Posts Tagged 'pantheon'

dcpv – dodicesimo giorno – itália – roma – esta cidade é eternamente eterna.

01/07/2020 (curtido em 25/05/2019)

Dodicesimo Giorno – Itália – Roma – Esta cidade é eternamente eterna.

Passear por Roma é uma grande moleza.

Basta você se perder por qualquer canto que …

… sempre encontrará lugares interessantes …

… ou pra rever …

… ou pra pensar: porque eu nunca passei por aqui antes?

Posso criar uma polêmica, …

… mas o flanar deveria realmente se reportar …

… à Cidade Eterna.

E hoje faríamos um passeio que eu sempre desejei que existisse, …

… mas não tinha ideia que já estava sendo vendido.

Antes de mais nada, deixa eu expressar …

… a minha admiração pelo app da Get Your Guide.

Já o uso há um bom tempo e em todas as vezes que o fiz, …

… eu disse todas, ficamos muito satisfeitos.

Pois estava procurando algum passeio por Roma no GYG quando me deparei com um tour virtual e …

… atrelado a degustações pontuais em estabelecimentos recomendados.

Melhor, como o tour é virtual, você faz de acordo com o seu ritmo e …

… quando quiser.

Pronto, com esta ideia na cabeça, comprei os nossos pacotes, baixei o App e fomos passear por Roma.

Antes de mais nada, tomamos o nosso belo café da manhã no hotel e …

… iniciamos o tour.

O ponto de partida é no Campo de Fiori.

A primeira mordida também é lá.

Experimentaríamos dois tipos de salames na Norcineria Viola.

Acontece que me atrapalhei um pouco e perdi o tempo pra requerer os acepipes (é, em cada parada você tem um tempo pra pedir o que vai comer).

Pensei, isto não vai dar certo, mas deu! Hahaha

Daí pra frente, foi acerto em cima de acerto.

Passamos no belíssimo Arco degli Acetari e …

… fomos pra segunda parada, que seria provar um vinho e comidinhas romanas no L’Angolo Divino.

Próxima parada?

A terceira, no Rei del Capuccino (lá tem cada italiana linda!), …

… onde comemos sanduíches de pastrame e claro, …

… tomamos ótimos capuccinos.

Andamos bastante, cruzando com infos bacanas (o tour também inclui dados históricos) e …

… tentamos provar a alcachofra frita do Ugheto, que seria a quarta parada.

Infelizmente ele ainda estava fechado, mas de qualquer forma, …

… todos os bites não comidos viram créditos para se transformarem …

… em novas experiências.

É o que irei fazer.

Mais um pouco e …

… com vistas estratégicas …

… chegamos ao …

… lugar onde sanduíches são servidos.

La Dispensa (este é o quinto) é tudo aquilo que se espera dum lugar essencialmente romano.

Bons ingredientes, ambiente antigão, meio bagunçado e uma tremenda trilha sonora.

Vimos um lugar totalmente esquisito e …

… quando percebemos, estávamos no Arco di Grottapinta.

É uma passagem incrível com afrescos no seu interior e …

… a sensação de que se está passando pruma outra dimensão.

Passamos pelo Largo da Torre Argentina …

… com seus gatos e …

… terminamos comendo um docinho.

Sim, um doce caiu muito bem quando se tem uma grande refeição cultural.

E nada melhor que um bom Tiramisu…

… feito na hora.

Zum (sexto e último lugar) é um estabelecimento com uma grande ideia por trás.

Fazer o melhor Tiramisu com os melhores ingredientes possíveis e com uma grande técnica.

Podemos dizer que o objetivo foi mais do que alcançado.

Olha, foi demais.

Na próxima vez que estiver por aqui, faça este tour do Bitemojo Food Tours.

Ah, ainda aproveitamos pra rever o Arco degli Acetari.

Mais um point daqueles imperdíveis na cidade eterna.

Quase que uma passagem de volta pro passado.

Retornamos pro hotel, …

… demos uma descansadinha (a famosa siesta) e …

… pernas pra que te quero.

O objetivo da tarde seria andar até Piazza di Spagna, …

… parando em pontos estratégicos …

… curtindo o flanar romano.

A primeira parada foi na crowdeada Piazza Navona.

Tudo bem que era um sábado, mas estava lotada e bela.

