Posts Tagged 'fauchon'

dcpv – jour onze – frança – paris – passeios gastronômicos com e sem chef.

05/01/2020 (curtido em 14/12/2018)

Jour onze – França – ParisPasseios gastronômicos com e sem chef.

Hoje seria um dia bem gastronômico.

O iniciaríamos com um tour com a chef brasileira Karen, …

… que nos daria dicas legais …

… sobre a cena gastronômica da região central de Paris.

Tomamos um café da manhã num lugar clássico, o Les Deux Magots.

Tudo muito especial, …

…inclusive, com o simpático garçom nos conseguindo algumas toalhas de papel do estabelecimento prum amigo especial (né, Luiz Horta?).

E de lá, pegamos um táxi pra região da Ópera.

Iríamos encontrar com a Karen em frente a Fauchon.

E as 10:00 em ponto lá estávamos nós e a Karen.

Apresentações feitas, iniciamos propriamente o tour.

Ele gira sobre locais onde ingredientes especiais são vendidos.

E a Karen nos indicaria estes estabelecimentos, bem como nos forneceria infos especiais sobre eles.

A primeira parada foi na famosa loja de mostardas da Maille. Quase todo brasileiro conhece esta marca, mas essa loja conceito é uma beleza.

Lá você encontra diferentes tipos de mostardas e melhor, tem a possibilidade de comprá-las …

… como antigamente, ou seja, levando os recipientes usados e …

… reabastecendo-os. Muito interessante!

Passamos também por uma Maison de caviar. Foi uma aula e ficamos tão entusiasmados que nem tiramos fotos! rsrs

Próxima parada, Maison de la Truffe.

Eles são especializados tanto na trufa negra, como na branca.

E claro que compramos alguma coisa, …

… porque o mercado estava altamente comprador.

A próxima descoberta seria um fornecedor de queijos e frios do País Basco francês, o Pierre Oteiza.

Queijos, salames e muitas coisas mais foram comprados e experimentadas.

É claro que quando se fala em gastronomia, não se pode esquecer do Pierre Hermé.

Seus macarrons são inesquecíveis.

Dando continuação e num pedido especial, …

..passamos no Cédric Groulet.

Uau, que loja. Uma variedade não muito grande de doces, …

… formatam uma espetáculo que mais parece um daqueles balés bem ensaiados.

Os doces são muito bem bolados …

… e as embalagens, tanto quanto.

Não temos nada pra falar contra o Cédric. 🙂

Continuamos andando e gostando de absolutamente tudo.

Ainda passamos na padoca do Eric Kayser, …

… um estabelecimento consolidado …

… e com um respeito imenso à qualidade dos alimentos.

Penúltima parada deste maravilhoso tour: a Kusmi Tea.

Chá é com a Dé e ela adorou.

Finalizamos indo na Casa de Especiarias Roellinger.

Tudo muito aromático …

… e com várias aplicações.

Pronto, o nosso tour tinha terminado.

E ficou acertada que, pra quem gosta de gastronomia este é o tour a ser feito em Paris (atualizando, a Karen está se especializando nas mais variadas experiências gastronômicas. Qualquer dúvida, entre em contato).

Como era hora do almoço e pela proximidade, resolvemos escolher o nosso queridinho, o Leon de Bruxelles.

É um lugar onde se comem os melhores mariscos do mundo e acompanhados de fritas à vontade.

Foi uma festa. Moulles et frites formam a dupla perfeita.

O nosso próximo tour seria interessante, curioso e …

… nas Galeries Lafayette …

… que obviamente estava …

… toda enfeitada pro Natal.

O nosso objetivo seria assistir a um desfile de modas.

Sim, a Lafayette faz um tour onde você se senta próximo duma passarela e fica vendo os modelos desfilarem como aqueles grandes que acontecem na capital francesa.

Olha, é meio fake, mas é muito legal …

… e bastante curto.

Dura cerca de 30 minutos.

Se quiser ter esta experiência, reserve no site do Get Your Guide.

Na correria e de última hora, …

… resolvemos fazer o tour pra conhecer a Ópera internamente.

Também é demais, …

… porque o passeio é autoguiado (tem áudio guia em português) …

… e você fica sabendo quase tudo …

… sobre como foi construída esta maravilha …

… da arquitetura mundial.

Cá pra nós, o Garnier era uma fera!

Todos os detalhes foram pensados pra que qualquer espetáculo que ocorra lá …

… seja “o” espetáculo.

E o que é aquela sala?

Da próxima vez, vamos assistir a qualquer coisa ali …

… só pra ter esta experiência.

Na volta pra Lafayette, passamos na Rue Édouard …

… onde estão umas obras de arte contemporâneas …

… que são linhas pintadas em vários prédios …

… e formam figuras tridimensionais muito interessantes.

