Posts Tagged 'amigos'

dcpv – giorno sedici – italia – toscana – fiesole, “vicino a firenze”.

15/10/2017

Giorno sedici – Itália – Toscana – Fiesole, “vicino a Firenze”.

Hoje resolvemos acordar um pouco mais tarde.

E o jeito foi escolher um passeio próximo de Impruneta.

Dentro do que não conhecemos (já vimos quase tudo), uma das opções seria Fiesole.

É uma cidade bem próxima de Florença e tida como muito bonita.

Rumamos pra lá por volta das 11:00 hs e ela fica a menos de meio hora da nossa villa.

Só a subida já é super agradável.

Paisagens espetaculares …

… e uma vista escandalosa de Firenze.

Pena que estava tudo muito nebuloso, mas mesmo assim estava lindo.

Estacionamos bem longe do centro e fomos andando até lá.

Chegamos na praça principal e fomos surpreendidos com a e existência duma feirinha bem no seu centro.

Demos uma boa olhada em tudo, …

… compramos algumas coisas …

… e fomos fazer um pit stop, …

… tomando alguns Aperol Spritz …

… e comendo uma boa pizza margherita.

Andamos mais um pouco e fomos conhecer o parque das ruínas romanas.

Ele fica bem no centro …

… e é extremamente interessante.

O seu anfiteatro do século I é bastante conservado …

… e dá pra entender o porque dele ser utilizado ainda hoje para shows.

Cá pra nós, deve ser bastante interessante assistir a algum espetáculo por lá.

Voltamos para o estacionamento, pois tínhamos combinado almoçar em Impruneta.

Não preciso nem dizer que a descida foi super agradável …

… e muito contemplativa.

Chegamos em na cidade e levamos um susto, pois não imaginávamos que uma multidão estaria lá …

… por conta do início da festa do padroeiro da cidade, San Lucca.

Estacionamos perto do apê da Regina e do Mingão …

… e fomos andando até o centro.

Realmente tinha muita gente, …

… ainda mais considerando os padrões usuais.

O centro, em frente à igreja, estava tomado de barracas com os mais variados produtos.

Roupas, comidas, temperos, sapatos, flores…

… tudo misturado formando um mosaico de sabores e cores.

Enfim, uma típica festa italiana.

Fomos comer no nosso fornecedor de carnes, a Maccheleria Naninici.

Degustamos duas tábuas de frios, queijos e porchetta

… e tomamos um bom Chianti DOCG.

Além de ver toda a população passando.

Nos sentimos como aqueles velhinhos do Muppet Show.

Vocês sabem quais são, né?:)

Perto dali, comemos os melhores bomboloni das nossas vidas …

… cremosos o suficiente pra te fazer pedir outro e outro e outro e …

Ainda passeamos mais um pouco …

… e depois resolvemos assistir ao por do sol na nossa villa.

E que por do sol!

Sinta o relax!

Um verdadeiro espetáculo da natureza, …

… que durou um bom tempo, …

… inclusive, deixando cores maravilhosas no céu atramontado Toscano.

Tomamos mais um bianchetto …

… e já era hora de nos recolher.

Afinal de contas, temos que nos resguardar, porque mais uma semana se inicia …

… e os novos convidados, Madá e Álvaro, chegarão diretamente de Paris e em grande estilo!

Arrivederci.

Veja os outros dias desta epopeia:
giorno uno – itália – toscana, amore mio ou o inicio duma bela jornada!
giorno due – itália – toscana – um simples domingo.
giorno tre – itália – toscana – antinori, o visionário.
giorno quattro – itália – florença – lindíssima, como sempre!
giorno cinque – itália – san gimignano, a verdadeira manhattan toscana e porque não dizer, uma über model
 giorno sei – itália – toscana – siena e monteriggioni, a maior e menor, são belíssimas.
giorno sette – itália – toscana – eu prefiro as curvas das estradas de chianti.
Itália – Toscana – Giorno otto – Em Impruneta, como os imprunetanos!
Itália – Toscana – Giorno nove – Certaldo, uma cidade pra se conhecer em camadas.
giorno diece – Itália – Toscana – Comida pantragruélica com o maior açougueiro do mundo!
giorno undici – Itália – Toscana – Retornando à Florença, que continua mais bela do que nunca!
giorno dodici – itália – prada na toscana? e lucignano, você conhece?
giorno tredici – Itália – Toscana – My name is … (by Suzanne Vega)
giorno quattordici – Itália – Toscana – San Gimignano e Monteriggioni, a vingança!
giorno Quindici – Toscana – Impruneta – Nunca foi tão bom ficar em casa.

