Posts Tagged 'culianria'

dcpv – dia undicesimo – suíça/itália – lugano/milão – cidades maravilhosas com lugares tanto quanto (lac, parco ciani, la rinascente, starbucks reserve).

20/03/2021 (vivido em 20/11/2019)

Dia undicesimo – Suíça/ Italia – Lugano/MilãoCidades maravilhosas com lugares tanto quanto(LAC, Parco Ciani, La Rinascente, Starbucks Reserve).

Vou fazer uma pergunta que nunca formulei.

Dia de troca de hotel é dia perdido? Hahaha

Pois acredito que não.

Iniciamos tudo com um lauto café da manhã com view nublada, …

… mas view no The View.

Depois pegamos o nosso Smart elétrico, ô carrinho bacana e …

… fomos conhecer Lugano pessoalmente.

Sem contar que hoje seria o dia, segundo a previsão, …

… que teríamos sol.

Optamos por parar no estacionamento do LAC por absoluta falta de opções.

Mas a decisão foi correta.

O prédio é bonitérrimo e …

… o entorno dele não fica atrás.

É a junção perfeita do lago Lugano, …

… com árvores em plena autumn fall e …

… muita arte.

Uau!

Deixamos o carro por lá e fomos bater pernas.

Passeamos pelo centro, …

… que é pequeno, …

… mas que tem um urbanismo bonito, …

… muitas lojas bacanas, …

… comércios de alimentos de primeiríssima linha …

… (vejam só: …

… chocolates incríveis, …

… (a Läderach é hours councours) e …

… chegamos à piazza Riforma.

Mais um lugar marcante da cidade.

Neste momento o sol estava a pleno vapor e …

… podíamos ver o resplandecer da natureza e do lago.

Como a expectativa era grande, …

… fomos andando pela borda do lago …

… até chegar ao Parco Ciani.

Ele é um tipo de Ibirapuera upgradeado, …

… quase um Stanley Park.

E toda a natureza de lá estava no auge da sua beleza.

Nada melhor do que deixar as fotos falarem (porque estas falam):

Depois deste banho de adoração, …

… retornamos pro LAC …

… pela borda do lago e …

… em vez de ir pro hotel, …

… pegamos o nosso piccolo Smart e …

… fomos até Morcote.

A cidade, não a mexerica.

Ela fica a uns 20 minutos de Lugano e …

… pra se chegar lá é necessário …

… margear o lago.

Ou seja, é maravilhoso.

E a cidadezinha não fica trás.

É muito graciosa e …

… infelizmente, não tivemos tempo de ficar muito por lá.

Retornamos pro hotel, fizemos o checkout, …

… (certamente retornaremos) e …

… tocamos pra Milão …

… pra curtirmos a última perna da viagem.

20191120_125822

Antes de irmos pro hotel que reservamos, …

20191120_132953

… resolvemos conhecer a Casa Milan, do time de futebol homônimo.

20191120_134641

E foi uma decisão acertada.

20191120_134907

Tudo é muito bacana e bastante rubro-negro pro meu gosto. 🙂

20191120_144521

Como estávamos com fome, optamos por comer uns lanches, …

20191120_135059

… por sinal, ótimos, …

20191120_140529

… no bistrô de lá.

20191120_134857

Depois, fomos conhecer propriamente o museu.

20191120_142328

Que é espetacular.

20191120_142409

Utiliza bastante holografia …

20191120_143028

… pra nos mostrar tudo o o que o Milan foi.

20191120_143604

Porque hoje em dia, o time italiano não mete mais medo em ninguém, …

20191120_142450

… mas no tempo do Berlusconi, o mandão, …

20191120_142514

… os caras ganhavam quase tudo.

20191120_142801

O museu é muito moderno e …

20191120_142858

… a sala de troféus é um dos pontos altos.

Ver a “oreiuda” ao vivo é demais!

Não esqueçamos a importância do Kaká na história mais recente dos milaneses.

Acho que ele não precisará pagar mais nenhuma pizza quando estiver por aqui. 🙂

Finalizamos na excelente lojinha …

… onde acabei comprando alguma coisinha!

E sempre fica a pergunta: …

… porque os times brasileiros (Timão incluso) não conseguem fazer alguma coisa parecida?

Chegamos no Hotel Armani e …

… confirmamos o óbvio: …

… ele também é o máximo.

Quartos imensos, …

… muita mordomia e …

… amenidades de fazer qualquer um chorar.

