Posts Tagged 'viagens'

dcpv – traveller flavours by Teresa Perez.

número 424
07/07/2015

Traveller flavours by Teresa Perez.

Pra quem não conhece, D Teresa Perez é proprietária da agência de turismo homônima, que vende tours, uns mais bacanas do que os outros.

Tivemos o prazer de fazer uma viagem ao Peru com a sua presença e o que podemos dizer é que ela é uma pessoa muito agradável e simpaticíssima.

Pois ela acabou de lançar um livro que trata obviamente de grandes viagens e melhor, com o upgrade de incluir receitas bacanas e muito divertidas de cada um destes lugares.

Daí a fazer um menu com elas foi um pulo, ou melhor, um city tour.

Vamos lá, então, as receitas do Traveller Flavours by Teresa Perez.

Entrada – Gaspacho de cerejas com neve de queijo fresco.

Antes de mais nada, fiquei bastante surpreso com esta receita pois ela é feita totalmente no Thermomix. E graças a Dé, eu tenho um na minha cozinha.

É claro que a sua origem é espanhola (é uma receita da chef Dani Garcia). Comece fazendo o Gaspacho.

Coloque no copo do Thermomix, 8 tomates maduros, 1/2 cebola, 1/2 pimentão verde, 1 pedaço de pão do dia anterior, 1/4 de dente de alho, 1 fio de vinagre de Jerez, 200g de polpa de cereja e sal a gosto.

Triture por 2 minutos, em velocidade progressiva de 5 a 10. Acrescente um fio de azeite e programe 15 segundos, em velocidade 15.

Retire do copo e deixe descansar na geladeira.

Para a neve de queijo fresco, ponha 100g de leite no copo do Bimby (este é o nome do Thermomix em português lusitano) e programe por 2 minutos, 100°C e velocidade 1.

Acrescente 250g de queijo fresco e 30g de glucose líquida (mais conhecida como Mel Karo) e triture por 1 minuto, velocidade progressiva de 5 a 10. Quando o creme de queijo estiver bem gelado, deixe descansar no congelador.

Para servir, coloque o gaspacho no prato, sobre ele o creme de queijo …

… e decore com filés de anchova e pistaches.

Aproveitamos o calor e tomamos um bom vinho branco, o Chardonnay Cefiro, que achamos “olé, margoso, bogart, chichichilelele“.

Principal – Murg Ka Soola.

Esta é claramente indiana, do chef Sameer Shah, do Taj Rambagh Palace, Palace, hotel que fica em Jaipur.

E são utilizadas coxas de frango desossadas e cortadas em dois pedaços.

Inicie aquecendo óleo numa panela e salteando 100g de cebola cortada bem fina em fogo baixo até que fique dourada. Retire e deixe esfriar.

Depois, num processador, triture até virar um pasta.

Para marinar, use 200g de coalhada seca, 2 colheres de sopa de pasta de gengibre, 1 colher de sopa de pasta de alho, 1 colher de chá de pimenta vermelha seca, suco de dois limões, 1/2 colher de chá de garam masala, a pasta de cebola dourada e sal a gosto.

Marine o frango com essa pasta e deixe ao menos 6 horas na geladeira.

Após esse tempo, cozinhe o frango no forno preaquecido a 180°C por 25 minutos.

Sirva quente, salpicado com coentro, chaat masala e suco de limão.

Aproveitei e fiz um arroz basmati, porque senão haja frango pra alimentar todos os que estão aqui. 🙂

Tomamos um vinho tinto, o espanhol Monastrell 2011, que foi “mozinho, curlyjoe, momô, manolão“.

Sobremesa – Bolo de cenoura do The Connaught.

Esta receita é do chef Romuald Feger, do restaurante Espelette que fica no famoso hotel The Connaught de Londres. E é um daqueles bolos com cara de veggie (pra variar, foi a Dé que fez).

Numa tigela grande, misture todos os ingredientes secos (250g de farinha de trigo, 25g de fermento em pó, 1 e 1/2 colher de chá de canela, 1 colher de chá de noz moscada e 125g de coco ralado seco). Em outra tigela grande, bata numa batedeira 250g de açúcar mascavo e 5 ovos até que o volume dobre.

Lentamente ponha 185ml de óleo vegetal, batendo o tempo todo. Acrescente os ingredientes secos de uma só vez e mexa lentamente com uma espátula.
Misture lentamente 500g de cenoura ralada e nozes e passas picadas (a gosto).

Despeje numa forma de bolo bem untada.

Ponha no forno a 170°C por uns 40 minutos (teste se está bom com um palito).

Ficou muito bom mesmo.

Eis o que os viajantes acharam de tudo:
Comida de primeira classe. Assim como as viagens da D Teresa. (Edu).
Maravilha D Teresa! Che comida! (Mingão)
Teresíssima! Espetaquilar! (Deo)

Bom, é isso. Se você gosta de viajar e de comer bem, este livro, o Traveller Flavours, sabores que alegram a vida, da D Teresa Perez é imprescindível.

Ele certamente alegrará a sua vida (e o seu estômago).

Bye.

.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

dcpv – dia uno e único – chile – vinícola vik, um espetáculo!

agosto 2015

Dia uno e único – Chile – Vinícola VIK, um  espetáculo!

O que você diria de um visionário que pensou em fazer o melhor vinho do Chile, talvez do mundo, partindo do nada?

DSC01308

Pois foi exatamente esta ideia a de Alexandre Vik.

DSC01305

Bom, deixa eu começar do começo.

DSC00962

A Marcia Lube teve (também) a brilhante ideia de fazermos a nossa reunião anual do grupo de vinho (formado por ela e o Vianney, a Madá e o Álvaro, a Lourdes e o Eymard, a Dé e eu) no Chile, mais exatamente na vinícola VIK, que fica na vale de Millahue.

DSC01067

E o negócio todo foi muito bom.

DSC01016

Primeiramente nos encontramos em Santiago onde aproveitamos pra matar as saudades dos vuelos do excelente Bocanariz

DSC00972DSC00973

… e conhecermos o muito bom restaurante …

DSC00999

… do famoso chef Gaston Acurio, …

DSC01001

… o Astrid y Gaston.

DSC01018

No outro dia , após pernoitarmos no ótimo hotel Noi Vitacura, …

DSC00993

… partimos pra conhecer esta ideia que aparentemente parece ser maluca, mas é espetacular.

DSC01033

São quase duas horas de Santiago, …

DSC01036

… mas quando se chega lá, …

DSC01039

…  a visão desta maravilha que fica no cume do monte mais alto…

DSC01038

… e com vista de 360° pra toda a vinícola deixa qualquer um de boca aberta …

DSC01045

… e pensando, My Good, como é que pode existir visionários como o Alexandre no mundo?

DSC01047

Programamos pra fazer o tour guiado pela vinícola logo na tarde do nosso primeiro dia aqui, uma sexta-feira.