Vi no Conexão Paris e não resisti.

É realmente imperdível!

Pronto, retornamos pra Lafayette.

Ufa!

Tínhamos marcado mais um tour por lá (eles têm vários. Você sabia?).

E este seria sobre vinhos.

Dois dos enólogos da Lafayette Alimentação …

… iriam nos mostrar, …

… através das taças, …

… um panorama sobre a maioria das regiões vinícolas francesas.

E o objetivo foi alcançado.

Foi uma conversa bem descontraída (em inglês) …

… onde reforçamos o que já sabíamos …

… e aprendemos muitas coisas novas.

Taí um “curso” indicado pra todos, especialmente os que estão se iniciando nesta arte.

Totalmente cansados, resolvemos retornar pro hotel.

Como não tínhamos reservado nada pro jantar fomos conhecer o famoso bar do Lutetia.

E ele é muito charmoso.

Não íamos beber nada, quando topamos com o nosso vinho preferido ever na carta.

Estamos procurando há um tempão e não encontramos o branco bordalês Chateau Latour Martillac.

O jeito foi tomar uma garrafa, … 🙂

… comer uns frios e uns queijos …

… e ir dormir o sono mais do que dos justos.

Au revoir.

Veja os outros dias desta viagem:
jour Un – França – Alsácia – O primeiro chucrute e o primeiro riesling alsaciano a gente nunca esquece. Ainda mais passando pela Champagne.
jour Deux – França – Alsácia – A verdadeira Disney.
jour Trois – França – Alsácia – Andando e conhecendo a Strasbourg roots.
jour Quatre – França – Alsácia – Eu prefiro mesmo as curvas das estradas alsacianas.
jour Cinq – França – Isto é que é um verdadeiro devaneio artístico-etílico: da Álsacia pra Champagne passando pelo Pompidou.
jour Six – França – Champagne – Möet Chandon e Cité du Champagne: dois lugares diferentes com o mesmo fim: buinhas.
jour Set – França – Champagne – Dois extremos que se encontram numa flute: Taittinger e Franck Bonville.
jour Huit – França – A madame (Pommery) e o peixe (Salmon) dominam a Champagne.
jour Neuf – França – Como diria o grande Tim: de Champagne à Paris, não há nada igual.
jour Dix – França – Grafitti em Belleville, Space Invaders e Barco do Ducasse: p… -que o Paris.

.

 

dcpv – paris – frança – dixième jour – vendo a capital francesa sobre duas rodas.

05/05/2012

Paris – França –  Dixième jour – Vendo a capital francesa sobre duas rodas.

Como já é de praxe, programamos um passeio de Segway pela cidade.

Queríamos flanar por Paris num formato diferente.

Marcamos cedo no ponto de encontro do tour (as 9:15hs) e optamos por tomar café da manhã no próprio hotel.

Pegamos um taxi e exatamente no horário, estávamos no escritório pra recebermos o treinamento necessário (quer dizer, o Eymard e a Lourdes já que a Dé e eu somos mais do que veteranos neste tipo de transporte).

O grupo era bastante equilibrado: nós quatro e mais quatro suecos.

Após as explicações iniciais e costumeiras, passamos pro passeio propriamente dito.

Saímos do escritório da City Segway Tours e após circularmos por um montão de ruas, chegamos aos prédios da École militaire.

Logo ali na frente, tivemos a nossa primeira visão da Torre, num ângulo em que a adição deste anexo de vidro, mais conhecido como o Muro da Paz prejudicou bastante (a maioria dos franceses não gostou e nós também).

Mais uma pequena rodada e os Invalides surgiram.

A nossa guia, a americana Cindy, nos explicou como o projeto foi incrível e como tudo era feito pra agradar ao “grande” Napoleão (inclusive formatar à sua pequena estatura)…

… além de alguns hábitos da época (tais como fortalecer a panturrilha pra parecer mais bonito).

Na sequência, Place de la Concorde, …

Jardin des Tuileries, …

… e o Museu do Louvre, …

… com a sua indefectível pirâmide.

.

Até os arcos alinhados nós vimos.

Voltamos quase tudo pelas margens do Sena, ..

… cruzamos uma das pontes dos cadeados …

… e que nos perdoem os puristas, mas claro que deixamos os nossos  por lá.

Continuamos nos aproximando da Tour, …

… que aparece de toda maneira …

… e em vários ângulos, …

… seja escondida, ..

… seja esquartejada, …

… seja fazendo parte da natureza.

Retornamos ao escritorio da Segway em Paris felizes e satisfeitos com esse formato totalmente diferente de ver as coisas conhecidas.

Como o tempo urgia, optamos por tomar um taxi e ir direto pra Igreja de la Madeleine.