Demos um gás pra devolver o carro alugado em tempo …

… na Estação Central.

Aliás, a belíssima Estação Central.

Foi só o tempo de curtir um pouco o hotel e …

… irmos até a charmosa região da dupla de ouro, …

… Galleria Vittorio Emanuele/ …

… Duomo, …

… pra dar uma passada na La Rinascente.

Enquanto eu fiquei tomando um Aperol Spritz e …

… a Dé passeava pela loja toda em busca de algum presente pra mim (amanhã seria o meu niver).

Foi bem divertido, …

… fora a possibilidade de estar no mesmo nível do telhado do Duomo.

Lindo!

Dali, andamos mais um pouquinho e …

… fomos, finalmente, …

… conhecer a nossa queridinha de sempre.

Starbucks Reserve Roastery daqui é monumental.

O prédio é histórico (era o antigo Correio) e …

… a parte interna é deslumbrante.

O princípio das outras que conhecemos (Seattle e NY) é o mesmo.

A intenção é ter um lugar amplo, muito moderno, …

… com uma trilha sonora incrível e …

… uma torrefadora de cafés especiais …

… bem na sua frente.

Além disso, tomar uns bons drinks à base de café …

… num bar de cinema e …

… comer algumas coisinhas muito italianas, tais como focaccias e pão com mortadela.

É realmente viciante e certamente retornaremos.

Ufa, agora posso responder à pergunta lá de cima.

Se for um dia como hoje, certamente não é perdido.

E tenho dito!

Veja os outros desta viagem espetacular:
Dia primo – Itália – Milao/Piemonte – Em busca da trufa branca,o fungo perfeita!
Dia secondo – Itália – Piemonte – O verdadeiro giro com Giuseppe.
Dia terzo – Itália – Piemonte – Barolo, a terra dos Barolos.
Dia quarto – Itália – Piemonte – Em busca da trufa perdida. Ou melhor, do tartufo achado.
Dia quinto – Itália – Piemonte – Visitando uma vinícola e uma grapperia piemontesas. Ah, já viu como se abre uma forma de parmigiano?
Dia sexto – Itália – Piemonte – Dá pra comer caracol, ops, escargots?
Dia settimo – Itália – Piemonte – Cerveja piemontesa. Tudo a ver.
Dia ottavo – Itália/Suíca – Piemonte/Lugano – Do primeiro pro primeiríssimo mundo.
Dia nono – Suíça – Lugano – Orta San Giulio, Stresa, Bellinzona: cidades ítalo-suíças ou seriam suíço-italianas?
Dia decimo – Suíça/Itália – Lugano – Onde, quando, como? Sim, o lago.

.

dcpv – tag sechs – suíça – zurich/andermatt – bondinhos de todos os tipos: circulares, teleféricos, regulares e até conversíveis.

03/08/2020 (bondeado em 31/07/2019)

Tag Sechs – Suíça – Zurich/AndermattBondinhos de todos os tipos: circulares, teleféricos, regulares e até conversíveis.

Hoje conheceríamos o que acredito ser a Suíça mais roots.

Tomamos o nosso café da manhã de primeiro mundo no The Dolder, …

… demos um até logo pra ele (certamente retornaremos em breve) …

… e rumamos pra Stanserhorn.

Ah, a Pink literalmente deu bolo! Hahaha

O caminho natural seria passando pela querida Lucerna.

Desfrutamos bastante, apesar do tempo voltar a ser instável.

Incrível como a coisa toda muda rapidamente aqui na Suíça.

Chegamos em Stanz, …

… estacionamos, …

… pagamos os nossos tickets prereservados, …

… subimos a primeira parte do trecho no formato mais tradicional possível, …

… no bom e velho bondinho …

… que anda devagar pra caramba …

… e que te faz obrigatoriamente curtir bastante a paisagem.

Note que tudo estava muito nublado.

Já depois da primeira parada, trocamos de bondinho.

E aí entrou em ação um teleférico com uma característica bem curiosa: …

… ele é conversível.

Como conversível?

É isto mesmo.

Ele tem uma parte convencional coberta, …

… a térrea, …

… mas também tem o segundo andar conversível …

… onde você sobe através de uma escada (é, estava ventando. Hahaha) e …

… curte a paisagem ao ar livre.

Demais!

Tudo bem que não tem muito o que fazer lá em cima (ainda mais com tudo nublado), …

… além de tomar um bom café e …

… tentar ver alguma coisa.

