Posts Tagged 'trufas brancas'

dcpv – dia secondo – itália – piemonte – o verdadeiro giro com giuseppe.

16/01/2020 (vivido em 11/11/2019)

Dia Secondo – Itália – PiemonteO verdadeiro giro com o Giuseppe.

A coisa toda prometia.

Hoje seria dia de encontrarmos com o chef Giuseppe Gerundino, sim,…

… aquele do ótimo programa Giro com Giuseppe que ainda está passando no GNT e …

… ver como são algumas das maiores atrações gastronômicas do Piemonte, …

… tartufo bianco incluso.

Acordamos cedo (o tempo estava broncolhaço em Milão), …

… tomamos o chiquérrimo café da manhã …

… no Hotel Armani e …

… fomos os quatro de van para estação central de Turim, …

… mais conhecida como Porta Nueva (estava na dúvida se seria lá ou no aeroporto? Hahaha).

O translado até lá (quase 2 horas) foi tranquilo.

Chegamos no horário definido …

… para encontrar com o Giuseppe e o restante da turma.

Pegamos o ônibus e zarpamos pra Pollenzo (quase uma hora).

Ficaríamos no Albergo Dell’Agenzia, …

… um hotel vinculado à Universidade de Ciências Gastronômicas e …

… que tem como inspiração o movimento Slow Food.

É claro que antes de entramos nos nossos quartos, fomos almoçar.

E foi muito interessante conhecer todo mundo do grupo (todos muito simpáticos), …

… ainda mais sabendo que ficaríamos juntos num passeio …

… de uma semana pelo Piemonte.

Giuseppe é bastante falador como convém a um bom italiano, …

… além do providencial acréscimo do jogo de cintura do brasileiro. Enfim, um boa-praça!

Sentamos todos numa mesa comunitária do restaurante e …

… iniciamos com um prato épico piemontês, a famosa carne cruda, uma Battuta di Fassona La Granda.

Tomamos um belo bianchetto da região, o Langhe Favorita 2018 Malvirà …

… então fomos pro secondo, que foi um Tonno di galletto all’acetto balsâmico, um frangão desfiado com uma vaga lembrança de atum.

Aproveitamos pra experimentar um Dolceto D’Alba 2018 Sérgio Grimaldi bastante ligeiro que caiu bem com este prato e com o terceiro, que foi uma genuína lasagna al forno (esquecemos de fotografar).

Finalizamos a conversa e o almoço com um Tiramisu al caffé de origem harmonizado com um vinho dolce Moscato d’Asti 2018 Saracco que achamos meia boca.

Pronto, a ideia seria descansar, mas teimosos que somos e …

… apesar do chuvisco, fomos conhecer Pollenzo.

Que é minúscula (tem menos de 800 habitantes) e …

… praticamente ligada ao hotel.

Na verdade, a Universidade de Gastronomia é quase que a cidade toda.

Demos uma volta inteira nela com pouco mais de 20 minutos, …

… vimos o contorno do que já foi um legitimo Coliseu e …

… retornamos pra explorar um pouco o espaço da escola.

Ela é muito bonita, parece muito organizada …

… inclusive, tem algumas salas de aula bem charmosas e …

… um espaço para vinhos, na verdade, uma adegaça que estava fechada (era uma segunda) …

… mas que certamente será um lugar que bateremos ponto todos os dias.

Como já estava escurecendo …

… (não se esqueça que em novembro anoitece às 17:00 por aqui) …

… retornamos pro hotel …

… pra conversar mais um pouco e tomar uma flutezinha dum Franciacorta (merecemos!).

Fomos nos arrumar porque já tínhamos uma atividade marcada.

Iríamos ver como se faz um dos pratos de resistência do Piemonte, o Ravioli al Plin.

E acabamos pondo a mão, literalmente, na massa.

O chef Giuseppe, o homônimo do restaurante do hotel …

… nos mostrou como se faz o tal ravioli e …

… também o Tajarin ai “40 Rossi” (mais conhecida como gemas de ovo).

Ficamos um tempão praticando e …

… conversando, até que chegou o horário do jantar.

Iniciamos com um divino Sformato di verdure com crema di Roccaverano acompanhado dum Langhe Barbera 2016 Cascina Corte.

Logo em seguida o Tajarin ai 40 Rossi tagliati a mano ai funghi porcini.

Sente só o tamanho das “crianças fungosas”! 🙂

Ainda experimentamos os Ravioli al plin e …

… (ufa) terminamos com um Teneroni di Fassona La Grande al forno com purê di patate.

Quer dizer, finalizamos mesmo com um Bonet, um tipo de pudim de amareto.

Resumo da ópera bufa: foi muita comida? Foi.

Estava muito bom? Estava.

A nossa primeira tarde/noite piemontesa foi em alto estilo.

E vamos lá que amanhã realmente iniciamos o tour propriamente dito.

Como diria o titio Silvio Santos, aguardem!

Arrivederci.

Veja o primeiro desta viagem glutona:
Dia primo – Itália – Milao/Piemonte – Em busca da trufa branca,o fungo perfeita!

.

dcpv – dia uno – itália – chegando e reconhecendo o piemonte.

