Archive for the 'evento' Category

dcpv – fifth day – usa – nyc – conhecendo o the vessel, o vaso chic, por dentro.

19/06/21 (muito bem vivido em 13/01/2020)

Fifth Day – USA – NYCConhecendo o Vessel, o vaso chic, por dentro.

Segundo dia da feira de Varejo, da NRF, em plena NY.

Tudo bem que ficaríamos praticamente o dia inteiro ouvindo palestras de figurões e …

… aprendendo um montão de coisas interessantes, …

… mas também sobraria tempo pra curtir algumas coisas que só NY te proporciona.

Por exemplo, …

… tomar um belíssimo café da manhã …

… na extraordinária …

… Starbucks Reserve Roastery.

De lá fomos pro Javits Center e …

… do Javits, para o Hudson Yards …

… onde almoçaríamos no TakRoom, o restaurante do chefaço Thomas Keller.

O lugar é bem clássico, quase uma lanchonetona chic, …

… como convém ao que se espera de antemão.

E o menu é bem trivial.

Tanto que a Dé pediu uma salada de peito de frango e …

… eu, um hambúrguer de Wagyu com fritas muito crocantes.

Duas taças de vinho completariam a boa refeição.

Voltamos pra feira pra parte vespertina e …

… deixamos justamente o início da tarde pra subir no Vessel (navio em português).

Reservei o ticket pelo site (é obrigatório, de graça e você tem que entrar no site com 15 dias de antecedência) e …

… às 16:30 estávamos lá.

Tudo bem que o tempo ficou bastante nublado e que deu uma tremenda esfriada, …

… mas foi bom, porque o exercício físico é puxado.

São inúmeros degraus (mais de 2500), …

… em inúmeros plataformas (80) …

… que você tem que subir (154 lances de escadas)…

… pra descobrir as fantásticas vistas externas e …

… principalmente, as deslumbrantes internas.

A construção da estrutura é belíssima e …

… a ideia toda é que você explore-a ao máximo.

É uma experiência bem marcante e …

… acredito que o Vessel …

… que mais parece com um vaso imenso (um abacaxi?) …

… se torne rapidamente um ícone da Big Apple.

Segue um minifotoblog com ângulos diferentes desta verdadeira trapizonga chic:

Aproveitamos que tínhamos tempo pra dar um giro pelo shopping.

A loja âncora, a Neiman Marcus é um exemplo do lugar onde se pretende …

… melhorar a experiência de compra.

Ela foi pensada pra que você se divirta bastante, …

… enquanto, consequentemente, compre bastante também!

Outra loja bacana é a FortyTenFive, …

… uma multimarcas malucona e …

… imensa, …

… além de muito interessante.

Mais uma loja interessante: Camp.

É quase o que o nome sugere, um acampamento onde …

… você leva o teu filho pra se divertir …

… enquanto compra uma montão de coisas pra eles.

Como estávamos cansados, voltamos de Uber pro hotel …

… demos uma boa espairecida e …

… fomos jantar numa instituição nova-iorquina, o Pastis.

Ele fica bem perto do The Standard (em pleno Meatpacking) e …

… é um bistrô francês.

Bistrô mesmo, com menu correspondente.

Keith McNally que é dono também do Balthazar sabe das coisas.

Você chega lá, não tem ninguém na rua, mas o restô está lotado.

Pedimos bistrosisticamente.

A Dé foi de sopa de cebolas e …

… eu, de croque monsieur com pommes frites.

Maravilhosos, …

… assim como foi tomar meia garrafa dum Sancerre em copos de requeijão.

Felizes, retornamos pro hotel sobre a luz da lua.

Demais e …

… sem corporativismo.

See U.

Veja os outros dias desta interessante viagem:
First day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!
Second day – USA – Boston/NYC – Um contraste incrível e uma constatação mais ainda. Incrível mesmo é o The Vessel.
Third day – USA – NYC – A cidade que nunca dorme. E nós também.
Fourth day – USA – Nova York – Varejando, passeando e comendo bem na Big Apple.