Demos uma olhada na boa lojinha e …

… descemos.

Mais uma vez, passear na parte aberta do bondinho conversível,…

… faz de Stanserhorn um passeio imperdível.

Tudo bem que terminar no bondinho caquético …

… te faz refletir se este não representaria o Brasil …

… e o conversível, a Suíça.

De lá, …

…partimos para Engelberg.

Fomos direto para o Monastério, …

… conhecer a lojinha, …

… famosa por produzir e vender produtos de alta qualidade, …

… especialmente queijos.

Compramos algumas coisas e …

… aproveitamos pra curtir a segunda experiência com bondinhos no Monte Titlis.

Este passeio é muito famoso e …

… normalmente está lotado de turistas.

Foi o que aconteceu, …

… mas como tinha comprado pela Internet, …

… não tivemos nenhum problema.

O trecho também é dividido em duas partes.

Só que neste caso, a primeira é muito mais interessante que a segunda.

Na primeira, o trecho é feito naqueles teleféricos convencionais, …

… só que fechados com vidro, …

… que além de te dar uma maior liberdade, …

… ainda te proporcionam fazer o trecho individualmente.

A paisagem é estonteante e …

… a pequena abertura do tempo colaborava para isso.

Já na segunda parte, uma multidão entra no trenzinho giratório e …

… você tem a sensação de estar na hora do rush na Central do Brasil. Hahaha

É claro que o fato de estar tudo muito nublado colaborou para esta reação.

Os passeios lá em cima até são interessantes, …

… tais como o Cliff Walk, …

… uma ponte que liga duas montanhas …

… além do contato com a neve mesmo.

O restante foram lojinhas bem ruins, …

… um restaurante que cheirava forte a temperos indianos e …

… a vontade que tivemos de sair de lá o mais rápido possível.

Na volta, descemos do teleférico no primeiro nível, …

… pra observar o belíssimo lago Trubsee, …

… com recantos incríveis e …

… paisagens de tipicamente suíças, …

… daquelas de tirar o fôlego.

Até vaquinhas dançantes com os seus …

… sininhos sonoros nós vimos (e ouvimos).

Descemos definitivamente e …

… rumamos pra Andermatt.

Chegamos ao hotel The Chedi e ficamos de queixo caído (thanks, Marcello Britto, Que bela dica).

O hotel é fenomenal.

Todo muito bem decorado, …

… com soluções incríveis para os espaços …

… e quartos imensos, …

… muito, …

… mas muito bonitos.

Estávamos mais do que satisfeitos com tudo, inclusive com a vista do quarto.

Como o tempo urge, …

… decidimos dar uma saída pra conhecer …

… o que ainda não tínhamos visto por aqui.

Dentre os locais, o passo de São Gotardo era um deles.

Só pra lembrar, passo ou Pass são aqueles serpenteios das estradas …

… pra resolver o problema de desníveis grandes existentes por aqui.

E a referência pra ver este Passo, seria o Chiosco Panorama, …

… uma lanchonete italiana, …

… sim, já estávamos na Suíça italiana, …

… onde tomamos um café com paisagem …

… e descobrimos, quase que sem querer, …

… que o Passo Primola, próximo ao São Gothardo, …

… parecia ser o ideal pra se explorar.

E foi mesmo.

Ele é todo feito de paralelepípedos, …

… com curvas de 180 graus, uma após a outra.

Vibramos muito com tudo, …

… mesmo porque ele estava totalmente vazio, …

… o que nos permitiu curtir muito o visual, …

… parar a hora que queríamos e …

… em qualquer lugar da estradinha.

Foi realmente incrível, …

… com cachoeiras …

… e lagos que também fizeram parte do tour, …

… junto com as indefectíveis vaquinhas dançantes (acho que esta bonitona cantava também)

Retornamos pro hotel, …

… mas antes passamos em Teufelsbrucke, …

… mais conhecida como a Ponte do Diabo.

Existe uma lenda neste local, …

… que diz que pra fazer a ponte, foi feito um pacto com o Diabo, …

… que assim que ela estivesse pronta, a primeira pessoa que passasse na ponte teria a sua alma confiscada pelo Danado.

Tentaram enganar o Diabo, colocando uma cabra pra atravessar …

… mas ele ficou nervoso e o negócio foi colocar cruzes pra afugentá-lo.