Continuamos passando pelo Pantheon também lotado e …

… chegamos na nossa queridinha, …

… a Fontana di Trevi.

Ô lugar bonito, sô.

Curtimos muito revê-la e …

… fomos pra La Rinascente.

Mas La Rinascente lá é ponto turístico?

Claro que é quando se quer dar uma olhada nas incríveis roupas italianas e …

… especialmente, tomar uns Aperol Spritz na sua cobertura …

… com aquele visual imperdível.

Ufa, estávamos chegando lá.

E finalmente, aportamos na Piazza di Spagna, …

… com sua charmosa Scalinata.

Como esperado, lotada.

E devo confessar que Roma cheia de admiradores …

… fica mais bonita ainda.

Ainda tivemos o entusiasmo de voltar pro hotel a pé …

… aproveitando de toda a atmosfera que esta cidade passa.

Não é à toa que ela é eterna.

E por falar em, fomos jantar na Pizzeria Da Baffetto.

Não foi bem jantar, mas reverenciar.

Faz um tempão que somos fãs desta pizzaria icônica e …

… já chegamos até a importar pizzas (dentro da nossa mala) …

… para a sua cidade coirmã, Ferraz de Vasconcelos. Hahaha

É claro que ficamos um tempinho na fila (e que também importaremos mais duas), …

… sentamos com um casal de americanos …

… pedimos uma clássica pizza Margherita …

… e uma de flor de abobrinha.

O vinho branco, costumeiramente ruim, continuou ruim.

E a experiência de comer lá foi, mais uma vez, incrivelmente boa (até vimos o Robert de Niro italiano).

Ah, Roma.

Arrivederci.

Acompanhe os outros dias desta maravilhosa viagem:
Primo giorno – Itália – Puglia – Um sonho.
Secondo giorno – Itália – Puglia – Fasano – Você sabe como se faz burrata? Já foi na Grotte di Castelana?
Terzo giorno – Itália – Puglia -Piacere, io sono polignano a mare!
Quarto giorno – Itália – Puglia – Locorotondo e Cisternino, que nomes bonitos de bonitas cidades.
Quinto giorno – Itália – Puglia – Ostun, o branco total radiante!
Sesto giorno – Itália – Puglia – Trullando por Alberobello e grottando pela Palazzese.
Settimo giorno – Itália – Puglia – É Lecce condensado!
Ottavo giorno – Itália – Puglia – M.A.M.A. Io sono tanto felice!
Nono giorno – Itália – Puglia – Enfim conhecemos o mar Jonico.
Decimo giorno – Itália – Puglia – Matera – Uma cidade incomparável.
Undicesimo giorno – Itália – Basilicata – A tênue ligação entre Matera e Roma.

.

 

 

 

 

dcpv – dia XI e l’ultimo – itália – em roma, literalmente como os romanos.

11/09/2019 (vivido em 14/06/2018)

Dia XI e l’ultimo – ItáliaEm Roma, literalmente como os romanos.

Deixamos este último dia desta inesquecível viagem pra curtir como os romanos.

E como turistas também, que realmente somos.

Ou seja, não teríamos nenhum tour ou nenhuma coisa muito específica pra fazer.

E também faríamos as nossas comprinhas costumeiras de última hora.

Tudo bem que a globalização já tirou aquela coisa de que não se consegue achar bons produtos italianos em SP.

Mas, ainda é muito legal comprar queijos, salames, frutas, verduras e pizzas (???) por aqui.

Opa, calma que vou explicar melhor.

Acordamos um pouco mais tarde, …

… não tomamos o apenas regular café da manhã do hotel …

… e demos um upgrade indo direto pro Caffé Roscioli,..

… que fica perto do Campo dei Fiori.

Olha, foi muito bom.

Pedimos dois tremendos capuccinos, …

… um sanduba com mortadela, …

… um bomboloni …

…e finalizamos com expressos curtíssimos.

Comemos tudo de pé e com um monte de romanos.  Até a Hande nós encontramos.

Dali fomos fazer a feira.

Eu disse que ela está um pouco descaracterizada e é verdade.

Mas a parte referente a produtos frescos continua imbatível.

Resultado? Compramos cerejas, …

… tomatinhos, alho, (vejam só estes ruibarbos!) …

… favas, …

… limão siciliano e alcaparras.

