Posts Tagged 'zurich'

dcpv – tríti iméra – suíça/grécia – vitznau/santorini – do primeiro para o terceiro e maravilhoso mundo grego.

27/09/2019

Tríti iméra – Suíça/Grécia – Vitznau/Santorini – Do primeiro para o terceiro e maravilhoso mundo grego.

Hoje seria, teoricamente, um dia perdido.

Afinal de contas, voaríamos da Suíça, …

… onde ficamos numa conexão de dois dias, …

… para a Grécia.

E num voo de Zurich direto pra Santorini.

Vamos começar do princípio.

O dia amanheceu lindamente, …

… o suficiente pra tomarmos aquele café da manhã especial, …

… dar mais uma bela olhada no Park Hotel Vitznau, …

… com suas adegas suntuosas …

… e diríamos, até extravagantes …

… suas piscinas …

… mais do que resplandecentes e …

… rumamos pro aeroporto de Zurich.

Antes de chegarmos lá pra entregar a nossa máquina, …

… uma Masseratti Levante, …

… fomos conhecer Zug.

Ela fica no caminho e …

… é conhecida como a cidade das cerejas.

E ela não deixou nada a desejar.

É uma mistura de lugar contemporâneo com um charme incrível, …

… e melhor, …

… com o lago a disposição.

Achamos um estacionamento próximo do Zentrum e …

… descobrimos um parque com um belíssimo …

… jardim de rosas.

Todo o centro é super charmoso …

… com muitas torres …

… relógios particulares …

… e muitas fontes …

… lindíssimas.

A região mais próxima ao lago Zug …

… também é sensacional …

… com marinas e …

… restaurantes aconchegantes.

Taí um lugar pra deixar na lista …

… pruma próxima visita a Zurich, …

… que com os preços que a Swiss está praticando …

… certamente será em breve.

Já estávamos quase no horário, …

… então partimos pro aeroporto de Zurich.

Devolvemos o bólido e …

… fomos curtir os serviços de lá.

É quase que um shopping completo …

… com inclusive, supermercados …

… e várias delicatessens.

Adoramos e certamente …

… faremos uma boa compra quando da nossa volta.

O restante foi curtir o tempo que tínhamos e quando percebemos, …

… estávamos embarcando pela Edelwaiss, direto pra Santorini.

O voo, …

… de quase 2,5 horas …

… foi ótimo e …

… deu pra aproveitar um cair do sol …

… de primeiríssima linha.

Chegamos perto das 19:00 hs em Santorini e …

… confesso, o choque foi grande.

Vocês sabem o que é sair do primeiríssimo mundo suíço, onde tudo funciona perfeitamente, …

… até as vaquinhas têm horários pra pastar e serem ordenhadas e chegar num aeroporto (???) semi indigente?

O próprio atendente da Hertz falava um inglês totalmente macarrônico e a ficha foi preenchida a mão e com lápis.

Pegamos o nosso possante (??) e zarpamos pra Oia (diga Ia). Pelo menos não tínhamos que nos preocupar com os amassados do carro! 🙂

As estradas são muito mal iluminadas e a nossa chegada ao Canaves Oia Suites …

… foi um pouco tumultuada, já que aparentemente o hotel fica na parte proibida pra veículos da cidade.

Achamos um lugarzinho pra estacionar, a Dé foi conversar na recepção e de repente, o tudo se descortinou.

O hotel é lindo, o quarto é lindo, …

… a vista é linda, enfim, o mundo é lindo! Hahaha

Foi o tempo de dar uma olhada em tudo, …

… tomar um banhão rapidaço e …

… ir jantar no restaurante Petra do próprio hotel, …

… que é simplesmente maravilhoso.

De frente pra Caldeira, …

… as mesas ficam praticamente dentro do mar e a comida é sublime.

Iniciamos tomando duas flutes duma Deutz porque a ocasião merecia.

É claro que escolhemos peixes.

A Dé foi de Black Code …

… e eu, um com uma casquinha crocante e extremamente saborosa.