.

Anúncios

dcpv – dia uno – Chile – Santiago – Vino, poesia, Isla Negra e ele, Neruda!

28/06/2018

Dia uno – Chile – Santiago – Vino, poesia, Isla Negra e ele, Neruda!

E não é que o nosso grupo de vinhos resolveu retornar ao Chile?

Mais especificamente pra vinícola Lapostolle.

É um revival do que fizemos há 6 anos e neste caso, em plena Copa do Mundo!

Isso é que é amor!

Desta vez chegamos aos poucos em Santiago.

E nós fomos os primeiros.

Depois de termos alguns pequenos problemas com o nosso voo, …

..eh, Latam, …

… fomos premiados com vistas espetaculares …

… da majestosa Cordilheira dos Andes, …

… em pleno entardecer.

Que luz, senhores!

Chegamos quase a noitinha …

… demos uma olhada bem por cima no hotel e fomos jantar.

Desta vez, escolhemos o Ambrosia, …

… um restô fora do centro, …

… mas muito charmoso …

… e com uma comida excelente feita pela chef Carolina Bazán.

Pedimos um ceviche pra compartilhar como entrada …

… e como principais, a Dé optou por pejeperro com purê de alcachofras e chips de Jamón Serrano (que eu comi) …

… e eu, ciervo de casa, papas confitadas, manzana pochada y crumble.

Tomamos um Carmenere dos bons e fomos dormir.

O hotel é exatamente o que o nome dele propõe.

The Singular é singular mesmo.

Ele é clássico …

… e muito bacana.

Os quartos são super espaçosos …

… e a sua localização é muito boa (na Lastarria).

Acordamos e fomos tomar café da manhã junto com a Marcia e o Vianney que chegaram na noite passada.

Hoje faríamos um tour chamado Vino, poesia e Isla Negra.

Na verdade, eu e a Dé repetiríamos este passeio que fizemos em 2011.

Saímos direto pra Isla Negra.

Lá fica a casa que o Neruda mais gostava.

E ela é bem bacana.

E diferente demais.

Na verdade, Pablito é que era demais.

E um acumulador contumaz.

A casa é muito particular …

… e interessante ao extremo.

Neruda gostava muito do mar …

… e então fez a casa toda no formato dum barco.

Mas ao mesmo tempo, ele tinha medo do mar.

Como todo bom artista e gênio, era muito paradoxal.

Enfim, a casa toda é sensacional …

… e a visita, que é totalmente audioguiada, …

… é inesquecível.

Saciada a nossa fome de cultura …

… fomos almoçar.

E na vinícola Matetic, …

…onde faríamos um tour.

O restaurante El Equilibrio é bem bonito …

… e a comida também é muito boa.

Pedimos uma entrada só de frutos da mar pra compartilhar…

… e tomamos um Sauvignon Blanc da casa, ou seja, Matetic, pra acompanhar.

As meninas pediram peixe.

A Marcia um legítimo salmão chileno, …

… a Dé, uma pescada.

Já o Vianney, um gnocchi com ragu de carne …

… e eu, uma carne, que mais parecia um brontossauro. 🙂

Todos muito bons e …

… foi uma decisão sábia almoçar aqui.

Saímos de lá pro tour pra conhecer a vinícola.

Que tem fama de produzir ótimos vinhos, …

… mesmo porque ela é biodinâmica.

Todo o processo de vinificação não inclui qualquer tipo de pesticida (dá pra perceber, né?) …

… e eles utilizam formatos orgânicos.

Até feng shui é aplicado.

O passeio é muito instrutivo …

… e você sai de lá com vontade de beber …

… e comprar muitas garrafas.

Foi o que fizemos, …

… além de degustarmos mais dois ótimos vinhos …

… ao final do tour.