Logo ali na esquina, está a padoca Forno que é uma daquelas instituições romanas.

Compramos um pão romano, uma inesquecível pizza bianca com mortadela e a Dé não resistiu e comeu uns moranguinhos.

Aproveitamos que estávamos perto e …

… demos mais uma olhada no Arco degli Acetari.

Que lugar …

… sensacional!

Voltamos ao hotel pra descarregar tudo …

… e resolvemos dar uma incrementada cultural no dia.

Já que o belíssimo Chiostro del Bramante fica bem ao lado.

Taí mais um lugar imperdível na cidade eterna.

E pra dar um up, …

… se é que isso seria possível, …

… tinha uma exposição do gênio e pintor inglês William_Turner.

O cara era um visionário …

… que já pelos idos de 1800 …

… pintava coisas em aquarela …

… que, certamente, …

… prenunciavam o Impressionismo.

Que o digam Monet, Rothko e quetais.

Olha foi uma aula de técnica e de cultura.

Além do mais, o bar que existe no segundo andar do Chiostro é uma beleza.

É claro que os Aperol Spritz não nos escaparam.

Como era hora do almoço, aproveitamos pra confirmar a reserva numa outra instituição romana, o Armando al Pantheon.

Como era ao lado, nos abastecemos de salumi, formaggio e olio…

… na L’Antica Salumeria.

Como lerê, uma passada básica …

… no belíssimo Pantheon …

… mais uma obra do Adriano, o verdadeiro Imperador.

Chegamos ao Armando e estava lotado.

Mais uma vez eu digo: recomenda-se fazer uma reserva.

E olha que além de nós, alguém também famoso esteve por aqui.

O lugar é clássico e a comida, imperdível.

A Dé escolheu um spaghetti verde, com um molho à base de limão.

Maritou, como dizem os italianos, com um ótimo Bianchetto.

E eu, já que estávamos numa instituição, instituí.

Pedi um bucatini ao cacio e pepe de babar. De babar!

Dois expressos depois e estávamos prontos pra voltar pro hotel.

Só não contávamos com a chuva torrencial.

Que cá pra nós, aumentou ainda mais a beleza de Roma.

Compramos um providencial guarda-chuva e fomos dar uma geral no nosso belíssimo hotel.

Dali partimos pra Piazza del Popollo.

A ideia seria andar pela zona comercial e continuar com algumas comprinhas.

É claro que a passada pela Piazza di Spagna era obrigatória.

Só não contávamos com a volta do sol, que deu um toque todo especial a tudo….

… e a chegada pelo lado oposto, acabou evidenciando a beleza da Piazza …

… ser sem ofuscada pela magnífica Scalinata …

… e pela Barcaccia.

Continuamos pela vil dei Condotti …

… (incrível como tem gente que compra na Louis Vuitton) …

… e chegamos à nova La Rinascente.

Tudo é incrível, …

… mas o último andar supera os limites.

Lá fica o Food Hall.

Sim, um monte de coisas pra serem compradas e degustadas.

Compramos azeites, pastas, molhos, …

… e decidimos encerrar esta parte do dia com duas flutes dum bom Champagne francês.

A ocasião merecia.

Cansados, optamos por pegar um táxi e retornar com as muambas pro hotel.

Pensam que o dia acabou? Nananinaná.

Ainda tínhamos que cumprir o planejado desde o projeto da viagem.

A importação de pizzas da nossa pizzaria favorita.

Da Baffetto é um daqueles lugares ame-o ou deixe-o.

Não precisa nem dizer que nós amamos (até o Al Pacino trabalha lá).

Quase tudo é desorganizado, com um serviço meio caótico, mas a pizza é inesquecível.

Tanto que numa reunião de família decidimos repetir o plano de 5 anos atrás.

Sim, esta seria a segunda vez que levaríamos pizzas romanas pra comer na grande Ferracci di Vasconcelli e tudo deu certo.

Comemos a nossa margherita lá mesmo, tomamos um bom bianchetto em copos “esquisitos” …

… e falamos pro Paulo, o garçom que queríamos duas pra levar pro Brasil.

O cara deu risada, mas depois entendeu a maluquice.

Pronto, com as pizzas ainda quentes na mão, estávamos indo pro hotel, …

… quando passamos na frente da Cul de Sac, a nossa enoteca preferida.