.

 

dcpv – fourth day – usa – nova york – varejando, passeando e comendo bem na big apple.

05/06/2021 (vivido em 12/01/2020)

Fourth Day – USA – NYVarejando, passeando e comendo bem na Big Apple.

Domingão.

Tomamos um belo café da manhã no próprio café do The Standard.

E seria o primeiro dia de trabalho.

Na verdade, viemos pra NY pra acompanhar a NRF.

Que é a National Retail Federation …

… ou seja, a maior feira de varejo do mundo e …

… onde são discutidas as principais tendências do mercado, …

… inclusive as da nossa área de atuação, supermercados.

São 3 dias intensos com palestras proferidas por CEOs de grandes empresas mundiais, …

… além de muita informação das boas.

Mas é claro que sobra tempo pra diversão.

Afinal de contas, estamos em NY, a cidade que nunca dorme.

E coincidentemente o lugar que está bombando é o Hudson Yards, …

… um empreendimento bilionário que tem conexão com outra maravilha, o High Line, …

… que além de ter o The Vessel, aquele vasão deslumbrante, …

… que dizem que parece um abacaxi e fica exatamente ao lado do Javits Center, o lugar onde acontece a NRF.

É ou não é muita sorte?

Pra melhorar tudo, a área de alimentação do shopping é maravilhosa.

O nosso primeiro almoço foi no Mar at Mercado, o restô de peixes do Little Spain, um Eataly espanhol..

Reservamos (faça isso sempre) e já chegamos tapeando.

Croquetes de calamares em su tinta, …

… pulpo à galega e …

… uma paella de fideuá fizeram a nossa festa.

Apesar da feira continuar a tarde, tomamos duas copetas dum branco espanhol e …

… retornamos pro Javits …

… só aguardando o por do sol.

Que veio num formato maravilhoso, …

… justamente quando estávamos voltando a pé pro hotel …

… pelo High Line.

Que caminho maravilhoso!

Este vale o minifotoblog.

Descemos perto do hotel, …

… quase no final do High Line, em pleno Meatpacking e …

… ainda vimos um dos crepúsculos mais bonitos de todos os tempos.

Como descrever NY como fria, …

… após esta visão magnífica?

Cá pra nós, esta surpresa do tempo estar tão bom (estava quase 20ºC) …

… foi tão legal que só tínhamos que agradecer.

Pra encerrar um dia tão espetacular, nada melhor do que um jantar correspondente.

E em grande estilo; fiquei sabendo da existência da chef Missy Thompsom através do Instagram.

Ela tem uma história incrível e dois restôs na cidade: um é o Lilia e o outro, o Misi, justamente o que fomos.

Tudo bem que fica no Brooklyn, a meia hora de Uber do nosso hotel, mas vale a viagem.

O lugar é jovial, moderno, …

… descontraído e bastante italiano.

Pedimos alcachofras como entrada e estavam muito bem temperadas. A Dé adorou.

Como principais, ela foi de talharim cacio e pepe e …

… eu, num spaghetti com colatura de aliche. Ambos al dente e extremamente saborosos.

Tomamos duas (três?) taças dum bianchetto muito bom e …

… ainda sobrou espaço pruma especialidade da casa, o sorvete cremoso de leite, que é mesmo ótimo.

Olha, foi uma tremenda refeição e tivemos a certeza que devemos retornar ao Misi, …

… porque a Missy Thompson sabe cozinhar e muito.

Retornamos pro hotel e como diria o Topo Giggio, …

… está na hora de ir pra caminha.

See U.

Veja os outros dias desta interessante viagem:
First day – USA – Boston – Sem piadinhas, por favor!
Second day – USA – Boston/NYC – Um contraste incrível e uma constatação mais ainda. Incrível mesmo é o The Vessel.
Third day – USA – NYC – A cidade que nunca dorme. E nós também.

