primeira parada foi na Champion, uma loja de artigos esportivos, …

… que achamos bonitinha, mas normalíssima.

Em seguida, passamos na Em Pty.

O trocadilho do nome é bem bacana e a loja é trendy demais.

Passear pelo SoHo é um grande deleite e …

… ainda conseguimos ver uma filmagem …

… do que parecia ser uma série ou até mesmo um filme.

O aparato era imenso. Coisas de NY.

Andamos mais um pouquinho até chegarmos à Levi’s.

Esta loja é muito legal, …

… tem inclusive uma área para customização.

A próxima foi a Stance, uma das nossas queridinhas e …

… que vende …

… meias.

Sim, meias e as melhores do mundo. 🙂

E já que o assunto eram meias, aproveitamos pra ir na loja dos melhores sapatos do mundo.

São, no mínimo, os mais trends.

Allbirds é especialista em fazê-los muuuuuito confortáveis e de um modo totalmente sustentável.

Logo ao lado, a loja do MoMa extrapola …

… no quesito “que coisa bonitinha” e …

… “como é que eu nunca tive uma destas“?

E aí você as compra!

Visitamos mais uma, a Converse, aquela do All Star e …

… não achamos grande coisa também.

Em seguida, a Showfields, autointitulada a loja mais interessante do mundo …

… mostrou que realmente parece ser.

O espaço todo é bem malucão …

… com um café modernoso e …

… ela é totalmente formada por stands transados e …

… ocupados por empresas novas …

… que  produzem coisas totalmente diferentes dos usuais (isto acima é um teclado).

Ou seja, a loja é mesmo incrível e …

… vale uma visita.

Compramos algumas coisas bem legais na lojinha deles.

Continuamos andando e …

… respirando o ar maravilhoso do SoHo …

… quando resolvemos comer alguma coisa.

Escolhemos o Le Pain Quotidien.

Fomos de quiche de vegetais e …

… uma tartine de muçarela e pesto.

Apelamos pro Uber novamente e …

… fomos praquela maravilha que é o Oculus

… mais conhecida como a estação de metrô …

… do World Trade Center.

Que beleza!

Aquela construção bonita …

… do gênio Santiago Calatrava …

… nos faz pensar …

… no que o homem é capaz de fazer quando está …

… realmente inspirado.

E olha que nem sabia que ela foi idealizada com o principio de representar um olho mesmo e …

… que uma vez por ano, eles abrem o pequeno teto retrátil …

… pra que seja vista a torre da Liberdade e …

… pra que a humanidade nunca se esqueça de 11/09.

Sublime, né?

Ainda demos uma passadinha na região, …

… entramos no Target, …

… só pra comprar algumas coisinhas e …

… dar uma “secada” na programação visual deles …

… que é linda.

Ainda deu tempo …

… de curtir aquele por do sol …

… maravilhoso, …

… fazer um leve happy hour …

… na não menos Starbucks Reserve Roastery …

… com direito a coquetéis especiais à base de café, …

… uma passada no Chelsea Market e …

… nos prepararmos pro acontecimento de hoje a noite.

Iríamos assistir a um show do incrível David Byrne.

Pra quem não sabe, ele foi o criador do Talking Heads e …

… atualmente, está fazendo um show na Broadway, o American Utopia

… só que sendo ele mesmo.

É claro que ele canta algumas músicas antigas, …

… mas o show todo é de uma singeleza e …

… ele tem tanto carisma …

… que fica impossível não gostar do espetáculo.

E os 100 minutos de duração passam muito rapidamente …

… seja pelo showman que o David é, …

… seja pela habilidade dos músicos que compõe a banda (tem um brazuca lá), …

… seja pela atmosfera reinante.

Em suma, quando percebemos, …

… estávamos todos dançando e …

… cantando Burning down the house.

Mais alto astral, impossível.

Só nos restou voltar pro hotel, …

… dar uma derradeira passada na Starbucks Reserve e …

… ir descansar.

