Posts Tagged 'atelier joel robuchon'

dcpv – dia juyiti – japão – tóquio – conhecendo o original l’atelier du joel robuchon.

21/07/2019 (vivido em 14/04/2018)

Dia juyiti – Japão – Tóquio – Conhecendo o original L’Atelier du Joel Robuchon.

Hoje seria dia de pegarmos o nosso último trem-bala nesta viagem.

Antes disso, tomamos o nosso ótimo café da manhã (com os esqueletos balançando, né Madá e Álvaro?)…

… e ainda tivemos tempo de conhecer mais uma atração de Kyoto.

O caminho dos filósofos, o Philosopher’s Path, …

… que fica perto do templo Dourado, …

… e é realmente um lugar onde você relaxa muito.

Porque?

Por que ele fica ao lado dum córrego, …

… com muita vegetação, …

… muitas lojinhas, …

… e muito lugar pra você meditar.

Não tivemos tempo pra isso, …

… mas aproveitamos bastante o lugar, …

… e mesmo por que, quase não tinha nenhum turista.

Com alguns resquícios de cerejeiras floridas, …

… você consegue imaginar (imagine junto!) …

… como esse lugar seria espetacular com a floração em pleno vapor.

Uau!

Voltamos rapidinho pro hotel, …

… tivemos uma aula de origami com a nossa guia na estação …

… e rumamos pra Tokyo no Shinkansen.

Um pouco mais de duas horas, desembarcamos em Tokyo…

… e não conseguimos ver o FujiSan.

Estávamos no lugar certo do trem (no esquerdo), mas o tempo estava nublado (pelo menos, vimos as plantações de chá).

Fica pra próxima.

Não foi a primeira vez que o FujãoSan escapou de ser visto. 🙂

Chegamos tranquilos na estação central de Tokyo…

… e em poucos minutos estávamos no hotel Palace.

Os quartos são muito bons (ainda mais pros padrões da cidade) …

… e tem uma vista incrível dos jardins do Palácio Imperial.

Como não tínhamos nenhum passeio agendado, …

… resolvemos conhecer o bairro de Akihabara.

É lá que ficam as principais lojas de artigos eletrônicos de Tokyo.

E também lojas de anime, pessoas fantasiadas, …

… enfim, um verdadeiro carnaval.

Não preciso nem dizer que é muito divertido, né?

Especialmente entrar numa loja como a BIC Câmera …

… e ver a quantidade absurda de produtos que eles oferecem.

Vimos ainda as nossas queridinhas, as tampas de vaso sanitário eletrônicas da Toto que são absolutamente adoráveis.

Todos os banheiros que encontramos por aqui tem uma tampa destas onde se controla o jato d’ água (sim, aquele), o volume da descarga, a desinfecção, a temperatura do assento. Alguns, levantam a tampa automaticamente quando vc está na sua frente. Um espetáculo!

Voltamos pro hotel já a noitinha …

… e tendo uma visão bem legal do bairro todo iluminado.

Ah, é claro que compramos um montão de KitKats dos mais variados sabores.

Iríamos jantar no L’Atelier de Jöel Robuchon.

Estávamos curiosos, pois foi no Japão que surgiu este formato de restaurante.

Ele é bem curioso, pois a grande maioria dos lugares são no balcão.

Você fica sentado e assistindo todo o balé dos cozinheiros e dos garçons..

Fantástico!

Iniciamos, recebendo um gift do chef.

Tostadas duma carne de porco desfiada.

Pedimos o vinho, um Pouilly Fumê muito bom …

… e os pratos começaram a chegar.

Pratos? Sim, porque eles têm uma opção em que você pede pequenas porções, justamente para experimentar o máximo que conseguir.

Iniciamos com Le Crabe, carne de caranguejo com molho de cocktail e rabanete japonês. Crocante e muito saboroso.

A Dé continuou fazendo um tour veggie.

La Betterave, ela, com maçãs num tartar e uma salada bem fresca com molho de mostarda…

… e L’Artichaut, em forma natural e num purê com um capuccino de cúrcuma.

Perfeitos.

Eu, voei pelo mar.

Le Saint-Jacques, vieiras cozidas com manteiga de ervas …

… e Le Daurade, servida com emulsão de erva-cidreira e tomate confitado.

Perfeitos também.

Note que este restaurante também foi formatado para se tirar fotografias.

Ele é extremamente fotogênico.

Encerramos dividindo uma sobremesa, uma quase Baba al Rhum …

… que tinha um charme.

O rum era colocado na hora e numa garrafa muito original.

Enfim, o L’Atelier é um restaurante pra se ir várias vezes e em vários lugares do mundo.

Certamente retornaremos.

Saponaria.