.

dcpv – tag neuen – suíça – riveira de montreux – o museu do chaplin te deixa mudo! ah, lavaux tá novo!

21/08/2020 (vivido em 03/08/2019)

Tag Neuen – Suíça – Riviera de MontreuxO museu do Chaplin te deixa mudo! Ah, Lavaux tá novo!

Mais uma adaptada no roteiro original.

Deste jeito, ganharei um Oscar. Hahaha

É que com a realização da Fête des Vignerons, o trânsito no centro de Vevey ficou uma bagunça.

Como estávamos com o carro, inverti as visitas do dia e …

… iniciamos pelo Chaplin’s World.

Antes, tomamos o ótimo café da manhã no próprio hotel e …

… zarpamos pro museu.

Só a chegada já impressiona.

Estacionamento grande, …

… lojinha espetacular (como esperado), …

… compra de ingresso tranquila e …

… um filme de apresentação de 15 minutos sobre a obra do gênio …

… que te deixa verdadeiramente emocionado.

Parêntesis: Charlie Chaplin escolheu morar em Vevey …

… após ser expulso dos USA …

… acusado de ser comunista.

Retornando à visita, após o término do filminho …

… a tela do cinema abre e você …

… simplesmente se vê dentro de uma das obras primas dele.

Impossível não rir e se apaixonar.

Daí pra frente, a visita ao estúdio é um encantamento só.

A maioria dos cenários das grandes obras dele …

… estão reproduzidos perfeitamente e …

… melhor, tem sempre coisas interativas …

… pra que a sua participação seja a melhor possível.

Além do que, toda a iluminação foi projetada …

… pra se tirar grandes fotos.

O inevitável obrigatório e cinematográfico fotoblog vem a seguir.

Terminando esta parte do tour, …

… você ainda dá um passeio …

… pelo enorme jardim da casa …

… onde sente a tranquilidade que o Chaplin gostava de ter …

… além de admirar belíssimas árvores centenárias.

Pra finalizar este momento de puro prazer, …

… existe um trajeto pra se conhecer internamente …

… a casa (mansão?) que ele viveu com a sua esposa, Oona e …

… seus cinco filhos.

Tem muita memorabilia …

… autêntica lá …

… e você percebe que tudo foi …

… muito bem documentado.

Inclusive, mostra a sua amizade com …

… o outro gênio, o Einstein e …

… a sua proximidade com grandes estrelas da sua época.

É claro que passamos na cozinha e na lojinha, …

… nos abastecemos de várias lembranças …

… deste magnífico passeio.

Também é claro que compramos muitas coisas sobre forte emoção (hahaha), …

… mas certamente saímos de lá com a alma elevada.

Não falei que o dia estava absolutamente maravilhoso, né?

Mas estava.

Muito sol e …

… a possibilidade de se ter belíssimas vistas do lago Genebra.

Com esse clima, aproveitamos pra conhecer as plantações de uvas …

… da região de Lavaux …

… que foram tombadas pela Unesco em 2003.

E elas tem uma particularidade.

As uvas são plantadas em terreno exíguos, …

… em degraus …

… com muros de pedras apoiando o terreno.

Inclusive existe uma teoria de que as uvas produzidas nesta região são especiais …

… porque são banhadas por três tipos de sóis:

1 – o sol convencional, mais conhecido como astro-rei.

2 – o calor referente ao reflexo do sol nas águas do lago.

3 – o aquecimento que o calor acumulado nos muros de pedra exerce sobra as videiras. Curioso, né?

Bom passeamos por vários points famosos …

… tais como Saint Saphorim e …

… a loja Vinorama, …

… onde fizemos uma degustação …

… de vários vinhos brancos …

… feitos com a uva típica daqui, a Chasselais.

Continuamos passando em Epesses e Cully.

Note que todos dizem que é uma região pra se caminhar, …

… mas o sol estava tão abrasador …

… que resolvemos utilizar o ar condicionado …

… da nossa máquina o máximo de tempo possível. 🙂

Sem contar que o carro leva pra diversos lugares bacanas …

… onde se pode ter vistas incríveis da região.