Sem contar que as paisagens, tais como cachoeiras, …

… rios translúcidos …

… e pontes executadas …

… nas mais diferentes épocas, …

… transformaram tudo numa grande experiência.

Como sempre, em dias de troca de hotel, …

… optamos por jantar lá mesmo.

Antes, tomamos duas flutes de Taittinger Rosé …

… no transado bar.

Note que até um Hall off Fame de esqui …

… foi montado no ambiente.

E no The Restaurant, …

… um interessante lugar …

… onde o tema é mostrar pra cada um dos ingredientes principais, …

… dois formatos de cozinha, …

… uma, a tradicional Suíça …

… e outra, a asiática.

Escolhemos iniciar com Dim Suns …

… rolinhos primavera …

… excelentes, por sinal, …

… e a Dé pediu uma truta confitada que estava dos deuses.

Eu pedi um Monkfish saboroso, temperado e …

… ambos harmonizaram muito bem com branco Rossj Bass do Gaja (de novo).

Pronto!

Estávamos preparados pra dormir o sono dos justos …

… e com a certeza, sem parcialidade, de que a parte italiana da Suíça é a mais bacana de todas! Hahaha

Arrivederci!

Veja os outros dias desta estupenda viagem:
Tag ein – Suíça/Liechtenstein – Zurich/Vaduz – Museu de árvore? Adega do Príncipe?
Tag zwei – Liechtenstein/Alemanha/Suíça – Visitando 3 países num dia só e de carro.
Tag drei – Suíça – Zurich/Basel – City tour guiado e museu Vitra Design combinam? Sim e muito.
Tag vier – Suíca – Zurich – Furka Passs and my name is Luz, Eduluz e com licença pra jantarmos com a Pink.
Tag fünf – Suíça – Zurich – Lucerna e Pink: duas superstars.

.

dcpv – dodicesimo giorno – itália – roma – esta cidade é eternamente eterna.

01/07/2020 (curtido em 25/05/2019)

Dodicesimo Giorno – Itália – Roma – Esta cidade é eternamente eterna.

Passear por Roma é uma grande moleza.

Basta você se perder por qualquer canto que …

… sempre encontrará lugares interessantes …

… ou pra rever …

… ou pra pensar: porque eu nunca passei por aqui antes?

Posso criar uma polêmica, …

… mas o flanar deveria realmente se reportar …

… à Cidade Eterna.

E hoje faríamos um passeio que eu sempre desejei que existisse, …

… mas não tinha ideia que já estava sendo vendido.

Antes de mais nada, deixa eu expressar …

… a minha admiração pelo app da Get Your Guide.

Já o uso há um bom tempo e em todas as vezes que o fiz, …

… eu disse todas, ficamos muito satisfeitos.

Pois estava procurando algum passeio por Roma no GYG quando me deparei com um tour virtual e …

… atrelado a degustações pontuais em estabelecimentos recomendados.

Melhor, como o tour é virtual, você faz de acordo com o seu ritmo e …

… quando quiser.

Pronto, com esta ideia na cabeça, comprei os nossos pacotes, baixei o App e fomos passear por Roma.

Antes de mais nada, tomamos o nosso belo café da manhã no hotel e …

… iniciamos o tour.

O ponto de partida é no Campo de Fiori.

A primeira mordida também é lá.

Experimentaríamos dois tipos de salames na Norcineria Viola.

Acontece que me atrapalhei um pouco e perdi o tempo pra requerer os acepipes (é, em cada parada você tem um tempo pra pedir o que vai comer).

Pensei, isto não vai dar certo, mas deu! Hahaha

Daí pra frente, foi acerto em cima de acerto.

Passamos no belíssimo Arco degli Acetari e …

… fomos pra segunda parada, que seria provar um vinho e comidinhas romanas no L’Angolo Divino.

Próxima parada?

A terceira, no Rei del Capuccino (lá tem cada italiana linda!), …

… onde comemos sanduíches de pastrame e claro, …

… tomamos ótimos capuccinos.

Andamos bastante, cruzando com infos bacanas (o tour também inclui dados históricos) e …

… tentamos provar a alcachofra frita do Ugheto, que seria a quarta parada.

Infelizmente ele ainda estava fechado, mas de qualquer forma, …

… todos os bites não comidos viram créditos para se transformarem …

… em novas experiências.

É o que irei fazer.