Ufa, NY não é fácil, não.

Psycho killer, qu’est-ce que c’est … 

Veja os outros dias desta interessante viagem:
First day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!
Second day – USA – Boston/NYC – Um contraste incrível e uma constatação mais ainda. Incrível mesmo é o The Vessel.
Third day – USA – NYC – A cidade que nunca dorme. E nós também.
Fourth day – USA – Nova York – Varejando, passeando e comendo bem na Big Apple.
Fifth day – USA – NYC – Conhecendo o The Vessel, o vaso chic por dentro.
Sixth day – USA – NYC- Tem NBA, estamos lá!

 

 

dcpv – sixth day – usa – nyc – tem nba? estamos lá.

14/01/2020

Sixth Day – USA – NYCTem NBA? Estamos lá.

Hoje seria o último dia da NRF (National Retail Federation).

Ou seja, o “trabalho” estaria terminando e …

… começaria verdadeiramente o lazer! Hahaha

Quer dizer, quase …

… pois ainda tínhamos planos de conhecer …

… um montão de lojas bacanas.

Acordamos cedo e …

… fomos tomar um ótimo café da manhã …

… no Pastis.

Sim, o o restaurante de ontem a noite.

De lá, pegamos um Uber e fomos pro Javits Center.

A programação era intensa e …

… a única janela, …

… seria pra almoçar num velho conhecido nosso, …

… o grego e queridinho Estiatorio Milos.

O divertimento é sempre garantido e foi.

Incrível, mas ele estava totalmente lotado.

Pedimos o trivial, …

… pra não atrasarmos pra tarde de encerramento da NRF.

Ceviche de peixe (o nosso mais do queridinho), …

… torre de berinjela e abobrinha fritas (as nossas queridinhas) e …

… uma ótima lula recheada (lula não é o nosso queridinho).

É claro que com o acompanhamento de duas taças dum excelente Chardonnay de Sta Bárbara, além duma Baklava daquelas.

Absolutamente perfeito!

Totalmente reabastecidos, retornamos pro Javits.

Assistimos a umas palestras meia bocas e …

… só ficamos até a última, …

… porque a atração seria uma estrela de Hollywood; Gwyneth Paltrow é o nome da criança.

Ela mostraria como funciona o seu site de relacionamento/comportamento/moda, o Goop.

Foi legal, mas nada de excepcional.

Tentamos pegar um Uber pro hotel, mas a coisa estava dura, …

… porque o frio batia forte (era janeiro) e começou a chover.

Resolvemos ir até o Hudson Yards …

… o que facilitou bastante.

Retornamos pro hotel, …

… demos uma breve descansada e …

… estávamos prontos prum programa que adoramos.

Fomos até o Barclays Center, no Brooklyn, …

… ver um jogo dos Brooklyn Nets.

NBA é sempre certeza de divertimento e prazer.

E foi o que aconteceu.

Brooklyn Nets e Utah Jazz se enfrentaram e …

… a expectativa seria se o grande Kyre Irving jogaria?

Jogou, fez os 30 pontos dele, …

… mas não adiantou nada, porque os Nets tomaram uma bela sova do Jazz.

Tudo bem que ver Kyrie Irving, …

… DeAndre Jordan, …

… Ingles e o gigante francês, o Gobert, …

… bem na sua cara …

… foi mais do que empolgante.

Mas, nesta hora prevaleceu a categoria do time de Utah.

Só nos restou curtir o espetáculo todo e …

… imaginar como seria bom ter tudo isto …

… no nosso querido Brasil.

Imagine ter a disponibilidade de ver espetáculos …

… desta magnitude praticamente a hora em que você quiser?

Bom, por enquanto, vamos curtindo a cada vez que viajamos …

… porque é mesmo imperdível.

Resultado?

O Jazz, que é um time muito mais estruturado, ganhou a partida tranquilamente, …

… mas o Kyre Irving mostrou porque é um cracaço.