Acompanhamos com duas taças de vinhos brancos da casa.

É claro que experimentamos uma sobremesa divina que encerrou o dia duma forma inesquecível.

Sem contar que, devido a nossa demora em pegar o carro, acabamos não vendo Santorini, …

… ou melhor Oia, ou melhor a Cratera, com a luz do dia.

Caramba, precisamos dormir logo …

… pra acordar com certamente, uma das vistas mais bonitas de todos os tempos.

Nos aguardem!

Estamos nos sentindo como crianças na noite da véspera de Natal e no aguardo dos presentes!

Opa.

Veja os outros dias desta admirável viagem:
Proti iméra – Grécia/Suíça – Vitznau – Que cachoeira e que hotel!
Defteri iméra – Grécia – Suíça – Lucerna e Lauterbrunnen, a dupla Lu-La perfeita.

.

dcpv – próti iméra – grécia/suíça – vitznau – que cachoeira e que hotel!

25/09/2019

Próti Iméra – Grécia/Suíça – Vitznau – Que cachoeira e que hotel!

O primeiro dia da viagem, normalmente, é perdido.

Certo?

Errado!

A Suíça entrou novamente neste roteiro por causa dos preços baratos das passagens da Swiss.

Marcello Brito, nosso anjo da guarda das viagens, pesquisou passagens pra Grécia e …

… só aparecia alguma coisa viável pela Swiss.

Tudo bem que teríamos que ficar pelos menos duas noites em Zurich, …

… mas certamente, isso não seria nenhum sacrifício. 🙂

Então, partimos de Cumbica num dos melhores horários de todos os tempos (18:10) e …

… com a precisão suíça, chegamos às 10:30 em Zurich.

Como ficamos na cidade da última vez…

… optamos por nos hospedar no Park Hotel Vitznau, …

… que é próximo de Lucerna.

Só que como chegamos cedo, optamos por passear um pouco antes do checkin.

Fomos direto pra Rhein Fall.

Elas são as famosas cataratas do Rio Reno, que ficam próximas de Schaffhausen.

Dirigimos quase meia hora e com chuva até lá e …

… quando chegamos, surpresa!

O tempo abriu e um sol radiante apareceu.

Foi o suficiente pra percebemos o quanto este parque é incrível.

O visual é de primeiríssima linha e …

… tivemos vistas incríveis …

…. não só da própria cachoeira …

… bem como de todo o entorno.

Acabamos nem passeando de barco, …

… já que o jet lag estava nos dando uma leve castigada, …

… mas conseguimos ter prazer suficiente …

… pra nutrir as nossas almas.

Como estávamos bem perto, …

… optamos por conhecer o centro de Schaffhausen.

Ela é uma cidade até que grande pros padrões suíços e …

… tem uma atração imperdível.

Fortaleza de Munot chama a atenção em qualquer lugar que você esteja.

E a característica dela, …

… além do seu valor histórico, …

… são as videiras que estão no seu jardim inclinado.

Ficamos bastantes surpresos, …

… uma vez que uma boa parte das suas uvas …

… ainda não tinham nem sido colhidas.

De qualquer forma, …

… a visita à construção, que é gratuita, …

… é fantástica.

Só o seu salão principal, …

… com excelentes vistas de cidade e iluminação natural …

… já valeriam a pena.

Aproveitamos que o tempo estava meio lusco fusco …

… pra almoçar por lá.

E numa legítima cantina italiana (???) …

… onde todos os atendentes falavam italiano. Capisce?

Foi fácil pedir um gnocchi pra Dé …

… um fusilli ao quatro formaggio pra mim …

… além de duas taças dum bianchetto da Sicília.

Como estávamos devidamente abastecidos, …

… resolvemos dar uma pequena passeada pela cidade e …

… ir direto pro hotel.

Que neste caso, fica em Vitznau.

Park Hotel Vitznau é um caso à parte.

O hotel é simplesmente sensacional e …

… o quarto que escolhemos, …

… o Stanford (batizado com o nome da universidade americana) …

… é fenomenal.