Retornamos muito felizes.

Este passeio (feito pela Enotour) é demais e se tiver alguma folga quando estiver em Santiago, faça-o.

Retornamos pro hotel (são quase duas horas de estrada), …

… passamos numa loja de vinhos do Centro Cultural Gabriela Mistral, …

… pra comprar alguns Tatay 2010 ( 🙂 ) entres outros e estávamos prontos pra bocanarizar.

E com a adição da Madá e do Álvaro ao grupo, a coisa melhorou ainda mais se é que isso seria possível.

Bocanariz, nosso bar de vinhos preferido em Santiago, fica ao lado do hotel.

O lugar é muito especial e foi feito pra conversar, comer e beber bem. Ou seja, pra nós!

Desta vez, em vez de fazermos os vuelos (passeios por vários tipos de vinhos), optamos por tomar garrafas.

Praticamente voamos por todo o Chile e comemos também um montão de coisas. Frios, queijos, empanadas, …

… peixes, carnes e quetais.

Não preciso nem dizer que foi extremamente divertido.

E ainda tomamos uma saideira no bar do hotel (com um espumante de quinta).

Só nos restou dormir (hic!) o sono dos justos …

… porque amanhã é dia de Lapostolle. O Colchágua vai tremer!

Adios.

.

dcpv – Itália – Toscana – Giorno nove – Certaldo, uma cidade pra se conhecer em camadas.

08/10/2017

Itália – Toscana – Giorno noveCertaldo, uma cidade pra se conhecer em camadas.

Esta Toscana sempre nos surpreende.

O dia amanheceu parcialmente nublado e com um pouquinho de frio.

Isto não nos desestimulou a pegar o carro e dar uma “bella” passeada.

O nosso destino seria Certaldo.

Ela é conhecida por ser a terra de Giovanni Boccaccio …

… e da cebola, que é parecida com a nossa, mas tem um sabor mais acentuado.

E a cidade é muito bacana e, porque não dizer, diferente! 🙂

Começa que existe a cidade baixa e mais nova, …

… onde se pega um trenzinho …

… pra ir pra cidade alta, a mais antiga, …

… bonita …

… e histórica.

Na verdade, Certaldo tem somente uma rua.

Mas tudo é bastante encantador.

A única coisa que não contávamos era que uma feira estava acontecendo, …

… o que atraiu uma multidão de italianos para o local,…

… já que lá não é um destino conhecido por turistas.

De qualquer forma, caminhar por Certaldo é um verdadeiro prazer.

Todos os cantos são muito fotogênicos …

… e daí, pra se encantar é muito rápido.

Almoçamos por lá mesmo, numa vinoteca e bem frugalmente. Bruschettas de pomodoro, de queijo com geleia de cebola (óbvio), uma tábua de queijos e salames …

… além de duas boas taças de mais um Vernaccia.

Caminhamos mais um pouco, …

… descemos pelo trenzinho …

… e resolvemos dar uma passada numa feira em Scandicci, cidade grande próxima de Impruneta.

Como estava tudo muito cheio, optamos por ir pra nossa villa, a La Pietrina e curtir mais um belo por do sol.

Que “bella” Toscana!

Ainda deu tempo de reunir a turma …

… e fazer um risoto como manda o figurino.

Comecei fritando um bacon toscano de primeiríssima linha …

… e depois adicionei cebola de Certaldo.

Deixei curtir um pouco e adicionei arroz arbóreo.

Aí foi só juntar o caldo, mais conhecido como brodo e finalizar com parmeggiano reggiano 24 meses e burro local (a manteiga! 🙂 ).

Ficou uma verdadeira beleza, assim como este por do sol  …

… ainda mais acompanhado de grandes amigos.

Enfim, uma cena perfeita!

Grazie per tutti.

Arrivederci.

.

dcpv – Itália – Toscana – Giorno otto – Em Impruneta, como os imprunetanos!

07/10/2017

Itália – Toscana – Giorno ottoEm Impruneta, como os imprunetanos.

Acordamos com um objetivo simples, dentro deste tour mensal pela Toscana.

Iríamos aproveitar o dia em Impruneta, a nossa cidade.