Dá pra imaginar quando o Kevin Durant estiver apto …

… como será o desempenho deste time?

Certamente estaremos aqui no Barclay (sem corporativismo) …

… vendo tudo isso.

E o jantar?

Tivemos que apelar e comer o que provavelmente foi uma das piores pizzas ever.

São os ossos do ofício. Hahaha

Bom, amanhã iniciamos o nosso tour particular pelas incríveis lojas do SoHo.

Como diria o grande SS, aguaaardeeeem.

See U.

Veja os outros dias desta interessante viagem:
First day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!
Second day – USA – Boston/NYC – Um contraste incrível e uma constatação mais ainda. Incrível mesmo é o The Vessel.
Third day – USA – NYC – A cidade que nunca dorme. E nós também.
Fourth day – USA – Nova York – Varejando, passeando e comendo bem na Big Apple.
Fifth day – USA – NYC – Conhecendo o The Vessel, o vaso chic por dentro.

.

dcpv – fifth day – usa – nyc – conhecendo o the vessel, o vaso chic, por dentro.

19/06/21 (muito bem vivido em 13/01/2020)

Fifth Day – USA – NYCConhecendo o Vessel, o vaso chic, por dentro.

Segundo dia da feira de Varejo, da NRF, em plena NY.

Tudo bem que ficaríamos praticamente o dia inteiro ouvindo palestras de figurões e …

… aprendendo um montão de coisas interessantes, …

… mas também sobraria tempo pra curtir algumas coisas que só NY te proporciona.

Por exemplo, …

… tomar um belíssimo café da manhã …

… na extraordinária …

… Starbucks Reserve Roastery.

De lá fomos pro Javits Center e …

… do Javits, para o Hudson Yards …

… onde almoçaríamos no TakRoom, o restaurante do chefaço Thomas Keller.

O lugar é bem clássico, quase uma lanchonetona chic, …

… como convém ao que se espera de antemão.

E o menu é bem trivial.

Tanto que a Dé pediu uma salada de peito de frango e …

… eu, um hambúrguer de Wagyu com fritas muito crocantes.

Duas taças de vinho completariam a boa refeição.

Voltamos pra feira pra parte vespertina e …

… deixamos justamente o início da tarde pra subir no Vessel (navio em português).

Reservei o ticket pelo site (é obrigatório, de graça e você tem que entrar no site com 15 dias de antecedência) e …

… às 16:30 estávamos lá.

Tudo bem que o tempo ficou bastante nublado e que deu uma tremenda esfriada, …

… mas foi bom, porque o exercício físico é puxado.

São inúmeros degraus (mais de 2500), …

… em inúmeros plataformas (80) …

… que você tem que subir (154 lances de escadas)…

… pra descobrir as fantásticas vistas externas e …

… principalmente, as deslumbrantes internas.

A construção da estrutura é belíssima e …

… a ideia toda é que você explore-a ao máximo.

É uma experiência bem marcante e …

… acredito que o Vessel …

… que mais parece com um vaso imenso (um abacaxi?) …

… se torne rapidamente um ícone da Big Apple.

Segue um minifotoblog com ângulos diferentes desta verdadeira trapizonga chic:

Aproveitamos que tínhamos tempo pra dar um giro pelo shopping.

A loja âncora, a Neiman Marcus é um exemplo do lugar onde se pretende …

… melhorar a experiência de compra.

Ela foi pensada pra que você se divirta bastante, …

… enquanto, consequentemente, compre bastante também!

Outra loja bacana é a FortyTenFive, …

… uma multimarcas malucona e …

… imensa, …

… além de muito interessante.

Mais uma loja interessante: Camp.

É quase o que o nome sugere, um acampamento onde …

… você leva o teu filho pra se divertir …

… enquanto compra uma montão de coisas pra eles.

Como estávamos cansados, voltamos de Uber pro hotel …

… demos uma boa espairecida e …

… fomos jantar numa instituição nova-iorquina, o Pastis.