Mais um pouco e …

… com vistas estratégicas …

… chegamos ao …

… lugar onde sanduíches são servidos.

La Dispensa (este é o quinto) é tudo aquilo que se espera dum lugar essencialmente romano.

Bons ingredientes, ambiente antigão, meio bagunçado e uma tremenda trilha sonora.

Vimos um lugar totalmente esquisito e …

… quando percebemos, estávamos no Arco di Grottapinta.

É uma passagem incrível com afrescos no seu interior e …

… a sensação de que se está passando pruma outra dimensão.

Passamos pelo Largo da Torre Argentina …

… com seus gatos e …

… terminamos comendo um docinho.

Sim, um doce caiu muito bem quando se tem uma grande refeição cultural.

E nada melhor que um bom Tiramisu…

… feito na hora.

Zum (sexto e último lugar) é um estabelecimento com uma grande ideia por trás.

Fazer o melhor Tiramisu com os melhores ingredientes possíveis e com uma grande técnica.

Podemos dizer que o objetivo foi mais do que alcançado.

Olha, foi demais.

Na próxima vez que estiver por aqui, faça este tour do Bitemojo Food Tours.

Ah, ainda aproveitamos pra rever o Arco degli Acetari.

Mais um point daqueles imperdíveis na cidade eterna.

Quase que uma passagem de volta pro passado.

Retornamos pro hotel, …

… demos uma descansadinha (a famosa siesta) e …

… pernas pra que te quero.

O objetivo da tarde seria andar até Piazza di Spagna, …

… parando em pontos estratégicos …

… curtindo o flanar romano.

A primeira parada foi na crowdeada Piazza Navona.

Tudo bem que era um sábado, mas estava lotada e bela.

Continuamos passando pelo Pantheon também lotado e …

… chegamos na nossa queridinha, …

… a Fontana di Trevi.

Ô lugar bonito, sô.

Curtimos muito revê-la e …

… fomos pra La Rinascente.

Mas La Rinascente lá é ponto turístico?

Claro que é quando se quer dar uma olhada nas incríveis roupas italianas e …

… especialmente, tomar uns Aperol Spritz na sua cobertura …

… com aquele visual imperdível.

Ufa, estávamos chegando lá.

E finalmente, aportamos na Piazza di Spagna, …

… com sua charmosa Scalinata.

Como esperado, lotada.

E devo confessar que Roma cheia de admiradores …

… fica mais bonita ainda.

Ainda tivemos o entusiasmo de voltar pro hotel a pé …

… aproveitando de toda a atmosfera que esta cidade passa.

Não é à toa que ela é eterna.

E por falar em, fomos jantar na Pizzeria Da Baffetto.

Não foi bem jantar, mas reverenciar.

Faz um tempão que somos fãs desta pizzaria icônica e …

… já chegamos até a importar pizzas (dentro da nossa mala) …

… para a sua cidade coirmã, Ferraz de Vasconcelos. Hahaha

É claro que ficamos um tempinho na fila (e que também importaremos mais duas), …

… sentamos com um casal de americanos …

… pedimos uma clássica pizza Margherita …

… e uma de flor de abobrinha.

O vinho branco, costumeiramente ruim, continuou ruim.

E a experiência de comer lá foi, mais uma vez, incrivelmente boa (até vimos o Robert de Niro italiano).

Ah, Roma.

Arrivederci.

Acompanhe os outros dias desta maravilhosa viagem:
Primo giorno – Itália – Puglia – Um sonho.
Secondo giorno – Itália – Puglia – Fasano – Você sabe como se faz burrata? Já foi na Grotte di Castelana?
Terzo giorno – Itália – Puglia -Piacere, io sono polignano a mare!
Quarto giorno – Itália – Puglia – Locorotondo e Cisternino, que nomes bonitos de bonitas cidades.
Quinto giorno – Itália – Puglia – Ostun, o branco total radiante!
Sesto giorno – Itália – Puglia – Trullando por Alberobello e grottando pela Palazzese.
Settimo giorno – Itália – Puglia – É Lecce condensado!
Ottavo giorno – Itália – Puglia – M.A.M.A. Io sono tanto felice!
Nono giorno – Itália – Puglia – Enfim conhecemos o mar Jonico.
Decimo giorno – Itália – Puglia – Matera – Uma cidade incomparável.
Undicesimo giorno – Itália – Basilicata – A tênue ligação entre Matera e Roma.

.