Não contávamos com um problema no sistema de aquecimento da água da nossa villa, mas mesmo assim curtimos muito.

Passamos na casa dos Marques de Paula, deixamos o carro e fomos a pé pro centro desta cidade da terracota.

Já sabíamos de antemão que uma feira livre, o famoso mercatto, estava acontecendo por lá.

A cidade é bem bacana.

A sua rua principal é bonita …

… e, de repente, chegamos à Piazza.

Tudo é muito fotogênico (até o Mingão ficou bem 🙂 ), …

… ainda mais com o ajuda desta tremenda luz solar.

A feira é incrível.

Tudo o que você possa imaginar é vendido por lá (comida, roupas, bugigangas, etc)

Não compramos muita coisa (pelo menos neste dia), …

…, mas quando chegamos na barraca da rotisseria tivemos um click.

Porque não aproveitar, levar algumas coisas e fazer um belo almoço na nossa villa? Perfeito!

Compramos dois frangos assados, polenta e batatas fritas, berinjela a parmeggiana, linguiça …

… e só faltava complementar com uma boa pasta.

Fomos pra casa …

… e a esbórnia toscana começou.

Pra iniciar, refrescantes Aperol Spritz.

Tem drink mais fotogênico do que este?

Ainda mais com esta paisagem.

Tivemos direito a uma recarga.

E aí, bebemos um bom bianchetto, um legítimo Vernaccia de San Gimignano.

É, estávamos felizes.

Continuamos com a parte gastronômica. E como menos é mais (ê, Fogaça! 🙂 ), um simples molho com pomodorini e muita depuração, se transformou numa iguaria.

Ainda mais acompanhado de ervas do nosso horto …

… e parmeggiano reggiano DOC 24 meses.

Era tudo o que queríamos (já viram isto? Pasta com raios de sol?).

O conjunto todo da obra, …

…. ou seja, pasta mais frango mais linguiça …

… mais vinho rosso …

… transformaram tudo num imenso prazer.

Foi uma tarde maravilhosa …

… que se transformou num tremendo por do sol.

Espetacular!

E que foi evoluindo a medida que o tempo passava.

Quando nos tocamos, já era 7 da noite e o céu nos dizia que era verdade, estávamos na Toscana.

Só nos restou tomar um Prosecco e comer uma pizza (xi, não tiramos fotos por  motivos óbvios!) …

… pra terminar o que poderíamos chamar de um dia perfeito.

Sono dos justos e felizes, é o que merecíamos.

Grazie per tutto!

Arrivederci.

dcpv – paris – dia six – vinhoteando pela cidade luz.

26/07/2016

Dia six – ParisVinhoteando pela cidade Luz.

Hoje seria dia de aumentar os nossos conhecimentos.

E na área de vinhos, coisa que apreciamos muito.

Como ontem foi muito atribulado, resolvemos acordar um pouco mais tarde …

… tomar um bom café da manhã no hotel …

… e ir andando até o local onde faríamos o curso, a lindíssima Galerie Vivienne, onde fica a loja de vinhos da Legrand.

É claro que cruzamos todo o bairro de St German de Pres, …

… passamos pelo Louvre …

… e pelo Jardin Royal, …

… onde aproveitamos pra dar uma de parisienses, …

… ou seja, ficar não fazendo nada e vendo o tempo passar.

Galerie Vivienne é logo ao lado, …

… portanto, chegamos no horário.

Lá, a Ana estava nos esperando pra ampliar os nossos conhecimentos do mundo de Bacco.

E todo o conteúdo do curso é muito bacana.

Ela nos levou por uma viagem pelo mundo vitivinicultor francês com todas as nuances sobre particularidades de cada região produtora …

… e ao mesmo tempo, nos explicou numa linguagem simplificada várias coisas que gostaríamos de saber.

Experimentamos um champanhe Bollinger rosé safrada …

… e 5 vinhos tintos, sendo um de cada região importante da França.

É claro que os comeretes não poderiam faltar.

Legumes, salames, frios, foie gras, …

… queijos, pães; a boa comida acompanhou tudo.

Depois de três horas, estávamos aptos a entender melhor este universo que as vezes, parece tão complicado.

Caso você esteja interessado, faça a sua reserva e você não se arrependerá.