Super bem decorado, …

… com balcões com vista pras montanhas suíças e …

… especialmente, com uma surpresa que não contávamos.

Além de parar de chover, …

… o sol apareceu e …

… numa intensidade …

… que nos fez dar uma passada no bar …

… pra tomar flutes de Champagne e …

… curtir imagens inesquecíveis.

A junção das montanhas suíças …

… com o reflexo da água do lago Lucerna …

… resultou em imagens …

… arrebatadoras e indeléveis..

Incrível como um tramonto destes …

… tem o poder de transformar …

… o astral de tudo.

No nosso caso, parecia que estávamos …

… viajando há um tempão e …

… totalmente adaptados ao fuso horário.

Para tanto, tomamos um banho rápido e …

… fomos jantar no restô mais descontraído do hotel.

E acertamos.

Os mimos de praxe foram …

… devidamente enviados pelo chef.

Escolhemos uma salada de alface crocante com telha de parmesão e um belíssimo molho de iogurte como entrada.

A Dé foi de Saint Peter como principal, …

… enquanto eu escolhi um estiloso ravióli de lagosta.

Ambos excepcionais, ainda mais com o acompanhamento um legítimo Rossj Bass 2017 by Gaja.

Foi o grand finale …

… dum primeiro grandíssimo dia de viagem.

Só nos restou subir 4 andares  e …

… realmente agradecer pelo início auspicioso …

… duma viagem que promete ser das melhores.

Veremos, ainda mais em terras gregas!

Hasta.

.

 

dcpv – tag sechs – suíça – zurich/andermatt – bondinhos de todos os tipos: circulares, teleféricos, regulares e até conversíveis.

03/08/2020 (bondeado em 31/07/2019)

Tag Sechs – Suíça – Zurich/AndermattBondinhos de todos os tipos: circulares, teleféricos, regulares e até conversíveis.

Hoje conheceríamos o que acredito ser a Suíça mais roots.

Tomamos o nosso café da manhã de primeiro mundo no The Dolder, …

… demos um até logo pra ele (certamente retornaremos em breve) …

… e rumamos pra Stanserhorn.

Ah, a Pink literalmente deu bolo! Hahaha

O caminho natural seria passando pela querida Lucerna.

Desfrutamos bastante, apesar do tempo voltar a ser instável.

Incrível como a coisa toda muda rapidamente aqui na Suíça.

Chegamos em Stanz, …

… estacionamos, …

… pagamos os nossos tickets prereservados, …

… subimos a primeira parte do trecho no formato mais tradicional possível, …

… no bom e velho bondinho …

… que anda devagar pra caramba …

… e que te faz obrigatoriamente curtir bastante a paisagem.

Note que tudo estava muito nublado.

Já depois da primeira parada, trocamos de bondinho.

E aí entrou em ação um teleférico com uma característica bem curiosa: …

… ele é conversível.

Como conversível?

É isto mesmo.

Ele tem uma parte convencional coberta, …

… a térrea, …

… mas também tem o segundo andar conversível …

… onde você sobe através de uma escada (é, estava ventando. Hahaha) e …

… curte a paisagem ao ar livre.

Demais!

Tudo bem que não tem muito o que fazer lá em cima (ainda mais com tudo nublado), …

… além de tomar um bom café e …

… tentar ver alguma coisa.

Demos uma olhada na boa lojinha e …

… descemos.

Mais uma vez, passear na parte aberta do bondinho conversível,…

… faz de Stanserhorn um passeio imperdível.

Tudo bem que terminar no bondinho caquético …

… te faz refletir se este não representaria o Brasil …

… e o conversível, a Suíça.

De lá, …

…partimos para Engelberg.

Fomos direto para o Monastério, …

… conhecer a lojinha, …

… famosa por produzir e vender produtos de alta qualidade, …

… especialmente queijos.

Compramos algumas coisas e …

… aproveitamos pra curtir a segunda experiência com bondinhos no Monte Titlis.

Este passeio é muito famoso e …

… normalmente está lotado de turistas.