 

 

 

 

dcpv – decimo giorno – itália – puglia – matera, uma cidade incomparável.

24/06/20250 (viajado em 23/05/2019)

Decimo Giorno – Itália – PugliaMatera, uma cidade incomparável.

Hoje seria dia de realizar mais um sonho.

Faz um tempão que penso em conhecer Matera.

Afinal de contas, é uma cidade única e …

… que certamente habita o imaginário de quase todo mundo.

Pelo menos os que tiveram a oportunidade de ver as suas fotos.

Mas, antes disso, resolvemos dar uma última passada pelo centro de Lecce e …

… ver, a luz do dia, …

… as incríveis ruínas do seu teatro romano.

Saímos do hotel e …

… fomos pra Porto Badisco.

A sua praia é muito bonita, …

… com águas muito cristalinas.

Passamos rapidamente por lá; …

… seguindo pra Manduria.

A intenção seria conhecer a terra do Primitivo.

Seria, porque a semgracice do lugar …

… unida a falta de estacionamento …

… nos fizeram rumar pra Taranto.

Mas antes, …

… conhecemos a vinícola San Marzano …

… onde fizemos um excelente tasting.

Também compramos alguns exemplares de vinhos (até um pro meu niver nós levamos).

Pronto, mais um pouquinho e …

… chegamos à terra da tarantela, a dança.

A cidade é muito curiosa, …

… porque diferente das suas pares puglieses, …

… é um tanto mal cuidada.

Mesmo assim, curtimos muito passear por ela.

Resolvemos almoçar por lá, apesar de estarmos atrasados pro tour em Matera.

E não nos arrependemos.

La Paranza é um restô muito bonito …

… que trata a comida com bastante respeito.

Pedimos um vinho branco da casa pra começar e como estávamos em cima da hora, todos fomos de principais, …

… apesar de um agrado especial do chef que nos foi oferecido, mariscos recheados.

A Dé e a Lourdes pediram peixe com aspargos, …

… o Eymard uma lula incrivelmente bem apresentada e cozida e …

… eu, o esperado macarrone com marisco.

Tudo perfeito, assim como o Tiramisu que comemos numa fração de segundos.

Corremos pro estacionamento e pernas pra que te quero.

É claro que chegamos muuuuuuito atrasados.

Quase uma hora a mais.

Fizemos o checkin e … surpresa.

O nosso quarto era verdadeiramente uma …

… caverna.

Escuro, quente e sem chuveiro! Hahaha

O jeito foi pedir pra trocar, mas como só o veríamos após o tour, …

… ficamos na expectativa.

Enquanto isso, nos unimos ao Nicola (o mesmo de Alberobello) e iniciamos o passeio propriamente dito.

E que passeio!

Confesso que a primeira visão de Matera é inesquecível.

Ver todas aquelas cavernas juntas e que formavam uma cidade habitada é emocionante.

No nosso caso, passamos a tarde toda com tempo ruim e …

… imaginávamos que veríamos esta maravilha tão diferente e toda molhada.

Mas não foi o que aconteceu.

O sol saiu e tivemos todas as condições de admirá-la sobre o por do sol …

… e o anoitecer.

Antes disso, o Nicola nos levou pra conhecer uma casa na caverna.

E foi curioso demais.

Não dá pra imaginar como pessoas podiam viver nestas condições …

… tão precárias e …

… há tão pouco tempo.

Também conhecemos um montão de igrejas, …

… lugares que vendem bons ingredientes, …

… obras de arte de gênios …

… além de vários cantinhos legais.

Mas as estrelas do dia foram …

… o magnífico …

… por do sol materiano …

… e o não menos …

… magnífico …

… crepúsculo.

Incrível, como a incrível e única Matera

… conseguiu ficar mais bonita ainda.

E aí, conhecemos a parte comercial da cidade …

… que também é bastante atraente, …

… interessante e …

… italianíssima da gema.

Olha nóis aí de novo!

Daí pra frente, foi nos despedirmos do Nicola, …

… (ah, ele nos conseguiu farinhas de trigo do tipo Senatori Capelli, the best) e …

…  retornarmos pro nosso, …

… literalmente, novo cafofo.

Mais uma vez, Matera nos surpreendeu.

Desta vez, iluminada (olha o corporativismo).

Pensávamos que seria um pouco tétrico, …

… mas foi teatral e muito mágico.

Retornamos pro hotel, já pensando em como solucionar o dilema do quarto.