Ele fica bem perto do The Standard (em pleno Meatpacking) e …

… é um bistrô francês.

Bistrô mesmo, com menu correspondente.

Keith McNally que é dono também do Balthazar sabe das coisas.

Você chega lá, não tem ninguém na rua, mas o restô está lotado.

Pedimos bistrosisticamente.

A Dé foi de sopa de cebolas e …

… eu, de croque monsieur com pommes frites.

Maravilhosos, …

… assim como foi tomar meia garrafa dum Sancerre em copos de requeijão.

Felizes, retornamos pro hotel sobre a luz da lua.

Demais e …

… sem corporativismo.

See U.

Veja os outros dias desta interessante viagem:
First day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!
Second day – USA – Boston/NYC – Um contraste incrível e uma constatação mais ainda. Incrível mesmo é o The Vessel.
Third day – USA – NYC – A cidade que nunca dorme. E nós também.
Fourth day – USA – Nova York – Varejando, passeando e comendo bem na Big Apple.

.

 

dcpv – fourth day – usa – nova york – varejando, passeando e comendo bem na big apple.

05/06/2021 (vivido em 12/01/2020)

Fourth Day – USA – NYVarejando, passeando e comendo bem na Big Apple.

Domingão.

Tomamos um belo café da manhã no próprio café do The Standard.

E seria o primeiro dia de trabalho.

Na verdade, viemos pra NY pra acompanhar a NRF.

Que é a National Retail Federation …

… ou seja, a maior feira de varejo do mundo e …

… onde são discutidas as principais tendências do mercado, …

… inclusive as da nossa área de atuação, supermercados.

São 3 dias intensos com palestras proferidas por CEOs de grandes empresas mundiais, …

… além de muita informação das boas.

Mas é claro que sobra tempo pra diversão.

Afinal de contas, estamos em NY, a cidade que nunca dorme.

E coincidentemente o lugar que está bombando é o Hudson Yards, …

… um empreendimento bilionário que tem conexão com outra maravilha, o High Line, …

… que além de ter o The Vessel, aquele vasão deslumbrante, …

… que dizem que parece um abacaxi e fica exatamente ao lado do Javits Center, o lugar onde acontece a NRF.

É ou não é muita sorte?

Pra melhorar tudo, a área de alimentação do shopping é maravilhosa.

O nosso primeiro almoço foi no Mar at Mercado, o restô de peixes do Little Spain, um Eataly espanhol..

Reservamos (faça isso sempre) e já chegamos tapeando.

Croquetes de calamares em su tinta, …

… pulpo à galega e …

… uma paella de fideuá fizeram a nossa festa.

Apesar da feira continuar a tarde, tomamos duas copetas dum branco espanhol e …

… retornamos pro Javits …

… só aguardando o por do sol.

Que veio num formato maravilhoso, …

… justamente quando estávamos voltando a pé pro hotel …

… pelo High Line.

Que caminho maravilhoso!

Este vale o minifotoblog.

Descemos perto do hotel, …

… quase no final do High Line, em pleno Meatpacking e …

… ainda vimos um dos crepúsculos mais bonitos de todos os tempos.

Como descrever NY como fria, …

… após esta visão magnífica?

Cá pra nós, esta surpresa do tempo estar tão bom (estava quase 20ºC) …

… foi tão legal que só tínhamos que agradecer.

Pra encerrar um dia tão espetacular, nada melhor do que um jantar correspondente.

E em grande estilo; fiquei sabendo da existência da chef Missy Thompsom através do Instagram.

Ela tem uma história incrível e dois restôs na cidade: um é o Lilia e o outro, o Misi, justamente o que fomos.

Tudo bem que fica no Brooklyn, a meia hora de Uber do nosso hotel, mas vale a viagem.

O lugar é jovial, moderno, …

… descontraído e bastante italiano.

Pedimos alcachofras como entrada e estavam muito bem temperadas. A Dé adorou.