DSC01105

E o tour é exatamente o que se poderia imaginar.

DSC01114

Nada mais do que extraordinário.

DSC01164

Antes disso, deixe-me explicar alguma coisa sobre o hotel.

DSC01044

É quase que um devaneio.

DSC01073

Chegamos e tivemos esta visão.

DSC01069

Fomos recebidos com chás e uma recepção maiúscula.

DSC01048

Demos uma olhada nos quartos, sendo cada um deles decorados por arquitetos famosos e de forma individual.

DSC01076

Estes valem o mini fotoblog.

DSC01081

DSC01052

DSC01055

DSC01059

DSC01061

DSC01238

DSC01246

DSC01249

Logo depois, fomos almoçar.

DSC01049

E frugalmente.

DSC01095

As escolhas seriam Côngrio …

DSC01088

… e Ossobuco para quem quisesse.

DSC01090

E o melhor, com um indefectível vinho VIK 2010 (excelente e excelente) sendo servido com nenhuma parcimônia.

DSC01084

A seguir faríamos o tour pela propriedade.

DSC01120

É incrível imaginar que tudo isto …

DSC01102

… foi iniciado em 2004, …

DSC01175

…com a plantação das primeiras videiras em 2006.

DSC01111

Ou seja, imagine que tudo era pura mata e que agora está transformado numa área produtora de vinhos.

DSC01075

E, segundo a ideia do proprietário, o provável melhor vinho do mundo (será megalomania?).

DSC01125

O tour é excelente.

DSC01121

Você passeia pelos terroirs específicos de cada tipo de uva …

DSC01128

… e, finalmente, chega à bodega …

DSC01131

… com este ambiente futurista …

DSC01165

… e impressionante, …

DSC01153

… onde o que vale, é saber que o capricho de todo o projeto…

DSC01166

… e sua execução, te fazem acreditar que tudo, desde que bem planejado, é possível (é claro, que com uma boa quantidade de dinheiro acompanhando).

DSC01143

E aí, chega a hora da degustação.

DSC01177

Você entra primeiramente na magnífica sala de Produção …

DSC01173

… passa por um visual incrível …

DSC01180

… e de repente, chega a uma sala de degustaçào …

DSC01179

… feita com um tremendo bom gosto …

DSC01174

… com obras assinadas por grandes artistas e é onde tudo começa a fazer sentido.

DSC01178

O nosso guia explica que o assemblage do vinho VIK é feito com a combinação de diversas uvas (com a predominância de Cabernet Sauvignon e Carmenere) e aí você experimenta os varietais 2013 que formarão o vinho deste mesmo ano.

DSC01182

Aí, do nada, surge a brincadeira de você fazer o seu assemblage. O meu, por exemplo, continha 50% de Cabernet Sauvignon, 40% de Carmenere e 10% de Syrah. Ficou um espetáculo!

DSC01191

Só nos restou agradecer ao nosso guia pelo ótimo passeio e terminarmos tudo experimentando novamente o VIK 2010.

DSC01200

Voltamos ao hotel, …

DSC01215

… e resolvemos dar uma descansada, antes de partirmos para o jantar propriamente dito.

DSC01213

Começamos tudo jogando uma partida de sinuca, comendo uma entradinha de cordeiro …

DSC01314

… e vibramos com o experimento  do VIK  2011 …

DSC01219

… e com a chegada dum peixe muito bom.

DSC01226

Finalizamos com uma sobremesa  ….

DSC01321

… e pensamos como a vida é boa.

DSC01269

Ainda tivemos tempo de olhar as luzes da piscina de borda infinita ….

DSC01233

… e dormir o verdadeiro sono dos justos.

DSC01050

É, realmente a vida é muito boa ….

DSC01293

… e a vinícola VIK…

DSC01338

… com seu magnífico hotel são lugares que tem que ser visitados (ficamos mais um dia por lá só aproveitando o bom papo).

DSC01339

E tenho dito.

DSC01347

Adiós …

DSC01356

… e hasta la vista.

.

 

 

 

 

dcpv – settimo giorno toscano – happy birthday to you.

05/06/2013

Settimo giorno toscano –  Happy birthday to you.

Mais um dia tipicamente toscano.

DSC05407

Hoje aproveitaríamos pra fazer tudo o que a Toscana pode te propiciar, além de comemorar o níver da Dé.

DSC05371

Começamos tomando o café da manhã do hotel  (e que hotel e café) e planejamos fazer passeios comuns, mas ao mesmo tempo com a verdadeira cara toscana .

DSC05375

Fomos inicialmente pra verdadeira pirambeira que é Montepulciano.

DSC05420

A cidade é uma verdadeira gracinha e encantadora.

DSC05413

Andamos muito, …

DSC05415

… curtimos tudo, …

DSC05417

… compramos uns Nobiles …

DSC05405

… e rumamos pra revisitar a terra do Pio II, Pienza.

DSC05426

Que é uma verdadeira gracinha também (ai que saudades da Hebe!).

DSC05431

E pra quem não sabe, a terra do Pecorino, aquele queijo delicioso.

DSC05434

Passeamos bastante por lá (nada como o sol da Toscana) …

DSC05430

… e pretendíamos almoçar em Montalcino, não fosse a pronta intervenção do Guia Visual: Estradas da Itália da PubliFolha.

DSC05438

Lá tem um roteiro pela região da Crete Senesi que é descrita como uma das mais impressionantes da Itália: grandes morros erodidos pelo tempo, cultivados durante séculos e frequentemente atravessados por antigos peregrinos.

DSC05442

E melhor, com uma taverna super-indicada, a Da Roberto que fica na cidadezinha de Montisi.

DSC05443

Portanto, partimos de Pienza e meia hora depois estávamos falando com o próprio Roberto (é este na esquerda).

DSC05445

Ele se apresenta como uma pessoa que não tem nem freezer, muito menos micro-ondas na sua cozinha .

DSC05469

Ou seja, só trabalha com ingredientes frescos.

DSC05523

E ele labuta sozinho. Cozinha, atende, indica, senta pra conversar, bate escanteio e cabeceia.

DSC05466

O Da Roberto é um verdadeiro e genuíno slow food.

DSC05467

Chegamos e vimos (literalmente) o menu.

DSC05447

Escolhemos uma salada de vegetais (cenoura, feijões, queijo) que estava deliciosa.

DSC05455

A Dé foi na massa com ragu de Chianina, que chegou bem antes do meu prato (lembre-se que o serviço é o próprio Roberto), …

DSC05459

… e eu pedi uma costeleta de porco com legumes.

DSC05463

Ambos espetaculares.

DSC05462

Tomamos duas taças dum ótimo vinho Rosso da região, o I Bandi 2010 e tivemos que pedir a conta, pois tínhamos agendado uma aula de culinária Toscana no hotel as 16:00 hs.

DSC05457DSC05458

Corremos bastante, passamos rapidamente nas terra das trufas, San Giovanni d’Asso e …

DSC05474

… no horário, estávamos a postos na cozinha do hotel.