Sant’Angelo é o que podemos chamar de um estabelecimento eclético, porque tem quartos/cavernas de vários formatos.

No nosso caso e como o hotel estava lotado, …

… nos foi oferecido um outro buraco (quarto? caverna?) bem parecido, mas com chuveiro no lugar da banheira única.

Até gostamos do que vimos e fomos jantar no próprio hotel.

E foi uma grande refeição.

Tomamos dois vinhos da Basilicata (Matera fica fisicamente nesta região italiana), um biancheto e …

… um rosso.

Pedimos duas entradas, uma de frios e queijos e …

… um polvo, feito com precisão.

Certamente, o melhor de toda a viagem.

Como principais, a Lourdes e a Débora comeram Strozzapetti com linguiça e um molho de tomate bastante apurado.

Já o Eymard e eu, fomos no famoso Spaghetti com Cozze, ou seja, mariscos.
Olha, preciso realmente aprender a fazer massa neste ponto, essencialmente al dente.

Nem queríamos sobremesas, mas o chef nos ofereceu docinhos que estavam sensacionais.

Ainda bem que a nossa batcaverna era bem próxima.

Foi só andar um pouco, curtir a iluminação da cidade e dormir o sono dos que caminharam muito em Matera.

Este foi um sonho realmente realizado.

Arrivederci.

Acompanhe os outros dias desta maravilhosa viagem:
Primo giorno – Itália – Puglia – Um sonho.
Secondo giorno – Itália – Puglia – Fasano – Você sabe como se faz burrata? Já foi na Grotte di Castelana?
Terzo giorno – Itália – Puglia -Piacere, io sono polignano a mare!
Quarto giorno – Itália – Puglia – Locorotondo e Cisternino, que nomes bonitos de bonitas cidades.
Quinto giorno – Itália – Puglia – Ostun, o branco total radiante!
Sesto giorno – Itália – Puglia – Trullando por Alberobello e grottando pela Palazzese.
Settimo giorno – Itália – Puglia – É Lecce condensado!
Ottavo giorno – Itália – Puglia – M.A.M.A. Io sono tanto felice!
Nono giorno – Itália – Puglia – Enfim conhecemos o mar Jonico.

 

 

dcpv – ninth day – usa- califórnia – eu quero falar com o san luiz obispo.

01/04/2020 (rodado em 03/04/2019)

Ninth day – USA – CalifórniaEu quero falar com o San Luiz Obispo.

Coisa comum nesta road trip, hoje seria dia de trocar de hotel.

E neste caso, nunca é perdido.

Mesmo porque, a maior estrela da viagem …

… é justamente a rodovia, a Hwy 1.

Tomamos o nosso café no hotel logo cedo, …

… abastecemos o carro …

… e zarpamos em direção a San Luiz Obispo.

Planejei passar no Farmers Market de Santa Mônica.

E foi uma escolha mais do que acertada.

A feira é totalmente orgânica …

… e incrível.

Nos deliciamos com tudo …

…e comemos bem.

Vimos exposições incríveis …

… de produtos …

… tanto quanto.

Compramos amêndoas temperadas (salgadas e doces) …

… e framboesas sensacionais.

Os produtos todos são de qualidade excepcional …

… e você sente a aura positiva do lugar.

De lá seguimos pra Malibu.

Já sabíamos que é muito difícil ver a praia …

… mas só o visual da estrada …

… te deixa em puro êxtase.

Demos uma parada …

… na maravilhosa Zuma Beach …

… e subimos pra curtir …

… o visual de Point Dume.

Continuamos no caminho pra SLO, …

… com a vedete da viagem ,…

… a Hwy 1 …

… mostrando todo o seu charme.

Próxima parada?

Ventura Beach.

Demos uma olhada no seu píer …

… e fizemos o reconhecimento de Los Olivos.

Pra chegar lá, você devaneia …

… pelas paisagens campestres, floridas e …

… cada vez mais cheias de videiras …

… do Vale de Santa Ynes.

Quando se chega a Los Olivos, …

… o choque é imenso.

Ela é muito charmosa …

… e muito pequena (são só 1000 habitantes).

Evitamos olhar demais (isto foi só um teaser), …

… uma vez que retornaremos amanhã.

Aproveitamos pra comer algumas coisinhas no Panino.

A Dé pediu uma salada com frango ao curry …

…e eu, um tremendo sanduba na baguete com salame, queijo de cabra, tomate seco e mostarda com mel.