22/11/14

Dia uno – Itália – Chegando e reconhecendo o Piemonte.

Primeiro dia de viagem é dia perdido. Certo?

DSC07103

Neste caso, até que errado.

DSC05474

Nos encontramos (a Lourdes e o Eymard viajaram conosco) no novo terminal 3 do aeroporto de Guarulhos.

DSC05467

Tudo certo e até a nova sala VIP da TAM funciona. 🙂

DSC05465

Quando fomos fazer o embarque, tivemos a primeira grande e boa surpresa.

DSC05471

Tivemos todos os quatro (apesar de termos comprado passagens independentemente) um upgrade de primeira.

DSC07088

Ou seja, foi um voo tranquilo e bastante reconfortante.

DSC07086

Chegamos em Milão no horário (13:00hs) e só não contávamos com a uma hora de espera na fila da imigração.

DSC07114

Pegamos os carros previamente alugados na Hertz e zarpamos pro coração do Piemonte, mais precisamente em San Stefano Belbo.

DSC07101

Ficaríamos hospedados no Relais San Maurizio.

DSC07133

São quase duas horas de direção em autoestradas perfeitas, …

DSC07098

… com uma vegetação muito bonita …

DSC07115

… mais uma parada para abastecimento (dos estômagos) num AutoGrill e …

DSC07104

… tivemos a oportunidade de ver um dos mais bonitos pores do sol de nossas vidas.

DSC07105

De repente e do nada, apareceu uma faixa no céu …

DSC07131

… e nela se encaixou um sol vermelho.

DSC07126

Absolutamente perfeito!

DSC07129

Ah! Não podemos nos esquecer que escurece muito cedo nesta época do ano, perto das 17:30 hs.
E foi justamente nesta hora que chegamos ao hotel.

DSC07135

Apesar de estar tudo escuro, deu pra perceber a qualidade das dependências.
Afinal de contas, ele é um antigo monastério e acima de tudo, charmosíssimo.

DSC07158

Os quartos são, no nosso caso, bastante espaçosos e com uma decoração muito típica.

DSC07137

Antes de mais nada, uma happy hour foi devidamente feita por nós e melhor, com um Champagne Ruinart de boas vindas.

DSC07147

Como já é praxe nas nossas últimas viagens, reservamos o restaurante do hotel, o Guido da Costigliole (uma estrela no Michelin) pra iniciarmos as nossas aventuras gastronômicas piemontesas.

DSC07155

E não nos arrependemos.

DSC07141

A cenografia é espetacular, já que ele fica no porão do mosteiro que foi fundado por monges franciscanos em 1619.

DSC07202

É claro que a primeira impressão é a que fica.
E neste caso, o cheiro inebriante das trufas é inevitável.

DSC07148

Optamos por comer pratos com elas.

DSC07151

Os piccolos de praxe nos foram enviados.

DSC07160

Enquanto isso, escolhemos todos comer tagliatelle com muitas raladas de trufas brancas …

DSC07175

… e os homens, ainda experimentaram ovos preparados em dois estilos (ambos com as gemas caudalosas) e com muitas mais raladas de trufas.

DSC07180

Em comum, os pratos completamente limpos ao final.

DSC07190

Tomamos um Barbera D’Asti muito bom e …

DSC07167

… experimentamos um tiramisu, não tiramisu que foi apenas competente como sobremesa.

DSC07193

Mais piccolos, desta vez doces, nos foram servidos junto com o café e …

DSC07199

… a nossa primeira noite no piemontesa terminaria como esperamos que seja todo o nosso tour: comida muito boa e com pedigree.

DSC07200

Arrivederci que amanhã tem mais trufas.

DSC07294

.

 

 

dcpv – da cachaça pro vinho – piemonte – terzo giorno – você sabe o que é uma cornucópia?

31/10/10

dcpv – Piemonte  Terzo Giorno –  Você sabe o que é uma cornucópia?

Dia de entrar de cabeça no mundo piemontês. Faríamos o caminho Turim/Serralunga d`Alba.

Antes de qualquer coisa, tomamos um lauto café da manhã no próprio hotel  e que estava incluído na diária, uma grande pechincha internética.

Afinal de contas ele é todo modernoso com quartos espaçosos e vários ambientes com largas dimensões. Todo o complexo Lingotto, inclusive o shopping, foi montado onde antigamente era uma fábrica de automóveis.

Antes de seguirmos viagem, demos uma passada no Museu Nacional do Cinema de Turim.

Ele fica numa outra atração turística da cidade, a Mole Antonelliana que é uma pretensa e imensa mesquita que tem uma torre de 85 metros.

Com este formato arquitetônico, dá pra imaginar qual é a sensação quando você entra no elevador e …

… vai subindo até o topo e pelo centro da cúpula.

Uma pena que o tempo não colaborou muito, mas mesmo assim foi muito interessante.

E melhor ainda a visita propriamente dita a todo acervo do  museu.

Ele é super interativo e instrutivo.  Conseguimos ver como o cinema se desenvolveu desde os tempos antigos e ao mesmo tempo tivemos lições de física.