DSC05522

O chef e professor, o Ricardo, inicialmente nos levou ao orto (a horta deles) pra nos mostrar a qualidade dos ingredientes que eles plantam lá.

DSC05483

Comemos morangos frescos, …

DSC05492

… vimos todo o tipo de ervas, …

DSC05504

… experimentamos o sabor suave das tenras ervilhas frescas, …

DSC05505

… ou seja, concluímos o óbvio.

DSC05488

Que eles tem um respeito imenso pela qualidade de tudo.

DSC05494

E aí nos dirigimos pra cozinha onde além de aprendermos a fazer a verdadeira pasta …

DSC05538

… e todas as suas variações, …

DSC05608

… ainda nos foi mostrado como fazer o “vero” molho de tomates, …

DSC05710

… com, inclusive, vários pulos do gato.

DSC05711

Quer saber alguns? Por exemplo, nunca coloque o azeite pra temperar qualquer coisa antes do sal e vinagre.

DSC05682

Quer outro? Sempre que for colocar uma erva fresca em qualquer preparação, amasse-a totalmente com as próprias mãos e aí corte.

DSC05696

Ainda aprendemos a fazer um zabaione em 5 minutos (e que zabaione).

DSC05723

Segue o fotoblog da aula (que foi, tecnicamente, a melhor que fizemos até hoje).

DSC05520

DSC05528

DSC05541

DSC05558DSC05564

DSC05580

DSC05587

DSC05611

DSC05626

DSC05674DSC05678

DSC05691

DSC05706

DSC05716

DSC05724

DSC05727

E como toda aula feita por aqui, o jantar ficou por conta dela.

DSC05732

Ainda aproveitamos pra conhecer as ruínas do castelo que deu nome ao Castiglion del Bosco.

DSC05735

São incríveis.

DSC05739

Assim como todo o ambiente …

DSC05747

… e a piscina com borda infinita.

DSC05744

Checamos também as limonaias.

DSC05749

As 21:00 hs e após um estupendo por-do-sol (toscano, off course), fomos pra degustação da aula no restaurante principal.

DSC05763

Iniciamos com um ótima Caprese (com os tomates temperados no formato correto, ou seja, primeiro com sal, logo após o aceto e finalizando com o azeite).

DSC05766

A Dé aprovou e deu nota 10.

DSC05768

Pedimos um Brunello de Montalcino 2008 da casa pra acompanhar tudo.

DSC05770DSC05771

Em seguida, nos foram servidas as massas que fizemos na aula.

DSC05772

Capelettis, papardelles, farfalles; todas estavam lá e com molhos vermelho de tomates e branco com manteiga e sálvia.

DSC05774

Mais uma delícia e todas al dente.

DSC05777DSC05778

Finalizamos com o zabaione servido com cantucci (receita da nona do Ricardo).

DSC05782DSC05780

Enfim, foi o coroamento duma aula inesquecível.

DSC05784

Voltamos pro nosso quarto cantando a Patativa, ou melhor, a Tarantella, ou melhor ainda, o Parabéns pra Você.

DSC05764

Arrivederci.

Leia sobre os outros dias desta viagem:
Primo giorno toscano – De FV pra Toscana, ou melhor, Cortona.
Secondo giorno toscano – Voltando a Chianti e ao Castelo de Volpaia.
Terzo giorno toscano – Uma verdadeira puxada (curva) até Urbino.
Cuarto giorno – Sob o sol (e a chuva, e a tempestade e a cozinha) da Toscana.
Quinto giorno – Menu de cidades na Toscana.
Sesto giorno – Pitigliano, Bagno Vinoni, San Quirico, Buonconvento. Isto é Toscana?

.

dcpv – esquina mocotó – o encontro dos sabores brasileiros.

01/07/2013

Esquina Mocotó – O encontro dos sabores brasileiros.

Eis a definição de esquina no pai dos burros: canto exterior formado por dois planos que se cortam (e que podem ser ruas).

DSC06717

Agora imagine um restaurante que fica numa esquina, bem ao lado do famoso Mocotó e que tem por filosofia, mesclar sabores bem brasileiros com toques da gastronomia do país e melhor, extremamente, saborosa?

DSC06766

Pois é justamente o princípio do Esquina Mocotó, onde o chef Rodrigo Oliveira projetou e executou este modelo de culinária.
É claro que, por ser ao lado do sempre muvucado Mocotó, ou seja, na Vila Medeiros, tudo continua sendo longe pra caramba.

DSC06767

Mas é mais claro ainda, que toda esta caminhada até lá vale muito a pena, além de aumentar o apetite. 🙂

DSC06718

O lugar tem mais um upgrade: aceita reservas.

DSC06743

Marcamos pra conhecer justamente quando os Loguercio estariam por aqui (junto com o Gustavo).
Chegamos bem atrasados, mas a justificativa era da mais nobres: atravessamos um tremenda multidão, mais conhecida como Marcha para Jesus.

DSC06723

E nos surpreendemos com tudo. Com a modernidade da decoração, com a cozinha bem a vista e na entrada do restaurante e com o excelente treinamento da brigada.

DSC06746

Enquanto escolhíamos os pratos, pedimos umas entradinhas pra distrair os nossos estômagos. Uma delas eram os icônicos dadinhos de tapioca ,…

DSC06727

… e a outra, originalmente denominada a Porcaria, formada de terrine da casa, embutidos da família Cinque, presunto Salamanca, porco na lata, dadinhos de porco e conserva de cebolas. Simplesmente perfeitas.

DSC06726

Pra acompanhar, uma garrafa dum espumante nacional, o Cave Geisse Brut.

DSC06725

Como principais, os garotos, o Gustavo e a Re (que dividiu com a Dé) foram de carne-de-sol com baião de dois sertanejo.

DSC06734

A Lourdes escolheu  copa lombo, purê de grão-de-bico e cenoura braseada.

DSC06738

O Eymard foi de bisteca de porco e palmito pupunha fresco assado na casca.

DSC06736

Eu ousei (e não me arrependi) ao pedir uma suculenta barriga de porco, favas, legumes e folhas.

DSC06740

Tudo muito bom e temperado na medida certa.

DSC06741

Tivemos um arroubo que acarretou no, talvez, único desacerto desta refeição. Seguimos uma indicação do atendente e pedimos um vinho tinto mineiro (sim, senhores) Syrah Primeira Estrada 2010 que não agradou muito.

DSC06732

Em compensação, fizemos quase que uma verdadeira degustação de sobremesas. Pedimos Cajá Manga – purê de manga com baunilha baiana, sorbet de cajá e coco crocante, …

DSC06761

Umbuzada Panacota – o clássico italiano na nossa versão, …

DSC06752

Chocolate e leite – musse de chocolate caramelo amanteigado e sorvete de leite, …

DSC06751

Goiaba, goiaba e goiabada – sorbet de goiaba branca, goiaba confit e goiabada com vinho

DSC06756

… e o clássico e fantástico sorvete de rapadura.