Além de olhar (e comprar) algumas coisas, almoçaríamos no mega sex shop Fauchon.

Optamos por uma comida leve, regada a champagne Brut Louis Roederer.

A Lourdes e eu pedimos carpaccio de salmão,

…a Dé uma burrata, …

… e o Eymard, foie gras.

Tudo absolutamente frugal, fresco e delicioso.

Como estávamos na loja, vasculhamos tudo…

…e também demos uma entrada no sex shop vizinho, a Hediard.

Nos separamos brevemente (um momento de liberdade) …

… e retornamos ao hotel (ufa!), tomamos mais um champagne, desta vez uma Viúva, …

… e saímos pra cumprir a agenda noturna.

Tínhamos um encontro no Café Les Deux Magots, com o super boa-praça Jorge Fortunato, blogueiro, pitaqueiro e amante desta belíssima cidade.

Todos conversamos, especialmente o Presidente, sobre tudo e nos despedimos rapidamente, …

.. pois tínhamos um jantar reservado no Ze Kitchen Galerie.

Apesar da fraca chuva, fomos a pé (é pertinho, segundo o mineirinho Eymard) e finalmente nos sentamos pra apreciar tudo o que estaria por vir.
O lugar é pequeno, …

… charmoso e muito agradável.

O staff é atencioso e muito simpático (destaque pro Cris, um arquiteto francês milongueiro e adorador do Brasil).

E a comida? Bem, vocês verão a seguir.

O cardápio é conciso, mas contém pratos bastantes variados com uma mistura interessante de ingredientes, com todos no seu devido lugar e a devida participação marcante no sabor.

Como todos escolheríamos frutos do mar, escolhemos um alimonado vinho branco, o Puligny Montrachet De Montille 2008.

Tem mais: eles te dão a opção de escolher meio prato (com o proporcional preço), o que torna tudo mais interessante ainda.

Partindo deste princípio, todos escolhemos entradas, principais e sobremesas. Vamos lá: como entradas, pra Lourdes e pra Dé, um Minestrone e ravioli de boeuf, condiment artichaut, citronelle. Só que não era uma simples sopa e sim uma explosão de sabores, com um leve toque asiático.

Pro Eymard, um atum de St Jean de Luz, uma singela homenagem dele que é praticamente um sócio do ZK. Outra mistura saborosa com contrastes doces (geléia)/salgados(wasabi) e um toque final de hortelã.

Pra mim,o prato mais interessante utilizando ostras que eu comi até hoje, o Huitres, jus de pomme verte, coriandre, condiment, asperge blanche, raifort. É formado por elas, aspargos crocantes, quincã cortadas em rodelas e um molho bastante ácido. Tudo gelado e com uma harmonização impressionante com o vinho.

Certamente eles escreveram os seus nomes num cadeado, colocaram na ponte e jogaram a chave no rio!

Os principais foram escolhidos por um critério sentimental: eram massas (estes italianos!). Chiocciole, pistou thai, pecorino, condimento aspargue vert, galanga, pras mulheres. Uma verdadeira fusão da culinária italiana com a asiática, além do ponto perfeito do macarrão.

O nosso foi o Frégola, jus bouillabaisse, poulpe grillé, condimento kalamansi. Um passeio espetacular por sabores distintos; é isto o que este prato é. Além do mais, parece um macarrão ralado de frutos do mar.

As sobremesas não poderiam faltar. Chocolat “Gianduia”, caramel miso, pomelos confits pros Loguercio, …

Glace chocolat blanc, wasabi, condiment pistache, torrone, emulsion thé rouge, pra nós.

Olha não é toa que o Ze Kitchen Galerie é tido como um dos melhores restaurantes de Paris.

E ainda tivemos direito a conversar e tirar uma foto com o próprio chef, o William Ledeuil (é claro que o Cris estava junto!rs).

Que dia, que noite e que comida!
Passeamos em torno da Torre o tempo todo e a noite, chegamos ao ápice!

Au revoir.

Leia sobre os demais dias desta viagem:
Premier journée – Borgonha – França – Visitamos o hospício de Beaune.
Borgonha – França – Deuxième jour – Pisando no solo do Romanée-Conti.
Troisième jour – Beaune – França – Cozinhando na Borgonha
Quatrième jour – Borgonha – França – Duvido que você conheça (ou tenha ouvido falar) de Quarré-les-Tombes?
Cinquième jour – Borgonha – França – Com minha besta, abati a Abadia de Fontenay
Sixième jour- Borgonha – França – Chablis, conexão pra Paris.
Paris – França – Septième Jour – Flanando pela cidade luz (especialmente por Saint Germain)
Huitième jour – Paris – França – Dois concertos na cidade: o da filarmônica de Berlim e o do Robuchon.
Adendo do Huitième Jour – Paris – França – O oceano na place de Ternes (by Dodô)
Paris – França – Neuvième jour – Reencontrar o Marais não tem preço. Ainda mais junto com o pato 1109555.

jour six – o dia em que comemos nas alturas parisienses

frio? que frio?
09/02/10

O dia em que comemos nas alturas parisienses

Torre Eiffel tem uma história estranha.