É claro que a Dé concordou e perto da meia noite …

… estávamos lá curtindo as nossas duas últimas taças dum buoníssimo bianchetto.

Ufa! Que dia, que noite, que viagem!

Tudo correu perfeitamente …

… e nos divertimos como nunca.

Se bem que no nosso caso, vir pra Itália é quase como passear na casa da Nona.

Não tem como não gostar!

O resto foi acordar bem cedo, …

…em mais um dia maravilhoso, …

… pegar um voo diurno, …

… e curtir muito …

… com o bom astral da Alitalia …

… e com a verdadeira aula de geografia …

… que a janelinha nos oferecia.

Nunca gostei tanto de um voo diurno.

Arrivederci, Itália (esta é a pizza, já pronta na Nova Toscana) …

… e que venha a Puglia. E a Sicília. E Roma …

Arrivederci!

Acompanhe o que aconteceu nos outros dias desta magnífica viagem:
dia I – Itália – Caserta – Iniciando a Costiera Amalfitana com história!
dia II – Itália – Costiera Amalfitana – Maiori e Minori, tem nome mais bacana pra colocar em cidades? De quebra, Ravello e Positano.
dia III – Itália – Costiera Amalfitana – Tarantella do crioulo doido: templos gregos, mozzarella de búfala e vinhos.
Dia IV – A Costiera Amalfitana – Almocamos em Capri e jantamos em Positano. Sempre com a companhia dos Faraglioni. Plus, a Gruta Azul.
dias V e VI – Itália – Costa Amalfitana/Roma – Tudo icônico:  bate e volta para Ostia Antica, Segway noturno e pizza na Da Baffetto.
Dia VII – Itália – Roma – Tour pelo centro e pelo bairro do diabo, o -Ttrastevere
dia VIII – Itália – Roma alternativa: Mercado de Testaccio.
dia IX – Itália – Roma – Mais um bate e volta: Frascati, aquela dos vinhos. Ah, tem o Mercato Centrale.
dia X – Itália – Roma – Mais um bate e volta: caramba, eu não sabia que Tivoli (Villas Adriana e D’Este) era tão bacana.

.

dcpv – giorno due – roma – itália – a primeira (e a segunda, e a terceira, e a enésima) vez na pizzerie bafetto a gente nunca esquece.

09/11/2011

Giorno due – Roma – Itália – A primeira (e a segunda, e a terceira, e a enésima) vez na Pizzerie Bafetto a gente nunca esquece.

Utilizei como base desta viagem a publicação da PubliFolha, Guia de Passeios Roma roteiros pra você explorar a cidade a pé.

Mesmo porque o princípio de qualquer viagem pra lá e caminhar e caminhar muito.

E pra inaugurar o nosso tour, escolhemos o roteiro 23, coincidentemente denominado A estrada que leva a Roma.

Veja a descrição deste capítulo: entre em Roma pelo Norte e percorra a antiga Via Flamínia, seguindo os mesmos passos dos mercadores pagãos e peregrinos exaustos da viagem”.

Pra quem não sabe a Via Flamínia nada mais é do que Via del Corso, denominada desta forma devido aos desfiles ou “corse” que aconteciam nela durante o carnaval romano.

Portanto, o roteiro começa na Porta del Popolo, o famoso portão norte de Roma decorado com colunas e estátuas e projetado pelo Bernini em homenagem ao papa Alexandre VII para receber a rainha Cristina da Suécia.

Ao atravessá-lo, você adentra na Piazza del Popolo, uma praça enorme e cheia de igrejas.

A Santa Maria del Popolo está aqui. Ela é um verdadeiro tesouro já que temos capelas desenhadas por Rafael, pinturas de Caravaggio e mais um montão de obras de arte no seu interior.

As gêmeas (mas nem tanto. Sabe que é muito legal fazer o jogo dos sete erros entre elas?) Santas Marias dei Miracoli e in Montesanto também estão aqui.

Passamos então por toda a Via del Corso, onde nos sentimos como os mercadores, ou seja, com uma vontade danada de comprar nas lojas bacanas que existem por lá.

Cruzamos com a Via Del Condotti e encontramos um mercadinho simples e sem pretensão. Veja pelas fotos:

Entramos na Piazza Augusto Imperatore, justamente pra ver o Mausoléu do mesmo que foi construído em 26 a.C. …

… e o Museu Ara Pacis, ou Altar da Paz, onde estava acontecendo uma ótima exposição sobre Audrey Hepburn. É a globalização!