DSC06758

Resumo da ópera, ou melhor do samba: o Esquina Mocotó é um lugar que veio pra ficar.

DSC06764

É praticamente uma evolução do Mocotó e do próprio Rodrigo.

DSC06749

É mesmo um encontro de sabores.

DSC06730

Inté.

.

olha a Lobo, olha a Lobo: é o cozinha de estar no dcpv.

número 339
18/12/2012

Olha a Lobo, olha a Lobo: é o Cozinha de Estar no dcpv.

Eu tenho o livro Cozinha de Estar da Rita Lobo há um tempão (um par de anos). Já o usei tanto pra fazer algumas receitas por aqui, como, e principalmente, a Dé o utilizou pra compor os nossos menus rotineiros.

DSC09784

E não é que passeando pela Saraiva do Morumbi (a Dé foi fazer as unhas), topei com a nova versão dele?

DSC09774

É claro que comprei, pois além de estar com uma cara modernosa, o livro me pareceu ser muito mais completo e bacana.

DSC09827

“Quem não gosta de juntar a família ou os amigos e ficar jogando conversa fora? E, como todo mundo sabe, essa reunião com muita frequencia acaba acontecendo em volta duma mesa. É claro que a conversa em si já é uma delícia, mas e se em vez de ficar só nos aperitivos ou na comida pronta você servisse uma salada de abacate e camarão como entrada? E se você fizesse uma anchova assada no papillote como prato principal? Uma gelatina de vinho branco e especiarias de sobremesa? E todos dividissem uma jarra de sangria?”

DSC09832

Caramba, este livro é a nossa cara! Só faltou a Rita escrever que seria interessante montar uma pequena confraria e que esta reunião acontecesse todas as terças a noite (de preferência e no mínimo, por 340 vezes).

DSC09773

Vamos lá, então, obedecer a Rita Lobo.

Bebidinha – Caipiroska de Mexirica com Coentro.

Simples e básica. 3 mexiricas descascadas e socadas com folhas de coentro. Vodka e sacolejo.

DSC09782

Entradas – Sopa de Mandioquinha com Ovas de Salmão e Salada de Abobrinha.

“Esta receita já virou um clássico. Receitas de avó com um toque de glamour não tem mesmo como dar errado”.

Pra fazer é muito simples (se bem que eu fiz tudo na minha Bimby). Descasque e corte 500g de mandioquinhas em pedaços uniformes.

DSC09713

Transfira pruma panela com 1 litro de caldo de galinha e leve ao fogo alto. Quando começar a ferver, abaixe para médio e deixe cozinhar até que a mandioquinha fique bem cozida.

DSC09736

Enquanto isso, pique bem fino 2 colheres de sopa de ciboulette.

DSC09747

Bata 1 xícara de creme de leite com um batedor de arame até ficar com consistência de chantilly. Reserve na geladeira.
Com a mandioquinha cozida, bata tudo até a sopa ficar bem lisa.

DSC09767

Volte a sopa pra panela e leve ao fogo, juntando uma xícara de creme de leite e a cebolinha. Deixe aquecer, mas sem ferver.

DSC09787

Sirva com umas colheradas do creme batido e ovas de salmão por cima.

DSC09795

“Originalmente, esta salada leva o incrível molho de tahine (pag 122). Mas abobrinha é um alimento tão bom para o verão que preferi fazer uma preparação mais levinha, ideaal para um almoço num dia quente”

Corte 4 abobrinhas em fatias finas (use um descascador de legumes)…

DSC09745

… e regue com o molho formado por 3 colheres de sopa de suco de limão, 6 de azeite, 1 dente de alho descascado, sal e pimenta.

DSC09770

As duas entradas juntas tornaram este jantar um verdadeiro almoço num dia de verão.

DSC09792

Perfeitas! E absolutamente refrescantes.

DSC09796

E como a própria Rita indicou no livro, tomamos um espumante, ou melhor, uma Cava, a 1312 Mestres pra contrastar com a temperatura da sopa. A achamos “campeão, 11, veranesca, cavalheresca“.

DSC09797

Principal – Picadinho oriental com abacaxi.

“Em vez do picadinho tradicional, gosto de servir esta versão oriental, que leva saquê e shoyo. Além de saborosa, essa receita tem uma qualidade para anfitriões que também são cozinheiros: fica pronta em dois palitos”.

E fica mesmo (palavra de anfitrião).

DSC09821

Pra fazer, basta fatiar uma peça de 1 kg de filé mignon em bifes de cerca de 1 cm …

DSC09727

… e estes cortados em tirinhas e posteriormente, cubos.

DSC09740

Corte abacaxi em cubos, o suficiente pra encher duas xícaras de chá.

DSC09751

Leve uma wok ao fogo alto com duas colheres de sopa de óleo. Quando estiver bem quente, coloque a carne e deixe dourar por 2 minutos.

DSC09750

Junte 3 dentes de alho picados, 1 colher de cha de gengibre ralado e mexa bem por mais um minuto.

DSC09759

Adicione 1/3 xícara de chá de saquê e a mesma medida de shoyo e deixe cozinhar por mais dois minutos, acrescentando os cubos de abacaxi.

DSC09760

Acrescente 1 colher de sopa de maisena dissolvida em 1 1/2 xícara de chá de água e mexa bem em fogo alto, até o molho engrossar.

DSC09764

Sirva imediatamente.

DSC09806

Decore com ramos de tomilho ou de cibolette.

DSC09816

Atenção – Se não for servir imediatamente, desligue o fogo depois de juntar o abacaxi e deixe pra acrescentar a maisena quando for esquentar pra servir.

Ainda fiz uma farofa simples de cebola e farinha de mandioca …

DSC09805

… além de crocantes batatas ao forno …

DSC09733

… com alecrim.

DSC09763

Este prato é realmente dois palitos. Ou melhor dizendo, dois hashis!

DSC09813

Mais um ponto pra Rita que transformou ingredientes básicos numa grande comida.

DSC09815

Tomamos um tinto que sofreu muito pra acompanhar este picadinho thai. Ele, o Ortas Les Viguiers 2009 Cotes du Rhône, foi “mundial, 2012, du cotê, garboso“.

DSC09817

Sobremesa – Bolo encharcado de laranja, amêndoa e canela.

“Bolo não costuma ser sobremesa. Mas este foge à regra. Tem sabor elegante, textura delicada, macia, é um bolo cheio de personalidade”.

E como fazer?

DSC09710

Unte uma forma redonda média com manteiga (de preferência com aro removível e sem furo no meio). Preaqueça o forno a 180°C. Separe as gemas das claras de 8 ovos.

DSC09711

Junte, numa tigela grande, 1 xícara de chá de açúcar, 2 colheres de chá de canela em pó e raspas de 2 laranjas-baía, 8 gemas e misture muito bem.