Foi o que aconteceu, …

… mas como tinha comprado pela Internet, …

… não tivemos nenhum problema.

O trecho também é dividido em duas partes.

Só que neste caso, a primeira é muito mais interessante que a segunda.

Na primeira, o trecho é feito naqueles teleféricos convencionais, …

… só que fechados com vidro, …

… que além de te dar uma maior liberdade, …

… ainda te proporcionam fazer o trecho individualmente.

A paisagem é estonteante e …

… a pequena abertura do tempo colaborava para isso.

Já na segunda parte, uma multidão entra no trenzinho giratório e …

… você tem a sensação de estar na hora do rush na Central do Brasil. Hahaha

É claro que o fato de estar tudo muito nublado colaborou para esta reação.

Os passeios lá em cima até são interessantes, …

… tais como o Cliff Walk, …

… uma ponte que liga duas montanhas …

… além do contato com a neve mesmo.

O restante foram lojinhas bem ruins, …

… um restaurante que cheirava forte a temperos indianos e …

… a vontade que tivemos de sair de lá o mais rápido possível.

Na volta, descemos do teleférico no primeiro nível, …

… pra observar o belíssimo lago Trubsee, …

… com recantos incríveis e …

… paisagens de tipicamente suíças, …

… daquelas de tirar o fôlego.

Até vaquinhas dançantes com os seus …

… sininhos sonoros nós vimos (e ouvimos).

Descemos definitivamente e …

… rumamos pra Andermatt.

Chegamos ao hotel The Chedi e ficamos de queixo caído (thanks, Marcello Britto, Que bela dica).

O hotel é fenomenal.

Todo muito bem decorado, …

… com soluções incríveis para os espaços …

… e quartos imensos, …

… muito, …

… mas muito bonitos.

Estávamos mais do que satisfeitos com tudo, inclusive com a vista do quarto.

Como o tempo urge, …

… decidimos dar uma saída pra conhecer …

… o que ainda não tínhamos visto por aqui.

Dentre os locais, o passo de São Gotardo era um deles.

Só pra lembrar, passo ou Pass são aqueles serpenteios das estradas …

… pra resolver o problema de desníveis grandes existentes por aqui.

E a referência pra ver este Passo, seria o Chiosco Panorama, …

… uma lanchonete italiana, …

… sim, já estávamos na Suíça italiana, …

… onde tomamos um café com paisagem …

… e descobrimos, quase que sem querer, …

… que o Passo Primola, próximo ao São Gothardo, …

… parecia ser o ideal pra se explorar.

E foi mesmo.

Ele é todo feito de paralelepípedos, …

… com curvas de 180 graus, uma após a outra.

Vibramos muito com tudo, …

… mesmo porque ele estava totalmente vazio, …

… o que nos permitiu curtir muito o visual, …

… parar a hora que queríamos e …

… em qualquer lugar da estradinha.

Foi realmente incrível, …

… com cachoeiras …

… e lagos que também fizeram parte do tour, …

… junto com as indefectíveis vaquinhas dançantes (acho que esta bonitona cantava também)

Retornamos pro hotel, …

… mas antes passamos em Teufelsbrucke, …

… mais conhecida como a Ponte do Diabo.

Existe uma lenda neste local, …

… que diz que pra fazer a ponte, foi feito um pacto com o Diabo, …

… que assim que ela estivesse pronta, a primeira pessoa que passasse na ponte teria a sua alma confiscada pelo Danado.

Tentaram enganar o Diabo, colocando uma cabra pra atravessar …

… mas ele ficou nervoso e o negócio foi colocar cruzes pra afugentá-lo.

Sem contar que as paisagens, tais como cachoeiras, …

… rios translúcidos …

… e pontes executadas …

… nas mais diferentes épocas, …

… transformaram tudo numa grande experiência.

Como sempre, em dias de troca de hotel, …

… optamos por jantar lá mesmo.

Antes, tomamos duas flutes de Taittinger Rosé …

… no transado bar.