Ainda tínhamos marcado uma degustação na vinícola Domaine du Daley.

Imaginamos alguma coisa mais informal e até que era.

Mas a estrutura do lugar é incrível.

Como tinha feito a reserva pra degustação (é necessário fazê-la) …

… chegamos lá e o Cyril Severin, um dos donos estava nos esperando …

… no restô deles …

… que, simplesmente, tem uma das vistas mais bacanas de Lavaux.

Imagine você sentado numa mesa, …

… com uma sombrinha perfeita e …

… tomando vinhos muito bons, …

… além de comer queijos e frios pra lá de especiais?

Pois foi exatamente o que aconteceu.

Experimentamos 4 vinhos cada, …

… o suficiente pra escolhermos o que levaríamos pra Nova Toscana.

E ficamos conversando o máximo possível …

… pra alongar o tempo desta verdadeira meditação prazerosa.

Com muito pesar, pedimos a conta e …

… aproveitamos pra fechar o dia com chave de ouro, …

… indo conhecer o badalado Museu da Alimentação.

Alimentarium fica em Vevey, …

… não tão afastado da muvuca da Fête des Vignerons.

E foi o que imaginamos!

Após dar umas voltas, conseguimos estacionar lá perto, caminhamos um pouco e …

… percebemos que uma parte da festa ficava na sua frente.

Antes de entrarmos, tiramos as famosas fotos da estátua do Chaplin …

… e do fotogênico garfo espetado no Lago Genebra, …

… conhecido também como Léman.

Quanto ao museu, a entrada é auspiciosa.

Uma horta bacana …

… fica na sua frente …

… com muitas ervas, …

… legumes …

… flores …

… verduras e …

… tomates …

… sendo cultivados.

Trocamos os nossos ingressos e …

… finalmente adentramos.

Confesso que esperava muito mais…

… de um espaço dedicado à alimentação (vejam só a premonição) e …

… todo o seu processo.

Achamos tudo meio sem graça e …

… aparentemente, ele é feito para que as crianças …

… entendam sobre a importância dos alimentos e …

… sua relação com o nosso corpo.

Como se os adultos soubessem! Hahaha

Levemente decepcionados, retornamos para o hotel.

Estávamos pensando sobre o jantar.

Decidimos que um dia maravilhoso como esse …

… com a visita ao Chaplin e …

… a Lavaux não poderia terminar deste jeito.

Aí fizemos um passeio muito legal.

Pegamos o funicular, …

… descemos na segunda estação, …

… a Chardonne e …

… fomos andar pela cidade homônima.

Foi encantador.

A cidadezinha estava quase vazia, …

… mas conseguimos ver como as pessoas vivem lá e …

… como o local é cativante.

Por ser uma região vinícola, …

… pudemos ter contato com as videiras …

… e vermos qual o estado de crescimento que estão as frutas.

Foi muito bem mesmo e …

… finalizou com chave de ouro um dia …

… que merecia mesmo terminar deste jeito.

Quanto ao jantar, optamos por comer no restaurante mais descontraído do hotel.

E com um por do sol maravilhoso nos acompanhando.

Frise-se que o poente é perto das 21:30, …

… o que torna o dia bem longo e muito aproveitável.

Pedimos uma Caprese desconstruída muito bonita e saborosa como entrada pra dividirmos.

Como principais, aproveitamos uma sugestão do chef.

Ingredientes fritos numa pedra quente que vem até a sua mesa.

A Dé escolheu Camarões …

… e eu Costeletas de Vitela.

Ambos excelentes e acompanhados por taças do mesmo Chasselais, que vimos hoje a tarde.

Como diria o grande Chaplin, “quem olha só pra baixo, nunca irá ver um arco íris”.

É isso aí!