DSC09715

Por último, acrescente 200g de farinha de amêndoa.

DSC09717

Na batedeira, bata as 8 claras em neve até que fiquem firmes.

DSC09719

Retire e junte 1/3 delas à mistura das gemas e bata vigorosamente. E depois o restante com bastante delicadeza.

DSC09722

Transfira a massa para a forma e leve ao forno pra assar.

DSC09725

Espere esfriar, retire o aro e coloque a calda de laranja.

DSC09756

Este bolo ficou tão bom, mas tão bom  (a Dé caprichou), que todo mundo repetiu…

DSC09785

…(alguns birrepetiram! 🙂 )

DSC09830

Taí verdadeiramente um jantar confortável.

DSC09833

Eis o que os homens-sofás acharam de tudo:
É a Lobo! É a Lobo! Que comida, que tudo, que bolo! (Edu)
Se o mundo acabar e o Corinthians for campeão mundial, eu comi o melhor bolo do mundo! (Mingão)
De cabo a rabo, simplesmente espetacular! Notação marcante para o bolim (ou bolo ou pudim) molhadíssimo! Ui, delícia! (Deo)

DSC09801DSC09823

“Ninguém deve ser escravo da cozinha, mas num mundo de fast-food, delivery e comida congelada, cada vez mais pessoas estão redescobrindo o prazer de cozinhar e de receber as pessoas em casa, sem compromisso. É isso o que Rita Lobo recupera nesta nova edição de Cozinha de estar: receitas práticas pra receber”.

DSC09799

Falou, disse, escreveu e provou, Rita.

DSC09820

Ou melhor, nós provamos. E aprovamos.

DSC09834

Bye.

.

dcpv – unésimo dia – santiago – chile – início promissor e gastronômico (coquinaria+osaka).

23/10/2012

Unésimo diaSantiagoChileInício promissor e gastronômico (Coquinaria+Osaka).

Este é o primeiro post duma viagem que foi concebida levando em consideração as amizades feitas pela internet.

Todo este pessoal surgiu nas nossas vidas através do blog Conexão Paris.

A aparição da Lourdes e do Eymard já é mais do que conhecida, mesmo porque eles são nossos sócios.

Já os casais Madá/Álvaro …

… e Márcia/Vianney apareceram propriamente das conversas pitacadas do CP. Especialmente porque todos gostam muito de vinhos, de viajar, enfim, de viver bem.

Sendo assim, combinamos, após uns experimentos e zilhões de bem-humorados emails, que o tour propriamente dito seria no hotel Lapostolle Residence, que fica na vinícola homônima situada no Vale de Colchagua.

Pra que a logística desse certo, optamos (nós e os Loguercio) por ir pra Santiago na terça de manhã.

E no vôo das 8:20 hs da TAM.

Foi mais um vôo tranquilo e panorâmico, …

…pois degustar todos os ângulos da Cordilheira dos Andes …

… é sempre um grande prazer.

Chegamos ao hotel W Santiago e tivemos alguns probleminhas no check in.

Enquanto o Eymard tinha recebido um tremendo upgrade (agora ele fez jus a alcunha de presidente, já que ficou numa suite daquelas), mas ao mesmo tempo teria que esperar até as 17:30 hs pra entrar no quarto, …

… nós entraríamos rapidamente, mas o nosso quarto era bem pequeno e sem vista nenhuma da Cordilheira.

Nada que não resolvêssemos com uma boa reclamação e … pronto!

Subimos do quinto pro décimo andar …

… e, melhor,  com vista e varanda.

Enquanto esperávamos os quartos, decidimos almoçar no Coquinaria que fica praticamente no subsolo do hotel.

Ele é uma loja de muitas iguarias que, inclusive, tem um restaurante modernoso e com excelente comida.

Sentamos num mesão comunitário e fizemos um laboratório, chamando um vinho branco Chardonnay Montes Alpha 2010 da melhor qualidade.

Escolhemos os seguintes pratos: pra Lourdes, um Filé de Côngrio a la plancha, gremolata de limão siciliano e salsinha

… pra Dé um Peixe de Rocha (olha o corporativismo!) em crosta de has el hanout, purê de batata e laranja e emulsão de curry indiano, …

… pro Eymard um Filé de atum com crosta de pistaches, purê de abobrinha e frutas secas salteadas. …

… e pra mim um Surf and Turf, uma mistura maluca e boa de carne e camarão, molho holandês, folhas verdes e incríveis batatas fritas.

Pagamos a conta (barata, por sinal) e enfim, conseguimos entrar nos nossos quartos.

Resolvemos dar uma passeada pela região do hotel, o bairro de Las Condes, antes do jantar, que seria num dos restôs do próprio, …

… sempre tendo a Cordilheira a nossa espreita.

Fomos conhecer (e a pé) o novo Shopping Costanera Center, uma junção de inúmeras lojas dos mais variados tamanhos e brandies, além do complexo todo contar com a curiosa torre mais alta de América Latina.

Voltamos, …

… nos trocamos e fomos, finalmente, jantar no Osaka, o restaurante nipo-peruano do hotel.

O lugar é uma belezura oriental …

… e a comida surpreende.

Tudo bem que comer quaisquer frutos do mar por aqui são uma covardia, esendo assim, você adora a qualidade final de tudo.

Iniciamos os trabalhos pedindo um vinho branco Sauvignon Blanc Casas del Bosque 2011, que tem um exuberante sabor alimonado.

Como entradas para degustar e compartilhar (o menu todo é pensado com esta filosofia), fomos de Causas de centolla, abacate e creme de rocoto

Ceviche nikkei (composto do mesmo, pepino, cebola e quinoa crispy, molhados num yuzu mix) e …

Sachimi de salmão, na opinião de todos, o mais fresco já experimentado em todos os tempos.

Continuamos, escolhendo (com a sábia ajuda do sommelier) um espetacular Pinot Noir Calyptra 2007.

E como pratos, Guiosas de patos confitados, cebolas carmelizadas e shitake salteados no wok

Patas de caranguejo (ou de jaiba) acompanhadas dum molho nikkei com aji amarillo, …

Ostiones gratinados  com parmesão (os famosos ostiones ao estilo Osaka, ou seja, inflamados) …

… e Camarões jumbo a parrilla, com molho batayaki e aromas de coentro.

Tudo absolutamente perfeito.

Ainda pedimos mais uns fresccos sashimis e salmão e de polvo, …

… antes das sobremesas.

Que foram duas e de acordo com as filosofias do restaurante e nossa, totalmente compartilhadas. Experimentamos um Trio de suspiros limeños

… e Dim sum de chocolate.

Mais um acerto nosso, com a colaboração dos eficientes garçons que nos serviram.
Enfim, o Osaka é um lugar onde se alimentar é pura diversão.

É claro que a companhia foi formidável, mas tudo indica que este restaurante merece uma visita de cada brasileiro que passeia pelo Chile.

E temos dito!

Hasta.

