Posts Tagged 'turim'

dcpv – dia ottavo – itália/suíça – piemonte/lugano – do primeiro pro primeiríssimo mundo.

27/02/2021 (vivido em17/11/2019)

Dia Ottavo – Itália/Suíça  – Piemonte/LuganoDo primeiro pro primeiríssimo mundo.

Lá vamos nós com aquele dilema que sempre nos aflige: …

… dia de troca de hotel é dia perdido?

Neste caso, ainda não consigo dizer.

Aguardem um pouco, mesmo porque vamos de carro pra outro país.

Acordamos mais cedo que o usual, …

… já que tínhamos que liberar as nossas malas pra serem carregadas no ônibus.

Tomamos o nosso frugal café da manhã, …

… fizemos um “choc choc” e …

… fomos pra Turim.

O chef Giuseppe Gerundino mostrou neste tour ser mesmo um cara batuta e …

… que sabe o que todos querem ver e sentir.

Além do mais, toda aquela simpatia que ele mostra no Giro com Giuseppe (e agora no Academia de Giuseppe) é absolutamente verdadeira.

Fomos embora já com aquele gostinho de saudade (este grupo é incrível), …

… mas ainda tínhamos alguns bons programas pra serem feitos em conjunto.

Um deles era apreciar todo o entorno do caminho …

… de Pollenzo até Turim.

Inclusive, a iluminação solar especial …

… do Monviso e toda …

… a cadeia montanhosa nevada que o circunda.

Chegamos em Turim com tempo pra dar uma boa passeada pela cidade.

E ela, que já era nossa velha conhecida, …

… não deixou de nos surpreender por sua beleza.

Saímos do ônibus …

… diretamente pruma feira livre …

… com aqueles ingredientes frescos que tanto adoramos.

Cá pra nós, …

… passear por uma feira …

… italiana é sempre …

… um programaço!

Continuamos a passegiatta pelo centro …

… com direito a ver ícones turineses (como a Mole Antonelliana) e …

… piazzas bonitíssimas.

Ainda tomamos um ótimo Marroquino, …

… no lendário Caffé Torino.

Ah, um marroquino é uma bebida formada por chocolate quente, café e creme de leite.

Uma delícia!

Como estávamos atrasados pro encontro com o resto da turma (estávamos os quatro desgarrados), …

… corremos muito …

… pra irmos todos pro almoço de despedida que seria …

… exatamente no maior sex shop do mundo: …

… o Eataly (este nome é fantástico) de Turim.

Esqueça o Eataly de Roma (meia boca), …

… o de Milão (meia boquíssima) …

… e o de São Paulo (aquilo é mesmo um Eataly?).

O Lingotto, o primeiro, …

… é a verdadeira essência do sexyshopismo.

Lá tudo é perfeito e …

… você, amante da da gastronomia italiana, …

… fica louco ao conhecê-lo.

Frutas, …

… verduras e …

… legumes …

… simplesmente espetaculares …

… é o que se vê …

… em todos os cantos da loja.

É o paraíso das massas (corporativistas), …

… azeites, …

… frios, …

… queijos, …

… inclusive parmigianos, …

… prosciutos e …

… vinhos, …

…. muitos ótimos vinhos.

Só nos restava almoçar e …

… melhor, num evento totalmente trufado.

Foi o que fizemos.

GG conseguiu uma mesona pra nós e …

… iniciamos a nossa despedida oficial …

… rosetando com um espumante “nationale” …

… acompanhado dum ovo com gema mole, cardo (o preferido da Dé) e trufas, muitas trufas.

Que sabor!

A carne cruda trufada não poderia faltar!

Continuamos com um bianco Roero e o já famoso Tajarin 30 uova com tartufos, muitos tartufos.

Terminamos com um Nebbiolo buoníssimo e carne cozida com polenta ou como opção, dois ovos fritos com uma cama de batatas

Ah, tartufos biancos, muitos tartufos biancos.

Nos despedimos mais uma vez e …

… tínhamos mais um tempinho pra sexyshopear …

… pelo Eataly..

Resolvemos não comprar nada e simplesmente curtir a loja.

Passeamos por tudo o que foi lugar e …

… acabamos subindo pra ver o museu do Carpano.

Ele é um vermute muito antigo e …

… a exposição explicando …

… como ele surgiu e …

… como foi produzido …

… é extremamente interessante.