Veja os outros dias desta estupenda viagem:
Tag ein – Suíça/Liechtenstein – Zurich/Vaduz – Museu de árvore? Adega do Príncipe?
Tag zwei – Liechtenstein/Alemanha/Suíça – Visitando 3 países num dia só e de carro.
Tag drei – Suíça – Zurich/Basel – City tour guiado e museu Vitra Design combinam? Sim e muito.
Tag vier – Suíca – Zurich – Furka Passs and my name is Luz, Eduluz e com licença pra jantarmos com a Pink.
Tag fünf – Suíça – Zurich – Lucerna e Pink: duas superstars.
Tag sechs – Suíça – Zurich/Andermatt – Bondinhos de todos os tipos: circulares, telefericos, regulares e até conversíveis.
Tag sieben – Suíça – Andermatt/Vevey – O dia de babar em cima de Lauterbrunnen. Ou quase.
Tag acht – Suíça – Riviera de Montreux – Nada como comer um queijo gruyere na-cidade onde foi feito. Você sabe o que é a Fête des Vignerons?

.

 

 

 

dcpv – fifth day – usa – san diego – fomos ver os padres, marcelo!

30/03/2019

Fifth day – USA – San Diego – Fomos ver os Padres, Marcelo!

O Marcelo é o nosso sobrinho que veio fazer um intercâmbio aqui em San Diego.

E nos passou um montão de dicas legais sobre a cidade.

Ele é torcedor/sofredor do time de baseball da cidade, o San Diego Padres.

E como gostamos do jogo e do clima, resolvemos assistir ao jogo deles contra o SF Giants.

Bom, mas este assunto é pra mais a tarde.

Iniciamos o dia, repetindo o café da manhã excelente do nosso hotel.

Louve-se a simpatia dos atendentes.

Logo depois, fomos passear de SegWay, uma das especialidades da família.

E desta vez seria pelo parque mais famoso da cidade, o Balboa.

Chegamos no escritório da SegWay Tours, que fica bem próximo do porta-aviões USS Midway.

Ouvimos as instruções de praxe …

… e percorremos um trecho legal …

… pela cidade …

.. onde, pra variar, percebemos a organização de tudo.

Chegamos ao Balboa Park  e …

… surpresa!

Ele é imenso …

… e lindo!

Tudo muito expressivo.

A região dos museus é um espetáculo.

São mais de quinze e todos interessantes.

A cenografia é sensacional …

…e desta vez, batemos o nosso recorde quanto a “matrimonialidade” na viagem.

Vimos um pedido de casamento (e ela aceitou)!❤❤

Continuamos passando pelo espaço espanhol …

… multicolorido …

… e pelo enorme anfiteatro, …

… que fica ao lado do jardim japonês.

Percorremos trilhas de madeira …

… cortamos o maravilhoso jardim espanhol …

… e quando percebemos, …

… o tour tinha praticamente terminado.

Só nos restou retornar pro escritório, …

… curtindo novamente a paz …

… e a tranquilidade da cidade …

… num belíssimo sábado.

Como estávamos perto, …

… fomos conhecer o mercado de peixes …

… que funciona aos sábados no píer.

Não é bem um mercado, …

… mas gostamos muito.

Voltamos a pé pro hotel, …

… pegamos o carro e fomos conhecer a Ilha Coronado.

Ela é linda …

… mas, pra variar, a praia estava lotada …

… e não conseguimos estacionar.

Acabei resolvendo da seguinte maneira: …

… fiz uma reserva (bendito OpenTable)…

… no Eno, restô do Hotel del Coronado e …

… aproveitamos pra conhecer a praia.

Pedimos uma pizza de pepperoni (maravilhosa, por sinal) …

.. e duas taças dum não menos bianchetto do Antinori.

Adicionamos um sorvete …

… e lá fomos nós dar aquela farofada.

Olha, o hotel é histórico e tal.

Mas é bem bregão.

Até grama artificial eles têm. 🙂

Mas a praia é uma beleza.

Ou seja, valeu totalmente ter esta ideia.

Ainda aproveitamos pra conhecer um coisa pretensamente brega também.