.

dcpv – scrap-almoço no beco do bartô II, o retorno

scrap??
16/03/11

Scrap-almoço no Beco do Bartô II, o retorno.

Nota da Redação – Aproveitando a onda de remakes (vide Ti-ti-ti, filmes em geral e até conjuntos), eu também surfei. Publiquei originalmente este post há pouco mais de dois anos (em 18/04/09) e agora, tendo a oportunidade de refazer este passeio na praia, volto a postar com as devidas atualizações.

Não sei se todo mundo sabe, mas a Dé é uma aficionada por scrapbook.

Eis o depoimento dela sobre o que é scrap (já que somos íntimos,vamos chamá-lo assim) :

“Já fazia um tempo que eu andava a procura de um hobby. Minha família sempre foi muito esportista, mas definitivamente eu não nasci pro esporte. Sempre me machuco!
O Edu sempre foi muito ligado a leitura de jornais, revistas, listas telefônicas e afins. Um dia ele veio com uma reportagem sobre scrapbooking e observou como tudo parecia com os nossos hábitos de trazer coisas de viagens (tickets, folhas, chaves de hotel, etc).
Comecei a pesquisar sobre o assunto e descobri a Pedaços. Fiz uma aula e pronto! Encontrei um hobby onde eu poderia organizar as fotos e acessórios de viagem, usar e abusar de materiais e colocar o meu lado artístico pra trabalhar. Sempre com um resultado encantador, diferente e divertido.
A cada trabalho feito e deve-se registrar que não é somente em álbuns de viagem que se utiliza esta técnica, a sensação é que se constrói um livro de memórias onde cada vez que se lê/vê, tem-se uma visão diferente e todos podem participar da viagem conosco.
O mais interessante é que você pode montar as suas páginas com um estilo pessoal e não existe o certo ou errado.
Depois de olhar pras fotos; fatos e acontecimentos mudam o jeito de ver. Na montagem das coisas mais simples do dia-a-dia e até na harmonização das cores das roupas na hora de se vestir, o formato é de uma composição de scrap.
Agora, o scrapbooking já é, pra mim, um estilo de vida !”

Pois pra mim o scrap é simplesmente a melhor maneira de juntar todas as coisas que você faz numa viagem: lembranças, mancadas, boas comidas, ótimos passeios, experiências de todas os níveis, grandes refeições, etc. Enfim, é tudo aquilo que você necessita pra eternizar aqueles momentos já que além de ser uma tremenda releitura, também é uma bela forma de mostrar a viagem pra outras pessoas sem que elas durmam/finjam que gostaram! 🙂
Onde iríamos guardar um legítimo espinho dum porco cheio deles?

  

Eis alguns exemplos de  páginas que compõe os álbuns de scrap que a Dé fez sobre as nossas viagens (e são muitos):


Esta é sobre o Caminito. Não é o próprio??

DSC08628-2
Esta é sobre o Toronto Music Garden. Lá tem cada flor !! 
 
DSC08672-2
É claro que não poderia faltar a italiana Fontana di Trevi.  Prego!
 

Esta foi sobre um pequeno golpe que sofremos dum paquistanês (que era um bom fotógrafo): a rosa custou caro, mas nuca será esquecida.
 


Passeios peruanos serão lembrados eternamente.
 

Já esta é sobre os magníficos jardins do
Butchart Gardens, na Victoria Island no Canadá. 
 

Como esquecer do sex shop
La Boqueria em Barcelona?
 

Sabe que tivemos vontade de fazer cócegas na barriguinha do gatão?? rs
 

Nesta nos sentimos o próprio
Indiana Jones
 

Pagar mico parecendo um moal? Moi?

E pelo menos uma vez a cada dois meses, a Dé vai a loja de scrap, a Pedaços Scrapbook onde a Taís e a Flávia mostram todas as novidades. Ela aproveita pra comprar os materiais e assim, fazer o planejamento das páginas da viagem em questão ( agora está fazendo a Peruana). 

dsc07502-2

Normalmente, vou junto, deixo a Dé lá e me aboleto na FNAC.
Desta vez, nem passamos lá e marcamos pra nos encontrar com a Re no Beco do Bartô (estávamos adiando há um tempão), um bistrozinho que fica no mesmo beco da Pedaços .

Olha ! Certamente, torcerei pra que a Dé faça este álbum bem rapidinho pois assim, voltaremos e aproveitarei pra tomar um vinhozinho e comer alguma coisa enquanto ela escolhe  tudo.

dsc07485-2

Veja se é ou não de impressionar o estilo bistronomique do lugar!
Começamos pedindo águas com gás (é, estamos comportados), gelo, limão e ficamos, eu e a Re conversando e comendo uns pãezinhos enquanto a Dé fazia as suas compras scrapísticas!

Pedimos os pratos do dia. A Re foi de penne ao pesto com pedaços de queijo de coalho. 

A Dé de farfalle com muitos legumes grelhados.

E eu, de salmão com salada (fala a verdade, estou mais do que comportado! rs).

Tudo muito bom, saboroso e mediterrâneo ao extremo.

A Dé voltou pra Pedaços enquanto eu e a Re escolhíamos as sobremesas.

Uma foi um cheesecake macio, saboroso e suave. A Dé provou e aprovou.

 Eu, um pudim de tapioca com uma ótima calda de especiarias.

Tudo mais do que aprovado. Fiquei com a certeza  de que fazer scrap além de ser uma bela recordação da viagem, também é uma boa oportunidade de viajar na gastronomia. Pelo menos com a  dupla Pedaços/Beco do Bartô (Rua  Dr Sampaio Vidal, 216- Paraíso- SP . Eu juro que não é jabá. Pelo menos por enquanto, viu Victor !! rsrs)

Até a próxima página !

PS – Quer saber melhor o que é e como funciona o tal scrap? Mande um e-mail para debora@veran.com.br. Ela adorará dividir informações e experiências com pessoas  que estejam a fim de, no mínimo, ter uma ótima recordação da sua viagem.
Ah! Tem mais uma coisinha: a pérola que veio na porção de ostras que pedimos na África do Sul também está muito bem guardada!


DSC08657-2

.

 

dcpv – brasilia – simon e o aquavit

26/03/2011

Brasília – Simon e o Aquavit.

Vocês lembram que fomos mentalmente ao jantar babettiano que o Simon fez lá em Brasília?

Pois bem, desta vez a coisa foi real. Aceitamos o convite do sócio e partimos pra capital brasileira.

Um destino de comilanças  e bebelanças, ainda mais com experts como a Lourdes e ele nos guiando.

Não precisa nem dizer que a primeira noite foi dedicada a conhecer o Aquavit e o porque do Simon Lau ser escolhido o chef de 2010 pelo Guia Quatro Rodas Brasil.