Como principais, ela foi de talharim cacio e pepe e …

… eu, num spaghetti com colatura de aliche. Ambos al dente e extremamente saborosos.

Tomamos duas (três?) taças dum bianchetto muito bom e …

… ainda sobrou espaço pruma especialidade da casa, o sorvete cremoso de leite, que é mesmo ótimo.

Olha, foi uma tremenda refeição e tivemos a certeza que devemos retornar ao Misi, …

… porque a Missy Thompson sabe cozinhar e muito.

Retornamos pro hotel e como diria o Topo Giggio, …

… está na hora de ir pra caminha.

See U.

Veja os outros dias desta interessante viagem:
First day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!
Second day – USA – Boston/NYC – Um contraste incrível e uma constatação mais ainda. Incrível mesmo é o The Vessel.
Third day – USA – NYC – A cidade que nunca dorme. E nós também.

.

dcpv – tag neuen – suíça – riveira de montreux – o museu do chaplin te deixa mudo! ah, lavaux tá novo!

21/08/2020 (vivido em 03/08/2019)

Tag Neuen – Suíça – Riviera de MontreuxO museu do Chaplin te deixa mudo! Ah, Lavaux tá novo!

Mais uma adaptada no roteiro original.

Deste jeito, ganharei um Oscar. Hahaha

É que com a realização da Fête des Vignerons, o trânsito no centro de Vevey ficou uma bagunça.

Como estávamos com o carro, inverti as visitas do dia e …

… iniciamos pelo Chaplin’s World.

Antes, tomamos o ótimo café da manhã no próprio hotel e …

… zarpamos pro museu.

Só a chegada já impressiona.

Estacionamento grande, …

… lojinha espetacular (como esperado), …

… compra de ingresso tranquila e …

… um filme de apresentação de 15 minutos sobre a obra do gênio …

… que te deixa verdadeiramente emocionado.

Parêntesis: Charlie Chaplin escolheu morar em Vevey …

… após ser expulso dos USA …

… acusado de ser comunista.

Retornando à visita, após o término do filminho …

… a tela do cinema abre e você …

… simplesmente se vê dentro de uma das obras primas dele.

Impossível não rir e se apaixonar.

Daí pra frente, a visita ao estúdio é um encantamento só.

A maioria dos cenários das grandes obras dele …

… estão reproduzidos perfeitamente e …

… melhor, tem sempre coisas interativas …

… pra que a sua participação seja a melhor possível.

Além do que, toda a iluminação foi projetada …

… pra se tirar grandes fotos.

O inevitável obrigatório e cinematográfico fotoblog vem a seguir.

Terminando esta parte do tour, …

… você ainda dá um passeio …

… pelo enorme jardim da casa …

… onde sente a tranquilidade que o Chaplin gostava de ter …

… além de admirar belíssimas árvores centenárias.

Pra finalizar este momento de puro prazer, …

… existe um trajeto pra se conhecer internamente …

… a casa (mansão?) que ele viveu com a sua esposa, Oona e …

… seus cinco filhos.

Tem muita memorabilia …

… autêntica lá …

… e você percebe que tudo foi …

… muito bem documentado.

Inclusive, mostra a sua amizade com …

… o outro gênio, o Einstein e …

… a sua proximidade com grandes estrelas da sua época.

É claro que passamos na cozinha e na lojinha, …

… nos abastecemos de várias lembranças …

… deste magnífico passeio.

Também é claro que compramos muitas coisas sobre forte emoção (hahaha), …

… mas certamente saímos de lá com a alma elevada.

Não falei que o dia estava absolutamente maravilhoso, né?

Mas estava.

Muito sol e …

… a possibilidade de se ter belíssimas vistas do lago Genebra.

Com esse clima, aproveitamos pra conhecer as plantações de uvas …

… da região de Lavaux …

… que foram tombadas pela Unesco em 2003.

E elas tem uma particularidade.