Note que até um Hall off Fame de esqui …

… foi montado no ambiente.

E no The Restaurant, …

… um interessante lugar …

… onde o tema é mostrar pra cada um dos ingredientes principais, …

… dois formatos de cozinha, …

… uma, a tradicional Suíça …

… e outra, a asiática.

Escolhemos iniciar com Dim Suns …

… rolinhos primavera …

… excelentes, por sinal, …

… e a Dé pediu uma truta confitada que estava dos deuses.

Eu pedi um Monkfish saboroso, temperado e …

… ambos harmonizaram muito bem com branco Rossj Bass do Gaja (de novo).

Pronto!

Estávamos preparados pra dormir o sono dos justos …

… e com a certeza, sem parcialidade, de que a parte italiana da Suíça é a mais bacana de todas! Hahaha

Arrivederci!

Veja os outros dias desta estupenda viagem:
Tag ein – Suíça/Liechtenstein – Zurich/Vaduz – Museu de árvore? Adega do Príncipe?
Tag zwei – Liechtenstein/Alemanha/Suíça – Visitando 3 países num dia só e de carro.
Tag drei – Suíça – Zurich/Basel – City tour guiado e museu Vitra Design combinam? Sim e muito.
Tag vier – Suíca – Zurich – Furka Passs and my name is Luz, Eduluz e com licença pra jantarmos com a Pink.
Tag fünf – Suíça – Zurich – Lucerna e Pink: duas superstars.

.

dcpv – tag vier – suíça – zurich – furka passs and my name is luz, eduluz e com licença pra jantarmos com a pink!

24/07/2020 (curtido em 29/07/2019)

Tag vier – Suíça – ZurichFurka Pass and my nome is Luz, EduLuz e com licença pra jantarmos com a Pink!

Encontrei a Ultimate Driving quase que por acaso.

Queria fazer um tour diferente na Suíça e não encontrava nada além dos corriqueiros cities tours.

Foi quando cheguei na página da internet deles.

Eles alugam carros esportivos, …

… mas normalmente para pacotes de viagens.

Só que têm um passeio self de um dia só bastante original.

Você aluga o carro, eles te indicam um roteiro …

… com horários e pontos de parada definidos …

… você pega a sua máquina e dirige pelos tapetes suíços.

E este trajeto é muito bem bolado …

… porque você passa por vários lagos, …

… geleiras e encara diversos Pass …

… que são aquelas famosas estradinhas com um monte de curvas fechadas que ficam nos Alpes Suíços.

Enfim, previsão de “good times”.

Iniciamos o dia saboreando …

… o ótimo café da manhã do Dolder.

Fomos de carro até o escritório da Ultimate Driving.

A Aleksandra nos esperava por lá.

É claro que nos perdemos e não chegamos no horário previsto.

Mas deu tudo certo, pegamos a nossa máquina, …

… um belíssimo Jaguar F Type e iniciamos o tour dando uma volta por Zurich.

Tudo bem que no papel, o passeio é descrito na forma ideal.

Só que precisa combinar com os russos, …

… que neste caso são o trânsito e o GPS.

Bom, trânsito não tem jeito porque todas as grandes cidades do mundo tem congestionamentos.

E quando se está num Jaguar FT conversível, tudo é maravilhoso.

Já o GPS oferecido por eles, em tempos de Waze, …

… passa a ser igual a usar mimeógrafo pra fazer cópias. Do you know?

Entramos na auto estrada com a capota abaixada e …

… aí percebemos que é romântico, …

… mas pouco prático, já que não se escuta nada além do barulhão do ar deslocado (e o cabelo ficar todo rebelde e esvoaçante).

Com a capota fechada, fizemos a primeira parada …

… no majestoso Park Hotel Vitznau.

Foi só pra tomar um bom expresso, …

… mas foi o suficiente pra perceber a categoria do lugar.

E aproveitamos pra dar uma boa xeretada em tudo.

As adegas são impressionantes.

Note a sala especial do Chateau d’Yquem (dica da Marcia e do Vianney)…

… que contém maravilhosas e inúmeras garrafas deste néctar.