Ela foi construída entre 1887/89 e exclusivamente pra  exposição universal de Paris. No planejamento constava que ela seria desmontada em 20 anos.

Foi recebida muito mal inicialmente. Charles Garnier, o arquiteto da Ópera e Guy de Maupassant foram seus mais duros adversários.
Guy chegou, inclusive, a organizar um picnic embaixo das pilastras pois lá seria “o único lugar de onde não se vê essa desprezível construção”.

Corta pra hoje (pois o resto já é história). Por ironia do destino, fizemos quase a mesma coisa só que a 123 m de altura.

Fomos almoçar no Le Jules Verne, o restaurante que o Alain Ducasse tem na Torre Eiffel.

Estava um frio de rachar coquinho e ainda por cima, nevando…

… o que fazia, por incrível que pareça, Paris ficar mais bonita ainda.

Chegamos e a mordomia já se apresentou. Um elevador particular nos levaria ao restaurante.

Subida rápida e cá pra nós, nem Julio Verne com a sua imaginação poderia pensar em tamanha proeza.

Fomos alocados numa bela mesa com vista pra todo o Champ de Mars nevado e começamos a verificar todos os detalhes do lugar.

As louças são incríveis…

 

… e os copos mais ainda. Sim, o que está acima é um prato.

Eu e a Dé escolhemos a formule onde você opta por uma entrada, um prato principal e uma sobremesa de uma lista, além dos copos de vinho harmonizando com cada um dos pratos. Um de espumante, um de vinho branco, outro de tinto e um Sauternes de sobremesa.

O 

A Re que é um pouquinho mais “enjoada”, escolheu um prato principal e uma sobremesa.

Começamos com um amuse bouche, um purê levíssimo de batatas e creme fraiche. Não era  efeito da altura, mas o purê do Ducasse nos fez flutuar.

A Dé pediu Endivées de pleine terre, jambom, truffe e comté como entrada (uma delícia e parecendo um Croque Monsieur de mar e terra)…

… um Vollaile de bresse en fricassée aux écrevisses, sucs de cuisson marbrés (um enroladão que tinha um molho acentuado e bem denso) …

… e como sobremesa, Chocolat a mer en fine barre, sorbet orange sanguine (uma sobremesa digna do Ducasse com o chocolate meio amargo contrastando com o gosto acentuado da laranja. A Dé amou!)

A Re, foi de Selle d’Agneau à la brouche, l’epaule confit, legumes primeurs étuvés, sucs di coisson  (coxa de frango cozida com trufas e vários mini-legumes refogados. Um prato delicadíssimo e ela comeu tudo)…

… e uma L’Ecrou au chocolat el praliné crostillant, glace noisette (uma tremenda  mousse de chocolate que era tão bonita quanto gostosa).

Eu, fui de Fin pithiviers blond de canard, foie gras e truffe noire (praticamente um prensado de pato, foie e trufas ou seja, uma beleza), …

Juie de Boeuf cuisinée comme un bourguignon, champignons et lardons  (um tremendo cozido com um molhaço acompanhado por mini-cogumelos macios e um bacon de fazer qualquer um doido) …

… e um Savarin a l`Armagnac de votre choix, chantilly peu fouettée (um bolão molhado com um Conhaque que eu escolhi e um chantilly cremoso ao extremo).

Tudo perfeito com uma visão cinza de Paris, mas não menos bela. E mais ainda, com docinhos, mimos e uns tremendos macarons de menta que o Monsieur Ducasse nos ofertou.

Resumindo, se estiver a fim de subir na Torre com estilo, o Le Jules Verne é a grande solução.
Tá certo, é mais caro, mas vale cada Euro gasto.
Nos despedimos da Re (ela foi pra Amsterdã) e ainda demos uma passada pela Place de la Madeleine onde além de entrarmos na igreja,…

… revisitamos outro templo, o verdadeiro sex shop, a Fauchon que é uma loja de alimentos simplesmente genial.

 

Quer dizer, foi propriamente um dia em que comemos e vivemos na altura máxima.
Paris, Paris, Paris!

Au revoir.


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 657 outros seguidores

Posts recentes

Comentários

Blog Stats

  • 1.434.988 hits
janeiro 2020
S T Q Q S S D
« dez    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos

Atualizações Twitter