As uvas são plantadas em terreno exíguos, …

… em degraus …

… com muros de pedras apoiando o terreno.

Inclusive existe uma teoria de que as uvas produzidas nesta região são especiais …

… porque são banhadas por três tipos de sóis:

1 – o sol convencional, mais conhecido como astro-rei.

2 – o calor referente ao reflexo do sol nas águas do lago.

3 – o aquecimento que o calor acumulado nos muros de pedra exerce sobra as videiras. Curioso, né?

Bom passeamos por vários points famosos …

… tais como Saint Saphorim e …

… a loja Vinorama, …

… onde fizemos uma degustação …

… de vários vinhos brancos …

… feitos com a uva típica daqui, a Chasselais.

Continuamos passando em Epesses e Cully.

Note que todos dizem que é uma região pra se caminhar, …

… mas o sol estava tão abrasador …

… que resolvemos utilizar o ar condicionado …

… da nossa máquina o máximo de tempo possível. 🙂

Sem contar que o carro leva pra diversos lugares bacanas …

… onde se pode ter vistas incríveis da região.

Ainda tínhamos marcado uma degustação na vinícola Domaine du Daley.

Imaginamos alguma coisa mais informal e até que era.

Mas a estrutura do lugar é incrível.

Como tinha feito a reserva pra degustação (é necessário fazê-la) …

… chegamos lá e o Cyril Severin, um dos donos estava nos esperando …

… no restô deles …

… que, simplesmente, tem uma das vistas mais bacanas de Lavaux.

Imagine você sentado numa mesa, …

… com uma sombrinha perfeita e …

… tomando vinhos muito bons, …

… além de comer queijos e frios pra lá de especiais?

Pois foi exatamente o que aconteceu.

Experimentamos 4 vinhos cada, …

… o suficiente pra escolhermos o que levaríamos pra Nova Toscana.

E ficamos conversando o máximo possível …

… pra alongar o tempo desta verdadeira meditação prazerosa.

Com muito pesar, pedimos a conta e …

… aproveitamos pra fechar o dia com chave de ouro, …

… indo conhecer o badalado Museu da Alimentação.

Alimentarium fica em Vevey, …

… não tão afastado da muvuca da Fête des Vignerons.

E foi o que imaginamos!

Após dar umas voltas, conseguimos estacionar lá perto, caminhamos um pouco e …

… percebemos que uma parte da festa ficava na sua frente.

Antes de entrarmos, tiramos as famosas fotos da estátua do Chaplin …

… e do fotogênico garfo espetado no Lago Genebra, …

… conhecido também como Léman.

Quanto ao museu, a entrada é auspiciosa.

Uma horta bacana …

… fica na sua frente …

… com muitas ervas, …

… legumes …

… flores …

… verduras e …

… tomates …

… sendo cultivados.

Trocamos os nossos ingressos e …

… finalmente adentramos.

Confesso que esperava muito mais…

… de um espaço dedicado à alimentação (vejam só a premonição) e …

… todo o seu processo.

Achamos tudo meio sem graça e …

… aparentemente, ele é feito para que as crianças …

… entendam sobre a importância dos alimentos e …

… sua relação com o nosso corpo.

Como se os adultos soubessem! Hahaha

Levemente decepcionados, retornamos para o hotel.

Estávamos pensando sobre o jantar.

Decidimos que um dia maravilhoso como esse …

… com a visita ao Chaplin e …

… a Lavaux não poderia terminar deste jeito.

Aí fizemos um passeio muito legal.

Pegamos o funicular, …

… descemos na segunda estação, …

… a Chardonne e …

… fomos andar pela cidade homônima.

Foi encantador.

A cidadezinha estava quase vazia, …

… mas conseguimos ver como as pessoas vivem lá e …

… como o local é cativante.

Por ser uma região vinícola, …

… pudemos ter contato com as videiras …

… e vermos qual o estado de crescimento que estão as frutas.