No canto da Ilha, existe as Coronado Cays…

… um condomínio muito bonito, …

… que tem marinas com formatos variados.

Segundo os americanos, este lugar seria propício pra passear de gôndolas, como em Veneza.

E acreditem, este tour existe. Hahaha

Agora, imaginem passear de gôndola nestes canais com o gondoleiro americano da “chema” cantando Sole Mio?

Sem chance, né? 🙂

Retornamos pro hotel novamente e resolvemos ver como era o shopping da Westfield próximo dele.

Decepção total, o lugar está quase abandonado.

Pelo menos, serviu pra retornarmos de patinete.

E dar uma descansada pra nos preparar pro jogão de baseball, Padres x Giants.

Fomos a pé pro Petco, a casa dos Padres.

A multidão era enorme …

… e tivemos dificuldades pra entrar no estádio.

Afinal de contas, foi a primeira vez que os Padres ganharam os dois jogos iniciais da temporada, …

… ainda mais contra os Giants.

Confesso que tudo foi muito emocionante.

O estádio cheio, a comemoração dos 50 anos dos Padres, tudo combinou pra ficarmos mais felizes ainda.

O jogo transcorreu na normalidade de sempre.

Ou seja, nos divertimos muito.

E é bem legal ver as torcidas misturadas, …

… crianças acompanhadas dos pais …

… e  não acontecendo nada, …

… além de todos se divertindo muito.

Enfim, assistir a qualquer esporte nos USA …

… é encantamento certo.

Ainda terminamos a noite jantando levemente no restaurante do hotel.

Caprese finochiana, …

… alcachofra …

… e almôndegas nos nutriram, …

… além de duas taças dum ótimo alsaciano Trimbach.

Ufa de novo e que dia.

Ah! Os Padres perderam de novo e nós não comemos batatas grátis.

Until.

Veja como foram os outros dias desta road trip californiana:
First day – USA – Los Angeles – Garota eu vou pra Califórnia, ver o papai Lebron
Second day – USA – Califórnia – San Diego de la Vega. 
Third  day – USA – Califórnia – San – Diego – Passeando num porta aviões.
Fourth day – USA – Califórnia – San Diego – Cruzeiro e show em igreja?

.

 

 

dcpv – first day – usa – los angeles – garota eu vou pra califórnia, ver o papai lebron!

04/03/2020 – (vivido em 26/03/2019)

First day – USA – Los AngelesGarota eu vou pra Califórnia, ver o papai Lebron!

E lá fomos nós revisitar a Califórnia.

Tudo bem que fomos há 9 anos.

Mas a ideia original seria comprar tickets prum show dum artista que gostamos muito e depois ver no que daria.

Tudo começou com uma boa pesquisa.

E ela resultou em Michel Bublé.

Vimos que no início de abril ele estaria em LA.

Compramos os ingressos e pronto.

O resto seria puro planejamento. Hahaha

Iniciamos pensando em ficar uma semana.

Aí pintaram vários insights.

Que tal conhecer San Diego?

E voltar ao Napa e SF?

E melhor ainda, passear pela Hwy 1 nos dois sentidos?

Resolvido, chegamos em 23 dias.

É isso. 🙂

Vamos lá acompanhar esta epopeia californiana.

Reservamos um voo direto pela American Airlines.

Portanto, chegaríamos e retornaríamos por LA.

E coincidência, logo na chegada, haveria um jogo do Lakers …

… com o meu ídolo, papai Lebron James.

Portanto, a primeira noite seria em Los Angeles.

E em downtown, já que o Staples Center fica lá.

Chegamos cedo, pegamos a nossa máquina alugada …

… e zarpamos pro hotel Figueroa.

Ele fica ao lado do ginásio. Cômodo, né?

O hotel é muito bom.

O nosso quarto é muito espaçoso …

… e com uma vista muita bacana desta cidade tão espetacular.

Aproveitamos o dia maravilhoso …

… pra dar uma boa andada pelo revitalizado centro …

… (como é que não conseguimos fazer isso por aqui?) …

… e fomos conhecer um mirante sensacional.