Quando percebemos, já estávamos todos no ônibus novamente pra o que seria a verdadeira e derradeira despedida.

O Eymard e a Lourdes iriam direto pra Milão e logo em seguida SP.

A turminha (Leila, Ignez, Alice, Adriana, Meire e Paula) ficariam em Turim por alguns dias.

A Ana e o grande Gabriel iriam pro aeroporto de Turim pra pegar um voo com conexão e destino final o RJ.

Nos também iríamos pro aeroporto, só que pra pegar um carro alugado e zarpar pra Lugano, na Suíça italiana.

Já o Giuseppe e o seu fiel escudeiro, o Papagallo Giuseppe, o Vincenzo iriam pra Milão, com o chef depois indo pra Pauliceia.

Pronto, terminamos uma semana de puro prazer, …

… capitaneados pelo charme do Giuseppe Gerundino e …

… com a certeza de que este grupo veio mesmo pra ficar.

Foi demais e certamente nos veremos novamente na Festa da Poda que acontecerá na Nova Toscana!

Fomos até o aeroporto com a Ana e o Gabriel, …

… pegamos o nosso carro alugado e …

… às 20:00 estávamos em Lugano, …

… mais especificamente no The View

… um hotel que realmente justifica o seu nome.

E olha que chegamos e estava tudo escuro.

O quarto é enorme, …

… moderno, …

… confortável, …

… além de ter tudo o que se imagina, …

… especialmente as amenidades.

Como estávamos sem “aquela” fome, optamos por fazer uma degustação de Champs no bar do hotel.

A entradinha de salmão …

… acompanhou perfeitamente um Brut Pommery sensacional.

Uma tortinha de abóbora …

… foi o parceiro ideal dum varietal Chardonnay Pommery.

Encerramos, vejam só, com uma carne cruda (outra?) pra mim …

… uma vieira espetacular pra Dé e …

… flutes de Ruinart Rosé de parar o trânsito.

Enfim, dia de mudança de hotel …

… pode e deve ser espetacular …

… como foi a de hoje.

Vamos lá que amanhã passearemos pelos lagos italianos.
Arrivederci!

Veja os outros desta viagem glutona:
Dia primo – Itália – Milao/Piemonte – Em busca da trufa branca,o fungo perfeita!
Dia secondo – Itália – Piemonte – O verdadeiro giro com Giuseppe.
Dia terzo – Itália – Piemonte – Barolo, a terra dos Barolos.
Dia quarto – Itália – Piemonte – Em busca da trufa perdida. Ou melhor, do tartufo achado.
Dia quinto – Itália – Piemonte – Visitando uma vinícola e uma grapperia piemontesas. Ah, já viu como se abre uma forma de parmigiano?
Dia sexto – Itália – Piemonte – Dá pra comer caracol, ops, escargots?
Dia settimo – Itália – Piemonte – Cerveja piemontesa. Tudo a ver.

.

 

dcpv – da cachaça pro vinho – outono in piedmonte

sem número
19/10/10

dcpv – Outono in Piedmonte

Não precisa nem dizer que estamos naquela fase de “entrar no clima” pra viagem.

E nada melhor do que comprar livros gastronômicos sobre o lugar a ser visitado. Todos sabemos que a gastronomia é sempre acompanhada pela história, pelos costumes e dá o tom da personalidade dum povo.

Autumn in Piemonte, da Manuela Darling-Gansser é uma das poucas publicações sobre o fecundo norte da Itália (como é difícil encontrar muitas informações, mesmo na Internet, sobre a região).

E melhor, o livro todo é baseado em experiências pessoais dela no Piemonte. Dicas de restaurantes (especialmente em Turim), de vinícolas, de lugares a se visitar são frequentes e tem um jeitão de serem muito especiais (iremos em algumas brevemente. Prometo confirmar se são ou não?)

Apesar de ser em inglês, você consegue entender muita coisa e as fotos são especialmente bacanas.

A cada capítulo, a Manuela indica receitas que formarão vários cardápios genuinamente piemonteses.

Vamos então ao banho piemontês de imersão. Percebam que não é só um banho.

Bebidinhas e nota do autor.

Não tivermos bebidinhas pois neste jantar, participamos somente a Dé e eu. Digamos que foi um petit comité!

Entradas – Olive Fritte, Grissini com Prosciutto e Frittata Gialla e Verde.