Ainda aproveitamos pra tomar mais um vinho branco na própria loja …

… e comprar algumas coisinhas, pois não somos de ferro. Rs

Depois disso tudo, resolvemos voltar a pé, flanando pela cidade Luz. Não deu tempo pra muita coisa, pois tínhamos uma reserva pra jantar no Le Chateaubriand, um restaurante que já foi o 18º do mundo, segundo o ranking da revista Restaurant.

E o jantar foi bem decepcionante.

O menu degustação de 10 pratos é muito pretensioso e com alguns pratos beirando o ridículo. Vejam se não?

Iniciamos com gougères. Eram boas, mas gougères.

Logo depois, vieram ceviches sem peixe e com abacate no seu lugar. Meio sem graça.

A seguir, camarõezinhos fritos. Simplesmente isso!

Como complemento um do outro, serviram pão com tomate …

… e mariscos sem nenhum tempero. Oi?

Já estávamos desanimando quando uma sopinha japonesa (parecia um missô) com 4 miniraviolis foi servida. Parece simples, mas foi o melhor prato da noite!

Peixe com ervas que não conhecemos, …

… outro peixe com pepino e amêndoas cruas (pedi sal porque não estava temperado) , …

… e pra piorar, uma glândula frita com vagens refogadas complementaram o desastre.

Pensam que acabou? Nananinaná.

Como sobremesas um sorvete de cereja com, pasmem, alcaparras , …

… um pseudo toucinho do céu servido com uma gema crua (oi again) …

… e o grand finale, um pedaço de melão com especiarias indianas, que segundo o garçom, seria digestivo. Uma verdadeira balela!

Resumo da ópera bufa: não foi à toa que chef Iñake perdeu todas as suas posições no ranking. Foi merecido!

Au revoir.

Acompanhe os outros dias desta viagem:
dia un – Vale do Loire – Não há, ó gente, ó não, Loire como este, do sertão … francês.
dia deux – Vale do Loire – Chateau de Villandry, este lugar é um espetáculo!
 jour troix – França – Vale do Loire – A mulherada fazendo a diferença em Chenonceau.
dia catre – França – Vale do Loire/Paris – Esta rota é um espetáculo.
Dia cinq – Paris – O dia de turistas serem turistas.

 

 

.

.

dcpv – dia uno e único – chile – vinícola vik, um espetáculo!

agosto 2015

Dia uno e único – Chile – Vinícola VIK, um  espetáculo!

O que você diria de um visionário que pensou em fazer o melhor vinho do Chile, talvez do mundo, partindo do nada?

DSC01308

Pois foi exatamente esta ideia a de Alexandre Vik.

DSC01305

Bom, deixa eu começar do começo.

DSC00962

A Marcia Lube teve (também) a brilhante ideia de fazermos a nossa reunião anual do grupo de vinho (formado por ela e o Vianney, a Madá e o Álvaro, a Lourdes e o Eymard, a Dé e eu) no Chile, mais exatamente na vinícola VIK, que fica na vale de Millahue.

DSC01067

E o negócio todo foi muito bom.

DSC01016

Primeiramente nos encontramos em Santiago onde aproveitamos pra matar as saudades dos vuelos do excelente Bocanariz

DSC00972DSC00973

… e conhecermos o muito bom restaurante …

DSC00999

… do famoso chef Gaston Acurio, …

DSC01001

… o Astrid y Gaston.

DSC01018

No outro dia , após pernoitarmos no ótimo hotel Noi Vitacura, …

DSC00993

… partimos pra conhecer esta ideia que aparentemente parece ser maluca, mas é espetacular.

DSC01033

São quase duas horas de Santiago, …

DSC01036

… mas quando se chega lá, …

DSC01039

…  a visão desta maravilha que fica no cume do monte mais alto…

DSC01038

… e com vista de 360° pra toda a vinícola deixa qualquer um de boca aberta …

DSC01045

… e pensando, My Good, como é que pode existir visionários como o Alexandre no mundo?

DSC01047

Programamos pra fazer o tour guiado pela vinícola logo na tarde do nosso primeiro dia aqui, uma sexta-feira.

DSC01105

E o tour é exatamente o que se poderia imaginar.