OUE Skyspace é uma maravilha.

Você sobe até o 54° andar …

… e vê uma exposição muito bacana …

… sobre características …

… angelinas da gema.

Aí você pega o elevador até o septuagésimo andar …

… e tem vistas incríveis de toda a cidade.

São vários ângulos espetaculares, ainda mais com o sol a pino.

Notem que eles têm áreas abertas que te permite desfrutar de tudo …

… e ao mesmo tempo relaxar em lounges …

… com sofás e bares.

Ou seja, muito americano mesmo.

Como bônus, ainda dá uma escorregada pela parte externa do edifício.

Sim, pela parte de fora, no 70º andar e num escorregador de vidro!

Marcante demais.

Continuamos andando mais um pouco …

… pra observar toda beleza da atual downtown …

… e aproveitamos pra conhecer a arquitetura …

… do soberbo museu The Broad …

… que estava com uma fila tremenda …

… e do seu vizinho não menos famoso, …

… o Disney Concert Hall, …

… um daqueles prédios feitos pelo Frank Gehry …

…e que não deixam a menor dúvida …

… de que tem a sua assinatura.

Uau!

Ainda bem que retornaremos na semana que vem pra ver um espetáculo lá.

Voltamos pro hotel, …

… caminhando …

… e nos maravilhando com tudo.

A fome bateu e entramos no primeiro lugar bacana que vimos.

O Louise é uma daqueles restôs californianos ao extremo.

E como tal, pedimos um Chardonnay de Monterey, …

… uma tremenda salada de rúcula (obviamente pra Dé) …

… e um ótimo hambúrguer (obviamente pra mim).

Tudo muito bom …

… resolvemos andar mais um pouco e retornar de vez pro hotel.

Descansada a parte, …

… estávamos prontos pra ir ver o Papai Lebron.

Tudo bem que o jogo não tinha lá grande importância …

… afinal de contas, tanto Lakers quanto Wizzards estavam desclassificados.

Mas ver The King James ao vivo é sempre emocionante.

E foi!

Além de que não é todo dia que se tem a oportunidade …

… de ver um espetáculo tão bacana …

… quanto um jogo da NBA.

Tudo funciona tão bem …

… e tão redondamente …

… que a diversão é mais do que garantida.

A região em torno do Staples Center é belíssima.

E vimos mais uma boa exibição deste super atleta.

Comemos junk food das boas …

… e devido ao cansaço, …

… torcemos pro Lakers liquidar a fatura.

Isto aconteceu e fomos rapidinho pro hotel …

… dar aquela merecida descansada dos justos.

Afinal de contas, a viagem está só começando e promete muito.

Bye!

.

 

 

dcpv – day nine – usa – vendo o verdadeiro (?) lado b de ny.

11/02/20 (obscurecido em 19/01/2019)

Day nine – USAVendo o verdadeiro (?) lado B de NY.

Este dia parecia complicado.

A previsão do tempo informava que haveria uma nevasca, seguida duma tempestade.

Isso seria o suficiente pra amedrontar qualquer um.

Menos os Luz.😁

Acordamos com um pouco de neve (a Starbucks Roastery Reserve estava estranhamente fechada)…

… e fomos tomar o nosso corriqueiro café da manhã no Starbucks também.

Às 10:00 estávamos no lobby do hotel …

… para encontrar o Marcelo, do VPNY, o Vá Para Nova York.

A ideia seria fazer um tour com ele por lugares manjados de NY (Central Park, 5th, Brooklyn, etc) …

… mas tendo uma visão mais lado B destes campeões de audiência …

… que já conhecíamos na sua maioria..

Partimos em direção ao Central Park, …

… mais precisamente ao edifício Dakota, aquele onde John Lennon foi assassinado.

Só não contávamos com uma passeata das mulheres contra o Trump, …

… que paralisou toda aquela área.