Foi muito bem mesmo e …

… finalizou com chave de ouro um dia …

… que merecia mesmo terminar deste jeito.

Quanto ao jantar, optamos por comer no restaurante mais descontraído do hotel.

E com um por do sol maravilhoso nos acompanhando.

Frise-se que o poente é perto das 21:30, …

… o que torna o dia bem longo e muito aproveitável.

Pedimos uma Caprese desconstruída muito bonita e saborosa como entrada pra dividirmos.

Como principais, aproveitamos uma sugestão do chef.

Ingredientes fritos numa pedra quente que vem até a sua mesa.

A Dé escolheu Camarões …

… e eu Costeletas de Vitela.

Ambos excelentes e acompanhados por taças do mesmo Chasselais, que vimos hoje a tarde.

Como diria o grande Chaplin, “quem olha só pra baixo, nunca irá ver um arco íris”.

É isso aí!

Veja os outros dias desta estupenda viagem:
Tag ein – Suíça/Liechtenstein – Zurich/Vaduz – Museu de árvore? Adega do Príncipe?
Tag zwei – Liechtenstein/Alemanha/Suíça – Visitando 3 países num dia só e de carro.
Tag drei – Suíça – Zurich/Basel – City tour guiado e museu Vitra Design combinam? Sim e muito.
Tag vier – Suíca – Zurich – Furka Passs and my name is Luz, Eduluz e com licença pra jantarmos com a Pink.
Tag fünf – Suíça – Zurich – Lucerna e Pink: duas superstars.
Tag sechs – Suíça – Zurich/Andermatt – Bondinhos de todos os tipos: circulares, telefericos, regulares e até conversíveis.
Tag sieben – Suíça – Andermatt/Vevey – O dia de babar em cima de Lauterbrunnen. Ou quase.
Tag acht – Suíça – Riviera de Montreux – Nada como comer um queijo gruyere na-cidade onde foi feito. Você sabe o que é a Fête des Vignerons?

.

 

 

 

dcpv – fifth day – usa – san diego – fomos ver os padres, marcelo!

30/03/2019

Fifth day – USA – San Diego – Fomos ver os Padres, Marcelo!

O Marcelo é o nosso sobrinho que veio fazer um intercâmbio aqui em San Diego.

E nos passou um montão de dicas legais sobre a cidade.

Ele é torcedor/sofredor do time de baseball da cidade, o San Diego Padres.

E como gostamos do jogo e do clima, resolvemos assistir ao jogo deles contra o SF Giants.

Bom, mas este assunto é pra mais a tarde.

Iniciamos o dia, repetindo o café da manhã excelente do nosso hotel.

Louve-se a simpatia dos atendentes.

Logo depois, fomos passear de SegWay, uma das especialidades da família.

E desta vez seria pelo parque mais famoso da cidade, o Balboa.

Chegamos no escritório da SegWay Tours, que fica bem próximo do porta-aviões USS Midway.

Ouvimos as instruções de praxe …

… e percorremos um trecho legal …

… pela cidade …

.. onde, pra variar, percebemos a organização de tudo.

Chegamos ao Balboa Park  e …

… surpresa!

Ele é imenso …

… e lindo!

Tudo muito expressivo.

A região dos museus é um espetáculo.

São mais de quinze e todos interessantes.

A cenografia é sensacional …

…e desta vez, batemos o nosso recorde quanto a “matrimonialidade” na viagem.

Vimos um pedido de casamento (e ela aceitou)!❤❤

Continuamos passando pelo espaço espanhol …

… multicolorido …

… e pelo enorme anfiteatro, …

… que fica ao lado do jardim japonês.

Percorremos trilhas de madeira …

… cortamos o maravilhoso jardim espanhol …

… e quando percebemos, …

… o tour tinha praticamente terminado.

Só nos restou retornar pro escritório, …

… curtindo novamente a paz …

… e a tranquilidade da cidade …

… num belíssimo sábado.