DSC01114

Nada mais do que extraordinário.

DSC01164

Antes disso, deixe-me explicar alguma coisa sobre o hotel.

DSC01044

É quase que um devaneio.

DSC01073

Chegamos e tivemos esta visão.

DSC01069

Fomos recebidos com chás e uma recepção maiúscula.

DSC01048

Demos uma olhada nos quartos, sendo cada um deles decorados por arquitetos famosos e de forma individual.

DSC01076

Estes valem o mini fotoblog.

DSC01081

DSC01052

DSC01055

DSC01059

DSC01061

DSC01238

DSC01246

DSC01249

Logo depois, fomos almoçar.

DSC01049

E frugalmente.

DSC01095

As escolhas seriam Côngrio …

DSC01088

… e Ossobuco para quem quisesse.

DSC01090

E o melhor, com um indefectível vinho VIK 2010 (excelente e excelente) sendo servido com nenhuma parcimônia.

DSC01084

A seguir faríamos o tour pela propriedade.

DSC01120

É incrível imaginar que tudo isto …

DSC01102

… foi iniciado em 2004, …

DSC01175

…com a plantação das primeiras videiras em 2006.

DSC01111

Ou seja, imagine que tudo era pura mata e que agora está transformado numa área produtora de vinhos.

DSC01075

E, segundo a ideia do proprietário, o provável melhor vinho do mundo (será megalomania?).

DSC01125

O tour é excelente.

DSC01121

Você passeia pelos terroirs específicos de cada tipo de uva …

DSC01128

… e, finalmente, chega à bodega …

DSC01131

… com este ambiente futurista …

DSC01165

… e impressionante, …

DSC01153

… onde o que vale, é saber que o capricho de todo o projeto…

DSC01166

… e sua execução, te fazem acreditar que tudo, desde que bem planejado, é possível (é claro, que com uma boa quantidade de dinheiro acompanhando).

DSC01143

E aí, chega a hora da degustação.

DSC01177

Você entra primeiramente na magnífica sala de Produção …

DSC01173

… passa por um visual incrível …

DSC01180

… e de repente, chega a uma sala de degustaçào …

DSC01179

… feita com um tremendo bom gosto …

DSC01174

… com obras assinadas por grandes artistas e é onde tudo começa a fazer sentido.

DSC01178

O nosso guia explica que o assemblage do vinho VIK é feito com a combinação de diversas uvas (com a predominância de Cabernet Sauvignon e Carmenere) e aí você experimenta os varietais 2013 que formarão o vinho deste mesmo ano.

DSC01182

Aí, do nada, surge a brincadeira de você fazer o seu assemblage. O meu, por exemplo, continha 50% de Cabernet Sauvignon, 40% de Carmenere e 10% de Syrah. Ficou um espetáculo!

DSC01191

Só nos restou agradecer ao nosso guia pelo ótimo passeio e terminarmos tudo experimentando novamente o VIK 2010.

DSC01200

Voltamos ao hotel, …

DSC01215

… e resolvemos dar uma descansada, antes de partirmos para o jantar propriamente dito.

DSC01213

Começamos tudo jogando uma partida de sinuca, comendo uma entradinha de cordeiro …

DSC01314

… e vibramos com o experimento  do VIK  2011 …

DSC01219

… e com a chegada dum peixe muito bom.

DSC01226

Finalizamos com uma sobremesa  ….

DSC01321

… e pensamos como a vida é boa.

DSC01269

Ainda tivemos tempo de olhar as luzes da piscina de borda infinita ….

DSC01233

… e dormir o verdadeiro sono dos justos.

DSC01050

É, realmente a vida é muito boa ….

DSC01293

… e a vinícola VIK…

DSC01338

… com seu magnífico hotel são lugares que tem que ser visitados (ficamos mais um dia por lá só aproveitando o bom papo).

DSC01339

E tenho dito.

DSC01347

Adiós …

DSC01356

… e hasta la vista.

.

 

 

 

 

dcpv – e não é que eles fizeram de novo novamente (sic)!

número 396
26/08/2014

E não é que eles fizeram de novo novamente (sic)!