Continuamos, atravessando o Rio Tibre, através da Ponte Cavour (ah, se os rios paulistanos fossem assim!), …

… até encontrar o megalômano Palazzo di Giustizia, mais conhecido jocosamente como Palazzaccio, devido a quantidade enorme de blocos de granito que o compõe.

O bicho é tão pesado que está afundando!

Voltamos pela ponte Umberto I (mais conhecida como Humberto Primo) e começaríamos um outro tour, o 19, o Roma Romântica.

Antes e devido ao calor e ao sol escaldante (pra estação vigente, claro?), tomamos ótimos e refrescantes sorvetes no Giolitti.

E como a recomendação também óbvia seria completar o percurso com a iluminação noturna, entramos só em algumas atrações e prometemos retornar hoje a noite mesmo, pra fazer tudo na ordem e com a atmosfera corretas.

De qualquer maneira, passamos no Pantheon, o monumento mais bem conservado de Roma e uma verdadeira obra-prima da engenharia (sem corporativismo) visto que el foi construído entre 27 e 25 a.C , …

… na crawdeada e mais famosa fonte de Roma, a Fontana di Trevi

… e voltamos pro hotel …

… pra almoçar ali pertinho na Antica Enoteca.

É um lugar antigo (daaaaam) e com vinhos espetaculares (mais daaaaam ainda).

Pedimos pratos básicos: uma polenta com salsiccia pra Dé, …

… gnocchi com basilico e pomodoro pra mim …

… e taças de Montepulciano e Gavi de Gavi pra nós.

O lugar é charmoso e encontramos uma atendente recifense que facilitou bastante o nosso pedido.

Tomamos dois expressos curtíssimos …

… e fomos explorar um pouco mais a região próxima ao hotel.

Pegamos mais uma horda de turistas na Scalinatta em pleno por do sol (que neste caso se deu as 17:30 hs) …

…  e fomos nos preparar pro tour romântico noturno que terminaria com uma visita à maravilhosa Pizzeria Baffetto. Banho tomado, nos arrumamos pra mais uma maratona romana.

O tour 19 inicia na Piazza di Spagna.

A explicação pra ele é veja o centro de Roma pelos olhos de diversos poetas e escritores que vieram pra cidade procurando inspiração artística e romance.

Pois é, nós nos inspiramos também. Além da Scalinatta, revimos a Fontana di Trevi …

… nos maravilhamos com as Colunas que dão a noção exata do tamanho do colossal Templo do Adriano (não é o do Timão! 🙂 ) …

… nos maravilhamos com a atmosfera do Pantheon iluminado, …

… passamos pela Piazza Navona (onde fica a Embaixada do Brasil. Eu tenho uma dica legal pra visitá-la) …

… e finalmente chegamos à Pizzeria Baffetto.

Nós da “famiglia”, temos uma história de amor com este lugar. Da última vez que estivemos aqui (em 2007), fomos comer lá 3 vezes e desta vez não seria diferente.

A fila estava imensa. A organização funciona da seguinte maneira: não fazem reservas, nem anotam o nome. Simplesmente se fica na fila e espera a sua vez do lado de fora.

Além disso, só aceita dinheiro e as mesas são comunitárias (sentamos juntos com 2 casais de italianos), além de terem umas outras regrinhas ditatoriais (tudo a ver com um Pizza’s Nazi. Neeeeeeext!).

A boa notícia é que as pizzas continuam espetaculares. São crocantes por fora e úmidas na medida certa, por dentro. Além do detalhe que é necessário e obrigatório comer usando as mãos e com o pedaço devidamente “emborcado”.

A Dé pediu uma Margherita, que é feita com somente com o molho e queijo (nada de manjericão como a nossa ) …

… e a diferença da minha, a Pomodorini, eram justamente os doces tomatinhos frios.

Acompanhamos com um Chianti Conte Serristori …

… e como sempre, não sobrou nada.

Só caminhar bastante pela bela e histórica Roma noturna.
E consumista também.

Ci viedamo domani.
.


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 656 outros seguidores

Comentários

Blog Stats

  • 1.470.354 hits
outubro 2021
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivos

Atualizações Twitter