Sem contar as “botiglias” especiais de ícones reconhecidos.

Curtimos bastante a paisagem e …

… seguimos pro que seria a nossa experiência com os Pass descritos lá em cima.

O primeiro seria o Susten Pass.

Rodamos bastante, …

… curtimos muito o carro (Luz, EduLuz), …

… que é sensacional e …

… quando percebemos, chegamos.

Tudo ótimo, mas o tempo estava tão nublado e …

…  as montanhas com tantas nuvens …

… que acabamos não conseguindo ver nada.

Foi muito engraçado. 🙂

Quando estávamos desanimando, …

… o sol apareceu …

… e o próximo, o Grimsel Pass …

… se descortinou pra nós.

Foi tão espetacular…

… que uma nuvem emoldurou tudo …

… parecendo mais com a toalha …

… da Table Mountain, na Cidade do Cabo.

Como estávamos muito atrasados, …

… resolvemos continuar apreciando a paisagem e …

… aproveitar a potência do bólido (Luz, EduLuz).

Aos trancos e barrancos, …

… conseguimos chegar ao famoso Pass do 007, …

… o Furka e foi uma experiência incrível.

As curvas são bem definidas e …

… as paisagens são estonteantes.

Taí um passeio legal pra fazer com a família.

Continuamos mais um pouco e …

…  chegamos a Andermatt, …

… a cidade onde ficaremos brevemente por uma noite.

Enquanto isso, recalculamos tudo …

… percebendo que chegaríamos em cima da hora pra devolver o carro. Resultado?

Fomos direto e passamos por cima do Lago Zug e do Seerose, um bar bem bacana, já perto de Zurich.

Chegamos no horário, …

… entregamos o carro intacto (ufa) e …

… confirmamos que o povo suíço gosta muito de flores.

Passamos brevemente na sede da FIFA …

… sem correr muitos riscos (sabe como é, né?).

Retornamos pro hotel, porque tínhamos uma reserva no restô de lá e …

… não tínhamos comido nada decente o dia todo.

Chegamos, …

… demos uma olhada no ambiente e …

… quando olhei pra frente, …

… senti que uma brincadeira minha tinha se tornado realidade.

Desde que compramos ingressos especiais pro show da Pink, que acontecerá amanhã, ,…

… que eu venho dizendo pra Dé que ela iria jantar conosco no Dolder.

Sentamos na nossa mesa e quando olhei pro fundo do restô, percebi uma mulher totalmente isolada.

Pensei: caramba, como ela parece com a Pink? E não é que era ela mesmo?

Demos uma abordada de longe e ela gentilmente nos disse boa noite.

Gostamos tanto que aproveitamos pra transformar a noite em estrelada pedindo um Rossj Bass pra beber.

Como principais, a Dé foi de sopa de alcachofras …

… e eu, um tremendo Moules e Frittes.

Tudo muito fresco e saboroso.

Estávamos satisfeitos, …

… corpo e alma, …

… e só nos restava curtir a noite …

…. já que o nosso quarto estava no mesmo nível do lobby.

Night, good night!

Veja o primeiro dia desta estupenda viagem:
Tag ein – Suíça/Liechtenstein – Zurich/Vaduz – Museu de árvore? Adega do Príncipe?
Tag zwei – Liechtenstein/Alemanha/Suíça – Visitando 3 países num dia só e de carro.
Tag drei – Suíça – Zurich/Basel – City tour guiado e museu Vitra Design combinam? Sim e muito.

.

 

 

dcpv – tag drei – suiça – zurich/basel – city tour guiado e museu vitra design combinam? sim e muito.

19/07/2020 (muito bem vivido em 28/07/2019)

Tag drei – Suiça – Zurich/Basel – City tour guiado e museu Vitra design combinam? Sim é muito.

A meteorologia previu que choveria muito.

E que até faria um friozinho.

Não ligamos muito, tanto que faríamos atividades externas (afinal de contas, eles erram pacas).