Pronto! Estamos colocando pra funcionar o plano em que a cada 4 semanas, o Deo e o Mingão bolariam o menu e fariam a comida.

DSC05059

Já fizemos isto uma vez e o resultado foi muito bom.
Esta seria a segunta e oportuna vez. Oportuna, porque acabamos de chegar de Miami e além de cansados (viajar cansa!!! rsrs), não tínhamos aquela usual válvula de escape de usar os ingredientes que trouxemos para compor os pratos.

DSC05050

Ou então, seríamos muito criativos ao incluir roupas, eletrônicos e utensílios no menu!! 🙂
Vamos lá, então, ver o que que estes comedores contumazes aprontaram.

Entrada – Batatas à Moda Riojana.

Esta o Mingão tirou de um daqueles livrinhos da Coleção Cozinha País a País da Folha, a sobre a Espanha.
E estas batatas formam quase que uma sopa delas.

DSC05044

Para fazê-la, basta refogar uma cebola pequena e dois dentes de alho (cortados bem finos) em uma panela funda, com um pouco de azeite.

DSC05042

Acrescente ½ kg de paio (cortado em pedaços e sem pele).
Salteie por 5 minutos em fogo baixo.

DSC05043

Acrescente 1 pimentão vermelho cortado em pedaços de tamanho médio, um pouco de páprica e pimenta malagueta. Refogue por mais 5 minutos em fogo baixo.

DSC05045

Junte 1 ½ kg de batatas – descascadas e cortadas ao meio pelo Deo – salteie por 2 minutos, cubra com água, tempere e deixe ferver.
Tampe a panela pela metade e cozinhe em fogo baixo por, pelo menos, uma hora.

DSC05054

Sirva bem quentinha e torça pra estar frio, como estava na grande FV.
Ficou muito bom mesmo.

DSC05060

Ainda mais acompanhada duma legítima cava, a Codorniu Anna Freixenet, que foi “cunhada, irmmã, ao contrário, anacondesca“.

DSC05058

Principal – Raviollonni de Cream Cheese e manga ao triplo burro.

Opa, este triplo burro não somos nós três!! 🙂
Ele é um molho feito à base de manteiga, creme de leite, temperado com noz moscada e finalizado com queijo parmeggiano reggiano.

DSC05070

Já a massa (e aí o Mingão deu uma roubadinha) foi preparada pelo Valmir , um cozinheiro que tem um restaurante aqui mesmo, na grande FV, o Rotisserie Alve’z (fica na Rua das Garças, 100 – Jd Castelo). Era um raviollonni recheado com cream cheese e manga.

DSC05071

Olha, ficou muito bom e certamente nos tornaremos clientes do Valmir.

DSC05073

Pra melhorar, tomamos um vinho tinto, o Care Garnacha/Syrah 2012 que foi “cuidadoso, bicicletare, quércia, caríssimo“.

DSC05067

Sobremesa – Doce de goiaba com queijo.

Pra variar, as duas peças, o Mingão e o Deo esqueceram da sobremesa. O jeito foi improvisar e usar um estupendo doce de goiaba (feito pela D. Vera) com um não menos, queijo holandês.

DSC05076

Foi a chave de ouro!

DSC05078

Vejam o que os desorientados acharam de tudo:
Tomara que esta moda pegue! (Edu)
Espetáculo ítalo-ibérico. (Mingão)
Tô cheio e feliz!!! (Deo)

DSC05061DSC05074

Bom, o resultado foi, mais uma vez, satisfatório.

DSC05048

Acredito que este hábito, o do Deo e do Mingão, cozinharem por aqui veio para ficar. Mesmo porque, já estava na hora destes “figuras” darem um descansinho pra Dé e pra mim. (Nota da redação – Acredito que por preguiça deles, esta foi a última vez que fizeram isso. Se bem que neste último caso, eles nem tinham cozinhado tanto assim. 🙂 )

DSC05057

E olha que no caso da Dé, ainda não achamos um substituto pra aquela charmosa montagem das mesas!

DSC05051

Bye!

.


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 661 outros seguidores

Comentários

Blog Stats

  • 1.410.971 hits
abril 2019
S T Q Q S S D
« mar    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Arquivos

Atualizações Twitter

Anúncios