Deliciosos.

Seguimos viagem pra Pismo Beach.

Gostamos tanto de lá que voltaremos amanhã também.

Só a vista do seu belíssimo píer já vale o retorno.

Finalmente, chegamos em São Luís Obispo.

A cidade é muito bonita e o hotel Granada também …

… se bem que ele mais parece uma daquelas pensões bacanas de Campos de Jordão.

Mas o quarto é legal e …

… a localização é sensacional.

O único problema é que o corredor do estacionamento é muito estreito e o carro não vai resistir se eu beber um pouco a mais. Hahaha

Resolvemos dar uma passeada …

… pra reconhecimento do terreno.

E achamos mesmo a cidade muito simpática.

Fomos conhecer pontos marcantes …

… tais como a Missão, …

… belíssima, …

… o muro de chicletes , …

… meio nojentão, segundo a Dé, …

… e a praça, …

… além da loja da Polly, a faculdade, que é muito legal.

Pra terminar espetacularmente o dia, fomos até Ávila Beach, …

… uma praia próxima, …

… pra vermos um por do sol tão maravilhoso …

… que resolvemos agradecer ali mesmo …

… por presenciarmos este momento …

… tão inesquecível.

Como a Dé diz …

… meditamos profundamente …

… ao ver tal dádiva.

Ainda conhecemos o centrinho de Ávila …

… e voltamos pro hotel…

… pois tínhamos reservado pra jantar …

…  no restô gourmet (???) dele.

E olha, foi bom demais.

Tomamos um tremendo Chardonnay …

… e a Dé pediu um Halibut com favas …

… e eu, mariscos com um caldo japonês que estavam sensacionais.

Foi certamente, a melhor comida da viagem até agora.

E graças aos bons anjos, não tive que dirigir e nem tirar o carro daquele cubículo. 🙂

Adiós!

Veja como foram os outros dias desta road trip californiana:
First day – USA – Los Angeles – Garota eu vou pra Califórnia, ver o papai Lebron
Second day – USA – Califórnia – San Diego de la Vega. 
Third  day – USA – Califórnia – San – Diego – Passeando num porta aviões.
Fourth day – USA – Califórnia – San Diego – Cruzeiro e show em igreja?
Fifth day – USA – Califórnia – San Diego – Fomos ver os Padres, Marcelo.
Sixth day – USA – Califórnia – San Diego/LA – Spring bloom, estão chegando as flores!
Seventh day – USA – Califórnia- Los Angeles – Friends pra sempre, dando um pulo nos irmãos Warner.
Eighth day – USA — Califórnia – Los Ageles – Until the sun comes up over Santa Monica boulevard/Michael, the Bublé.

.

 

 

dia dos – espanha – la rioja – museu do vinho, monastério de sta maria e igreja de sto tomás: que dia!

23/06/11

Dia dos – Espanha – La Rioja – Museu do vinho, Monastério de Sta. Maria e Igreja de Santo Tomás: que dia!

Hoje seria o dia do passeio de balão pela região da La Rioja.
Seria porque mais uma vez (foi igualzinho na Provence) tivemos problemas técnicos e ele não aconteceu.

E ainda bem, pois o tempo não estava muito legal. Amanheceu nublado, mas com tendência a ter sol só no restante do dia.

Portanto, tomamos um belíssimo café da manhã no guapo hotel Marqués de Riscal


… com suas ervas gastronômicas plantadas em barris de carvalho …

… e zarpamos diretamente pra Nájera que fica a 21 km de Elciego.

É mais uma daquelas cidadezinhas (8000 hab) bacanas e com cara de espanhola.

Aproveitamos pra conhecer a feira livre que é muito engraçada, bagunçada …

… e com vários produtos de primeira.

Como estava um pouco frio (muito vento), nos escondemos no Monasterio Santa Maria de la Real, um lugar medieval ao extremo e exalando história.

Entramos na chamada silleria, uma obra espetacular toda entalhada em madeira (de 1493) e …

… o lugar onde os monges rezavam coletivamente.

Estranho, interessante e muito instrutivo.

Dali seguimos por uma bonita estrada entre vinícolas …

..  pra bonita Laguardia (25 km) onde tivemos o primeiro contato com a lindíssima bodega Ysios, projeto do Santiago Calatrava (não se preocupe. A foto não está desfocada. O telhado é assim mesmo, todo recortado),…