Tentamos pegar alguns desvios, mas não deu certo.

Decidimos por descer …

… e curtir a Washington Square …

… onde fica o arco homônimo.

Sábia decisão …

… já que ao chegarmos lá …

… topamos com uma pessoa tocando piano …

… maravilhosamente bem …

… e nos fez pensar em como a vida é maravilhosa.

Agradecemos muito …

… e aproveitamos a “fominha” …

… pra comer uma boa fatia de pizza do Joe’s

… e um cupcake da Molly’s.

Excelentes!

Passamos por Wall Street (touro incluso)…

… e pelo Battery Park …

… pra ter uma visão bacana …

… de toda a área …

… e da Estátua da Liberdade.

Estávamos nos dirigindo pro Brooklyn …

… quando o Marcelo deu a ideia de pararmos …

…pra tirar umas fotos das pontes do Brooklyn …

… e de Manhattan vistas da ilha.

Só não contávamos que estávamos na frente da loja conceito italiana, …

… a 10 Corso Como, aquela mesmo de Milão.

Ela é novinha …

… e o seu design é simplesmente espetacular.

Esta vale o mini fotoblog.

Depois de nos extasiarmos com a loja …

… fomos efetivamente pro Brooklyn, …

… mais específica e novamente, …

… pra DUMBO.

É claro que tirei novamente a famosa foto da ponte de Manhattan …

… mas desta vez, tivemos mais tempo …

… pra nos maravilharmos …

… com vistas magníficas da própria.

Uma mais bonita …

… do que a outra.

Aproveitamos pra tomar um chocolate quente no Jacques Torres …

… e continuamos pelo píer …

… pra ver melhor ainda todo o skyline …

… e conseguir colocar a estátua da Liberdade no seu devido lugar.

Retornamos e o Marcelo nos deixou no Soho (apesar do esforço dele, o passeio foi médio) …

… porque queríamos continuar o nosso tour particular de lojas transadas.

Iniciamos pela 45R

… um estabelecimento cool que vende roupas muito bacanas.

Continuamos pela Kith 

… que é multimarcas …

… e estava simplesmente lotada.

Passeamos pelo Soho todo, …

… um grande prazer …

… e chegamos a LululemonLab.

Que lugar!

Tudo muito moderno ….

… e com roupas feitas com materiais incríveis …

… além de um layout arrebatador.

Mais um pouquinho …

… e chegamos a Allbirds.

Ela é uma loja de sapatos ultra confortáveis (certamente os mais do mundo e atuais queridinhos de todos os Luz) …

… e com um conceito incrível.

Toda a experiência de compra …

… é encantadora …

… e dificilmente você sairá de lá sem comprar ao menos um par de sapatos.

Próxima parada, a Stance, …

… que vende as meias mais confortáveis (esta foi uma descoberta da Re) …

… e bonitas de todos os tempos.

Taí outro lugar imperdível.

Mais um pouquinho e chegamos à Sonos.

Ela é especializada em home theaters e a sua loja tem uma série de cômodos pra você experimentar os incríveis produtos deles.

São sistemas de som da mais alta qualidade …

… e você pode ficar o tempo que quiser numa destas casinhas se deliciando com as alternativas pra deixar a sua sala como um autêntico cinema.

Ainda tivemos duas tentativas frustradas.

Uma na Lip Lab onde se fazem batons personalizados, que não tinha horário disponível …

… e outra, na Dominique Ansel Bakery, …

… onde além de ter uma tremenda fila, os famosos cronuts (mistura de croissant com donuts) tinham acabado (eles sempre acabam).

Só nos restou voltar pro hotel, …

… comer umas coisinhas no Chelsea Market …

… e zarpar pro Lincoln Center …

… onde assistiríamos a um espetáculo de folclore chinês, o Shen Yun.

Tudo bem que era proibido tirar fotos, …

… mas o show foi bem chatinho.😁

A parte visual era bem legal, …

… mas tudo foi muito repetitivo.

Sabe quando dá aquele torpor?