Pra não esquentar muito a cabeça, fomos tomar o nosso café da manhã …

… no hotel e …

… tranquilamente.

Por sinal, um excelente café da manhã.

Encontramos com a Ana, do blog Pelo Mundo no saguão do hotel.

Ela é uma brasileira que mora em Zurich e faríamos um passeio guiado juntos …

… pelas principais atrações da cidade.

A previsão do tempo, infelizmente, estava correta.

Chovia muito, mas muito mesmo.

Mas como todos só tínhamos esta manhã para fazer o passeio, …

… lá fomos nós.

Iniciamos de forma inusitada pegando um bondinho pra descer pra cidade.

Complementamos com um tram pra chegarmos até a Estação Central.

Que por sinal é muito bonita.

Além de ter uma obra da Niki de Saint Phalle, …

… o anjo, que combina muito bem …

… com este espaço tão bonito.

Continuamos pela Banhofstrasse que é …

… a principal rua comercial da cidade.

E é muito interessante pois inicia com um comércio quase que popular, …

… pros padrões suíços …

… e termina no lago de Zurich …

… com lojas da mais alta grife.

Mais suíço, impossível.

A chuva continuava, mas adicionado o fato de ser domingo e …

… todos os comércios estarem fechados, …

… adoramos o fato de ter a cidade só pra nós.

E a Ana acrescentou muito ao tour, …

… já que por morar há muito tempo por aqui, …

… nos contou varias particularidades do cotidiano zuriquiano.

Visitamos todos os pontos turísticos famosos, …

… tais como Augustinegarsse, …

… Grossmunster, …

… Ópera, …

… Niederofstrasse e …

… outros menos votados.

Segue o necessário fotoblog:

Ainda tomamos um chocolate quente …

… porque a situação merecia (brrrrrrrrr).

Note que a chuva adicionou muito mais dramaticidade a tudo.

Finalizamos próximo das 12:00 hs e …

… aconselhamos fortemente fazer este passeio, …

… pois além de te posicionar sobre as atrações da cidade, …

… as informações que a Ana passou foram muito pertinentes e …

… deram um belo “up” na nossa viagem.

Nos despedimos, …

… pegamos o trenzinho de volta pro hotel e …

… zarpamos rapidamente pra Basel.

Ela fica perto de Zurich e …

… aproveitamos pra conhecer o Vitra , …

… um extraordinário museu de design.

Se bem que, na verdade, ele fica em  Weil am Rheim, na Alemanha.

Atravessamos tranquilamente a fronteira e …

… chegamos ao espaço por volta das 14:30.

Tínhamos uma hora antes do tour guiado e …

… tentamos almoçar no restô do museu.

Só tentamos, porque estava muito cheio e …

… como o serviço é lento (somos só nós que achamos os alemães meio estranhos?), …

… só deu tempo de tomar uma água …

… trocarmos os nossos vouchers por tickets (é melhor reservar pela internet) e …

… já sair correndo pro prédio principal do museu …

… que foi projetado por, …

… nada mais, nada menos, …

… que o grande queridinho Frank Gehry

A sua assinatura está marcada no formato arredondado …

… da construção.

Antes de mais nada, a Vitra …

… é uma marca suíça famosa de móveis e …

… após um incêndio que destruiu quase tudo em 1981, …

… decidiu contatar grandes arquitetos pra projetar …

… desde edifícios usados para a fabricação dos seus produtos, …

… como ícones da arquitetura para suas mostras.

Enfim, uma sacada genial.

Assim como geniais são as obras, …

… literalmente de arte, …

… que vimos lá.

Zaha Hadid projetou a curva …

… e famosa …

… Estação do Corpo de Bombeiros.

Temos obras do Renzo Piano, …

… do Tadao Ando, …

… por sinal, um prédio muito nipônico e …

… com a óbvia cultura oriental …

… impregnadas nele.

O tour foi guiado por um tiozinho alemão muito comunicativo.

Depois de tudo isso, faltava a cereja do bolo.