São 5 andares com cartazes, cenários e o ápice, o happy end acontece quando você, depois de estafado por ter andado muito, deita numa cadeira anatômica e fica vendo cenas marcantes dos grandes filmes.

Ah! As projeções  de fotos gigantes dos proporcionais astros na cúpula também são de arrepiar.

Enfim, é uma visita imperdível.

Passamos no hotel, fizemos o checkout e rumamos pra Serralunga d’Alba.
É claro que antes disto teríamos uma escala pra almoço. A missão seria conhecer o restaurante Antica Corona Reale que fica em Cervere (uma dica de Mr Jacques Trefois).

E já que falamos em heroínas, vou aproveitar pra citar mais uma: a Maria do GPS.  Esta portuguesinha merece pois cumpriu com o seu dever a viagem toda e não nos deixou na mão em momento algum. Tudo bem que a nossa parecia ter um melhor senso de direção do que a da Lourdes e do Eymard, mas …

Chegamos a Cervere , que é a terra do alho poró, no horário da reserva e percebemos que o restaurante é bom só pela constatada grande quantidade de carros no estacionamento.

Sentamos numa mesa lindíssima, num salão clássico e começou o que seria (desde já) uma refeição histórica.
A recepção foi calorosa e os grissini, espetaculares (cotação do MicheLuz: *****).

Afinal de contas, praticamos o slow food na seu local de origem: quatro horas (sim, senhores) degustando o que de melhor existe em ingredientes e no país da excelência deles.
Pra começar (e não sair da onda mundial), uns “piccolos” amuses (a Dé a Lourdes adoraram estes pequenos). Chegaram uma salada russa, um refogado de cogumelos ….

…. e umas bolinhas de salsiccia (linguiça pros íntimos) que eram simplesmente a carne delas pra serem degustadas.
Pareciam bolas de carne untadas e desapareciam na boca ao contato com a língua. Perfeitas!

Daí pra frente foi um desfilar de pratos onde a surpresa era cada vez maior já que um era melhor do que o outro.

Entradas como bacalhau, …

… foie gras e carne de vitela crua (adivinhem quem pediu?) foram se sucedendo.

Principais como um tortelli ao funghi, …

… tortellini com alho poro DOP (chic, não?), …

… capello da prette com molho de Nebbiolo e …

… capretto de Roccaverano, o famosíssimo cabrito-especialidade pedido pelo Eymard.

Tomamos dois tremendos vinhos, um Barbera d`Alba Conterno 2008 …

…e um Barbaresco Cascina Luisin 2004 que também era uma beleza (o que não é nenhuma novidade!).

Os doces? Antes, um sorbetezinho pra limpar o paladar (não riam, por favor).

Aí chegaram as clássicas sorvete de creme e uma torta de ciocollato com sorvete do mesmo.

Tudo absolutamente saboroso e muito piemontês, além do que nos divertimos a valer com a criação de alguns bordões que ficaram famosos no decorrer da viagem.
Continuamos  o trajeto até a próxima parada.
Mais meia hora de carro e chegamos a Serralunga d`Alba e ao hotel  Il Boscareto Resort & Spa.

Que por sinal é moderno, muito bonito e fica exatamente entre videiras da Batasiolo. Ou seja, além de quartos espaçosos e …

… um lobby estiloso, você abre a sua janela e tem esta visão. É ou não é “piu bello” ?

Aproveitamos pra dar uma corrida até a Comune di Alba (uns 20 km) e dar uma espiada na Feira do tartufo bianco.
Chegamos bem no finalzinho, mas a tempo de verificar todo o clima tartufístico que envolve a cidade.

Cada pecinha desta custa, em média,  a bagatela de 100 Euros.

É claro que quanto maior o nariz, melhor será o cheiro de tartufo.

Retornamos rapidamente pro hotel (nesta viagem, slow só a food!) pois teríamos o nosso jantar de apresentação do grupo.

Que por sinal era  formado por nós quatro e o nosso guia e guru, o Juscelino Pereira do restaurante Piselli, um expert quando o assunto é Piemonte.

Nos apresentamos (o Juscelino trouxe mais dois amigos brasileiros, a Mônica e o Duto e que se tornariam nossos amigos também. Vocês vão ouvir falar muito deles nesta viagem) e fomos degustar um pouco das especialidades piemontesas.

Por volta da meia-noite estávamos encerrando o primeiro dia no Piemonte e com a certeza de que a qualidade e a quantidade de comida ingerida nesta expedição não seria pouca (e aí entra a minha máxima de que comida boa não engorda).

Ah! Uma outra certeza também: experimentamos a pior sobremesa de todo o tour (sabe aqueles bolos Sol e ainda por cima duros…)

Outra e a mais certa das certezas: a quantidade de risos e grandes papos que teríamos com os nossos novos grandes amigos.
Arrivederci.

PS – Cornucópia – s.f. Corno da abundância, símbolo da produtividade da natureza. Acho que nós vamos conhecer a cornucópia piemontesa! 🙂

.


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se aos outros seguidores de 655

Comentários

Blog Stats

  • 1.467.922 hits
julho 2021
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Arquivos

Atualizações Twitter