Veja os outros dias desta viagem:
dia um/ichi – Dubai/Tóquio – As coisas maravilhosas que o homem, mais conhecido como sheik, faz. E o Japão.
dia Ni – Japão – Tóquio – A primeira sakura a gente nunca esquece.
dia San – Japão – Tóquio – Hakone e o Inhotim nipônico.
dia Shi – Japão – Tóquio – Shibuya e Meijin Jigu, multidões japonesas.
dia Go – Japão – Kanazawa – Os primeiros Shinkansen e Ryokan, a gente nunca esquece.
dia Roku – Japão – Yamashiro Onsen – Gueixas, samurais e cerejeiras, tudo a ver.
dia Shichi – Japão – Kyoto – Uma flor japonesa desabrochando só pra nós.
dia Hachi – Japão – Kyoto – Um dos dias mais sensacionais de todos os tempos.
dia Kyu – Japão – Kyoto – Estatuas diferentes, templos diferentes: mesma emoção!
dia Jyu – Japão – Kyoto – Fushimi dos 1000 tori ao saquê.

.

Anúncios

dcpv – dia cinq – paris – o dia de turistas serem turistas.

25/07/2016

Dia cinq- Paris O dia de turistas serem turistas.

O dia prometia ser muito louco e intenso.

Afinal de contas, a ideia seria seguir o trajeto a pé que o guia da Insight Guides – Paris a Pé indicava pra região das ilhas.

E foi o que fizemos.

Primeiramente tomamos o ótimo café da manhã do Hotel Bel Ami, o preferido dos Loguercio.

Depois saímos andando de St Germain de Prés até a extremidade  da Île Saint-Louis pra iniciarmos o tal roteiro. E ele é muito interessante.

Demos uma pequena transgredida e resolvemos fazer o caminho inverso.

Então, o primeiro ponto curioso foi justamente o Hotel Lauzun, construído em 1640, que abrigou alguns poetas famosos, entre eles, Charles Baudelaire e que ….

… no segundo andar, era mantido o Clube dos Consumidores de Haxixe. Imagine daonde vinha a inspiração destes grandes autores? 🙂

Logo após, ainda na Île Saint-Louis, passamos na igreja barroca de Saint-Louis-en-l’Île, construída em 1660. Bem bacana.

Seguimos em frente já entrando na Île de la Cité e passando pela catedral mais famosa da cidade Luz, a Notre Dame.

As filas eram imensas e nos furtamos de entrar num lugar que já conhecíamos.

Logo após, passamos no Marché aux fleurs e vimos bastantes coisas curiosas, apesar de algumas lojas estarem fechadas.

Continuamos passando pela Conciergerie e pela igreja de Sainte-Chapelle …

… e então fizemos a descoberta do tour.

Place Dauphine.

É um lugar ao lado do Palácio da Justiça …

… que foi idealizado como um mercado, …

… mas que parece mais um pedaço da paraíso.

É tão bacana que não resistimos e resolvemos tomar um champagne num dos restaurantes bacanas do local só pra comemorar.

Ou seja, foi simplesmente perfeito!

Terminamos o tour na Pont Neuf …

… e seguimos para o L’Atelier de Joël Robuchon onde tínhamos uma reserva para o almoço.

E como sempre, o queridinho de 10 entre 10 gourmands, não decepcionou.

Pedimos um montão de coisas (segue o fotoblog) …

… e tudo estava perfeito. Sintam esta sobremesa:

Ou seja, o Robuchon continua impecável e imperdível.

Aproveitamos o pós-almoço pra ver algumas lojas de design, …

… passear por Saint-Germain-des-Prés …

… e dar aquela passada na La Grande Epicerie.

Ô lugarzinho bacana!

Vimos um montão de ingredientes de primeira …

… além de tomarmos mais um champagne.

Voltamos rapidamente pro hotel, pois tínhamos um jantar reservado no David Toutain.

A coisa toda prometia e mais uma vez, a promessa foi cumprida. Acontece que chegamos lá e eles separaram uma sala especial para a nossa degustação.

A Dé e a Lourdes estranharam um pouco (a degustação, não a sala!), mas bravos que somos, fomos até o fim.

E foram mais de dez pratos.

Passeamos por verdadeiras maravilhas, …

… com entradas com tomates frescos, …

… vagens picadinhas frescas e al dente, como se fossem um risoto …,

… passamos por peixes …

… dos mais variados sabores , …

… lagosta …

… e colombe, mais conhecida como pombo, …

… além de várias sobremesas diferentes e …

… uma melhor do que a outra.

Tomamos dois vinhos, um branco da Borgonha, um tinto da mesma região …

… e saímos satisfeitos, após verificarmos que o chef David não só estava “on the house”, como veio nos cumprimentar e assinar o seu livro.

Enfim, foi uma noite perfeita …

… e só nos restou caminhar por Paris até chegar no hotel e dormir aquele famoso sonho dos justos.

Au revoir!

Acompanhe os outros dias desta viagem:
dia un – Vale do Loire – Não há, ó gente, ó não, Loire como este, do sertão … francês.
dia deux – Vale do Loire – Chateau de Villandry, este lugar é um espetáculo!
 jour troix – França – Vale do Loire – A mulherada fazendo a diferença em Chenonceau.
dia catre – França – Vale do Loire/Paris – Esta rota é um espetáculo.

.


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 658 outros seguidores

Posts recentes

Comentários

Blog Stats

  • 1.423.344 hits
setembro 2019
S T Q Q S S D
« ago    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos

Atualizações Twitter

Anúncios