Como no livro, não darei as medidas das receitas. Ora, estamos no Piemonte.
Pra olive, a azeitona, basta pegar algumas sem os caroços, recheá-la com anchovas, …

… passá-las no ovo e na farinha de rosca (feita com pão italiano velho) e fritá-las até dourarem.

O grissini é muito mais difícil. 🙂

Comprei o tal (o famoso biskui) de alta qualidade no sex shop e enrolei um prosciutto nele.

Simples e piemontês.

Já para fazer a frittata você precisará de muuuita concentração.
Bata ovos até ficarem cremosos e frite-os numa frigideira com manteiga deixando-os bem fininhos (como se fossem panquecas).

Dê um “susto” em espinafres frescos e cortados.

Frite cebola e echalotas até ficarem transparentes. Adicione anchovas.

Coloque tudo num processador e junte atum em lata a gosto.

Monte a frittata como se fosse um wrap. Recheie com prosciutto, patê, espinafre e enrole.

Corte na diagonal e … pronto.
Esta entrada é rústica como se espera duma comida piemontesa. E saborosa como a mesma esperança!

Tomamos um Freixenet Cordon Negro que foi “brisa piemontesa, encorpado” segundo o casalzinho italiano, nós mesmos.

Principal – Sofilina e Patate Arrosto com Funghi porcini.

Estas batatas são corriqueiras na região de Alba (ainda bem).
Tire a pele e corte as batatas em 4.

Escolha uma forma que caiba todos os pedaços confortavelmente, coloque azeite de oliva e logo após as batatas.

Hidrate cogumelos porcini, guarde a água e adicione às batatas.

Junte 12 dentes de alho (capriche pois eles parecerão caramelos!) e 15 folhas de sálvia. Finalmente retorne com a água dos cogumelos e coloque um pouco de manteiga.
Asse no forno por uns 30 minutos, mexendo a forma de vez em quando. Tempere com sal e pimenta somente na hora de servir.

Os alhos ficam tão macios e caramelizados que quase parecem chicletes.
Já os escalopinhos estão na imaginação de quem tenha ouvido falar na cozinha do Noroeste da Itália (pelo menos na minha! rs).
Bata os bifinhos até ficarem bem finos.

Passe a carne e na sequencia, em farinha de trigo, ovos batidos e pão italiano ralado grosseiramente.

Aqueça uma frigideira com azeite, coloque folhas de sálvia e frite os escalopinhos até ficarem dourados.

Faça uma bela saladinha de tomates e alguns verdes.

Com a junção das batatas formam um daqueles pratos inesquecíveis. Como diria o grande Juscelino “Piselli” Pereira (nosso guia piemontês): ma-ra-vi-lho-so!

Ainda mais com o tinto Barbera d’Asti Camp de Rouss Coppo 2006 que foi “potenza norttista, CG” segundo il enamorati! Este será degustado no lugar de origem!

Sobremesa – Pasteizinhos e Ossi di Morti

Pra esta, eu apelei. Iria fazer Baci della Mamma, ou melhor dizendo, beijos da mamãe.
O nome da receita é inspirador. Mas como não tivemos tempo, acabou ficando pra próxima. Quem sabe depois do próprio Piemonte?

De qualquer maneira, peguei dois pasteizinhos que a minha mãe faz (eles tem uma massa bem sequinha e são recheados com uma pasta de uva), que são viciativos e acrescentei uns ossi di morti by Sódoces do amigão Flavio Federico.

Frescurites à parte (geleinha de pimenta, aceto balsâmico de qualidade) e experimentamos um pouco da brisa piemontesa.

Com Nespresso e tudo o mais.

Eis a opinião dos colombinhos:

Ai, ai, aiai. Está chegando a hora! (Edu)
Envolvente! Italiano. (Dé)

“O Piemonte, literalmente “aos pés das montanhas” fica no longínquo noroeste da Itália. Mais exatamente ao oeste da França, ao norte da Suiça e ao leste das planícies da Lombardia e da cidade de Milão. Algumas das mais ricas e pitorescas terras férteis da Itália são encontradas por aqui e o resultado é uma série dos melhores produtos do mundo”.

“O outono é o período do ápice da viticultura piemontesa, a temporada dos cogumelos selvagens e das trufas, dos arrozais das terras do rio Pó e da chegada dos novos queijos das ricas montanhas verdejantes. Para os amantes da comida e do vinho italiano é o período perfeito pra experimentar as delícias da região”. (até que o meu inglês não está tão ruim?).