Queríamos ver e sentir toda a “experiência voltada aos sentidos, baseada na mistura das culinárias dinamarquesa e brasileira“. Ainda mais depois do dinamarquês Noma ser eleito o melhor restaurante do mundo (em tempo: eu ainda não consigo entender como é que se chega a um resultado desses?)
Marcamos pras 21:00hs e chegamos um pouco atrasados (acho que estamos contaminando os Loguércio).

O lugar é lindíssimo. Uma bela mansão no Lago Norte e com uma vista pro próprio de tirar o fôlego.

Ela é muito bem decorada e ajuda muito o fato de saber que o Simon mora lá.

O restaurante funciona da seguinte maneira: um menu fixo (de duração de ~45 dias) com duas opções de entrada, duas de prato principal e uma sobremesa, além da possibilidade de se fazer uma harmonização com taças de vinho pra cada um dos pratos. E, melhor, ele dá a possibilidade que a pessoa escolha 3, 4 ou 5 pratos.

Tudo explicado, a Dé, obviamente escolheu o de 3; a Lourdes estava inspirada e optou pelo de 4 pratos.
O sócio e eu fomos no de 5, pois não deixaríamos ninguém com a curiosidade aguçada por não conhecer tudo o que se oferece por lá. rs

Isto posto, iniciamos os trabalhos propriamente ditos. O couvert chegou com pães, manteiga e um patê (Lourdes???).

Como entrada comum a todos os presentes, uma terrine de lagosta com gelatina de mexilhões, sorvete de abacate com pimenta, sorbet de grapefruit e farofa de peta. Este prato foi muito bem harmonizado com o espumante Poggio al Tesoro Solosole 2009 Itália.

Fizemos uma verdadeira conferência pra chegar ao veredicto. E chegamos a conclusão que apesar de tudo estar quase perfeito (farofa de peta é igual a farofa de biscoito de polvilho), tinha alguma coisa não cheirando muito bem no reino da Dinamarca: era a lagosta que por estar totalmente crua, trouxe junto um odor não muito agradável.
A próxima entrada também foi comum pra todos: sopa de tucupi com pescadinha assada e sagu, temperada com cebolinha e pimenta de cheiro sob crosta de mandioca. Esta teve aprovação total pois o caldo era muito saboroso, a  tal crosta de mandioca era deliciosa, finíssima, crocante e o sagu era realmente um sagu! rs

Tomamos um vinho branco Leyda duma uva bastante desconhecida, a Sauvignon Gris. Per-fei-to!
Pedimos uma porção extra de pães (pra Dé e pra Lourdes) e o terceiro prato chegou.

Este era pra fortes (e fominhas!): carne de barriga de porco cozida sous vide, com geléia de cajá-manga, vinagrete de mostarda, batatas cozidas e redução de porco.
Este prato, que parecia muito “folclórico” se mostrou delicado e delicioso. Nós, os homens, adoramos.

Ainda mais acompanhado do encorpado tinto sul-africano, o Remhoogle Roland Collection 2006.
Quarto prato (e mais pão pra Dé). Nós quatro comemos uma codorna desossada recheada servida com espaguete de palmito, redução de codorna e óleo de salsinha.

Que belo prato.  A  codorninha (mesmo) estava macia, tenra e o espaguete de palmito se contrapunha a doçura da carne. Mais um tremendo acerto.

Tomamos um vinho tinto francês St Espirit Côtes du Rhone 2008, que a Dé também recebeu uma taça apesar de não fazer parte do “pacote” dela. Uma atitude muito bacana do maitre.
Era necessário dar uma voltinha pra conhecer o lugar antes da sobremesa. E foi o que fizemos. Primeiroe mais uma vez, a vista noturna deslumbrante do lago.

Logo após, um passeio pela sala com várias obras de arte, sendo a maior, a mesma vista do lago.

Nos sentamos e todos encararíamos um Romeu e Julieta: suflê quente de queijo de minas, doce de goiaba, sorvete de goiaba e bolinho de chuva.

Demoramos um pouco no passeio (daí a arriada do suflê), mas o conjunto se mostrou, mais uma vez, perfeito.

Ainda mais com a escolta do Late Harvest Moscatel Santa Rita 2009 Chile.
Puxa, chegamos ao fim. Cafezinho, risadas, mignardises, risadas, conta e não tantas risadas. 🙂

Resumo da noite: se o Simon é realmente o melhor chef do Brasil, eu não sei.
Mas sei que hoje passamos uma grande noite, comendo uma grande comida, num grande lugar e numa grande companhia.

Acho que basta pra dizer que ir a Brasilia e não conhecer o Aquavit é uma imenso pecado, né não?

.

dcpv – da cachaça pro vinho – provence – huitième jour – a procura da lavanda perfeita junto com o pablo picasso.

11/07/2010

dcpv – Provence – Huitième Jour –  A procura da lavanda perfeita junto com o Pablo Picasso.

Mais um dia na bela Provence.

E este incorporaria definitivamente um quarto elemento à família, a Maria do GPS, a grande figura que sempre nos manda virar “na segunda na rotunda”. Pra quem não sabe, rotunda é uma rotatória.

O programa seria caçarmos as lavandas. Ou melhor, os campos de lavanda já que estamos em plena safra daquelas magnéticas flores.
Saímos cedo, mas antes tomamos café em Gordes.

E com um tempo pra passar no marchezinho e abastecermos os olhos com tomates de todos os tipos e cores, …

… vagens malucas, …

… pimentas ardidas e …

… a clara intenção de levar pelo menos uma destas cabeças de alho pra grande Ferraz de Vasconcelos.

Logo após, uma visita na mais manjada das localidades lavandísticas do pedaço: a Abbaye Notre-Dame de Sénanque, que fica bem perto de Gordes.

Ela é uma abadia bem bonita e um ponto turístico dos mais “crawdeados”.
Confesso que esperávamos um pouco mais das lavandas que não estavam totalmente roxas, mas a arquitetura do prédio é de impressionar.

Dali fomos pra Saignon. Dizem que a região próxima a ela é profícua nas flores típicas da Provence.

Achamos e elas eram bem bonitas, …

…, mas ainda não eram as que imaginávamos.

Enquanto isso, víamos substitutos à altura e tão encantadores quanto elas: os girassóis que também estão florindo nesta época em praticamente todos os cantos desta região.

Através duma dica da Rachel Verano, reservei pela internet entradas prum passeio guiado pelo Chateau de Vauvenargues.

Mais uma cidade bonitinha (a quantidade delas por aqui é inimaginável) e próxima a Aix (é, andamos bastante).
Ou seja, rodamos pra chuchu  e a Maria GPS quebrou altos galhos.

O Castelo é lindíssimo e tem uma particularidade: é do Pablo Picasso. Ele morou e criou um montão de obras por lá no período de 1959 a 1961,

Inicialmente fiquei bastante contrariado por não permitirem fotos, mas após ao final do tour, concordei.
Afinal de contas, é muito mais interessante prestar atenção em tudo o que  a guia fala (e neste caso,  o nosso tradutor simultâneo da marca Renata funcionou muito bem) do que perder alguma coisa com focos e enquadramentos).