Como estávamos perto, …

… fomos conhecer o mercado de peixes …

… que funciona aos sábados no píer.

Não é bem um mercado, …

… mas gostamos muito.

Voltamos a pé pro hotel, …

… pegamos o carro e fomos conhecer a Ilha Coronado.

Ela é linda …

… mas, pra variar, a praia estava lotada …

… e não conseguimos estacionar.

Acabei resolvendo da seguinte maneira: …

… fiz uma reserva (bendito OpenTable)…

… no Eno, restô do Hotel del Coronado e …

… aproveitamos pra conhecer a praia.

Pedimos uma pizza de pepperoni (maravilhosa, por sinal) …

.. e duas taças dum não menos bianchetto do Antinori.

Adicionamos um sorvete …

… e lá fomos nós dar aquela farofada.

Olha, o hotel é histórico e tal.

Mas é bem bregão.

Até grama artificial eles têm. 🙂

Mas a praia é uma beleza.

Ou seja, valeu totalmente ter esta ideia.

Ainda aproveitamos pra conhecer um coisa pretensamente brega também.

No canto da Ilha, existe as Coronado Cays…

… um condomínio muito bonito, …

… que tem marinas com formatos variados.

Segundo os americanos, este lugar seria propício pra passear de gôndolas, como em Veneza.

E acreditem, este tour existe. Hahaha

Agora, imaginem passear de gôndola nestes canais com o gondoleiro americano da “chema” cantando Sole Mio?

Sem chance, né? 🙂

Retornamos pro hotel novamente e resolvemos ver como era o shopping da Westfield próximo dele.

Decepção total, o lugar está quase abandonado.

Pelo menos, serviu pra retornarmos de patinete.

E dar uma descansada pra nos preparar pro jogão de baseball, Padres x Giants.

Fomos a pé pro Petco, a casa dos Padres.

A multidão era enorme …

… e tivemos dificuldades pra entrar no estádio.

Afinal de contas, foi a primeira vez que os Padres ganharam os dois jogos iniciais da temporada, …

… ainda mais contra os Giants.

Confesso que tudo foi muito emocionante.

O estádio cheio, a comemoração dos 50 anos dos Padres, tudo combinou pra ficarmos mais felizes ainda.

O jogo transcorreu na normalidade de sempre.

Ou seja, nos divertimos muito.

E é bem legal ver as torcidas misturadas, …

… crianças acompanhadas dos pais …

… e  não acontecendo nada, …

… além de todos se divertindo muito.

Enfim, assistir a qualquer esporte nos USA …

… é encantamento certo.

Ainda terminamos a noite jantando levemente no restaurante do hotel.

Caprese finochiana, …

… alcachofra …

… e almôndegas nos nutriram, …

… além de duas taças dum ótimo alsaciano Trimbach.

Ufa de novo e que dia.

Ah! Os Padres perderam de novo e nós não comemos batatas grátis.

Until.

Veja como foram os outros dias desta road trip californiana:
First day – USA – Los Angeles – Garota eu vou pra Califórnia, ver o papai Lebron
Second day – USA – Califórnia – San Diego de la Vega. 
Third  day – USA – Califórnia – San – Diego – Passeando num porta aviões.
Fourth day – USA – Califórnia – San Diego – Cruzeiro e show em igreja?

.

 

 

dcpv – first day – usa – los angeles – garota eu vou pra califórnia, ver o papai lebron!

04/03/2020 – (vivido em 26/03/2019)

First day – USA – Los AngelesGarota eu vou pra Califórnia, ver o papai Lebron!

E lá fomos nós revisitar a Califórnia.

Tudo bem que fomos há 9 anos.

Mas a ideia original seria comprar tickets prum show dum artista que gostamos muito e depois ver no que daria.

Tudo começou com uma boa pesquisa.

E ela resultou em Michel Bublé.

Vimos que no início de abril ele estaria em LA.

Compramos os ingressos e pronto.