VitraHaus, que é como um tipo de CasaCor upgradeada, …

… só que com a exposição de vários ambientes decorados com móveis da Vitra e é uma construção embasbacadora.

Imagine você ver 12 casinhas teoricamente simples, daquelas que desenhamos quando crianças, …

… 4 paredes e um telhadinho com duas águas interpostas uma à outra, …

… só que em várias direções e formando um conjunto tão harmônico …

… que geram em você uma sensação de felicidade e estupefação?

Pois foi o que a dupla Herzog & de Meuron bolou.

E certamente passou pra posteridade, porque se a parte externa já te surpreende ao máximo, …

… a interna consegue fazê-lo ainda mais.

Verifique tudo isso no fotoblog que poderíamos chamar de encantador.

Ficamos babando na VitraHaus até as 18:00, horário de fechamento do Vitra Museum e …

… aproveitamos a proximidade para conhecer um pouco de Basel.

A chuva tinha dado uma amainada e …

… fomos direto pra downtown.

Como tudo estava maios uma vez bem vazio, foi tranquilo demais.

Estacionamos perto do Markethalle, …

… passamos pelo colorido e …

…  meio obscuro Parlamento, …

… coisa que se repete em todo lugar do mundo,…

… passeamos bastante pela cidade …

… que é muito bonita, …

… até chegar na catedral, a Basel Munster, …

… que está sendo recuperada …

… e vendo vistas do Rio Reno …

… com muita dramaticidade.

Ufa, estávamos cansados, andamos mais de 20000 passos e …

… decidimos retornar pro estacionamento.

Ainda tentamos ver a fonte Jean Tinguelay, …

… mas fizeram uma arena temporária de vôlei de praia em cima dela e …

… acabamos deixando pra ver esta atração para uma próxima vez.

Chegamos no hotel e como a chuva continuava, …

… optamos por comer no restô mais moderninho do Dolder.

O Saltz é bem diferente e tem uma decoração bem modernosa mesmo.

Pedimos uma burrata de entrada pra dividir, …

… tomamos meia garrafa dum Chassellas.

A Dé escolheu um exótico ceviche vegetariano, ou seja, sem peixe e muito bem temperado.

Eu, fui de vieras acompanhadas dum risoto acquarello e aspargos. Ambos perfeitos.

Como o dia todo foi bastante chuvoso, coisa que esperávamos na Suíça, …

… só nos restou dormir ouvindo aquele barulhinho gostoso dos pingos.

Bis Morgan!

Veja o primeiro dia desta estupenda viagem:
Tag ein – Suíça/Liechtenstein – Zurich/Vaduz – Museu de árvore? Adega do Príncipe?
Tag zwei – Liechtenstein/Alemanha/Suíça – Visitando 3 países num dia só e de carro.

.

 

dcpv – tag zwei – liechtenstein/alemanha/suíça – visitando 3 países num dia só e de carro.

14/07/2020 (vivido em 27/07/2019)

Tag Zwei – Liechtenstein/Alemanha/SuíçaVisitando 3 países num dia só e de carro.

O dia seria totalmente inusitado.

Pois não é sempre que se consegue passar por 3 países num dia só, …

… ainda mais de carro.

Então, comecemos pelo início.

Dormimos num dos menores países do mundo, …

… o glorioso Liechtenstein e …

… junto ao palácio do príncipe, o famoso Hans-Adam II (a majestade que nos multou e que fica nos olhando lá de cima!).

Tomamos um lauto café da manhã …

… por lá e …

… picamos a mula.

Foi-se o país número 1.

Rumamos com destino a Appenzell.

A cidade fica na parte tida …

… como a mais rural da Suíça.

Sabe aquelas imagens de montanhas que parecem campos de golfe (sem os buracos) …

… com vaquinhas bonitinhas pastando e …

… que dão a impressão que vão sair dançando e cantando? 🙂

Pois era isso mesmo (estas estavam no intervalo)!

No caminho todo.

Chegamos na cidade e …

… nos deparamos …

… com um ambiente agradável …

… com lojinhas bacanas, …