Caramba! Veremos tudo isto, sócio? Ou melhor, experimentaremos!

Arrivederci.

.

dcpv – da cachaça pro vinho – piemonte – secondo giorno – andando muito em turim

dcpv – Piemonte –  Secondo Giorno – Andando muito em Turim

Chegamos tarde demais ontem.
Tres horas da manhã não é um bom horário pra se ir dormir justamente no primeiro dia de viagem e logo após 11 hs de vôo.

Consequencia? Acordar tarde e ter que correr bastante pra conseguir sair às 10:30hs.

A Lourdes e o Eymard já estavam prontos. Tomamos um café rapidinho no Eataly (é claro que aproveitamos pra marcar uma visita nesta noite mesmo e de gala, pois iríamos jantar por lá além de fazermos algumas comprinhas ) .

Vale até um breve fotoblog pra mostrar a capacidade do lugar:

Dali fomos pro centro de Turim. E vou logo dizendo o que já desconfiávamos: a cidade é uma beleza e tem um charme único.

Várias edificações com uma arquitetura marcante e…

… demonstrando o porque dela ser conhecida como a Cidade dor Reis.

Aproveitamos o embalo e visitamos o Museu Egípcio.

É um dos melhores museus sobre o assunto no mundo e tem um trajeto fixo que te faz conhecer como era o (interessante) dia-a-dia dos faraós (e dos “fariseus” também).

Almoçamos no Caffè Torino, um estabelecimento tradicional da capital do Piemonte.

Capreses pras senhoras,…

vitelos tonatos pro senhores, …

…. macarrão com camarão e abobrinha pra Lourdes, …

…  e penne ao molho de ragu de lingüiça pra Dé.

Agnolotti ao ragu de vitela pro Eymard…

… além de maltagliati mar e monti pro Jacques Cousteau, euzinho.

Tomamos um tremendo Barbera  d’ Asti Renato Ratti 2009 e voltamos ao frio e pra chuva.

Ainda bem que Turim (assim como Bologna) é tida como uma das cidades com a maior quantidade de calçadas protegidas da Itália.

São kms e mais kms de vitrines cobertas e seguras contra qualquer acidente geográfico.

Ainda conseguimos passar num supermercado e num shopping que são contíguos ao hotel e que ficam no Parco Lingotto.

Tomamos uma Viuvinha pra não perder o clima da viagem e nos prepararmos pra mais uma visita (conforme o prometido) ao verdadeiro sex shop.

Impressionante como o Eataly é tudo aquilo o que qualquer gastrônomo sonha.

Ótimos ingredientes com uma variedade infinita  e um visual que te deixa com vontade de consumir tudo o que vê. Sabe aquela propaganda da Heineken em que os homens entram num closet, se deparam com um montão de cerveja gelada e urram. Pois é isso! 🙂

Resolvemos jantar por lá mesmo. E o que parecia fácil, ou seja, comer uns fromaggi e uns salumi, se transformou num pesadelo já que o atendente do balcão nos avisou que a partir daquele horário, “solamente pani  e acqua“.
Demos um pulo na adega que fica no subsolo  (mais de 28000 garrafas), descobrimos uma sala de maturação de parmegiano, …

… outra de prosciutto,…

… mais uma de culatellos, …

… um restaurante pequenininho que ainda estava atendendo …

… e com o fato positivo de podermos escolher qualquer vinho e o tomarmos pelo preço de venda na gôndola.

Brindamos e tomamos um sublime Dolcetto que compramos pela bagatela de 18 Euros. Comemos uma tábua de queijos DOP …

… além de dois hambúrgueres e …

… dois “buoníssimos” gnocchis .

Tudo esteve excelente com exceção dum tiozinho que estava ao nosso lado e que brigou tanto com a mulher dele que chegou a mandá-la “vaffanculo” a plenos pulmões.
Coisas de italianos, estes passionais. rs
Ah! Fechamos o estabelecimento (este foi um de tantos durante a viagem).

Até amanhã quando finalmente conheceremos o tão famoso Piemonte.

E as trufas brancas!

Ave.

.


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se a 656 outros seguidores

Comentários

Blog Stats

  • 1.470.251 hits
outubro 2021
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivos

Atualizações Twitter