Sobrou um registro fantástico de dados sobre o Pablito. A sua mais completa admiração por Cézanne; o seu processo criativo; a sua maluquice; o seu jeito de viver a vida da melhor maneira; a sua intensidade em tudo o que fazia e a certeza que jamais veremos/leremos alguma coisa sobre ele sem nos interessarmos muito mais.

Além da arquitetura do castelo que é admirável e de todas as obras de arte que ele criou e que estão por lá.
E tem mais: o banheiro é incrível (com medidas desproporcionais. Parece que você está num daqueles sonhos malucos) e conta com uma obra exclusiva, já que ele cismou com um revestimento de cimento que estava sendo feito e pintou sobre ele na hora da sua execução e antes da secagem. Ou seja, a parede vale milhões!

Comemos alguma coisa rapidamente por lá mesmo (paninis, água e cerveja) e resolvemos dar um pulo em Valensole.

Também era longe, mas queríamos ver a quantas andava  a verdadeira floração das lavandas.

Partimos pra lá com uma imagem montada e qual não foi a nossa surpresa ao avistarmos a dimensão de tudo.

São campos, campos e mais campos e tudo te deixa mais do que emocionado.

Resolvemos procurar por fazendas mais bem aparelhadas e nos embrenhamos pelas estradinhas (grato, Maria).

Fomos rapidamente recompensados pois avistamos plantações perfeitas e extremamente bem cuidadas.

Até a tal clássica e lindíssima foto com a árvore no meio delas foi possível fazer.

E a da família também!
Fala a verdade, é ou não é o mais belo campo de lavandas e luzes?

Uma verdadeira covardia!
Deftig, schoon, skøn, kaunis, beau,  gyönyörû, indah, uruwashii, formosus, прекрасный, bello, zuri, vacker, enfim, belíssimo.

No caminho da volta, conhecemos brevemente Lacoste.
Chegamos, vimos e fomos embora, sem comprar nenhuma camiseta.

O nosso dia estava mais do que ganho e resolvemos ficar no hotel tomando um belo champanhe (na terra deles), comendo um queijo comprado na feira (uma especialidade deles) e assistindo a Espanha ser campeã do mundo de futebol (uma especialidade nossa).

Nada mal, né não?
Au revoir e até Chateauneuf du Pape.

.

dcpv – da cachaça pro vinho – lima – peru – la glóóóóóóóriiia!

directamente de Lima
dia uno – 09/10/09

dcpv – Lima – Peru – La Glóóóóóóóóriiia!

Primeiro dia da nossa viagem ao Peru.

DSC01999-2

Voo tranquilo, chegada mais ainda (excetuando-se um passageiro que se dizia “embaixador” e achava que o avião era dele !! rsrs).

DSC02040-2

O hotel Miraflores Park, situado do no bairro de Miraflores (que coincidência!) é excelente, extremamente bem localizado e de frente pro mar.

DSC02042-2

Deixa eu explicar melhor este de frente pro mar:  Lima é provavelmente a cidade litorânea mais curiosa do  mundo. Na verdade, ela não está ao nível do mar já que a praia fica lá embaixo!

DSC02163-2

A cidade toda está 100 m acima do nível do mar!  Existe um grande barranco separando-os.
E além disso, o fog limenho é tão famoso quanto o londrino! Lá não chove (as casas não tem telhados), mas em compensação, também não faz sol!
É o dia todo nublado e com aquela cara que vai chover … Barranco e fog. Muito interessante!

DSC02075-2

Com esta topografia, surge uma alternativa arquitetônia inusitada. A possibilidade de vista pro mar é infinita!

DSC02193-2

Com esta indicação da natureza, alguns arquitetos criaram o projeto do shopping Larcomar que fica exatamente neste barranco. Com as lojas (algumas maravilhosas e de coisas peruanas da “chema”), restaurantes, cinemas e até estacionamento distribuídos nestes desníveis; este shopping é um capítulo à parte no quesito “vista pro mar”! Ah, ele fica ao lado do hotel!

DSC02035-2

Como complemento do dia que vimos o fog limeño (grande novidade!), fomos à noite, ao restaurante La Gloria que fica bem no centro de Miraflores.

DSC02063-2

Fizemos a reserva (que é parte duma uma experiência que depois conto mais sobre, com a agência que faz tours especializados Gouté) e chegamos no horário: 20:30 hs.
E lá vou eu bater na mesma tecla. No Peru, assim como no resto do mundo, as reservas pra qualquer horário funcionam. Será que um dia seremos primeiro mundo (neste quesito) como o Peru?

DSC02046-2

La Gloria fica num casarão velho espanhol (coisa recorrente aqui em Lima), com uma decoração bem sóbria (quadros e fotos nas paredes) e estava cheio de gente bacana (coincidência, encontramos o “embaixador” do nosso voo por lá!!)
Ele tem como tema os deuses gregos e um lema excelente: cocinanos para usted e para nosotros.
O cardápio e a carta de vinhos são baseados nestes deuses e são bem extensos.

DSC02064-2

Começamos com várias dúvidas, escolhendo a entrada (é, a Dé foi só de principal).
E foram Conchas a la parrilla com manteiga de limão e alho crocante. Deliciosas e só pra  deixar a coisa mais clara, conchas são vieiras e neste caso, com corais!

DSC02051-2

Como principal, eu fugi à regra e escolhi atum (não sou muito fã deles!). Lomitos de atum grelhados com aroma de eucalipto cordilheirano e cebolas-bebê com vinagrete de zarzamora. Ele, o atum, estava se desmanchando na boca. Excelente!

DSC02061-2

A Dé pediu uma Corvina em salsa de chutney de manga e curry e risoto de coco. Taí, uma grande e simples ideia. Um risoto com gosto e textura de coco. Delícias pois a corvina complementou muito bem o risotto!

DSC02057-2

Tudo isso acompanhado por um vinho branco, o Viogner Escorihuela Gascon 2008 Mendoza.

DSC02059-2

E um suave Borrachito de coco com emulsão de curry, bolitas de pera com mel de chancaca como sobremesa. Tem mais, o borrachito, um bolo que é bem macio e encharcado (e não é o Nelson Ned manguaçado !) parece um daqueles bolos de aniversário que as nossas mães faziam e que  enrolavam em papel alumínio!

DSC02066-2

Pronto! A primeira missão foi cumprida  e com louvor!
Vamos desvendar os segredos dos incas. Ou, no mínimo, o do porque da culinária peruana estar tão na moda?

DSC02047-2

Hasta !

.


É só inserir o seu email, clicar no botão "Seguir" e a cada novo post publicado aqui, você receberá uma mensagem com o link. É fácil, qualquer criança brinca, qualquer criança se diverte! :)

Junte-se aos outros seguidores de 654

Comentários

Blog Stats

  • 1.448.714 hits
julho 2020
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos

Atualizações Twitter